Batalha de Badr

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Batalha de Badr
Conquista de Meca
Data 13 de março de 624 (17 de Ramadan, ano 2 AH no calendário islâmico)
Local Badr, 130 km a sudoeste de Medina
Desfecho Vitória dos muçulmanos
Combatentes
Muçulmanos de Medina Coraixitas
Comandantes
Maomé Abu Jahl
Forças
313 900-1000
Baixas
14 mortos 70 mortos e 43-70 capturados

A batalha de Badr, ocorrida em 13 de março de 624 (17 de Ramadan do ano 2 depois da Hégira, no calendário islâmico) no Hejaz, região ocidental da Arábia (nos dias de hoje Arábia Saudita), foi uma batalha fundamental nos primórdios do Islão e uma virada de mesa na luta de Maomé com seus opositores, os coraixitas[1] , em Meca. A batalha tem sido transmitido na história islâmica como uma vitória decisiva atribuível à intervenção divina, ou por fontes seculares ao gênio estratégico de Maomé. Embora seja uma das poucas batalhas especificamente mencionados no livro sagrado muçulmano, o Alcorão, praticamente todos os conhecimentos contemporâneos da batalha em Badr provém tradicional dos relatos islâmicos, tanto hadiths e biografias de Maomé, escrito décadas após a batalha.

Antes da batalha, os muçulmanos e os homens de Meca haviam lutado inúmeras pequenas batalhas, em torno do final do ano de 623 e início do ano de 624, quando as Ghazah tinham tornado-se mais frequentes. A batalha de Badr, no entanto, foi o primeiro grande confronto entre as duas forças. Avançando para uma forte posição defensiva, Muhammad e seus bem-disciplinados homens conseguiram quebrar as linhas de Meca, matando vários importantes líderes Quraish incluindo um chefe, Amr ibn Hisham. Para os primeiros muçulmanos, a batalha foi extremamente importante porque foi o primeiro sinal de que eles poderiam derrotar os seus inimigos em Meca, que na época era uma das cidades mais ricas e poderosas na Arábia, que possuia um número de soldados três vezes maior do que a dos muçulmanos. Maomé assinalou a vitória a outras tribos, o que fez com que o colocasse ao nível de chefe do poder na Arábia, reforçando-o a autoridade pública, como líder da comunidade, o que muitas vezes não alcançou quando estava em Medina. Tribos locais árabes começaram a se converter ao Islão e aliar-se com os muçulmanos de Medina.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Maomé[editar | editar código-fonte]

No momento da batalha, a Arábia foi povoada por um número de povos de língua árabe. Alguns eram beduínos; organizada em tribos de pastores nômades, alguns eram agricultores que vivem tanto no oásis do Norte ou nas mais férteis áreas ao sul (agora Iêmen e Omã). A maioria dos árabes eram adeptos de numerosas religiões politeístas. Houve também tribos que seguiam o judaísmo, o cristianismo, e Zoroastrismo.

Maomé nasceu em Meca em torno do ano de 570 no clã Banu Hashim, da tribo dos coraixitas. Quando tinha cerca de quarenta anos de idade, ele foi surpreendido por uma revelação divina, enquanto ele se refugiava para rezar em uma gruta fora Meca. Ele começou a pregar as revelações primeiro entre seus amigos e familiares, após publicamente. Em resposta a sua pregação, houve muitos seguidores bem como perseguidores de sua fé. Durante este período Maomé foi protegido por seu tio Abu Talib. Quando seu tio morreu no ano de 619, a liderança do Banu Hashim passou para um inimigo de Maomé, Amr ibn Hisham[2] , que retirou a proteção e aumentou a perseguição religiosa contra a comunidade muçulmana.

No ano de 622, com as deflagradas torturas e perseguições contra os muçulmanos, Maomé e muitos de seus seguidores fugiram para a vizinha cidade de Medina. Essa migração é chamado de Hijra e marcou o início do reinado de Maomé como um político, bem como um líder religioso.

A batalha[editar | editar código-fonte]

Na primavera de 624, Maomé recebeu as informações de fontes de inteligência que uma caravana comerciante, comandada por Abu Sufyan e guardada por trinta a quarenta homens, estava viajando da Síria para Meca. Muhammad reuniu um exército de 313 homens, o maior exército posto em batalha que os muçulmanos tinham formado até então.

