Batalha de Bzura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde agosto de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Batalha de Bzura

Poland2.jpg

Segunda Guerra Mundial
Data 9 de Setembro de 1939 - 19 de Setembro de 1939
Local Às margens do Rio Bzura em Kutno, Polônia
Desfecho Vitória alemã
Combatentes
Flag of Poland (bordered).svg Polônia Flag of German Reich (1935–1945).svg Alemanha
Comandantes
Tadeusz Kutrzeba; Wladyslaw Bortnowski Gerd Von Rundstedt; Johaness Von Blaskowitz; Günther von Kluge
Forças
8 Divisões de Infantaria
4 Brigadas de Cavalaria
5 Divisões Motorizadas
12 Divisões de Infantaria
Baixas
Desconhecidas Desconhecidas

A Batalha de Bzura, também conhecida como Batalha do Rio Bzura e Batalha de Kutno, foi um contra-ataque polônes ocorrido durante a invasão da Polônia, na Segunda Guerra Mundial. As forças polonesas atacaram o flanco esquerdo do 8º Exército, que se dirigia à capital polonesa, Varsóvia. Embora as forças polonesas envolvidas tenham sido todas derrotadas, o ataque atrasou o avanço alemão e deu tempo para o exército polonês organizar parte de suas defesas.

A Batalha[editar | editar código-fonte]

No dia 9 de Setembro, o Exército Poznan Polonês fez um contra-ataque da área sul do Rio Bzura, cujo alvo era as Divisões alemãs que avançavam entre as cidades de Łęczyca e Łowicz. A principal força polonesa ficou concentrada na área de Stryków. No lado direito da ofensiva havia a Brigada de Cavalaria Podolska, e no lado esquerdo, na área de Glowno, havia a Brigada de Cavalaria Wielkopolska. Devido à vantagem em números e à surpresa alemã, os poloneses conseguiram causar consideráveis baixas entre seus inimigos, matando, aproximadamente, 1500 soldados alemães. As forças alemãs recuaram aproximadamente 20 km ao sul, e os poloneses recuperaram muitas cidades, incluindo Leczyca e Piatek. O 8° Exército alemão sofreu muitas baixas. No dia 10 de Setembro, a 17ª Divisão de Infantaria Polonesa encontrou a 17ª Divisão de Infantaria alemã em Malachowicze, onde houve uma luta sangrenta. Um dia depois, o Exército Poznan continuou avançando com as forças da 25ª Divisão e com a Brigada de Cavalaria Podolska, encontrando a 221ª Divisão de Infantaria alemã no sul de Łęczyca. Enquanto isso, as sobras do Exército Pomorze Polonês chegaram à área Wloclawek, Brześć Kujawski e Koło, mantendo as forças alemãs em alerta.

Subestimando inicialmente o avanço polonês, os alemães decidiram redirecionar suas principais forças, no dia 11 de Setembro, para o 10° Exército alemão e para o 4° Exército, e as reservas para o Grupo de Exército Sul, como também aviões para a 4ª Frota Aérea, para Bzura. No dia seguinte, os poloneses alcançaram a linha Stryków — Ozorków. Nesse mesmo dia, o General Tadeusz Kutrzeba foi informado que as unidades do Exército Łódź tinham se retirado da fortaleza de Modlin. Ao ouvir isso, Kutrzeba decidiu parar a ofensiva e tentar alcançar Sochaczew e a Floresta de Kampinos. Na manhã do dia 14 de Setembro, o grupo do General Wladyslaw Bortnowski começou a ação. A 26ª e a 16ª Divisões de Infantaria atravessaram o Rio Bzura na área de Łowicz e a 4ª Divisão de Infantaria alcançou a estrada que ligava Łowicz com Głowno. Depois, o General Bortnowski foi informado que a 4ª Divisão Panzer alemã estava se retirando dos arredores de Varsóvia. Temendo que a Divisão Panzer entrasse em ação contra suas forças no mesmo dia, ele ordenou que a 26ª Divisão de Infantaria se retirasse.

Cavalaria polonesa participa da batalha.

Nos dias 15 e 16 de Setembro, o Exército Pomorze assumiu posições defensivas no norte de Bzura. O grupo do General Stanislaw Grzmot-Skotnicki estava localizado entre Kutno e Żychlin, as unidades do General Michał Karaszewicz-Tokarzewski estavam na área de Gąbin, e as divisões do Exército Poznań - pelo Bzura, perto de Sochaczew, estavam prontos para o deslocamento para Varsóvia. Para cercar e destruir as forças polonesas, os alemães usaram a maioria do 10° Exército, incluindo 10 blindados, 3 blindados leves e uma divisão motorizada, com o apoio da Luftwaffe. A 1ª Divisão Panzer alemã, depois de atravessar o Bzura entre Sochaczew e Brochów e destruindo a 25ª Divisão de Infantaria polonesa, conseguindo capturar Ruszki, mas seu avanço foi parado.

Durante a noite do dia 17 de Setembro, as principais forças do Exército Poznań atacaram as forças alemãs para começar o cerco alemão entre Witkowice e Sochaczew. A 15ª Divisão de Infantaria e a Brigada de Cavalaria Podolska atravessaram novamente o Bzura em Witkowice. Em Brochów a 25ª e a 17ª Divisões de Infantaria atravessaram o Rio Bzura. A 14ª Divisão de Infantaria estava concentrada em Łaziska. Ao mesmo tempo, o Exército Pomorze marchava para as vilas de Osmolin, Kierozia e Osiek.

De manhã, os alemães começaram a se dirigir para o sul dos dois riachos do Bzura, apoiado por mais de 300 aeronaves e artilharia pesada. Os morteiros alemães levavam vantagem nas suas posições no alto do riacho direito do Vístula, atacando as posições polonesas o dia inteiro. Após dois dias de uma dura luta, e tendo usado todas as suas munições e ração, as tentativas de fuga se tornaram impossíveis.

Somente poucas unidades polonesas conseguiram sair do cerco. Esses grupos entraram em Varsóvia e em Modlin, atravessando a Floresta de Kampinos. Entre eles estavam os generais Kutrzeba, Knoll-Kowacki e Tokarzewski, duas brigadas de cavalaria e a 15ª e 25ª Divisões de Infantaria. O resto, junto com o General Bortnowski, capitulou de 18 a 22 de Setembro e foram capturados.

Resultado[editar | editar código-fonte]

Artilharia antiaerea polaca destruída pela Luftwaffe.

Depois da batalha, as divisões alemãs foram para Varsóvia e Modlin, cercando suas fortalezas. Embora as forças polonesas tenham sido derrotadas, sua importância estratégica tem que ser enfatizada. Devido a esta batalha, o avanço alemão foi atrasado por alguns dias, que habilitou as unidades polonesas em Varsóvia e em outros lugares para organizar as falhas na defesa.

Ver também[editar | editar código-fonte]