Batman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batman
Batman por Jim Lee.jpg

Arte promocional para Batman #608 (Out. de 2002, segunda impressão)
Desenho por Jim Lee e pintura por Scott Williams
Dados da publicação
Publicado por DC Comics
Primeira aparição Detective Comics #27 (Maio de 1939)
Criado por Bill Finger
Bob Kane
Características do personagem
Alter ego Bruce Wayne
Dick Grayson[1]
Jean Paul Valley
Damian Wayne[2]
Terry McGinnis[3]
Terra natal Gotham City
Afiliações Fundação Wayne
Liga da Justiça
Renegados
Bat-Família
Corporação Batman
Ocupação Vigilante mascarado,
Defensor da lei,
Detetive,
Líder da Corporação Batman
Parceria Robin
Batgirl
Superman
Asa Noturna
Mulher Maravilha
Homem-aranha (em crossover com a Marvel Comics)
Base de operações Gotham City
Parentesco Thomas Wayne (pai falecido)
Martha Wayne (mãe falecida)
Dick Grayson (filho adotivo)
Tim Drake (filho adotivo)
Damian Wayne (filho)
Jason Todd (tutelado)
Betsy Kane (avó materna falecida)
Helena Wayne (filha, apenas na versão pré-Crise)
Philip Wayne (tio, apenas na Era de Ouro)
Situação presente Ativo
Codinomes conhecidos O Cavaleiro das Trevas
O Cruzado Encapuzado
O Detetive das Sombras
O Dono da Noite
O Maior Detetive do Mundo
Fósforos Malone
Sir Hemingford Grey
Morcego Negro
Homem-Morcego
Habilidades Intelecto genial, incrível detetive, físico capacitado, mestre em artes marciais, boxeador de elite, gênio em disfarces, mestre na arte da evasão (fuga), estrategista.
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

Batman (ou traduzido, Homem-Morcego) é um personagem de histórias em quadrinhos. Publicada pela editora norte-americana DC Comics, cuja primeira aparição foi em maio de 1939, na revista Detective Comics #27, embora haja controvérsia em relação aos desenhos de Frank Foster de 1932 [4] . Mais tarde, juntamente com a revista Superman (também da DC Comics) e Homem-Aranha (da Marvel Comics), Batman seria um dos mais conhecidos super-heróis do mundo.

Vivendo no mundo fictício de super-heróis da editora DC Comics (conhecido como Universo DC), Batman tem como identidade secreta seu alter ego Bruce Wayne, empresário, playboy, bilionário e filantropo. Segundo os quadrinhos, o fato de testemunhar o assassinato de seus pais quando criança teria levado o jovem Bruce Wayne a viajar pelo mundo, tentando compreender a mente criminosa. Treinou todo tipo de artes marciais e técnicas de combate (o trauma de ver seus pais mortos com tiros de revólver tornou-o averso a armas de fogo), buscando a perfeição física e intelectual. Criou um uniforme baseado na figura que o amedrontava quando criança: morcego. Ele queria que os bandidos compartilhassem do mesmo temor. E assim, passou a lutar contra o crime. Diferentemente de outros super-heróis, Batman não tem nenhum poder sobre-humano, usando apenas o intelecto, habilidades investigatórias, tecnologia e um físico bem preparado em sua guerra contra o crime.

A polêmica sobre a autoria[editar | editar código-fonte]

O desenhista Bob Kane é oficialmente creditado como o criador do Super-herói. Fã da cultura vampiresca, especialmente das histórias ligadas ao personagem conhecido como Drácula, Kane imaginou um herói baseado no mesmo, com roupas negras. Porém é amplamente aceito que o escritorBill Finger foi tão decisivo na formação de pontos chaves do mito, que muitos o consideram um co-criador. Foi Finger que deu ao personagem o formato que o consagrou. Ainda concorrem com Kane e Finger, o desenhista Frank Foster II, artista ligado a indústria de publicações de Nova Iorque na Década de 1930, uma vez que ele apresentou publicamente desenhos de um personagem chamado Batman, esteticamente muito similar ao personagem em discussão. Tais desenhos, anteriores a 1939, foram considerados autênticos pela DC Comics.

Artistas de maior destaque[editar | editar código-fonte]

Com histórias em quadrinhos publicadas ininterruptamente desde maio de 1939, passando por várias revistas diferentes, Batman já teve aventuras criadas e desenhadas por muitos artistas. No entanto, alguns artistas, ou devido à importância de determinada história clássica, ou pela contribuição que tiveram pra enriquecer o universo do personagem, ou até mesmo, simplesmente, pela grande quantidade de anos e histórias em que trabalharam com ele, ganharam maior destaque e são sempre lembrados pelos fãs/leitores, ou mesmo pela crítica especializada.

Entre eles destacam-se Bob Kane, Bill Finger, Jerry Robinson, Dick Sprang, Sheldon Moldoff, Neal Adams, Dennis O'Neal, Marshall Rogers, Doug Moench, Frank Miller, Jim Aparo, Alan Grant, Norm Breyfogle, Chuck Dixon, Graham Nolan, Jim Lee, Grant Morrison, Frank Quitely e Alan Moore.

História editorial[editar | editar código-fonte]

Oficialmente, o super-herói Batman foi criado em 1939, por Bob Kane, sob encomenda da DC Comics, a qual, na esteira do sucesso estrondoso do Superman, o primeiro super-herói da história dos quadrinhos, encomendou o novo super-herói[5] . Hoje em dia se reconhece, no entanto, que o personagem teria sido idealizado originalmente ainda em 1932, por Frank Foster, o qual ofereceu sua criação à editora, mas esta não teria se interessado[6] . Bob Kane teria criado o visual e a ideia original de um super-herói sem poderes, um detetive, que trabalharia nas trevas, em histórias sombrias. Mas foi o roteirista Bill Finger quem deu o formato definitivo do personagem ao longo da década seguinte, definindo seu caráter, o estilo de suas histórias e personagens, assim como vilões e locais clássicos do universo do personagem.

As histórias em quadrinhos eram, a princípio, voltadas a um público mais jovem, e tinham um caráter recreativo. Por isso, Finger fez do Homem-Morcego um personagem que não mata nem usa armas de fogo. Logo, adicionou o personagem Robin, primeiro sidekick ou parceiro mirim de um super-herói de quadrinhos. Robin era uma criança alegre e multicolorida, para quebrar o clima muito sombrio das primeiras histórias. Ainda na década de 1940, criou-se a cidade fictícia de Gotham City, para ambientar as histórias do personagem e se permitir uma maior liberdade criativa, além de refletir o clima sombrio/noir de suas histórias.

Ainda nessa fase chamada Era de Ouro dos Quadrinhos, o trio criativo do personagem, Kane, Finger e o arte-finalista Jerry Robinson, criou uma galeria de vilões formada por personagens geralmente sem super-poderes, marcados pela loucura e psicopatia. Assim, criou-se Coringa, Mulher-Gato, Pinguim, Duas-Caras, Charada, Espantalho, Chapeleiro Louco, Cara de Barro e Hugo Strange.

A ascensão da indústria de gibis[7] de super-heróis nos Estados Unidos esteve profundamente ligada ao ambiente provocado pela Segunda Guerra Mundial. Com o fim do conflito, a indústria caiu dramaticamente. Apenas Batman, Superman, Mulher Maravilha e Capitão Marvel conseguiram continuar ininterruptamente a venda de suas revistas pelo período posterior. Batman e Superman foram se firmando como The World's Finest, Os Melhores do Mundo. Começou assim a era dos encontros entre heróis e personagens de revistas diferentes, nascendo o conceito de Universo Editorial, no caso, o Universo DC, e a produção de crossovers.

A Década de 1950 foi marcada por dois fatores decisivos: a Guerra Fria e a admiração e espanto do público em geral pela tecnologia, especialmente bélica e espacial. A Guerra Fria, a qual opôs os americanos capitalistas e a União Soviética socialista ocasionou uma perseguição, dentro dos Estados Unidos, a qualquer pessoa, instituição ou publicação que soasse comunista, e portanto, traidora dos valores americanos. Esse movimento, liderado pelo congressista McCarthy foi conhecido como Macartismo. As histórias em quadrinhos foram só mais um setor que foi pressionado e influenciado pelo Macartismo, o qual impôs que as histórias passassem a ser mais infantilizadas, simples, evitando qualquer assunto mais sério, polêmico ou de cunho social, pois se cria que comunistas poderiam estar semeando críticas e oposição ao capitalismo. Assim, nesse momento de infantilização forçada, surgiram personagens como Ace, o Bat-cão, o Bat-mirim e a Batwoman.