A marcha até Badr[editar | editar código-fonte]

Muhammad comandou o exército próprio e trouxe muitos dos seus principais tenentes, incluindo Hamzah e futuro califa Abu Bakr, Umar, e Ali. Os muçulmanos também trouxeram setenta camelos e três cavalos, o que significa que haviam de três a quatro homens por camelo.[3] Entretanto, muitas fontes muçulmanas, incluindo o Alcorão, indicava que a batalha não seria tão séria,[4] sendo que o futuro califa Uthman ficou para trás para cuidar de sua esposa que estava enferma.[5]

Enquanto a caravana se aproximava de Medina, Abu Sufyan começou a ouvir de moradores das redondezas sobre o plano de Maomé. Ele enviou um mensageiro chamado Damdam a Meca para alertar os coraixitas e obter reforços. Alarmados, os coraixitas enviaram um exército entre 900 a 1000 homens montados para salvar a caravana. Muitos deles nobres Quraishi, incluindo Amr ibn Hisham, Walid ibn Utba, Shaiba, e Umayah ibn Khalaf. Suas razões variadas: alguns foram para proteger os seus interesses financeiros na caravana, outros quiseram vingar Ibn al-Hadrami, o guarda morto em Nakhlah. Muitos deles contavam com a esperada fácil vitória sob os muçulmanos.[6] Amr ibn Hisham é descrita como envergonhar, pelo menos, um nobre, Umayah ibn Khalaf, em aderir a expedição.[7]

Enquanto isso o exército de Maomé se aproximava dos poços onde ele planejava atacar a caravana, em Badr, ao longo da rota comercial síria onde a caravana seria esperada. No entanto, vários observadores de campo muçulmanos foram descobertos pelos observadores da caravana[8] e Abu Sufyan fez uma manobra para desviar o curso da caravana para Yanbu.[9]

O plano muçulmano[editar | editar código-fonte]

Batalha de Badr E de quando Ele, para vosso sossego, vos envolveu num sono, enviou-vos água do céu para, com ela, vos purificardes, livrardes da imundície de Satanás, e para confortardes os vossos corações e afirmardes os vossos passos. Batalha de Badr

 — Alcorão: Al-A'raf, 11

Noites antes precediam a batalha, mensageiros muçulmanos informavam que mais soldados se juntavam a caravana dos coraixitas. Maomé imediatamente chamou um conselho de guerra, uma vez que ainda havia tempo para recuar e porque muitos dos combatentes haviam recentemente se convertido a religião, os quais tinham apenas se comprometido em defender Medina, de acordo com os termos da Constituição de Medina, que teria sido estabelecido o direito de se recusar a lutar e deixar o exército.

Batalha de Badr (Ó incrédulos) se imploráveis a vitória, eis a vitória que vos foi dada; se desistirdes, será melhor para vós; porém,se reincidirdes, voltaremos a vos combater e de nada servirá o vosso exército, por numeroso que seja, porque Allah está com os fiéis. Batalha de Badr

 — Alcorão: Al-A'raf, 19

No entanto, segundo os hadices, eles se comprometeram a lutar tão bem, como Said bin 'Ubada declara: "Se você Maomé pedir para mergulhar nossos cavalos no mar, iríamos fazê-lo." [10] No entanto, os muçulmanos ainda tinham a esperança de evitar uma batalha campal e continuaram a marcha para Badr.

Em 11 de março ambos exércitos estavam a cerca de um dia de marcha de Badr. Vários guerreiros muçulmanos (incluindo, de acordo com algumas fontes, Ali e Hamza), que participaram da coluna principal do exército e capturaram duas caravanas mecanas que estavam nos poços de Badr. Esperando-os a ouvir a captura das caravanas, os muçulmanos ficaram horrorizados ao ouvir dizer que o exército oponente estava com toda a força que tinha[10] . Alguns hadices também mencionam que, após a audiência os nomes de todos os nobres Quraishi estavam acompanhando o exército, Muhammad exclamou: "Meca expôs a melhor parte de seu fígado." [11] No dia seguinte, Muhammad ordenou uma marcha para Badr e chegou antes dos mecanos aos poços.

