Beatriz Segall

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde Junho de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Beatriz Segall
Beatriz Segall em outubro de 2011.
Nome completo Beatriz de Toledo Segall
Nascimento 25 de julho de 1926 (88 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade Brasil brasileira
Ocupação Atriz
Outros prêmios
Troféu Imprensa - Melhor Atriz
1989: Vale Tudo
IMDb: (inglês)

Beatriz de Toledo Segall (Rio de Janeiro, 25 de julho de 1926) é uma consagrada atriz brasileira de teatro, cinema e televisão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era professora de francês e começou a estudar teatro no início dos anos 1950. Trabalhou com Henriette Morineau. Em Paris, prosseguiu os estudos e conheceu Maurício Klabin Segall (filho do pintor judeu lituano Lasar Segall e da tradutora Jenny Klabin) com quem se casou em 1954 e teve três filhos: o diretor de cinema Sérgio Toledo Segall, Mário (arquiteto e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie) e Paulo. Nessa época, abandonou a carreira para retomá-la somente em 1964.

No início da década de 1970, seu marido foi preso, pois fazia parte da ALN, fazendo com que passasse por um período de dificuldades.

Fez longa carreira, sempre voltada ao teatro,[carece de fontes?] embora tenha trabalhado no cinema, onde estreou em 1950, no filme A Beleza do Diabo, de Romain Lesage.[1]

Interpretou personagens que marcaram a história da televisão brasileira, como Lourdes Mesquita, de Água Viva, em 1980, mas foi a personagem de Odete Roitman, de Vale Tudo em 1988, da Rede Globo, considerada como a maior vilã da televisão brasileira de todos os tempos, que marcou sua carreira televisiva. O sucesso da personagem inspira interpretações de vilões de novelas até os tempos atuais. Além disso, o jargão "quem matou Odete Roitman?" (referindo-se ao assassinato da personagem) é até hoje repetido em alusão aos mistérios das tramas em telenovelas. Beatriz já revelou em entrevistas que não gosta de falar sobre a personagem, afirmando que, pela popularidade de sua personagem, acaba nunca sendo reconhecida por outros trabalhos no teatro e no cinema, e que isso a incomoda muito.

Recebeu vários prêmios na carreira, dentre os quais, os prêmios Governador do Estado, Prêmio Shell, Mambembe.

Em 2006 esteve na Rede Record, na novela Bicho do Mato (2006), onde vivia a personagem Bárbara, professora de francês. Após este trabalho afastou-se momentaneamente das atividades de dramaturgia na televisão.[2]

Em 2011, a convite da Rede Globo e do autor Aguinaldo Silva, interpretou mais uma vilã na sua carreira. A vilã, Maria Beatriz, personagem contra a protagonista, Lara Romero Susana Vieira, na 1ª temporada da série Lara com Z, derivada de Cinquentinha, do mesmo autor.[3]

Em 2012 atuou na novela Lado a Lado, da Rede Globo, interpretando a personagem Madame Besançon.[4]

Em 21 de julho de 2013, as vésperas de seu aniversário, a atriz caiu em um buraco em uma calçada do bairro da Gávea (bairro do Rio de Janeiro), na Zona Sul do Rio de Janeiro, se machucando seriamente. Na ocasião, Beatriz Segall chegou a receber uma ligação e um pedido de desculpas do prefeito Eduardo Paes.[5]

Em 10 de julho de 2014, a atriz assinou a "Calçada da Fama" do programa Vídeo Show.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Na televisão[editar | editar código-fonte]

No cinema[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Beatriz Segall
  • Beatriz Segall em Memória Globo [1]


Precedida por:
Marília Pêra
por Brega & Chique
Troféu Imprensa de Melhor Atriz
por Vale Tudo

1989
Sucedida por:
Joana Fomm
por Tieta