Batalha de Maalula

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Maalula
Quarta ofensiva de Rif Dimashq, Guerra Civil Síria
Maaloula 01.jpg
Data 4 de setembro de 2013 - 15 de abril de 2014
Local Maalula, Síria
Resultado
  • Em setembro de 2013, tropas do exército sírio repelem ofensiva rebelde e retomam Maalula;[1]
  • Bolsões de resistência dos jihadistas prosseguiram nas montanhas próximas;
  • A oposição retoma a cidade em dezembro;[2]
  • Em abril de 2014, o regime de Assad reconquista o município de Maalula;
Combatentes
Flag of Syria.svg Governo Sírio Flag of Jabhat al-Nusra.jpg Frente al-Nusra
Flag of Jihad.svg Ahrar al-Sham
Flag of al-Qaeda in Iraq.svg Al-Qaeda
Flag of Jihad.svg Frente Islâmica da Síria
Frente de Libertação Qalamoun
Flag of Syria 2011, observed.svg Exército Livre da Síria
Comandantes
desconhecido Abu Mohammad Golani
Abu Khaled
Forças
67ª Brigada Blingada
81ª Brigada Blingada
155ª Brigada de Infantaria
desconhecido
Baixas
+8 mortos 19 mortos
+100 feridos
(fontes independentes)

300 - 400 mortos (segundo o governo sírio)[3] [4]

A batalha de Maalula (ou Maaloula) foi travada em setembro de 2013, quando os rebeldes atacaram a vila majoritariamente cristã que se situa 56 km a nordeste de Damasco. A batalha opôs o Exército Sírio e suas milícias contra as forças rebeldes jihadistas e seus aliados no Exército Sírio Livre.[5]

A batalha[editar | editar código-fonte]

Ataque inicial[editar | editar código-fonte]

Em 4 de setembro, um caminhão conduzido por um suicida jordaniano explodiu perto de um posto de controle do exército sírio na entrada da Maalula. A explosão deu o sinal para o ataque. Os jihadistas tomaram de assalto o posto de controle, matando oito soldados e capturando dois tanques. Durante a luta, os guerrilheiros também capturam o Hotel Safir e vários segmentos da vila.[6]

Contra-ataque do exército sírio[editar | editar código-fonte]

Em 6 de setembro, o exército sírio enviou reforços, incluindo tanques e veículos blindados para recuperar o controle de partes da vila, obrigando os rebeldes a recuar.[7] Em 7 de setembro, a retomada das hostilidades em torno Maalula toma impulso com o retorno dos jihadistas.[8]

Nova ofensiva rebelde[editar | editar código-fonte]

Em 8 de setembro, foi relatado que forças rebeldes (em sua maioria, milicianos islamitas) tomaram boa parte de Maaloula depois de receber reforços e conseguir forçar o exército sírio a retirar-se. Durante o dia, ao menos 18 jihadistas morreram e outros 100 ficaram feridos.[9] Muitos moradores relataram que os rebeldes obrigaram os habitantes da vila, de maioria cristã, a se converter ao islã, sob ameaça de tortura e morte.[10]

Reação do exército[editar | editar código-fonte]

Em 9 de Setembro, tropas do exército sírio lançaram uma grande ofensiva para retomar a cidade e as posições islamista que se situava nas colinas. Em 10 de Setemebro, as tropas rebeldes, por meio de um porta-voz da Coalizão de Oposição Síria, anunciram a retirada se o exército governamental faz o mesmo.[11] No entanto, no dia seguinte, os jihadistas não recuam e a luta no interior do vilarejo se intensificou onvamente. Com a retirada do exército livre sírio e de outros grupos rebeldes, além dos incessantes bombardeios e do avanço das forças terrestres lealistas, os jihadistas perderam terreno e sofrem pesadas baixas.[12]

Em 15 de Setembro, após perderem centenas de homens, as forças islamistas se retiram definitivamente e se refugiam nas montanhas. O exército sírio anunciou então na televisão estaval ter retomado a vila de Maalula completamente.[13]

A oposição recaptura Maaloula[editar | editar código-fonte]

Ao fim de novembro, o Exército Livre da Síria, apoiado por grupos jihadistas, iniciaram uma grande ofensiva terrestre na região. Ao anoitecer do dia 2 de dezembro, a cidade já havia sido recapturada.[2]

O governo reconquista a cidade[editar | editar código-fonte]

Em 15 de abril de 2014, as tropas do regime retomaram Maalula. Essa foi a quarta vez em um ano que a cidade muda de mãos.[14]

Referências

  1. RT live report: Syrian Army battles jihadists in ancient Christian village — RT News. Rt.com. Página visitada em 9 de novembro de 2013.
  2. a b "Rebels retake Christian town of Maaloula". Página acessada em 6 de dezembro de 2013.
  3. "Syrian forces kill 300-400 al-Nusra terrorists near Maaloula". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  4. "Síria registra novos conflitos após acordo para eliminação de armas químicas". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  5. "Robert Fisk in Damascus: Assad's troops may be winning this war in Syria's capital". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  6. "Syria crisis: al-Qaeda seizes village that still speaks the ancient language of Christ". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  7. "Rebeldes sírios deixam a entrada de antiga cidade cristã". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  8. "Syrie : reprise des combats près d'une ville chrétienne au nord de Damas". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  9. Activists: Syrian rebels take Christian village. Daily Star. Página visitada em 8 de setembro de 2013.
  10. Jihadists force Syria Christian 'to convert at gunpoint'. The Daily Star (11 de setembro de 2013). Página visitada em 9 de novembro de 2013.
  11. "Syria rebels announce withdrawal from Christian town"
  12. Reef Dimashq: Violent clashes are taking... - Syrian Observatory for Human Rights. Facebook. Página visitada em 14 de setembro de 2013.
  13. "Syria gov’t gains Christian site Maaloula". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  14. Assad Claims a ‘Turning Point’ in Syria As Military Makes Gains