Paralelamente, o momento de avanços tecnológicos e científicos que o público assistia, espantado, influenciou profundamente o tipo de roteiros que se escrevia para os personagem nesta década. Super-heróis com poderes e origens com explicações pseudo científicas, como o Lanterna Verde Hal Jordan, e o Flash Barry Allen são dessa época, substituindo versões antigas e mágicas desses heróis. Essa nova geração, com um novo estilo de histórias, levou a uma "atualização" dos personagens antigos, como o próprio Batman, sendo que este novo personagem atualizado era um tanto diferente do original. Isto provocaria reverberações na década seguinte. O vilão criado nesse período que obteve maior destaque foi o Senhor Frio. O grande artista por trás das revistas do Cavaleiro das Trevas nesse período foi Dick Sprang.

As histórias do Batman prosseguiram neste estilo durante a Década de 1960. Data desse período a estreia de Hera Venenosa e do Superman Composto. Nessa década, Batman ganhou grande projeção devido à estreia e sucesso do clássico seriado cômico de televisão, estrelado por Adam West e Burt Ward. Por sinal, foi por exigência dos produtores do seriado, que se criou nos quadrinhos a segunda (e definitiva) versão da personagem Batgirl, além de se ressuscitar o personagem Alfred Pennyworth, morto nos quadrinhos há algum tempo[8] . Um fato decisivo não só para o Cruzado de Capa, mas para todo Universo DC, foi a implementação do conceito de Multiverso. Como dito anteriormente, versões atualizadas de personagens antigos foram inseridas durante a Década de 1950. Na década seguinte decidiu-se que os personagens originais ainda existiriam, vivendo paralelamente aos atuais, de forma independente, como se houvesse várias versões do mesmo mundo e dos mesmos personagens. Assim, existia o Universo do Batman ativo, mas também um universo do "Batman original". Isso valeria até Crise nas Infinitas Terras, e seria trazido de volta após Crise Infinita.

A Marvel Comics acabou influenciando profundamente novos rumos nos roteiros do personagem. As histórias mais adultas e caráter dúbio dos personagens da editora concorrente, como o Homem Aranha e o Hulk,e seu sucesso crescente durante a Década de 1970, levaram a DC Comics a repensar sua linha editorial, o que ajudou o Batman a sair da sombra limitativa que o Macartismo impunha aos roteiristas. As histórias do personagem passaram então a ser produzidas pelo roteirista Dennis O'Neal, pelo desenhista Neal Adams e pelo arte-finalista Dick Giordano, trio o qual criou histórias que traziam o personagem e seu mundo de volta ao estilo detetivesco e sombrio original. Na verdade, a dupla lançou a base do bat-universo e das histórias dos personagens, os quais duram até a atualidade. Assim o super-herói seguiu durante a Década de 1970. Data desse período a criação dos vilões Ra's Al Ghul, Talia al Ghul e Morcego Humano.

Uma questão que foi se consolidando, especialmente desde esta década até a Década de 1980, foi a Continuidade Cronológica, isto é, as histórias e o mundo onde elas ocorrem vão ganhando um grau de realismo e seriedade que é irreversivelmente adicionado e imposto a elas, como, por exemplo, o envelhecimento dos personagens e a sequência histórica de fatos, de modo que os fatos e acontecimentos anteriores fazem parte de uma cronologia lembrada e respeitada (no começo, não se respeitava muito essa questão de lógica e concatenamento cronológico de histórias e acontecimentos ocorridos nelas). Assim, o Robin Dick Grayson, que já havia se tornado adolescente e se distanciado de Batman, agora se tornou adulto, separando-se em definitivo da Dupla Dinâmica, assumindo a identidade de Asa Noturna. Logo os roteiristas decidiram por trazer de volta o personagem Robin, com um novo personagem, Jason Todd. Datam dessa época os vilões Máscara Negra e Crocodilo.

Ainda nos Anos 80 a DC Comics decidiu que iria submeter seus personagens e suas histórias à Continuidade Cronológica, além de pôr termo ao confuso conceito de Multiverso e Terras Paralelas, com suas inúmeras variações dos mesmos personagens, até por considerar que tantos universos paralelos independentes pra que escritores e leitores lembrassem e respeitassem, acabavam por estrangular cada vez mais a liberdade criativa dos escritores. Assim, na maxi-série Crise nas Infinitas Terras, o Batman teve todas as suas múltiplas versões paralelas anteriores abandonadas. Os roteiristas dos personagens, inclusive do Batman, teriam plena liberdade para reescrever totalmente a origem dos personagens, as características do Bat-verso, e aproveitar apenas o que lhes interessasse das histórias existentes até então. Essa situação editorial produziu algumas das melhores histórias em quadrinhos da história, tanto dando uma conclusão às versões anteriores dos personagens, como dando uma nova origem à versão atualizada deles. Assim foram escritas e publicadas histórias como O que aconteceu ao Homem do Amanhã e o clássico absoluto O Cavaleiro das Trevas. Escrita por Frank Miller, essa história, a qual descreve uma versão definitiva do caráter, motivações e da importância e significado do Batman, é tida por boa parte dos fãs, artistas e crítica especializada, com a melhor história em quadrinhos já escrita. Na esteira dessa publicação, outras histórias definitivas foram lançadas, como Batman: Ano Um, também de Miller, reescrevendo a origem definitiva do personagem; e, alguns anos depois, A Piada Mortal, de Alan Moore, que conta a história definitiva do Coringa. Aliás, duas histórias do Cruzado de Capa, O Cavaleiro das Trevas e A Piada Mortal, formam, ao lado de Watchmen, as consideradas Três histórias definitivas de Super-Heróis.

A Década de 1980 ficou conhecida como Era Plutônio dos Quadrinhos, pois, influenciado pela Continuidade Cronológica, e buscando se aproximar da realidade dos leitores, acabou tornando os roteiros mais violentos e adultos, apresentando em quantidade e qualidade cada vez maior, violência e mortes de personagens. Assim, o Coringa deixou paraplégica a Batgirl original, Bárbara Gordon, em A Piada Mortal, antes de espancar com um pé-de-cabra o Robin Jason Todd e, por fim, matá-lo com uma explosão na saga Morte em Família. Isto ocorreu porque o segundo Robin, substituto do original Dick Grayson , tinha uma personalidade e estilo diferentes do original, as quais não agradaram boa parte do público de leitores. Assim a DC Comics decidiu dar aos próprios fãs/leitores a oportunidade de escolher se queriam que o parceiro mirim continuasse ou se ele seria morto. Através de votação por telefone, foi escolhida a morte de Jason Todd, com vitória por apenas 72 votos. Nessa época, destacou-se como desenhista das bat-revistas Jim Aparo.

Comemorando os 50 anos da criação do herói em 1989, foi lançado nos cinemas o Longa-metragem Batman, O Filme, o qual alcançou grande sucesso principalmente graças à atuação memorável de Jack Nicholson como o Coringa.

A partir da Década de 1990 os personagens de quadrinhos americanos, e o Batman entre eles, começaram a passar por mudanças drásticas e acontecimentos dramáticos em suas vidas em uma profusão muito alta. Os personagens DC vinham decaindo em vendas, além de sofrerem com a visão estereotipada de que seus personagens e histórias eram, na prática, uma eterna repetição (O Superman sempre amou Lois Lane desde os anos 40, mas nunca nem namorou ela; o Batman sempre prendia os vilões ao fim da história, mas estes sempre fugiam, e assim se repetia o mesmo ciclo há mais de meio século). Tentando atrair novos leitores e mudar essa imagem, a DC decidiu provocar mudanças drásticas em alguns personagens. Assim, o Lanterna Verde Hal Jordan teve sua cidade (Coast City) destruída. O mesmo ocorreu com a Tropa dos Lanternas Verdes e, por fim, Hal tornou-se um vilão e foi substituído por um outro personagem. O Superman foi simplesmente morto.

Com o Batman, o trio de roteiristas Doug Moench, Graham Nolan e Alan Grant, capitaneados pelo agora editor Dennis O'Neal, criaram a longuíssima saga A Queda do Morcego, a qual durou praticamente dois anos. Nela, Bruce Wayne passou a sofrer com Estresse. Foi criado o vilão Bane, o qual, explorando este momento, deixou o herói paraplégico. O super-herói Batman foi substituído por Jean Paul Valley, que modificou totalmente o uniforme clássico, foi extremamente violento e, por fim, permitiu a morte de um vilão. Ao fim, Bruce Wayne, curado, tomou de volta o capuz do morcego.

O Herói tornou-se o mais rentável da editora, sendo produzidos filmes milionários estrelados por ele, ao mesmo tempo em que era o líder de vendas entre a revistas. Personagens coadjuvantes como Robin, Mulher Gato e Azrael ganharam revistas próprias. E nos quadrinhos Coringa ganhou até uma namorada: Arlequina (Dra. Harleen Quinzel). Um fato histórico foi o crossover DC versus Marvel/Marvel vs DC, o sonhado e aguardado por décadas encontro e confronto entre os maiores super-heróis da DC Comics e da Marvel Comics. Nele Batman enfrentou e, graças a uma votação direta dos fãs, derrotou o Capitão América.

