Batalha de Civetot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cruzadas
1099jerusalem.jpg
Personagens
Albigenses | Bizantinos | Cátaros | Cavaleiros | Fatímidas | Hospitalários | Papas | Seljúcidas | Templários
Temas relacionados
Estados cruzados | Idade Média | Jihad | Terra Santa

A Batalha de Civetot ocorreu em 1096, e pôs fim à Cruzada Popular. Após a desastrosa derrota dos cruzados no cerco de Xerigordon, dois espiões turcos espalharam o rumor de que os germânicos tinham conseguido tomar não só Xerigordon como também Niceia, o que incentivou este contingente a apressar-se para chegar à cidade o mais depressa possível.

Pedro, o Eremita tinha voltado a Constantinopla para providenciar suprimentos devia retornar logo, a maioria dos líderes argumentou que deveriam esperar para ele. No entanto, Geoffrey Burel, que tinha apoio popular entre as massas do exército, argumentou que seria covardia aguardar, e que deveriam avançar imediatamente contra os turcos seljúcidas imediatamente. Sua vontade prevaleceu e, na manhã de 21 de outubro, todo o exército de cerca 20.000 cruzados marchou em direção Nicéia, deixando as mulheres, as crianças, os velhos e os doentes por trás no acampamento.[1]

Três quilômetros do acampamento, onde a estrada entrava em um vale estreito e arborizado perto da aldeia de Dracon, o exército muçulmano aguardava em emboscada. Ao aproximar-se do vale, os cruzados marchando ruidosamente foram imediatamente submetidos a um ataque de flechas.[2] que vitimou um grande número de peregrinos. O pânico se instalou imediatamente e em poucos minutos, o exército estava derrotado e fugia em direção ao acampamento.

O exército cruzado seria massacrado quase na totalidade, no entanto, as mulheres, as crianças, e aqueles que se renderam foram poupados e tornaram-se escravos. Cerca de três mil, incluindo Geoffrey Burel, foram capazes de obter refúgio em um castelo abandonado.

Posteriormente, os bizantinos sob Constantino Katakalon vieram em seu socorro e levantaram o cerco turco;[3] esses poucos retornaram a Constantinopla, os únicos sobreviventes da Cruzada Popular.

Referências

  1. John Julius Norwich. Byzantium: The Decline and Fall (em ). [S.l.]: Penguin Books. 33-35 pp. ISBN 978-0-14-011449-2.
  2. Steven Runciman, The First Crusade, pg. 60, Cambridge Press University, Londres, ISBN:978-0521611480
  3. Oxford Dictionary of Byzantium. New York: Oxford University Press, 1991. p. 64. ISBN 978-0-19-504652-6.