Os poços de Badr estavam localizados na encosta do lado oriental de um vale chamado "Yalyal". O lado oeste do vale foram envolvidos por uma grande colina chamada "Aqanqal". Quando o exército muçulmano chegou do leste, Muhammad inicialmente escolheu formar o seu exército, logo no primeiro poço que encontrou, Hubab ibn al-Mundhir, no entanto, lhe perguntou se esta escolha fora uma instrução divina ou uma opinião própria de Maomé. Quando Maomé respondeu-lhe que fora uma sua a escolha, Hubab sugeriu que os muçulmanos deveriam ocupam os poço mais próximos ao do exército Quraishi, e assim bloquear o acesso a eles. Muhammad aceitou esta decisão e mudou-se imediatamente.

O plano de Meca[editar | editar código-fonte]

Batalha de Badr [The] [Os] árabes vão ouvir como nós marchamos para frente e do nosso poderoso encontro,e eles irão para sempre permanecer com temor de nós.. Batalha de Badr

 — Abu Jahl

Por outro lado, pouco se sabe sobre o progresso do exército Quraishi do momento em que saiu de Meca até a sua chegada a Badr, várias coisas são dignos de nota: apesar de muitos exércitos árabes trouxeram suas mulheres e crianças ao longo de campanhas tanto para motivar como para cuidar dos homens, o exército de Meca não fez isso. Além disso, os coraixitas, aparentemente, fizeram pouco ou nenhum esforço para contatar as diversas tribos aliadas que havia espalhado por todo o Hijaz.[12] Ambos os fatos sugerem que os coraixitas não tivera tempo para se preparar para uma campanha adequada em sua pressa para proteger a caravana. Além disso, acredita-se, uma vez que sabiam que os muçulmanos eram em menor número esperavam uma vitória fácil.

Quando os Quraishi chegaram a Juhfah, ao sul de Badr, recebeberam uma mensagem de Abu Sufyan dizendo-lhes que a caravana estava a salvo por trás deles, e que eles poderiam, portanto, voltar a Meca.[13] Neste ponto, de acordo com Karen Armstrong, uma discussão irrompeu no exército de Meca. Abu Jahl queria continuar, mas vários clãs presentes, incluindo Banu Zuhrah e Adi Banu, decidiram retornar para casa. Armstrong sugere que eles podem ter se preocupado com o poder que Abu Jahl ganharia se esmagasse os muçulmanos. A tribo Banu Hashim queria voltar também, mas foi ameaçada por Abu Jahl para ficar.[14] Apesar dessas perdas, Abu Jahl ainda estava determinado a lutar, ostentando "Nós não vamos voltar até que tenhamos ido a Badr." Durante este período, Abu Sufyan e vários outros homens da caravana juntaram-se ao exército principal.[15]

O dia da batalha[editar | editar código-fonte]

À meia-noite de 13 de Março, os coraixitas levantaram o acampamento e marcharam para o vale de Badr. Tinha chovido no dia anterior e tiveram que se esforçaram para mover seus cavalos e camelos até a colina de 'Aqanqal. Depois que eles desceram do outro lado montaram o campo dentro do vale. Enquanto eles descansavam, enviaram um guerreiro, Umayr ibn Wahb para fazer um reconhecimento das linhas de muçulmanos. Umayr informou que o exército de Maomé era pequeno, e que não havia outros reforços muçulmanos que podessem se unir a eles para à batalha.[16] No entanto, ele também previu que os Quraishi teriam elevadas baixas em caso de um ataque (Um hadith se refere a ele ver "os camelos de [Medina] carregados de morte").[17] Devido as batalhas árabes serem tradicionalmente com poucas baixas esta previsão desmoralizou os Quraish, o que ocasionou outras disputas entre a liderança. No entanto, de acordo com as tradições árabes Amr Ibn Hisham anulou a dissidência apelando para a honra dos Quraishi e exigindo que cumprissem a sua vingança de sangue.[18]

A batalha começou com os campeões de ambos os exércitos apresentando-se para entrar em combate. Três dos Ansar emergiram das fileiras muçulmanas, apenas para ser expusos de volta aos gritos pelos guerreiros de Meca, que estavam nervosos por iniciar qualquer rixa desnecessária e só queria lutar com os muçulmanos Quraishi. Então Hamza caminhou para a frente do grupo e apelou para Ubayda e Ali se unir a ele. Os muçulmanos despacharam os campeões de Meca em uma luta de três contra três. Hamza matou seu adversário Utba; Ali matou seu adversário Walid ibn Utba; Ubayda foi ferido pelo seu adversário porém consegui mata-lo.