O personagem passou por variadas mudanças nos anos seguintes, com heróis clássicos passando por substituições temporárias, como o próprio Batman, Robin, Batgirl e até o Comissário de Polícia de Gotham. Entre várias maxi séries, destaque para Batman: Contágio, Batman: A Vingança do Demônio e Batman: Terremoto que mostraram a destruição de Gotham City após pestes de Virus Ebola, e um Sismo avassalador, culminando na saga Batman: Terra de Ninguém, quando Gotham, destruída, é apartada do resto dos Estados Unidos, caindo em um estado de caos social, guerra de gangues e guerra de sobrevivência.

O super-herói sempre estreou muitas histórias paralelas à cronografia mensal oficial, desde histórias da série Batman: Túnel do Tempo, onde ele era imaginado em outras épocas e situações; assim como em histórias mais adultas, de temáticas mais pesadas, com no título Um Conto de Batman. Entre tantas histórias não necessariamente oficiais, destacou-se o trabalho de Jeph Loeb e Tim Sale que produziram , entre outras, Batman: Dia das Bruxas, Batman: Vitória Sombria e a aclamada por critica e público leitor Batman: O Longo Dia das Bruxas, que conta a origem definitiva do vilão Duas Caras.

Na primeira década do Século XXI, o destaque foi o desenhista Jim Lee tendo assumido o lápis das histórias do personagem. Outro grande destaque foi quando o roteirista Grant Morrison assumiu as histórias do "Dono da Noite", trazendo de volta características antigas abandonadas do personagem, como seu filho Damian Wayne e uma comunidade de "Batmen" espalhados por outros países. Grant, por fim, escreveu as Maxi séries Batman R.I.P. e Crise Final, que trazem a morte de Bruce Wayne. Na verdade, desde que o parceiro infantil surgiu na Década de 1940, era esperado e imaginado o dia em que o eterno primeiro Robin, Dick Grayson, assumiria em definitivo sua herança e destino como Batman. Mais tarde, Bruce foi "ressuscitado". Entre os vilões surgidos nessa época, destacou-se Silêncio.

Por fim, na Década de 2010, a DC Comics fazer um novo "reboot", a Maxi Série Os Novos 52, com os mesmos objetivos de Crise nas Infinitas Terras, quais sejam, atualizar personagens e atrair leitores. Assim Batman teve sua origem e história novamente reescrita atualizada.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Através dos anos, a origem do homem morcego sofreu diversas revisões. Uniformes, parceiros e até a própria personalidade do Batman passou por mudanças. Outros aspectos, como a morte de seus pais e a sua busca por justiça, permaneceram.

Constante em todas as versões do Batman é o seu alter-ego: Bruce Wayne. Milionário, ou bilionário (dependendo da época), playboy, empresário e filantropo que optou por combater o crime em Gotham City após o assassinato de seus pais, o médico Thomas Wayne e sua esposa Martha Wayne.

Era de Ouro[editar | editar código-fonte]

Batman cossplay.JPG

A origem de Batman na Era de Ouro foi mostrada pela primeira vez em Detective Comics 27, em maio de 1939. Apenas em Batman #47, de Junho/Julho de 1948, foi mostrada mais detalhadamente. Segundo essas histórias, Bruce Wayne nasceu em 1916, filho do Dr. Thomas Wayne e sua mulher Martha. Bruce foi para a Mansão Wayne onde teve uma vida feliz e saudável até os oito anos, quando seus pais foram mortos por Joe Chill, um ladrão vulgar, quando voltavam para casa, depois de assistir a um filme no cinema. Após o acontecido, Bruce foi criado na Mansão Wayne por seu tio, Philip Wayne.

Bruce jurou vingar-se. Treinou seu físico e intelecto, estudou diversas áreas do conhecimento que poderiam ajudá-lo em sua busca, incluindo química, criminologia, artes marciais e ginástica, bem como habilidades teatrais como disfarces, fugas e ventriloquia. Ele sabia, no entanto, que apenas essas habilidades não bastariam.

Pensando nos criminosos como seres supersticiosos e covardes, Bruce pensou que seu disfarce deveria assustá-los, meter-lhes muito medo. Enquanto pensava sobre isso, um morcego entrou pela janela, inspirando-o a se tornar o Batman. Inicialmente, o Batman não foi bem aceito pela polícia, mas o "Cruzado de Capa" conseguiu a simpatia dos homens da lei no começo da década de 1940.

Em 1940, Bruce adotou o órfão Dick Grayson, após seus pais, os Graysons Voadores, serem brutalmente assassinados durante sua apresentação no circo em Gotham. Dick tornou-se o parceiro de Batman, Robin. Também em 1940, Batman tornou-se um dos membros-fundadores da Sociedade da Justiça da América.[9]

O Bruce Wayne dessa época vivia realmente como um playboy, aproveitando do que sua fortuna lhe propiciava e se divertia. Bruce Wayne era uma vida real.

Com a introdução do Multiverso da DC Comics na década de 1960, foi descoberto que o Batman da Era de Ouro vivia na Terra 2.[10] Também foi revelado que, em meados da década de 1950, Bruce Wayne fez parceria e se casou com a reformada Mulher-Gato, Selina Kyle.[11] A primeira filha do casal nasceu em 1957 e chamava-se Helena Wayne. As atividades do Batman se reduziram, ficando o Cavaleiro das Trevas semi-aposentado, aparecendo apenas para resolver casos especiais. Após a aposentadoria do Comissário Gordon, Bruce Wayne tomou seu posto como comissário de polícia em Gotham City.

No final dos anos 1970, a vida de Bruce Wayne ficou tumultuada, enquanto ele lidava com a morte de sua esposa Selina.[12] Após a morte de Selina, Bruce aposentou o Batman permanentemente, mas teve que voltar à ativa quando o criminoso Bill Jensen ganhou poderes sobre-humanos de um feiticeiro chamado Frederic Vaux. Jensen e Batman lutaram, enquanto Jensen usava seus poderes para destruir a si mesmo e ao Batman. Bruce Wayne foi enterrado ao lado de sua esposa Selina. Depois que Vaux foi derrotado, Senhor Destino usou seus poderes para apagar de todos a lembrança de que Bruce Wayne era o Batman, fazendo com que todos acreditassem que os dois faleceram quase ao mesmo tempo.[13]

Após a mega-saga em 12 capítulos Crise nas Infinitas Terras, essa versão do Batman, bem como toda a memória de sua existência, foi apagada.

Era de Prata[editar | editar código-fonte]

Dos anos 1950 aos 1970, vários elementos novos foram adicionados à origem, background e história do Batman. O Batman da Era de Prata apareceu pela primeira vez em meados da década de 1950, com uma origem que era (como revelado em várias Histórias no decorrer do tempo) similar ao do Batman da Era de Ouro. Enquanto as distinções das Eras de Ouro e de Prata são úteis para discutir a evolução do personagem ao longo dos anos, essa evolução foi gradual, e não há uma história específica que diga quando a versão da Era de Ouro deu lugar à da Era de Prata. Mesmo assim, o personagem que apareceu próximo ao começo da Era de prata (meados da década de 1950) era diferente em diversos fatores quando comparado ao que ele era no final da Era de Prata (meados dos anos 1980), devido às diversas pequenas revisões e novos diretores durante as publicações das histórias.

Assim como o Batman da Era de Ouro, o Batman da Era de Prata foi criado por seus pais até os oito anos, quando testemunhou o assassinato deles por Joe Chill, sendo então criado por seu mordomo Alfred (em vez de ser criado pelo seu tio). Bruce jurou vingar-se de todos os criminosos, dedicando sua vida a um treinamento rigoroso.

Em algum ponto no começo de seu treinamento, Bruce vestiu uma fantasia similar à do futuro Robin, recebendo, anonimamente, treinamento de um policial de Gotham, Harvey Harris.[14] Ele e seus guardiães também visitaram Smallville (ou Pequen��polis), onde conheceu o jovem super-herói Superboy[15] e trabalhou com ele em diversos casos. Bruce Wayne frequentou a faculdade com o propósito de estudar criminologia e cursos relacionados às leis, mas logo decidiu que ser um oficial de polícia não era o caminho que deveria seguir. Depois de se formar, Bruce, enquanto pensava sozinho em seus estudos sobre como lidar com criminosos, vê um morcego voar por sua janela, decidindo criar um uniforme de morcego e adotar o nome "Batman".

Algum tempo depois de começar sua carreira como combatente do crime, Bruce adotou um órfão chamado Dick Grayson, cujos pais haviam sido mortos pelo gângster Boss Zucco, e o treinou como seu parceiro, Robin.

Em Detective Comics #235 (Setembro de 1956), Batman descobriu que o assassinato de seus pais não foi um acidente, mas uma "encomenda" do gângster Lew Moxon. O pai de Bruce usou uma fantasia de morcego para um baile a fantasia, no qual pegou Moxon. Jurando vingança, Moxon contratou Joe Chill para arrumar um assalto que resultasse na morte dos Wayne. Batman encontrou-se com Moxon vestindo a fantasia de seu pai (pois o seu uniforme havia sido rasgado em combate) e Moxon, reconhecendo a roupa, atravessou a rua fora da faixa de pedestres e sem olhar pros lados, assustado, e acabou atropelado por um caminhão, morrendo.

