Batalha de Demétrias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Demétrias
Guerras bizantino-latinas
ByzantinischesReich1265-pt.svg
Mapa do Império Bizantino e dos Estados vizinhos em 1265.
Data 1272/1273 ou 1274/1275
Local Demétrias (moderna Vólos, Grécia)
Desfecho Vitória bizantina
Combatentes
Império Bizantino Barões latinos do Negroponte e Creta
Comandantes
Aleixo Ducas Filantropeno
João Paleólogo
Fillippo Sanudo
Guglielmo II da Verona
Forças
50-80 navios 30-62 navios
Baixas
Pesadas Muito pesadas

A Batalha de Demétrias foi uma batalha naval em Demétrias na Grécia no começo da década de 1270 entre uma frota bizantina e as forças reunidas dos barões latinos da Eubeia (Negroponte) e Creta. A batalha foi acirrada, e inicialmente em favor dos latinos, mas a chegada oportuna de reforços bizantinos alterou o quadro, resultado em uma esmagadora vitória bizantina.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

No recalco da Quarta Cruzada e a dissolução do Império Bizantino em 1204, o mar Egeu, uma vez o coração da marinha bizantina, foi dominado por uma mistura de principados latinos, protegidos pela força naval da República de Veneza. Seguindo a recaptura de Constantinopla e a restauração do Império Bizantino em 1261, um das principais prioridades do imperador Miguel VIII Paleólogo (r. 1259-1282) foi a defesa de sua capital de um ataque veneziano. Consequentemente, ele buscou uma aliança com a principal antagonista de Veneza, a República de Gênova, enquanto ele começou a construir sua própria marinha.[1]

Com a ajuda de sua frota recém construída, em 1263 Paleólogo enviou uma expedição na Moreia, contra o Principado de Acaia. À beira da vitória, as forças terrestres bizantinas foram surpreendidas e derrotadas, enquanto uma frota bizantino-genovesa foi severamente derrotada por uma frota veneziana numericamente inferior na Batalha de Settepozzi.[2] [3] Isso levou ao abandono da aliança genovesa com Miguel, que iniciou uma aproximação com Veneza, levando a um tratado em 1267.[4] Com a neutralização de Veneza, a principal ameaça aos interesses imperiais no egeu eram os corsários lombardos baseados em Negroponte. A ilha foi repetidamente atacada pela frota bizantina sob Aleixo Ducas Filantropeno, mas ganhos permanentes não foram alcançados. Apenas de 1273, com a ajuda do renegado latino Licário, as forças bizantinas fizeram avanços, capturando um números de fortalezas na ilha.[5] [6]

No começo da década de 1270 (a data exata é incerta, mas recentes estudiosos especulam 1272/1273 ou 1274/1275),[a] Miguel VIII Paleólogo lançou uma campanha principal contra João I Ducas, governante da Tessália. Era para ser dirigida por seu próprio irmão, o déspota João Paleólogo. Para evitar qualquer ajuda que pudesse vir dos principados latinos, ele também enviou uma frota de 73 navios, liderada por Filantropeno, para perseguir suas costas.[7] O exército bizantino, contudo, foi derrotado na Batalha de Neopatras com a ajuda das tropas do Ducado de Atenas. Com esta notícia, os senhores latinos tomaram coragem, e resolveram atacar a marinha bizantina que estava ancorada no porto de Demétrias.[8] [6]

Batalha[editar | editar código-fonte]

Miguel VIII Paleólogo (r. 1259-1282).

Os números das frotas opostas são incertos. Para os bizantinos, Nicéforo Gregoras escreve "mais de 50" navios, enquanto o italiano Marino Sanudo menciona 80 navios imperiais. A frota conjunta latina, composta de navios lombardos e venezianos do Negroponte e Creta, é variadamente dada como 30 (Gregoras) para 62 (Sanudo). De qualquer forma, todas as fontes confirmam que a frota latina era numericamente inferior em cerca de um terço.[9] De acordo com sua trégua com os bizantinos, os venezianos do Negroponte se mantiveram numa posição oficialmente neutra, embora alguns deles juntaram-se a frota latina como individuais.[10]

A frota latina pegou os bizantinos de surpresa, e o ataque inicial deles foi tão violento que eles fizerem bom progresso. Seus navios, em que torres de madeira haviam sido erguidas e com a vantagem tática, muitos marinheiros e soldados bizantinos foram mortos ou afogados.[11] Apenas quando a vitória parecia alcançar os latinos, no entanto, reforços chegaram liderados pelo déspota João Paleólogo. Enquanto se afastava de Neopatras, o déspota estudou a batalha iminente. Reunindo quais queres homens que poderia, ele navegou em uma noite 40 milhas e chegou em Demétrias quando a frota bizantina estava começando a vacilar.[10]

