Beatriz Milhazes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Beatriz Milhazes
Nome completo Beatriz Ferreira Milhazes
Nascimento 1960
Rio de Janeiro, RJ
 Brasil
Nacionalidade Brasileira
Ocupação Pintor
Influências
Principais trabalhos Te Quiero, 1992; Paz e Amor, 1995; O Buda, 2000; Beleza Pura, 2006
Movimento estético Contemporâneo; Geração 80

Beatriz Milhazes (Rio de Janeiro, 1960) é uma pintora, gravadora, ilustradora e professora.[1] Frequentou cursos de arte na Escola de Artes Visuais do Parque Lage e em várias universidades dos Estados Unidos da América.[2] Vem destacando-se em exposições no exterior, sua obra é caracterizada pela utilização de cores e formas geométricas. [3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Milhazes concluiu a sua graduação em Comunicação Social na Faculdade Hélio Alonso, Rio de Janeiro, em 1981.[4]

Sua trajetória pelas artes plásticas começou em 1980 ao ingressar na Escola de Artes Visuais do Parque Lage - EAV/Parque Lage, onde mais tarde passou a ser professora e coordenar atividades culturais.[4]

A artista cursou gravura em metal e linóleo no Atelier 78, com Solange Oliveira e Valério Rodrigue, de 1995 a 1996.[4] Em 1997, em mais uma atividade como ilustradora, participou do livro As Mil e Uma Noites à Luz do Dia: Sherazade Conta Histórias Árabes, de Katia Canton.[4]

Já teve obras vendidas em leilão por mais de 2 milhões de dólares [5] , o mais alto valor alcançado em leilão por um artista brasileiro, e foi a primeira a ganhar uma retrospectiva no Museu de Arte Latino-americano de Buenos Aires.[6]

Estilo[editar | editar código-fonte]

A cor é um elemento onipresente na obra de Beatriz Milhazes. Seu repertório estrutural inclui a abstração geométrica, o carnaval e o modernismo.[4]

Flores, arabescos, alvos e quadrados ganham primeiro uma superfície de plástico para a posterior transferência para a tela.

Beatriz Milhazes eventualmente usa a colagem na superfície da tela e aplica adicionais para viabilizar as obras como pintura, decalque, justaposição e sobreposições.[7] e

Museus que expõem suas obras[editar | editar código-fonte]

Exposições recentes[editar | editar código-fonte]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • "Os Pares" (1999)[6]
  • "O Mágico" (2001) [6]
  • "O Caipira" (2004) [6]
  • "Pierrot e Colombina" (2009)[6]
  • "Batucada" (2009) [10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Gazeta Online. (26 de maio de 2010). Museu de Arte do Espírito Santo recebe obras de Beatriz Milhazes, acesso em 2 de junho de 2010
  2. Itaú Cultural. (22 de março de 2005). Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais - Milhazes, Beatriz (1960), acesso em 2 de junho de 2010
  3. Zylberkan, Mariana. Livro mapeia a nova geração de pintores brasileiros e sua busca pela reinvenção do uso da imagem, Veja onine, 15/04/2012.
  4. a b c d e Secretaria de Estado de Cultura do Espírito Santo. Maes recebe exposição da artista plástica Beatriz Milhazes, nesta terça, acesso em 2 de junho de 2010
  5. Estadão (15 de novembro de 2012). Tela de Beatriz Milhazes é vendida por US$ 2 milhões. Página visitada em 19 de novembro de 2012.
  6. a b c d e f Milhazes é primeira do país a ganhar retrospectiva no Malba, Folha de São Paulo, 15/09/2012.
  7. a b UOL. (1 de junho de 2010). Artista plástica Beatriz Milhazes expõe gravuras em museu no Espírito Santo, acesso em 2 de junho de 2010
  8. Beatriz Milhazes - Meu Bem. Museu Oscar Niemeyer. Página visitada em 17 de fevereiro de 2014.
  9. Mercado Arte. (09/09/2013). Exposição: Beatriz Milhazes - Meu Bem, acesso em 9 de setembro de 2013
  10. James Lisboa (2013). Biografia sobre Beatriz Milhazes . Sítio James Lisboa <http://www.brasilartes.com.br/listarQuadros.php?artista=111&n=Beatriz-Milhazes>. Acessado em 24 de abril de 2013.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.