As histórias do Batman no começo da Era de Prata (fim dos 1950 e começo dos 1960) apresentavam grandes quantidades de elementos de ficção científica. A partir de Detective Comics #327, de 1964, Batman retomou sua rotina como detetive, ficando os elementos de ficção científica descartados.

Em 1969, Dick Grayson foi para a faculdade e Bruce mudou-se da Mansão Wayne para a cobertura do prédio da Fundação Wayne, mais próxima do centro da cidade, com a intenção de ficar mais próximo da cidade, sua população e os criminosos. Bruce passou a década de 1970 e o começo da década de 1980 trabalhando sozinho, ocasionalmente juntando-se com Robin e/ou Batgirl. As histórias de Batman também se tornaram mais sombrias e macabras durante esse período, com o Cruzado Encapuzado lidando com crimes cada vez mais violentos, incluindo a primeira aparição (desde a Era de Ouro) do insano Coringa.

No começo dos anos 1980, Bruce Wayne adotou um novo parceiro, após Dick Grayson decidir por começar uma carreira como um novo super-herói, o Asa Noturna. Bruce adotou um jovem, Jason Todd, que tinha uma história muito parecida com a de Dick: era acrobata de um circo cuja família foi morta por um assassino. Jason, então, tornou-se o segundo Robin.

Era pós-Crise[editar | editar código-fonte]

Como definido em O Cavaleiro das Trevas, Bruce Wayne é o filho único do casal de milionários Thomas e Martha Wayne, quando, aos oito anos de idade, teve seus pais assassinados após um assalto. Bruce ficou profundamente traumatizado, sendo que sua vida nunca mais foi a mesma. Batman: Ano Um mostra que Bruce foi criado pelo Mordomo Alfred Pennyworth e a médica Leslie Thompkins. Apesar de milionário, Bruce não tirou proveito dos confortos e luxos que poderia ter usufruído. Passou a juventude obcecado em vingança e em impedir que a tragédia que abateu seus pais ocorresse com qualquer outro inocente. Bruce ficou obstinado em dedicar o resto de sua vida pra combater os criminosos e proteger inocentes como um vigilante. Abandonou Gotham City e percorreu várias localidades do mundo, aprendendo artes e técnicas que poderiam lhe ser úteis em seu objetivo, como combate marcial, investigação, disfarce, auto controle, etc.

Voltou a Gotham anos depois, já adulto, provavelmente inspirado pelo surgimento do Superman, fato o qual levou várias pessoas a criar alter-egos heróicos pra combater o crime. Decidido a usar tudo que aprendera pra combater o crime como um vigilante, Bruce tentou, a princípio, ser um vigilante anônimo, mas quase foi preso e morto. De volta à sua mansão, Bruce viu um Morcego atravessar a janela e isto lhe deu a inspiração de que precisaria imprimir medo nos criminosos, aparentando ser um ser sobrenatural, como um Homem Morcego (Batman significa exatamente Homem Morcego). Assim Bruce escavou a caverna abaixo da mansão, criando seu quartel general secreto; desviou dinheiro e tecnologia de suas empresas e fortuna pra montar um arsenal de armas e veículos. Criou um uniforme e passou a agir como vigilante aparentemente sobrenatural, que só agia nas noites, mesclado a escuridão. Só Alfred e Leslie sabiam de seu segredo, sendo que Alfred aceitou, a contra gosto, ser seu auxiliar, enquanto Leslie nunca aceitou isso. Nesta versão, Bruce se importa com sua vida como vigilante, não sentindo prazeres ou aproveitando a vida como playboy Milionário. Na verdade, apenas cultiva essa vida devido à utilidade de ter um alter-ego comum para poder repousar, além de assim ter a fortuna e tecnologia da Wayne Enterprises pra manter o Batman, sendo obrigado, muito a contra gosto, a fingir ser um playboy inconsequente e inútil.

Batman combateu, a princípio, a corrupção que assolava a polícia de Gotham, assim como a máfia que dominava a cidade. Foi nesse período que surgiu a parceria com o então Capitão James Gordon, o que, mais tarde, evoluiu pra uma forte amizade. Mais tarde, Gordon tornou-se Comissário de Polícia. Após o surgimento do Batman, vários ladrões, golpistas ou assassinos acometidas de graves distúrbios mentais surgiram em Gotham city, talvez atraídos pelo desafio que o genial Batman representava. Assim surgiram o Capuz Vermelho "que mais tarde tonou-se" o Coringa, Mulher Gato, Charada, Pinguim, Hera Venenosa, Cara de Barro, Senhor Frio, entre outros. Por um período, Batman teve uma aliança informal com Gordon e o promotor público Harvey Dent. Mas Dent teve seu rosto deformado com ácido por um mafioso que acusava, enlouquecendo e se transformando no criminoso psicopata Duas Caras.

Em seu segundo ano como vigilante, Bruce Wayne confrontou um ex-vigilante de Gotham City que voltara à ativa, agora como um violento assassino de criminosos: o Ceifador. O Dono da Noite, pra deter o vigilante sanguinário se viu obrigado a se aliar a Joe Chill, o suposto assassino de seus pais. Batman passou então por duas situações extremas que poderiam ter mudado drasticamente sua iniciante carreira: Primeiro, Bruce quase assassinou Joe Chill com uma arma, mas o Ceifador acabou executando o criminoso antes. Segundo, Bruce, traumatizado com toda a situação, decidiu se aposentar como vigilante, caso se casasse com a filha do "Ceifador", mas como ela se negou ele prosseguiu em sua solitária vida como detetive.

No terceiro ano de carreira do Batman, Bruce presenciou o assassinato dos pais do jovem Dick Grayson. Comovido, até pela similitude com sua situação, Bruce adotou "Dick" como seu pupilo,e por fim, resolveu revelar a ele seu segredo e oferecer treinamento pra que o garoto pudesse se tornar seu parceiro, tivesse vingança e promovesse justiça. Dick aceitou e assim surgiu Robin e a dupla dinâmica. Pouco tempo depois, Dick quase foi espancado até quase morrer pelo Duas Caras. Tempos depois, juntou-se à dupla a Batgirl que era a filha adotiva do Comissário Gordon, Bárbara Gordon.

Batman e Robin atuaram juntos por anos, até que Dick teve que ir pra faculdade, distanciando-se de Bruce. Nessa época Batman conheceu e teve um romance com Talia al Ghul, o qual foi desfeito quando conheceu o pai dela, Ra's Al Ghul. Tratava-se de um poderoso vilão que descobrira um meio de se manter imortal e que entendia que o planeta e a humanidade corriam risco de extinção, graças à superpopulação que destruía perigosamente os recursos naturais. Ra's pretendia exterminar a maior parte da população humana, até uma quantidade controlável que deveria ser liderada por ele. Ele, ao ver toda a capacidade e genialidade de Batman, quis que ele se torna-se seu genro e sucessor, o que Bruce não aceitou. Mais tarde, Bruce descobre que Talia engravidou dele, tendo um filho, Damian Wayne com o qual Bruce não mantem contato.

Por fim, Dick que já se tornava adulto, e atuava cada vez mais distante do Morcego, e próximo aos Novos Titãs, resolveu abandonar de vez o traje de Robin e criar o Asa Noturna. Bruce atuou algum tempo sozinho, mas logo conheceu Jason Todd, um menino de rua, órfão que tentou roubar os pneus do Batmóvel. Bruce viu nele coragem e ousadia, por fim adotando-o, revelando seu segredo, e oferecendo a chance de ser o segundo Robin. Mas logo Bruce entrou em uma das piores fases de sua vida. O Coringa deixou Bárbara Gordon paraplégica,e tentou enlouquecer seu pai. Pouco tempo depois, o problema foi Jason Todd. O garoto era impulsivo, descuidado e sua ira e mágoa com suas tragédias pessoais cresceu a ponto de Bruce afastá-lo. Acabaram atuando juntos novamente na África, perseguindo o Coringa o qual tentou vender um Míssil Nuclear a terroristas, assim como achar a mãe de verdadeira de Jason, desconhecida por ele. Jason a encontra mas é traído por ela, espancado pelo Coringa com um pé de cabra até quase a morte,e por fim, deixado, junto com a mãe pra morrer em uma explosão.

A morte violenta de Jason, e a culpa que Bruce sentiu, uma vez que foi ele quem ofereceu a vida como vigilante ao menino, levou o Cruzado de Capa a entrar em um ciclo auto destrutivo. Alfred e "Dick", vendo que Bruce logo acabaria morto nesse ritmo, convenceram-no a aceitar o jovem Tim Drake como terceiro Robin. Tim deduzira a identidade secreta de Batman e Asa Noturna e se oferecera pra ser um novo Robin, chegando até mesmo a salvar ambos da morte certa nas mãos do Duas Caras. Após um longo treinamento "Tim" oficialmente tornou-se o terceiro "Menino Prodígio". Passados alguns meses, sua mãe é assassinada.

