Batalha de Dunnichen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Dunnichen
Parte da(o) Guerras Pictos-Nortumbrianas
Pictish Stone at Aberlemno Church Yard - Battle Scene Detail.jpg
Petroglifo píctio do conflito.
Data 20 de maio de 685.
Local Próximo de Dunnichen
Desfecho Vitória dos Pictos
Combatentes
Pictos Nortumbrianos
Principais líderes
Bridei III Ecgfrith

A Batalha de Dunnichen ou Batalha de Nechtansmere (Gaélico escocês:Blàr Dhùn Neachdain, Irlandês antigo: Dún Nechtain, Galês antigo: Linn Garan, Inglês antigo: Nechtansmere) foi uma luta entre os pictos, liderado pelo Rei Bridei Mac Bili, e os nortumbrianos, liderados pelo Rei Ecgfrith, em 20 de maio de 685.

A hegemonia nortumbriana sobre o nordeste britânico, adquirida pelos antecessores de Ecgfrith, começou a se desintegrar. Várias nações subjugadas começaram a se rebelar ao longo desses anos, levando a inúmeras batalhas contra os pictos, mércios e irlandeses, com vários sucessos. Seguindo de várias sitiações em territórios vizinhos, liderados pelos pictos, Ecgfrith levou suas tropas contra eles (apesar de ter dito o contrário), como uma forma de sobrepor sua suserania sobre as nações pictas.

Uma falsa retirada dos pictos levou os nortumbrianos a uma emboscada em Dun Nechtain, perto do lago Linn Garan. Por muito tempo se pensou que o local da batalha tivesse sido próximo à atual vila de Dunnichen, em Angus. Pesquisas recentes, no entanto, sugerem que teria sido mais ao norte, próximo a Dunachton, nas margens do Lago Inch, em Badenoch and Strathspey.

A batalha terminou com a vitória dos pictos, que enfraqueceram consideravelmente as forças nortumbrianas no nordeste britânico. Ecgfrith foi morto na batalha, juntamente com grande parte de suas tropas. A vitória picta marcou a independência da Nortúmbria, que nunca mais teve o domínio na região norte.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Durante o século VII, os nortumbrianos gradualmente estenderam seu território para o norte. Os Anais de Tigernach registra o cerco de "Etain" em 638,[1] que tem sido interpretado como uma coquista da Nortúmbria sobre Din Eidyn (Edinburgo) durante o reinado de Osvaldo, marcando a anexação dos territórios de Gododdin até o sul do Rio Forth.[2]

Para o norte do rio Forth, a nação dos pictos consistia naquela época no Reino de Fortriu até o norte das colinas de Mounth e uma Área dos Pictos Sudeste, entre as colinas e o rio Forth.[3] Evidências do historiador anglo-saxão do século VIII, Beda, apontam os pictos como subjugados durante o reinado de Osvaldo[4] e continuado no reinado de seu sucessor Oswiu.[5]

Ecgfrith sucedeu a Oswiu como rei da Nortúmbria em 670. Logo depois, os pictos se rebelam contra o domínio nortumbriano na Batalha dos Dois Rios, registrada no século VIII por Stephen de Ripon, um hagiográfo do bispo Wilfrid.[6] Ecgfrith foi ajudado por um nobre, Beornhæth, que era o líder dos pictos do sudeste,[7] e a rebelião acabou em desastre para os pictos de Fortriu. Seu rei Drest mac Dúngail foi deposto do poder e substituído por Bridei Mac Bili.[8]

Em 679, a hegemonia nortumbriana começou a decair. Registros dos anais irlandeses mostram que a Mércia obteve uma vitória obre Ecgfrith, onde o irmão de Ecgfrith, Ælfwine de Deira, foi morto.[9] Cercos foram registrados em Dunnottar; na região nordeste da Área dos Pictos Sudeste perto de Stonehaven em 680 e em Dundurn no Strathearn em 682[1] [7] . Os responsáveis pelos cercos não foram registrados, mas acredita-se que esse ato seja obra das tropas de Bridei III[7]

Bridei também é descrito por ter "destruído" as Órcades em 681[9] , no mesmo período em que a igreja nortumbriana estava passando por uma grande reforma religiosa. Eles seguiram as tradições da igreja de São Columba da abadia de Iona até 664, quando prestaram juramento à Igreja Romana seguindo o Sínodo de Whitby durante a controvérsia sobre o cálculo da data da Páscoa. A diocese da Nortúmbria foi dividida e várias novas sedes episcopais foram criadas. Uma dessas foi criada em Abercorn, na costa sul do Firth of Forth, e Trumwine foi consagrado bispo dos pictos. Bridei, que era um entusiasmado com a igreja de Iona, percebeu que era uma certa invasão da Nortúmbria - patrocinada pela Igreja Romana[10]

Os ataques à "Área dos Pictos do Sudeste" em Dunnotar e Dundurn representam a maior ameaça à suserania de Ecgfrith. Em junho de 684, contando com uma aliança galo-britânica, ele enviou suas tropas, lideradas por Berhtred, filho Beornhæth, até Mag Breg, na Irlanda. As tropas de Ecgfrith reduziram a população e queimaram muitas igrejas, ações que foram condenadas por Beda.[11]

Referências

  1. a b The Annals of Tigernach
  2. Jackson, Kenneth (1959). "Edinburgh and the Anglian occupation of Lothian". in Clemoes, Peter. The Anglo-Saxons: some aspects of their history and culture presented to Bruce Dickins. London: Bowes and Bowes. pp. 35–42.
  3. Woolf, Alex (2006). "Dun Nechtain, Fortriu and the Geography of the Picts". The Scottish Historical Review 85: 182–201.
  4. Ecclesiastical History of England III
  5. Op cit.
  6. Colgrave, Bertram (1927). The Life of Bishop Wilfrid by Eddius Stephanus. Cambridge: Cambridge University Press.
  7. a b c Fraser, James E (2009). From Caledonia to Pictland: Scotland to 795. Edinburgh: Edinburgh University Press.
  8. Cummins, WA (2009). The Age of the Picts (2nd ed.). Brimscombe Port Stroud, Gloucester: The History Press.
  9. a b The Annals of Ulster
  10. Veitch, K (1997). "The Columban Church in northern Britain, 664-717: a reassessment". Proceedings of the Society of Antiquaries of Scotland 127: 627–647. [1]
  11. Ecclesiastical History of England IV