Batalha de Tessalônica (995)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Tessalônica
Guerras bizantino-búlgaras
Ambush and death of Gregorios Taronites by the Bulgarians.jpg
Búlgaros matando o governador da Tessalônica, o duque Gregório Taronita.
Data 995
Local próximo a Tessalônica, Grécia
Resultado Vitória búlgara
Combatentes
Império Bizantino Império Búlgaro
Comandantes
Gregório Taronita
Asotio Taronita
Samuel da Bulgária
Forças
Desconhecida Desconhecida
Baixas
Pesadas Leves

A batalha de Tessalônica (português brasileiro) ou batalha de Salonica (português europeu) (em búlgaro: Битката при Солун) ocorreu provavelmente em 995, próximo da cidade de Tessalônica, Grécia. Após uma grande vitória na batalha das Portas de Trajano, e a subsequente guerra civil no Império Bizantino, Samuel da Bulgária (r. 997-1014) estava livre para atacar as fortalezas bizantinas dos Bálcãs. Depois de garantir seu domínio sob a maior parte do norte dos Bálcãs, em 995 liderou uma campanha contra Tessalônica, a segunda maior cidade bizantina.[1]

Samuel foi um comandante militar hábil e organizou uma brilhante emboscada. Dividindo seu exército em duas partes, Samuel marchou contra a fortaleza com uma pequena força individual. O governador bizantino, o duque Gregório Taronita, enviou parte de suas forças sob seu filho, Asotio, para afastá-los. Samuel então encenou uma retirada, levando os bizantinos para a armadilha que ele havia preparado. Cercados e interrompidos, o destacamento bizantino foi devastado. Quando Gregório soube sobre o perigo de seu filho, ele e suas tropas tentaram resgatá-lo, mas foram também derrotados e o governador morreu, enquanto seu filho foi capturado.[2] [3] [4]

Apesar da vitória, Samuel não tentou sitiar Tessalônica, e ao invés disso se aventurou ao sul, para o tema de Hellas para uma expedição de pilhagem. Ele capturou Lárissa[5] [6] [7] e chegou a Corinto, porém voltou para norte quando soube da aproximação de um exército bizantino sob Nicéforo Urano. Os dois exércitos se encontraram no Esperqueu, onde Samuel foi derrotado.[8] [9] O longo conflito bizantino-búlgaro, contudo, iria até a derrota final da Bulgária em 1018.[10]

Referências

  1. Stoymenov 1988, p. 41-43; 55-56
  2. Escilitzes 2010, p. 323; 449
  3. Curta 2006, p. 242
  4. Holmes 2005, p. 406-407
  5. Escilitzes 2010, p. 446
  6. Kekaumenos 1896, p. 65-66
  7. Litavrin 1972, p. 250-252
  8. Goldsmith 1971, p. 278-279; 662-663
  9. Stephenson 2003, p. 17
  10. Cheynet 2006, p. 37

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Cheynet, Jean-Claude. Le Monde byzantin, tome II : L'Empire byzantin (641-1204). [S.l.]: PUF, 2006.
  • Kekaumenos. In: B. Wassilewsky; P. Jernstedt. Strategikon. São Petersburgo: [s.n.], 1896.
  • Litavrin, G.. Soveti i rasskazy Kekavmena. Sochinenie vizantiiskogo polkovodtsa XI veka. Moscou: [s.n.], 1972.
  • Stephenson, Paul. The Legend of Basil the Bulgar-Slayer. [S.l.]: Cambridge University Press, 2003. ISBN 052181530
  • Stoymenov, D.. (1988). "Administração militar bizantina temporária em terras búlgaras, 971-987/989". CSO NTSSVP 82 (2).