Após muitos anos seguidos enfrentando os mais cruéis e doentios assassinos, sendo levado aos limites corporais e psiquicos, Bruce passa por um progressivo Estresse emocional e psíquico além de estafa física. Paralelamente, o ex-presidiário Bane chega a "Gotham City", disposto a derrotar o nunca antes derrotado Batman,e dominar o submundo da cidade. Bane, deduz a identidade secreta de Bruce, explora seu crescente problema,e provoca a fuga em massa do Asilo Arkham, sanatório criminal onde todos os psicopatas presos por Batman estavam. Batman enfrentou sus piores inimigos, de uma vez, e, por fim, esgotado, foi facilmente derotado por Bane, que fraturou sua Coluna Vertebral, deixando-o paraplégico. Bruce escolhe Jean Paul Valley, um super herói novato chamado Azrael, com muito potencial, mas muito instável, pra substituí-lo. Jean Paul derrota Bane, mas acaba sucumbindo aos seus problemas psíquicos, modificando o uniforme do Batman, inserindo armas, agindo violentamente,e por fim, deixando o assassino Matadouro morrer. Bruce, paralelamente, conseguiu curar-se graças à mutante Sandra Asplin, e derrota Jean Paul, usando da mera astúcia, tomando de volta o manto do morcego.

Bruce chegou a se licenciar por um tempo, quando Dick Grayson assumiu pela primeira vez o manto do Homem Morcego. Batman passa a integrar também a Liga da Justiça. Anos mais tarde, Gotham City foi assolada por uma Epidemia de uma variação do Virus Ebola, disseminada intencionalmente pela Ordem de São Dumas, a organização que criara e traumatizara Azrael. Depois descobriu-se que o virus fora criado por Ra's Al Ghul, com objetivo de exterminar a maior parte da humanidade. Gotham jáhavia sido arrasada com o contágio, mas foi então atingida por um violento Terremoto, o que levou a um estado de calamidade extremo. Por fim, ouve um lobby, que levou o "Congresso Americano" a banir a cidade de "Gotham City" da União, sendo cortadas as ligações com o país, proibido o tráfico para dentro ou fora da cidade,e por fim, abandonados à sua própria sorte os que decidiram ficar. Gotham virou uma terra de ninguém, sem a menor infra estrutura, habitada apenas por bandidos, desajustados, ou pessoas extremamente miseráveis, sem outro lugar pra ir. Vários vilões tornaram-se chefes de gangues, as quais repartiram trechos da ilha de Gotham entre si, numa constante guerra que , por fim, teve a vitória de Batman e dos policiais que ficaram. No entanto, Sarah Essen Gordon, esposa do comissário, foi assassinada pelo Coringa. Por fim, Lex Luthor, com objetivos eleitorais pois almejava se tornar Presidente americano, convenceu o Congresso a reverter o banimento de Gotham,e ajudar na sua reconstrução e re-inserção no país.

Na sequência, Cassandra Cain assumiu o manto de Batgirl, e Stephanie Brown, ex-salteadora, substituiu Tim Drake como quarto Robin e primeira Robin feminina. Mas ela acabou provocando uma sanguinária guerra de gangues, na qual acabou aparentemente morta, abrindo espaço ao retorno de Tim Drake como "Menino Prodígio". Dick Grayson é oficialmente adotado como filho legítimo de Bruce Wayne. Passado algum tempo, Tim Drake perde seu pai, e também é adotado por Bruce como filho. Algum tempo depois, graças às manipulações espaço-temporais de Alexander Luthor e do Superboy Primordial, o continuum temporal foi alterado,e Jason Todd teve sua história modificada, voltando à vida, e se tornando um assassino desequilibrado, rancoroso e desnorteado, querendo tanto se vingar do Coringa, que o matou, quanto de Bruce, que não se vingou do Coringa, matando-o. Jason tornou-se um anti-herói ambíguo, dividido entre ser um vigilante justiceiro e violento ou sucumbir à sua sede de vingança e rancor.

Mais tarde, Bruce reencontra seu filho, Damian, o qual fora treinado por seu avô Ra's Al Ghul para ser um assassino frio e seu sucessor, tendo o garoto chagado a efetivamente matar. Mas Bruce toma sua guarda e o treina pra que ele use seu potencial a favor da Justiça. Pouco tempo depois, Bruce é envolvido em um engendrado plano promovido pela organização secreta criminosa Luva Negra, liderada pelo Doutor Hurt, visando enlouquecê-lo e arruiná-lo[16] . Batman consegue derrotar o grupo, mas é dado como morto ao fim da maxi série Batman R.I.P., ficando desaparecido até a morte do Novo deus Órion.

Bruce é então sequestrado pelos deuses de Apokolips durante a Crise Final[17] . Durante o ataque devastador de Darkseid e seu séquito, os quais se infiltraram entre os humanos, escravizando-os e buscando recriar Apokolips na Terra, Doutor Symian e Doutor Mokkari, cientes da inteligência, capacidade e determinação anormais de Bruce Wayne, tentaram retirar essas características dele e implantá-las em um exército de clones fiéis a Darkseid. Mas o Detetive Encapuzado levou tal plano ao fracasso, escapou, e, por fim, enfrentou o próprio Darkseid, alvejando-o com o mesmo Projétil que matou Órion, o que deixou o Novo Deus agonizante. No entanto Darkseid atinge Bruce com a Sanção Ômega. Superman encontra um cadáver cremado vestindo um uniforme do Cavaleiro das Trevas e conclui que se trata do corpo de Bruce Wayne[18] .

Após o fracasso da invasão de Darkseid, o boato de que Batman está morto leva os criminosos a provocarem um aumento desenfreado na criminalidade e violência em Gotham City, agora uma cidade sem seu protetor. Alfred Pennyworth, Tim Drake e Jason Todd percebem que a figura do Batman é necessária, e que alguém deve mantê-lo vivo, mas Dick, o substituto natural, não quer assumir o manto. Jason resolve se vestir de Batman e age com um justiceiro cruel, sendo depois confrontado e derrotado por Asa Noturna. Dick, convencido por Alfred, decide manter em segredo a morte do Batman original e aceita assumir o lugar de Bruce, agora em definitivo[19] . Dick escolhe Damian Wayne pra ser o quinto Robin, uma vez que considerava que o neto de Ra's Al Ghul precisava de controle, enquanto Tim Drake estaria pronto. Após isso, Tim cria e se torna o Robin Vermelho, e, crente que Bruce não morreu, tenta achá-lo[20] .

Mais tarde, descobre-se que, Tim tinha razão, pois o corpo que se pensava ser de Bruce, era, na verdade, o de um dos clones do Doutor Mokkari[21] . O verdadeiro Wayne, havia sido condenado à Sanção Ômega, a qual o amaldiçoara a uma infinidade de encarnações, mortes trágicas e reencarnações através do tempo, as quais culminariam com uma morte final que também destruiria o continuum espaço-tempo através de uma explosão de Radiação Ômega[22] . Por fim, com mais uma demonstração de sua genialidade e estratégia, Bruce, após derrotar sozinho a Liga da Justiça, consegue quebrar a maldição, voltar ao seu período cronológico correto e impedir a aniquilação causada pela radiação Ômega[23] .Dick Grayson chega a ser Batman concomitantemente a Bruce, mas logo retorna ao alter ego de Asa Noturna.

Doutor Hurt havia difamado o nome de Bruce Wayne e de sua família durante o período em que Bruce esteve ausente (em nenhum momento, sua presumida morte foi tornada pública por sua família). Ao voltar a ativa, Bruce dá início à Corporação Batman, quando revela publicamente que sempre financiou o Homem Morcego, sem, no entanto, revelar que ele é o próprio[24] . Bruce também dá início uma equipe de versões do Batman espalhados pelo mundo, heróis financiados pela fortuna Wayne e liderados pelo Homem Morcego, os quais tem como principal inimigo, a organização criminosa Leviatã original[25] . Por fim, a Corporação Batman derrota ao Leviatã, mas a um alto custo: A Corporação é desfeita, Talia cria um clone assassino de seu filho para derrotar Bruce, mas o clone acaba matando o Damian Wayne original, causando um impacto profundo em Wayne, que volta a ser um herói muito sombrio e solitário[26] .

Corporação Batman[editar | editar código-fonte]

É uma organização pública financiada por Bruce Wayne, este que é o líder quando assume o manto de Batman. A corporação tem como objetivo obter recrutas de todo o mundo para treiná-los em corpo a corpo e mentalmente, para espalharem os ideais de Batman.

Teve primeira aparição em Batman and Robin vol 1-16, no ano de 2011.