Logo em seguida, os dois exércitos começaram a lancar setas um contra o outro. Antes do ataque começar, Muhammad tinha dado ordens para os muçulmanos inicialmente atacar com suas armas de longo alcance, e só envolver o Quraish com armas brancas quando eles avançassem.[19] Finalmente, ele deu a ordem de carga, atirando um punhado de pedras, no que foi provavelmente um gesto tradicional árabe, enquanto gritava "desfigurem aquelas faces!"[20] [21] O exército muçulmano gritou "Ya Mansur amit!"[22] "Ó tu, que Deus fez vitorioso, mate!" e correram para as linhas Quraishi. Os Mecanos sem entusiasmo pela luta, prontamente recuaram. A batalha em si durou apenas algumas horas e terminou no início da tarde.[20] O Alcorão descreve a força do ataque muçulmano em muitos versos, referindo-se a milhares de anjos descendo do céu em Badr para aterrorizar os coraixitas.[21] [23] Deve-se observar que as fontes muçulmanas acreditam nestes detalhes literalmente, e há várias hadith onde Muhammad discute com o Anjo Jibril o papel que ele desempenhou na batalha.

Consequências[editar | editar código-fonte]

A batalha de Badr foi extremamente influente na ascensão de dois homens que iriam determinar o curso da história na Península Arábica no século seguinte. O primeiro foi Muhammad, que foi transformado imediatamente de um fugitivo de Meca em um grande líder. Marshall Hodgson acrescenta que Badr forçou a outros árabes "considerar os muçulmanos como desafiantes e herdeiros potenciais herdeiros para o prestígio e o papel político do [Quraish]." Pouco tempo depois ele expulsou a Banu Qaynuqas, uma das tribos judaicas em Medina a qual tinha ameaçando sua posição política, e que tinha assaltado uma mulher muçulmana, o que levou a sua expulsão por quebrarem o tratado de paz. Ao mesmo tempo, Abd-Allah ibn Ubayy, principal adversário de Maomé, em Medina, viu a sua própria posição seriamente enfraquecida. Daí em diante, ele só seria capaz de montar desafios limitados a Maomé.[24]

O outro beneficiário principal da batalha de Badr foi Abu Sufyan. A morte de Amr ibn Hashim, assim como muitos outros nobres Quraishi deu a Abu Sufyan a oportunidade de se tornar o chefe dos coraixitas. Como resultado, quando Muhammad marchou para Meca seis anos mais tarde, foi Abu Sufyan, que tratou de negociar a sua rendição pacífica. Abu Sufyan posteriormente tornou-se um funcionário de alto escalão do império muçulmano, e seu filho Muawiya mais tarde viria a fundar o Califado Omíada.

Posteriormente, ter lutado em Badr tornou-se tão significativo que Ibn Ishaq incluí uma lista completa, nome por nome, do exército muçulmano em sua biografia de Muhammad. Em muitos hadiths, os indivíduos que lutaram em Badr são identificados com formalidade, e pode mesmo ter recebido uma recompensa em anos posteriores.[25] A morte do último dos veteranos de Badr ocorreu durante a Primeira Guerra Civil Islâmica.[26]

Como Paul K. Davis resume, "a vitória de Maomé confirmou sua autoridade como líder do Islã; impressionando as tribos locais que logo se uniram a ele, iniciando com isso a expansão do Islã"."[27]

Execuções[editar | editar código-fonte]

Uma pintura de Siyer-i Nebi, Ali decapitando Nadr ibn al-Harith na presença de Muhammad e seus companheiros .

Após a batalha Maomé decidiu voltar para Medina. Ao seu retorno informou que tinha recebido uma revelação a respeito da distribuição de espólio de guerra.

De acordo com o estudioso muçulmano "Saifur Rahman al Mubarakpuri", um verso Alcorão foi revelado a ele ordenando a execução de um dos cativos, Nadr ibn-al Harith. Após esta revelação, Nadr bin Harith foi decapitado por Ali.[28] [29]

Mais tarde, a ordem para matar Uqba bin Abu Muayt foi dada, e ele foi decapitado por Asim Bin Thabit Ansari (algumas fontes dizem que o proprio Ali decapitou ele).[30]

Na cultura moderna[editar | editar código-fonte]

"Badr" tornou-se popular entre os exércitos muçulmanos e organizações paramilitares. "Operação Badr" foi usada para descrever a ofensiva do Egito em 1973 na Guerra do Yom Kippur. Operações ofensivas iranianas contra o Iraque no final de 1980 também foram nomeados de Badr.[31]

Durante o Guerra Civil Líbia em 2011, a liderança rebelde disse que eles escolheram a data do ataque a Trípoli por ser no dia do aniversário da batalha de Badr.[32]

A batalha de Badr foi destaque no filme de 1976 "The Message", e em 2004 no filme de animação "Muhammad: O último profeta".