Sua chegada aumentou o moral dos bizantinos, e os homens de Paleólogo, transportados a bordo dos navios por pequenos barcos, começaram a repor as vítimas e viraram a maré. A batalha continuou o dia todo, mas ao cair da noite, todos os navios latinos haviam sido capturados. As vítimas latinas foram altas, e incluíram o triarca de Negroponte Guglielmo II de Verona. Muitos outros nobres foram capturados, incluindo o veneziano Fillippo Sanudo, que foi provavelmente o comandante geral da frota.[10]

Resultado[editar | editar código-fonte]

A vitória de Demétrias fez percorrer um longo caminho para mitigar o desastre de Neopatras para os bizantinos.Também marcou o começo de uma sustentada ofensiva através do Egeu: por 1278, Licário tinha dominado toda a Eubeia, exceto sua capital Cálcis, e por 1280, como mega-duque da marinha bizantina, ele tinha retomado a maior parte das ilhas egeias para o império. Suas conquistas, no entanto, não iriam durar muito depois de seu desaparecimento da história em ca. 1280. Na Eubeia, o principal ganho e feudo pessoal de Licário, os fortes bizantinos foram retomados pelos lombardos gradualmente, até eles serem inteiramente recuperados por 1296.[10] [12] [13]

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ A data da Batalha de Neopatras e, portanto, também da subsequente Batalha de Demétrias, é disputada entre os estudiosos. Historiadores mais antigos seguiram o estudioso jesuíta do século XVII Pierre Poussines, que colocou o evento em 1271.[14] A. Failler re-datou os eventos para 1272/1273,[15] uma data também adotada por outros autores como Alice-Mary Talbot no Oxford Dictionary of Byzantium.[16] Deno J. Geanakoplos colocou a campanha na Tessália após o Concílio de Lyon, no final de 1274 ou começo de 1275,[17] e sua datação tem sido adotada por um número de recentes estudiosos como Donald Nicol e John Van Antwerp Fine.[18] [19]

Referências

  1. Geanakoplos 1959, p. 125-127
  2. Geanakoplos 1959, p. 153–154; 158–159
  3. Nicol 1993, p. 47
  4. Geanakoplos 1959, p. 154, 161–164, 214–215
  5. Geanakoplos 1959, p. 235–237
  6. a b Fine 1994, p. 190
  7. Geanakoplos 1959, p. 282
  8. Geanakoplos 1959, p. 283-284
  9. Geanakoplos 1959, p. 283
  10. a b c d Geanakoplos 1959, p. 284
  11. Geanakoplos 1959, p. 283-284
  12. Fine 1994, p. 190–191, 243–244
  13. Nicol 1993, p. 59-60
  14. Setton 1976, p. 423
  15. Failler 1981, p. 189-192
  16. Kazhdan 1991, p. 1044
  17. Geanakoplos 1959, p. 279; 282
  18. Fine 1994, p. 188
  19. Setton 2006, p. 257

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Failler, A.. Chronologie et composition dans l'Histoire de Georges Pachymérès. [S.l.: s.n.], 1981.
  • Fine, John Van Antwerp. The Late Medieval Balkans: A Critical Survey from the Late Twelfth Century to the Ottoman Conquest. [S.l.]: Michigan University Press, 1994. ISBN 0-472-08260-4.
  • Geanakoplos, Deno John. Emperor Michael Palaeologus and the West, 1258–1282: A Study in Byzantine-Latin Relations. Cambridge: Harvard University Press, 1959.
  • Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 1991. ISBN 0-19-504652-8.
  • Nicol, Donald MacGillivray. The Last Centuries of Byzantium, 1261–1453. Cambridge: Cambridge University Press, 1993. ISBN 0-521-43991-4.
  • Setton, Kenneth Meyer. The Papacy and the Levant, 1204–1571: Volume I. The Thirteenth and Fourteenth Centuries. [S.l.]: The American Philosophical Society, 1976. ISBN 0-87169-114-0.
  • Setton, Kenneth Meyer; Robert Lee Wolff; Harry W. Hazard. A History of the Crusades, Volume II: The Later Crusades, 1189–1311. [S.l.]: Wisconsin University Press, 2006. ISBN 0-299-04844-6.