Personalidade[editar | editar código-fonte]

Como Batman, a personalidade de Bruce Wayne variou conforme o passar do tempo. As histórias mais novas preferem mostrá-lo como uma pessoa que despreza tanto o contato social, quando as comodidades e frivolidades que sua fortuna podem lhe proporcionar, no entanto, mantendo-se fingindo que é playboy preguiçoso, sendo que o Batman, com uma personalidade forte e sombria, é a personalidade dominante, a "verdadeira" identidade do bilionário. As versões pré-Crise apresentam um Bruce Wayne mais maduro e responsável, sendo Bruce a personalidade dominante.

Wayne guarda seu segredo muito bem, e apenas poucas pessoas sabem que ele é o Batman (ou o Batman é ele, se preferir). Alguns vilões descobriram sua identidade ao longo dos anos, como Ra's Al Ghul, Hugo Strange, o Charada, Bane e Silêncio (Thomas Elliot, antigo amigo de infância de Bruce Wayne).

Bruce Wayne[editar | editar código-fonte]

Bruce Wayne se mostra perante a sociedade como um playboy irresponsável e superficial que vive da fortuna herdada dos pais (conquistada quando os pais de Bruce investiram em Gotham antes de a cidade tornar-se uma grande metrópole) e dos lucros obtidos pelas Empresas Wayne, uma grande empresa no ramo da tecnologia de ponta. Contudo, Wayne também é conhecido por suas contribuições para caridade, especialmente através da Fundação Wayne, fundação dedicada a ajudar vítimas de crimes e prevenir que pessoas tornem-se criminosas. Essa personalidade de Bruce Wayne foi inventada por ele para evitar que alguém desconfiasse de seu alter-ego, às vezes fingindo-se bobo e egoísta para que ninguém o descubra. Batman deixou claro que considera manter sua identidade secreta prioridade máxima, chegando a ficar perto da morte várias vezes para evitar mostrar suas habilidades em público como Bruce Wayne.


Batman[editar | editar código-fonte]

Bruce Wayne criou o Batman para causar medo no submundo de Gotham e para defender os inocentes. O uniforme e a maneira como age quando o usa tem o objetivo de intimidar seus adversários. Enquanto Bruce Wayne é despreocupado e irresponsável, Batman é frio, determinado e implacável. Além do uniforme e da personalidade, Bruce Wayne também altera sua voz significativamente quando torna-se Batman, tanto para disfarçar como para intimidar.

Batman costuma atuar apenas à noite (e não durante o dia, como no seriado dos anos 1960), imitando os hábitos dos morcegos. Em histórias mais recentes, surgiu a ideia de Batman como uma lenda urbana.

Fósforos Malone[editar | editar código-fonte]

Fósforos Malone foi um bandido vulgar que certa vez atuou como espião para o Batman. Batman ocasionalmente disfarça-se para infiltrar bandos criminosos. Quando Malone foi morto, Batman assumiu sua identidade. Na saga Jogos de Guerra foi revelado que Batman planejava fazer de Fósforos Malone o chefão do crime de Gotham, tendo total controle sobre os criminosos que persegue como Batman.

Habilidades e recursos[editar | editar código-fonte]

Batmóvel do filme Batman.


Batman não possui habilidades sobre-humanas, mas tem perícia de um atleta completo. Habilidoso em todas as formas de combate corpo-a-corpo ou com armas e ainda o maior detetive do mundo: mestre em fugas, disfarces e explosivos, inventor, cientista, acrobata, piloto. É especialista em ocultar-se, entra e sai de lugares sem ser notado.Por ser humano Batman é vulnerável as armas de fogo, mesmo com sua armadura a prova de balas, que não resiste ao tiro direto, sendo assim Batman(que só aparece a noite) utiliza as técnicas que aprendeu durante o treinamento na Liga das Sombras,que consiste em usar as sombras e lugares escuros,como as armações de madeira de um casarão, de baixo do chão das docas no canto escuro de uma casa, no teto de um corredor usando luvas com gancho,e várias outras opções que cada situação oferece, para se ocultar silenciosamente e derrubar um por um dos inimigos armados,pois consegue migrar de um desses esconderijos para qualquer outro sem que seus inimigos percebam;tais inimigos armados(capangas, na maioria das vezes)por não saber onde o herói esta, ficam extremamente vulneráveis a ataques surpresa.Ao perceber que seus aliados estão sumindo, os inimigos armados ficam com medo e desconcentrados, aproveitando esse medo Batman utiliza seus batarangues(ou bat-rangues, que são laminas de arremesso)para fazer barulho assustando os inimigos para que eles gastem balas por nada, também pode usar esses para desarmar inimigos e para derruba-los a distancia,ou plana sobre os assustados para que eles gastem bala na sua enorme sombra.Quando a escuridão é ameaçada por lampadas Batman aciona um dispositivo em seu cinto parecido com um interruptor que emite um pulso eletromagnético que queima as lampadas.Sabe interrogar ou intimidar um suspeito tudo isso para armar estratégias de stealth[1]. É inteligente e capaz de criar armas e transportes avançados, além de estar sempre à frente de seus adversários prevendo quase todas as situações.

Batman é considerado um dos mais fortes não-meta-humanos de toda face da terra, podendo derrotar seres muito mais poderosos que ele próprio com uma combinação de inteligência, raciocínio rápido e habilidades que desenvolveu através de árduo treinamento. Os roteiristas são quase unânimes em justificar esse perfeccionismo, genialidade nos atos, raciocínio e planejamento do personagem devido a sua extremada obstinação como vigilante, a qual, muitas vezes, chega a ser retratada como um desequilíbrio mental, igual ao que aflige seus inimigos do Asilo Arkham. Há de se convir, que as vezes, a justificação dessas capacidades ultrapassa a barreira da lógica, criando situações extremamente irreais, como a de resistir aos Raios ômega de Darkseid.

Armas[editar | editar código-fonte]

O cinto de utilidades contém ampla gama de dispositivos, tais como lasers, cápsulas de gás, e batrangs bem afiados, bombas de gás, e bat-corda que aguenta mais de 150 kg. Na Era de Prata dos Quadrinhos, ele parecia ter um dispositivo para cada tipo de situação. Sua máscara assim como seu traje são à prova de balas de baixo calibre, feitos de um material bem resistente chamado Kevlar. Também é usado Nomex, material resistente ao fogo, em seu traje. Batman ainda possui veículos dotados de equipamentos de última geração, como o Batmóvel, batplano, batlancha e o batwing. Aproveitando dos avanços tecnológicos de sua empresa, Waynetech (das Empresas Wayne), não é raro ver o Batman testando novos dispositivos. Na Bat-caverna, Batman pode ainda contar com um supercomputador, e no novo desenho O Batman conta ainda com o batwave, que o liga com a Bat-caverna esteja onde estiver.

Fraquezas[editar | editar código-fonte]

Exatamente por ser um humano comum (rara característica em super-heróis), Batman pode se ferir em combate, mas na maioria dos casos pode contar com seu fiel mordomo, Alfred, com formação em medicina de guerra e que também o ajuda a resolver muitos dos casos em que se envolve.

Devido ao seu trauma de infância, Batman não tem o costume de se envolver emocionalmente com ninguém. Sua desconfiança de tudo e todos o afastou até mesmo dos grandes heróis com os quais já lutou lado a lado muitas vezes, como o Superman, e isso às vezes é usado pelos vilões como um modo de isolar o Cavaleiro das Trevas.

Este mesmo trauma faz com que Batman relembre constantemente do crime que vitimou seus pais, no Beco do Crime, à noite.

Aliados e vilões[editar | editar código-fonte]

Aliados[editar | editar código-fonte]

  • Alfred Pennyworth, o mordomo, é o mais importante aliado do Batman, parecendo, às vezes, ser o Batman do Batman. Parece haver alguma ligação do mordomo dos Wayne com a Scotland Yard, e às vezes Alfred dá algumas dicas subliminarmente para o Batman ou a dupla dinâmica. Alfred ainda tem formação em medicina de guerra, sendo extremamente útil para o Cruzado Encapuzado quando se fere. Alfred também fez teatro na Inglaterra e consegue imitar a voz de Bruce Wayne, que em algumas vezes foi muito útil para criar um álibi ao herói. Alfred, que nunca formou família, foi quem criou Bruce após este ficar órfão. Isto criou entre ambos uma relação de pai e filho.
  • Robin, é o parceiro oficial do Batman. Já houve cinco "Robins", seis se contarmos o Robin do futuro mostrado em O Cavaleiro das Trevas: Dick Grayson, filho adotivo de Bruce, o Robin original que fundou os Jovens Titãs e posteriormente tornou-se o Asa Noturna; Jason Todd (morto pelo Coringa em Morte em Família, por decisão do público, e ressuscitado por Ra's Al Ghul, posteriormente se tornando o vilão Capuz Vermelho ; Tim Drake, também filho adotado por Bruce,e terceiro Robin; Sthephanie Brown (a salteadora), primeira Robin feminina, sendo, no entanto, por apenas um breve período em Jogos de Guerra (quando foi demitida); e Damian Wayne, filho natural de Bruce com Talia al Ghul, e quinto Robin. Considerando-se um futuro alternativo, podemos contar Carrie Kelly, a Robin da mini-série O Cavaleiro das Trevas. John Blake, um investigador que sempre soube a indentidade do Batman se tornou o Robin depois da morte forjada de Batman na série The Dark Knight.
  • Comissário Gordon, maior aliado de Batman na luta contra o crime em Gotham, acionando o Bat-sinal sempre que julga necessária a ajuda do Batman;
  • Barbara Gordon, filha do Comissário, sendo a criadora e primeira Batgirl. Hoje está paraplégica e agora ajuda os heróis como a hacker de computadores conhecida como Oráculo (Oracle).
  • Lucius Fox, que trabalha como CEO das Empresas Wayne e cuida de tudo no lugar de Bruce, deixando-lhe maior tempo livre para o combate ao crime.