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Armstrong, Karen. Muhammad: a Biography of the Prophet. [S.l.]: HarperCollins, 1992. ISBN 0-06-250886-5
  • Crone, Patricia. Meccan Trade and the Rise of Islam. [S.l.]: Blackwell, 1987.
  • Hodgson, Marshall. The Venture of Islam: The Classical Age of Islam. [S.l.]: University of Chicago Press, 1974. ISBN 0-226-34683-8
  • Lings, Martin. Muhammad: His Life Based on the Earliest Sources. [S.l.]: Inner Traditions International, 1983. ISBN 0-89281-170-6


A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está a atravessar um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a dar o seu contributo e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por WaldirBot (D C) 36 dias atrás. (Recarregar)

Referências

  1. Quraish refere-se a tribo que controlava Meca. O plural e adjetivo é coraixitas. O temo "coraixita" e "mecano" são usados entre a Hégira, em 622, e a Conquista de Meca, em 630.
  2. O ódio que muitos muçulmanos têm em relação Hisham pode ser visto em seu apelido, " Abu Jahl" (Pai de Ignorância), que é como a maioria dos muçulmanos o conhecem hoje.
  3. Lings, pp. 138-139
  4. Sahih al-Bukhari: Volume 5, Book 59, Number 287
  5. Sahih al-Bukhari: Volume 4, Book 53, Number 359
  6. Martin Lings, p. 139-140.
  7. Sahih al-Bukhari: Volume 5, Book 59, Number 286
  8. Ibn Ishaq comenta que Abu Sufyan pessoalmente vinha a frente da caravana, onde pode perceber os dejetos dos camelos deixados pelos observadores muçulmanos
  9. Martin Lings, p. 140
  10. a b Sahih Muslim: Book 19, Number 4394
  11. Martin Lings, p. 142
  12. Lings, p. 154.
  13. Lings, p. 142.
  14. Armstrong, p. 174
  15. Lings, pp. 142–143.
  16. Lings, pp. 143–144.
  17. Armstrong, pp. 174–175.
  18. Lings, pp. 144–146.
  19. Usc.edu: "Sunan Abu Dawud": Book 14, Number 2658. Página visitada em 16 setembro 2010.
  20. a b Armstrong, p. 176.
  21. a b Lings, p. 148.
  22. "Ó tu, que Deus fez vitorioso, mate!"
  23. quran|3|123|end=125 "Allah tinha ajudado voce em Badr, quando éreis uma força desprezível, então tema a Deus, assim podereis mostrar a tua gratidão § Lembre-te tu disseste aos fiéis: Não é o suficiente para você que Deus deveria ajudar-vos com três mil anjos (especialmente) enviados? § Sim, -., se vós permanecer firme, e agir corretamente, mesmo que o inimigo se apresentasse aqui com força total, o Senhor iria ajudar-nos com cinco mil anjos fazendo um ataque fantástico".§
  24. Hodgson, pp. 176–178.
  25. "Sahih al-Bukhari": Volume 5, Livro 59, Numero 357 (16 agosto 2010). Página visitada em 16 setembro 2010.
  26. Sahih Al-Bukhari: Volume 5, Book 59, Number 358.
  27. Paul K. Davis, 100 Decisive Battles from Ancient Times to the Present: The World’s Major Battles and How They Shaped History (Oxford: Oxford University Press, 1999), 95–96.
  28. Sealed Nectar, Page 274
  29. Sunan Abu Dawud no 2686 with Anwal Ma'bud 3/12
  30. Saifur Rahman Al-Mubarakpuri, 2002, DarusSalam Publishing,page 157
  31. Wright, Robin. In: Simon and Schuster. "In the name of God: The Khomeini decade". New York: [s.n.], 1989. ISBN 9780671672355
  32. Laub, Karin (21 August 2011). "Libyan Rebels Say They Are Closing In on Tripoli". Associated Press (via The Atlanta Journal-Constitution). Retrieved 21 August 2011.