Há ainda muitos outros nomes, como Cassandra Cain, a nova Batgirl; Jean-Paul Valley, conhecido por Azrael, que substituiu Bruce durante sua recuperação na saga Queda do Morcego; entre muitos outros nomes.

Romances[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos anos, Bruce teve vários relacionamentos amorosos, dentre os quais destacam-se:

  • Selina Kyle, a Mulher-Gato, com quem Bruce tem um relacionamento conturbado. Recuperava os objetos roubados por ela, mas não tentava prendê-la pois tinha esperança de que se tornasse uma boa pessoa. Bruce a trata de forma visivelmente diferenciada em relação a qualquer outro ladrão, sendo muito mais brando com seus crimes. Selina, por sua vez, gosta de seduzi-lo e, vez por outra, até larga a capa de vilã e ajuda o Morcego contra alguma ameaça a inocentes;
  • Talia al Ghul, com quem chegou a ter um filho (Damian Wayne). Ambos tiveram uma paixão arrebatadora, mas o relacionamento nunca evoluiu pois Tália é filha do terrorista conspirador Ra's Al Ghul. Ra's até queria a união entre ambos, mas objetivava que o formidável detetive também se aliasse à sua causa assassina. Esperava que Bruce e Tália gerassem os mais formidáveis herdeiros para levar adiante seus ideais macabros de paz mundial. Tália sempre escolheu, sem hesitar, apoiar o pai em suas ações terroristas, porém, muitas vezes, acabou por traí-lo, denunciando seus planos para Bruce, e, às vezes, até ajudando-o diretamente. Essa situação de eterno conflito que atinge Tália, de ficar pressionada entre o pai de seu filho e homem de sua vida, e o pai que tanto admira e por quem nutre fidelidade sem limites, acabou por deixar muitas mágoas na relação do casal;
  • Vicky Vale, uma repórter com quem Bruce teve um longo, porém, raso relacionamento. Bruce nunca confiou nela, o suficiente, para confidenciar-lhe seu segredo. Após alguns anos, Vicky, cansada da falta de direção e evolução no relacionamento com Bruce, trocou-o por um repórter e viajou para fora de Gotham. Voltou apenas recentemente, após a "morte" de Bruce, e descobriu que seu ex era o Batman através de pura dedução lógica:
  • Sandra Asplin, a médica que Bruce procurou durante a saga "A Queda do Morcego". O Vigilante estava acometido por um stress emocional e físico profundo, e foi tratado pela médica, que usava a identidade falsa de Shondra Kinsolving. No entanto, ela não pode curá-lo, pois ele nunca esteve disposto a seguir o repouso receitado por ela, nem contar os verdadeiros motivos de seu esgotamento. Após ficar paraplégico, Bruce percebeu o quanto gostava da médica, mas, quando decidiu procurá-la, ela havia sido sequestrada por seu irmão, Benedict Asplin. Acontece que Sandra era uma mutante que podia tanto matar quanto curar pessoas com o poder de sua mente, e seu irmão pretendia usar tais poderes para ameaçar e extorquir em grande escala. Mesmo paraplégico, Bruce, com o auxílio de Alfred, conseguiu libertar Sandra. Porém, Sandra não usava tais poderes por um motivo: isso degenerava sua mente. Quando Bruce quis pedi-la em casamento, já era tarde: sua mente estava profundamente afetada de forma irremediável. Sandra ainda usou uma última vez seu dom, curando instantaneamente a Coluna fraturada de Bruce. Hoje, ela vive sob os cuidados de uma equipe médica paga por Bruce;
  • Rachel Caspian, por quem Bruce teve uma profunda paixão durante seu segundo ano como Cruzado Encapuzado. Rachel era filha do justiceiro Ceifador, que morreu após assassinar Joe Chill. Bruce, cansado de tantas tragédias e violência estava disposto a abandonar a vida de vigilante e formar uma família com Rachel, mas ela, profundamente chocada com a morte do pai e horrorizada com o fato de ele ser um justiceiro assassino, escolheu se isolar do mundo como freira.
  • Jezebel Jet, com quem Bruce teve um relacionamento muito rápido um pouco antes da saga Batman R.I.P.. Mais tarde, ela se revelou uma mulher paga pela organização Mão Negra para seduzi-lo e traí-lo, mas Bruce revelou que já desconfiava dela;
  • Chase Meridian, uma psicóloga e um interesse amoroso para Bruce Wayne. Chase é fascinada pela natureza dual do Batman. Ela é descrevida como uma donzela em perigo no clímax. Em Batman Forever ela descobre a identidade do Batman e é raptada por Duas-Caras junto a Dick Grayson e resgatada por Batman no final. Chase alegou que o segredo de Bruce estava seguro após o Charada enlouquecer e achar que é o Batman.

Vilões[editar | editar código-fonte]

Nos anos 1940, temos o Coringa, o palhaço louco, assassino e psicótico (considerado o pior inimigo do Batman); a sensual Selina Kyle, a Mulher-Gato, ladra com fixação por felinos; Oswald Chesterfield Cobblepot, o Pingüim; o terrível Edward "Nygma" Nashton, o Charada; o ex-promotor Harvey Dent, hoje conhecido como Duas-Caras; o Chapeleiro Louco (Jervis Tetch ) e o Espantalho (Jonathan Crane), o senhor do medo. Também na mesma década, temos o Mago, este mais conhecido pela série de 1949.

Nas décadas de 1950 a 1970, temos o surgimento de Victor Fries, o Senhor Frio, Hera Venenosa (Dra. Pamela Lillian Isley) e Ra's Al Ghul, um dos maiores vilões que o Batman já enfrentou e recentemente voltando a evidência em razão do êxito do filme Batman Begins.

Na década de 1980, temos Killer Croc (Crocodilo - Waylon Jones), o Máscara Negra (Roman Sionis) e o Ventríloquo (Arnold Wesker), junto de seu boneco Scarface, que é um marionete .

Bane e Harley Quinn (Harleen Quinzel) surgiram na década de 1990, e, mais recentemente, o Silêncio.

Outros vilões também estão presentes nos quadrinhos e nas séries de desenhos animados de Batman, como por exemplo : Face-Falsa, Rei Tut, o Pistoleiro, Cara-de-Barro (Basil Karlo), Morcego Humano (Robert Kirkland Langstrom), Vagalume (Garfield Lynns) e o segundo Robin (Jason Todd), que é assassinado pelo Coringa e renasce sob a máscara de Capuz Vermelho.

Entre os menores inimigos do Batman estão os chefões do crime: Carl Grissom e Carmine Falcone, e o cientista louco Jason Woodue. Estes aliás foram assassinados por inimigos maiores.

Elseworlds[editar | editar código-fonte]

Batman é provavelmente o personagem que já estrelou mais edições de Elseworlds. Já foi retratado como um cavaleiro medieval, um burguês do século XIX e mesmo num futuro cibernético no qual enfrentava um vírus de computador chamado Coringa (na história Digital Justice). Isto se deve provavelmente à maior facilidade de adaptar a base de sua história a outros cenários, visto se tratar de um ser humano normal, sem poderes.

Outros meios[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cartoon[editar | editar código-fonte]

Anime[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Interprétes do personagem no cinema
AdamWest1989.jpg Michael Keaton Cannes.jpg Val Kilmer Cannes.jpg George Clooney 66ème Festival de Venise (Mostra) 3Alt1.jpg ChristianBaleJun09.jpg Ben Affleck 2011.jpg
Adam West (1966) Michael Keaton (1989-1992) Val Kilmer (1995) George Clooney (1997) Christian Bale (2005-2012) Ben Affleck (2016)

Batman (1989)[editar | editar código-fonte]

Batman, o herói da sombria Gotham City luta para proteger a cidade de Coringa (Jack Nicholson). Batman (Michael Keaton) terá de livrar-se das garras do Coringa para cair nos braços da sensual e estonteante fotógrafa, Vicki Vale (Kim Basinger).

Batman Returns (1992)[editar | editar código-fonte]

O Pinguim (Danny DeVito), um ser nada comum, abala a calma e a tranquilidade dos habitantes de Gotham City. Batman (Michael Keaton) terá que impedir que ele tome conta de Gotham. Mas a situação se complica ainda mais com a aparição da Mulher-Gato (Michelle Pfeiffer), que sabe seduzir e manejar um chicote com a mesma facilidade. Nesta produção, Batman enfrenta grandes desafios.

Batman Forever (1995)[editar | editar código-fonte]

Percorrendo as ruas escuras de Gothan, Batman (Val Kilmer) está pronto para defender a lei e a ordem. Mas desta vez, o perigo vem em dobro! Duas Caras (Tommy Lee Jones) é um vilão que conta com a sorte para se vingar de Batman. Charada (Jim Carrey) é um gênio criminoso, cheio de truques sujos e ideias diabólicas. Juntos querem colocar seu terrível plano em ação: descobrir a identidade secreta do homem morcego e destruí-lo de uma vez por todas. Para deter esta dupla explosiva, Batman contará com a ajuda da irresistível Dra. Chase Meridian (Nicole Kidman) Psicóloga especialista em duplas personalidades e de um jovem acrobata que se transformará em seu novo parceiro, Robin (Chris O'Donnell).

Batman & Robin (1997)[editar | editar código-fonte]

Uma onda inteira de frio paira sobre a cidade de Gotham. A mais nova ameaça criminosa atende pelo nome de Mr. Freeze (Arnold Schwarzenegger) - um vilão disposto a transformar a metrópole em seu domínio gelado. O Batsinal é acionado, iluminando a noite escura. Batman (George Clooney) e Robin (Chris O'Donnell) partem a toda a velocidade para atender ao chamado da justiça ! Longe dali, na América do Sul, uma dedicada cientista botânica sofre um inesperado acidente químico. Envolta pelas plantas exóticas que estudava, surge Hera Venenosa (Uma Thurman), uma mulher sedutora, com beijos mortais e um desejo incontrolável de vingança. Para deter esta nova dupla de criminosos, Batman e Robin precisarão de toda a ajuda possível e a jovem Barbara Wilson (Alicia Silverstone) pode ser a nova aliada deles na mais explosiva batalha entre as forças do bem e do mal.

Trilogia de Christopher Nolan[editar | editar código-fonte]

  • Em Batman Begins (2005), o aclamado diretor Christopher Nolan (Amnésia) explora as origens do Cavaleiro da Trevas. Na busca pelos assassinos dos seus pais, o desiludido herdeiro Bruce Wayne (Christian Bale) viaja pelo mundo reunindo recursos para combater a injustiça e amedrontar aqueles que semeiam o medo. Com a ajuda de seu mordomo de confiança, Alfred (Michael Caine), do detetive Jim Gordon (Gary Oldman) e do seu aliado Lucius Fox (Morgan Freeman), Wayne retorna para Gothan City e liberta seu alter ego: Batman, um vigilante mascarado que usa sua força, intelecto e um arsenal de alta tecnologia para combater as forças sinistras que ameaçam a cidade.
  • Em The Dark Knight (2008), continuação de Batman Begins, reúne novamente o diretor Christopher Nolan e o ator Christian Bale, que reprisa o seu papel de Batman/Bruce Wayne em sua ininterrupta luta contra o crime. Agora, com a ajuda do Tenente Jim Gordon e do Promotor Público Harvey Dent (Aaron Eckhart), Batman terá que banir o crime organizado das ruas de Gotham de uma vez por todas. O trio se revela muito eficiente na árdua tarefa. Mas em breve, os três serão vítimas de uma mente criminosa brilhante e doentia, o Coringa (Heath Ledger), um vilão que está ascendendo no submundo e que pretende lançar Gotham em uma onda de anarquia, quase levando o Homem-Morcego a cruzar a tênue linha que separa o herói do vilão.
  • The Dark Knight Rises, terceiro e último filme da série criada por Nolan reúne novamente o diretor e o ator Christian Bale, que reprisa o seu papel de Batman/Bruce Wayne em sua ininterrupta luta contra o crime. Após a luta ardual contra o Coringa (Heath Ledger), Batman precisará usar toda a sua força para vencer um novo vilão Bane (Tom Hardy),e Selina Kyle (Anne Hathaway). O filme será a conclusão da trilogia e Nolan afirmou que o final impossibilita uma sequência, o ator Christian Bale se referiu ao filme como o final de uma era.
  •  Batman Vs. Superman: Aurora da Justiça

Fã-filmes[editar | editar código-fonte]

Alguns fãs do Batman fazem filmes independentes inspirados no personagem, sem a permissão da Warner Bros. ou da DC Comics. O mais famoso entre eles é Batman Dead End, feito por Sandy Collora em 2003. Esse ganhou até uma história em quadrinhos baseada no curta. Outro fã-filme famoso é Batman City of Scars, uma produção de 27 mil dólares. Foi filmado em 21 dias.

O Começo da Liga da Justiça nos Cinemas[editar | editar código-fonte]

Em 20 de julho de 2013 foi anunciado na San Diego Comic-Con 2013 que o herói se encontraria com Super-Homem no universo DC nos cinemas. O painel mostrou uma imagem com o logo do Morcego e o S do Super-Homem sobrepostos. Uma das frases da HQ O Cavaleiro das Trevas foi citada, "Quero que você lembre da minha mão na sua garganta. Quero que você se lembre do único homem que o derrotou". O novo "Batman" será o ator Ben Affleck. O filme já está sendo produzido e as filmagens já começaram.Tem previsão de lançamento para 26 de março de 2016 , o filme é sobre batman e superman uma continuação do filme superman man of stell

O início de Batman nos cinemas[editar | editar código-fonte]

Teve início pela década de 40, com as séries de 1943 e 1949, como na época não havia tecnologia suficiente, o modo de levar a série ao público era semanalmente passando os episódios nos cinemas da cidade.

São respectivamente, O Batman e Batman e Robin.

Jogos eletrônicos[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Universo DC terá dois Batmen - e outras novidades da editora em convenções
  2. http://pt.wikipedia.org/wiki/Damian_Wayne
  3. http://pt.wikipedia.org/wiki/Terry_McGinnis
  4. batman drawings 1932.
  5. http://www.nooboiando.com/2012/07/20-coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-o.html
  6. http://batmanatrajetoria.gothamcity.com.br/frank_foster.html
  7. No Brasil, gíria que significa revistas de histórias em quadrinhos (banda desenhada).
  8. http://www.nooboiando.com/2012/08/20-coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-o.html
  9. DC Special #29
  10. Terra 2: mundo paralelo, lar dos heróis da Era de Ouro que participaram da Segunda Guerra Mundial. Nesta Terra, os heróis podiam envelhecer, casar, ter filhos, mudar de carreira, se aposentar ou até morrer.
  11. Superman Family #211
  12. DC Superstars #17
  13. Adventure Comics #461-463
  14. Detective Comics #226
  15. Superboy foi o nome adotado por Clark Kent, aos dezoito anos de idade, durante a Era de Prata. Quando adulto, Clark mudou o nome de Superboy para Superman.
  16. http://osantuario.com/2013/11/03/batman-o-retorno-de-bruce-wayne-ate-o-fim-dos-tempos/
  17. http://osantuario.com/2013/11/03/batman-o-retorno-de-bruce-wayne-ate-o-fim-dos-tempos/
  18. http://osantuario.com/2013/11/03/batman-o-retorno-de-bruce-wayne-ate-o-fim-dos-tempos/
  19. http://osantuario.com/2013/11/03/batman-o-retorno-de-bruce-wayne-ate-o-fim-dos-tempos/
  20. http://osantuario.com/2013/11/03/batman-o-retorno-de-bruce-wayne-ate-o-fim-dos-tempos/
  21. http://osantuario.com/2013/11/03/batman-o-retorno-de-bruce-wayne-ate-o-fim-dos-tempos/
  22. http://osantuario.com/2013/11/03/batman-o-retorno-de-bruce-wayne-ate-o-fim-dos-tempos/
  23. http://osantuario.com/2013/11/03/batman-o-retorno-de-bruce-wayne-ate-o-fim-dos-tempos/
  24. http://omelete.uol.com.br/quadrinhos/batman-e-robin-hq-chega-lojas-com-revelacao-bombastica/#.UnmPNfmkp2c
  25. http://omelete.uol.com.br/quadrinhos/batman-e-robin-hq-chega-lojas-com-revelacao-bombastica/#.UnmPNfmkp2c
  26. http://omelete.uol.com.br/batman/quadrinhos/batman-confira-o-preview-da-edicao-pos-morte-de-robin/#.UnmVYvmkp2c
  27. Leonardo Vicente Di Sessa (17/08/2009). Scooby-Doo Encontra Batman em DVD HQManiacs.
  28. http://anmtv.xpg.uol.com.br/a-sombra-do-batman-sera-lancada-em-dvd-no-brasil/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons