Beauty and the Beast (1991)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Beauty and the Beast
A Bela e o Monstro (PT)
A Bela e a Fera (BR)
Pôster original do filme.
 Estados Unidos
1991 • cor • 84 min 
Direção Gary Trousdale
Kirk Wise
Produção Don Hahn
Executivo:
Howard Ashman
Roteiro Linda Woolverton
Narração David Ogden Stiers
Elenco Robby Benson
Paige O'Hara
Richard White
Jerry Orbach
Angela Lansbury
David Ogden Stiers
Bradley Michael Pierce
Jesse Corti
Rex Everhart
Género Animação
Drama
Musical
Idioma Inglês
Música Alan Menken
Howard Ashman
Edição John Carnochan
Estúdio Walt Disney Feature Animation
Silver Screen Partners IV
Distribuição Walt Disney Pictures
Walt Disney Studios Motion Pictures
Lançamento Estados Unidos 22 de novembro de 1991
Brasil 10 de julho de 1992
Orçamento US$25 milhões
Cronologia
Último
Último
Beauty and the Beast: The Enchanted Christmas
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Beauty and the Beast (A Bela e a Fera no Brasil e A Bela e o Monstro em Portugal) é um filme norte-americano de animação de 1991 baseado no conto de fadas de mesmo nome de Jeanne-Marie Le Prince de Beaumont. O longa é centrado em um príncipe que é transformado em uma fera e uma jovem mulher chamada Bela que ele aprisiona em seu castelo. Para se tornar príncipe novamente, a Fera deve amar Bela e ganhar seu coração, ou ele sera Fera para sempre.

É o trigésimo filme de animação produzido pela Walt Disney Pictures e foi lançado nos cinemas dos EUA em 22 de novembro de 1991, sendo dirigido por Gary Trousdale e Kirk Wise e contem as vozes de Paige O'Hara, Robby Benson, Richard White e Jerry Orbach na versão original. Beauty and the Beast foi um sucesso de público e crítica, e se tornou o primeiro filme animado a concorrer ao Oscar de Melhor Filme.

Trama[editar | editar código-fonte]

O filme se passa na França do Século XVIII. Um príncipe jovem e rico vive em seu magnífico castelo. Em uma noite fria de inverno, uma velha mendiga bate na porta e oferece a ele uma rosa, em troca de abrigo. O príncipe recusa, por achá-la muito feia, e a mendiga se transforma em uma feiticeira de grande beleza. O príncipe implora perdão, mas a feiticeira - para castigá-lo pela falta de amor em seu coração - o transforma em uma fera horrenda, e seus empregados domésticos são transformados em objetos encantados, que ainda possuem atitudes humanas. A rosa que a mendiga oferecera era encantada e floreceria por vinte e um anos. O feitiço só poderia ser quebrado se o Príncipe aprendesse a amar alguém e a ser amado em retorno, mas quando a última pétala da rosa caísse, o feitiço já não poderia mais ser quebrado. A feiticeira também lhe deu um espelho de mão mágico, que seria sua unica janela para o mundo exterior.

Dez anos se passaram e o feitiço ainda não fora quebrado. Em uma aldeia, além da floresta cercando o castelo, vive uma jovem amante dos livros, apropriadamente chamada de Bela. Por ser uma mulher inteligente, é considerada estranha pelo povo da aldeia, mas por ser muito bela é cortejada pelo caçador Gaston, que, apesar de ser o homem mais disputado da cidade, é primitivo. Ele acha que mulheres não devem ler e pensar, só servir ao marido e gerar filhos. Bela recusa suas tentativas de cortejá-la, por não aceitar suas ideias e ofender seu pai, Maurice.

Maurice é um excêntrico inventor, que os aldeões consideram louco. Quando conserta sua máquina de cortar lenha, parte para uma feira de invenções, montado em seu cavalo, Phillipe. Mas ao tomar um suposto atalho, os dois se perdem na floresta. Phillipe, assustado por uivos de lobos, sai correndo e deixa seu dono para trás. O inventor é atacado por lobos, e, em sua fuga, acaba encontrando os portões do castelo da Fera. Sem saber do encantamento, ele entra no castelo, chamando por alguém. Maurice é recebido por quatro dos empregados-objetos do castelo: o maître d' Lumière, um candelabro; o mordomo Horloge, um relógio; a cozinheira Madame Samovar, um bule de chá, e seu filho Zip, uma xícara de chá.

Maurice se aquece junto a lareira e bebe um bom chá, mas a Fera descobre sua presença e o prende em uma cela. Phillipe chega em casa e leva Bela até o castelo. Lá, ela faz um trato com a Fera: ser sua prisioneira no lugar de seu pai. Maurice é levado por uma carruagem encantada de volta à aldeia e pede ajuda a Gaston e outros homens, mas todos riem dele e o julgam louco por falar em uma fera. O caçador, frustado por Bela não ter aceitado casar com ele, arquiteta um plano: internar Maurice no manicômio de Monsieur D'Arque, um homem desprezível. Mas Maurice sai em procura de Bela, e Gaston põe seu lacaio, Lefou, de vigia em frente à casa da moça.

Enquanto isso, Bela é instalada em um quarto de hóspedes, mas se recusa a jantar com a Fera, atraindo sua fúria, mas depois escapole para a cozinha, com fome. Lumière e os outros objetos encantados servem o jantar com música e dança, e Horloge a leva em um tour pelo castelo depois. Durante o tour, Bela se separa do mordomo e do maître e se aventura na Ala Oeste, onde a Fera a tinha proibido claramente de entrar. A brava moça quase toca a rosa encantada, mas a Fera a vê e a manda embora, aos gritos. Bela sai correndo do castelo, montada em Phillipe, e é atacado por uma alcateia de lobos, mas o príncipe enfeitiçado chega a tempo e luta com os animais. Ele a salva, mas fica ferido, e Bela o leva de volta para o castelo.

Mais uma vez no castelo, Bela trata dos machucados da Fera, e o agradece por ter salvado sua vida. Este lhe dá de presente sua enorme biblioteca, repleta de livros do teto ao chão. Os objetos se enchem de esperança ao ver uma profunda amizade florescer entre os dois. Uma noite, depois de bailarem, Bela admite que sente saudades de seu pai. A Fera, então, lhe mostra o espelho mágico. Através dele, Bela descobre que seu pai está desmaiado, na floresta. A Fera, por amor à jovem, a deixa ir. Bela agradece e vai embora.

Maurice é levado de volta para casa pela filha, e lá eles descobrem que Zip tinha entrado escondido em sua bagagem. Avisados por Lefou, Gaston, Monsieur D'Arque e os aldeões se reúnem em torno da casa de Bela. O proprietário do manicômio bate na porta e é atendido por Bela, que fica horrorizada. Gaston lhe diz que a única maneira de salvar seu pai é casar com ele, mas ela recusa. Para impedir que o pai seja internado como louco, Bela ordena ao espelho mágico que mostre a Fera, mas ela garante às pessoas lá reunidas que ele é bom. Gaston percebe que a moça ama o monstro e prende Maurice e sua filha no porão, enquanto lidera os homens em direção ao castelo, para matar a Fera.

Zip usa a máquina de cortar lenha de Maurice para libertá-los, e os três correm para o castelo com Phillipe. Enquanto isso, os objetos encantados travam uma batalha cômica com os aldeões e a ganham. No andar de cima, Gaston encontra a Fera, que está sem ânimo de lutar. O caçador o ataca no telhado, mas a Fera vê Bela chegando ao castelo e se recupera. Ele pensa em jogar Gaston do telhado, o que faria sem problemas há algum tempo atrás. Mas a Fera está mudada, e poupa a vida do vilão. Bela chega ao telhado, e Fera se vira para ela. Nesse momento, Gaston dá uma facada em suas costas, mas se desequilibra e cai.

A Fera morre nos braços de Bela. A moça chora e confessa seu amor pelo monstro, no mesmo momento em que a última pétala da rosa encantada cai. Uma chuva mágica e colorida cai dos céus e a Fera retorna à vida, na sua forma humana. Bela o reconhece por causa dos olhos azuis que a Fera tinha. Lumière, Horloge, Madame Samovar, Zip e todos os criados do castelo retornam as suas formas humanas e assistem - juntamente com Maurice - Bela bailar com seu Príncipe. Todos estão felizes.

Dubladores[editar | editar código-fonte]

Dublagem Original[1] [editar | editar código-fonte]

Belle: Paige O'Hara

Fera: Robby Benson

Gaston: Richard White

Lumière: Jerry Orbach

Cogsworth (Horloge) e Narrador: David Ogden Stiers

Mrs. Potts (Madame Samovar): Angela Lansbury

Chip: Bradley Pierce

Maurice: Rex Everhart

Lefou: Jesse Corti

Philippe: Hal Smith

Guarda-Roupa: Jo Anne Worley

Espanador: Kimmy Robertson

Monsieur D'Arque: Tony Jay

Bimbettes: Kath Soucie, Mary Kay Bergman

Escabelo: Frank Welker

Fogão: Brian Cummings

Livreiro: Alvin Epstein

Padeiro: Alec Murphy

Dublagem Brasileira[editar | editar código-fonte]

Bela: Ju Cassou

Fera: Garcia Júnior

Gaston: Garcia Júnior (diálogos), Maurício Luz (canções)

Lumière: Ivon Cury, Mauro Ramos (em Humano Outra Vez)

Horloge: Isaac Schneider

Madame Samovar: Miriam Peracchi

Maurice: Pietro Mário

Lefou: Marco Ribeiro (diálgos), Pedro Lopes (canções)

Zip: Priscila Ribeiro

Guarda-Roupa: Maria Helena Pader (diálogos), Geisa Vidal (canção Humano Outra Vez)

Espanador: Maria da Penha

Monsieur D'Arque: Jorge Ramos

Narrador: Márcio Seixas

Dublagem portuguesa[editar | editar código-fonte]

Bela: Carla de Sá (diálogos), Alda Joana(canções)

Monstro: Henrique Feist

Gaston: João Craveiro Reis (diálogos), João Rosa (canções)

Lumière: Fernando Luís

Relógio: Carlos Macedo

Sra. Samovar: Ermelinda Duarte (diálogos), Helena Rocha (canções)

Chip: Filipe Feio

Maurice: Pedro Pinheiro

Lefou: José Jorge Duarte

Guarda-Roupa: Luísa Salgueiro (diálogos), Carolina Figuereido (canção Humano Outra Vez)

Espanador: Carla Cavalinhos

Senhor D'Arque: António Montez

Narrador: Victor Norte

Livreiro: Carlos Vieira D'Almeida

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Bela - Uma bela jovem que sonha com mais do que uma vida na aldeia, Bela troca de lugar com seu pai como prisioneira da Fera.
  • Fera - Um príncipe belo e mimado que uma feiticeira transformou em um monstro. Ele deve encontrar alguém que o ame até que a última pétala de uma rosa encantada caia, ou será fera para sempre.
  • Gaston - Um caçador narcisista que deseja se casar com Bela por ela ser a mais bela da aldeia.
  • Lumière - Um charmoso cavalheiro que trabalhava como maître no castelo do príncipe quando foi transformado em um candelabro.
  • Horloge - O tenso mordomo do castelo da Fera, Horloge foi transformado em relógio de pêndulo.
  • Madame Samovar - Uma senhora amável que trabalhava como cozinheira no castelo quando foi transformada em um bule de chá.
  • Zip - Filho pequeno de Madame Samovar, que foi transformado em uma xícara de chá.
  • Maurice - O pai de Bela, um excêntrico inventor que só quer o melhor para a filha.
  • Lefou - O maior ajudante de Gaston, Lefou idolatra o caçador.
  • Philippe - O cavalo de Bela e Maurice, tem grande personalidade.
  • Monsieur D'Arque - O dono de um manicômio local, D'Arque é um homem ambicioso e sem escrúpulos.
  • Guarda-Roupa - Uma criada do castelo que foi transformada em guarda-roupa. Ela ajuda Bela a se vestir para seus encontros com a Fera. Seu nome é dado na adaptação teatral: Madame de La Grande Bouche.
  • Espanador - A namorada de Lumière, uma arrumadeira que foi transformada em espanador de pó. Seu nome no musical é Babette e em O Mundo Mágico de Bela é Fifi.
  • Escabelo - Um cãozinho que também foi afetado pela maldição da feiticeira, sendo transformado em um escabelo (descanso de pés).
  • Bimbettes - Três irmãs idênticas que sonham em se casar com Gaston.

Supervisores de Animação[2] [editar | editar código-fonte]

Bela: James Baxter, Mark Henn

Fera: Glen Keane

Gaston: Andreas Deja

Lumière: Nik Ranieri

Horloge: Will Finn

Mme Samovar e Zip: David Pruiksma

Maurice: Ruben A. Aquino

Lefou: Chris Whal

Philippe: Russ Edmonds

Guarda-Roupa: Tony Anselmo

Produção[editar | editar código-fonte]

O novo presidente da Walt Disney Studios, Jeffrey Katzenberg, convidou Richard Williams, diretor da animação de Who Framed Roger Rabbit para dirigir, mas Williams preferiu se manter no projeto próprio The Thief and the Cobbler, recomendando outro inglês, Richard Purdum. O produtor Don Hahn e os animadores Glen Keane e Andreas Deja se mudaram para Londres para trabalhar com Purdum em uma produção mais séria, não-musical. Ao ver os rolos dos storyboards inicial, Katzenberg ordenou que o filme fosse recomeçado do zero, e mandou a equipe para o Vale do Loire para se inspirarem. Alguns meses depois do reinicio, Purdum renunciou como diretor. O estúdio havia abordado os diretores de A Pequena Sereia, Ron Clements e John Musker para assumir a direção, mas estes rejeitaram por estarem cansados após esse projeto. Kirk Wise e Gary Trousdale, que tinham dirigido um curta metragem para uma atração da EPCOT no Walt Disney World, assumiram o filme.

A reinvenção de A Bela e a Fera envolveu Katzenberg chamar os compositores Howard Ashman e Alan Menken para tornar o filme um musical no estilo Broadway, do mesmo modo que fizeram com A Pequena Sereia. Ashman aceitou relutantemente, tendo descoberto recentemente que estava morrendo de AIDS. Para acomodar a saúde debilitada de Ashman, a produção se transferiu de Londres, para Nova York, perto da casa de Ashman. Na cidade, Menken, Ashman, Wise, Trousdale, Hahn e a roteirista Linda Woolverton,deram reinicio ao roteiro do filme. Em seguida, na Califórnia, os artistas desenhavam e faziam as artes conceituais do filme. A Bela e a Fera.[3]

Música[editar | editar código-fonte]

A Bela e a Fera foi o último filme feito pelo letrista Howard Ashman ainda vivo - ele morreu em Março de 1991, oito meses antes da estreia do filme. Seu parceiro, o compositor Alan Menken, completou o projeto paralelo no qual estava trabalhando com Ashman, Aladdin (lançado no ano seguinte) chamando o letrista Tim Rice para novas canções.[4] A peça central da trilha, "Beauty and The Beast", ganhou o Oscar, o Globo de Ouro e o Grammy, além de ter sucesso nas paradas musicais com a versão dos créditos, cantada por Celine Dion e Peabo Bryson.

  1. "Belle (Bonjour)" - Bella, Gaston, pessoas da vila
  2. "Belle" (Reprise) - Bella
  3. "Gaston" - Gaston, LeFou, pessoas da vila
  4. "Gaston" (Reprise) - Gaston e LeFou
  5. "Be Our Guest" - Lumière, Sra. Potts, objetos encantados
  6. "Something There" - Bella, Fera, Lumière, Horloge/Relógio e Sra. Potts
  7. "Human Again" (adicionada na edição especial de 2002) - Lumière, Horloge/Relógio, Sra. Potts, Guarda Roupas, Chip, objetos encantados
  8. "Beauty and The Beast" - Sra. Potts
  9. "The Mob Song" - Gaston, LeFou e pessoas da vila
  10. "Transformation (Beauty and the Beast - Reprise)" - Coro

Versão brasileira[editar | editar código-fonte]

  1. "Bela" cantada por Ju Cassou
  2. "Gaston" cantada por Maurício Luz e Pedro Lopes
  3. "Seja Nossa Convidada" cantada por Ivon Curi
  4. "Alguma Coisa Aconteceu" cantada por Ju Cassou, Garcia Júnior, Isaac Schneider, Ivon Curi, Miriam Peracchi
  5. "Humano Outra Vez"[5] cantada por Mauro Ramos, Isaac Schneider, Miriam Peracchi, Geisa Vidal
  6. "A Bela e a Fera" cantada por Miriam Peracchi
  7. "A Canção da Multidão" cantada por Maurício Luz
  8. "A Bela e a Fera (créditos finais)" cantada por Ju Cassou e Marcelo Coutinho

Versão portuguesa[editar | editar código-fonte]

  1. "Bela" cantada por Alda Joana
  2. "Gaston" cantada por João Rosa e José Jorge Duarte
  3. "P'ra jantar" cantada por Fernando Luís e Helena Rocha
  4. "Qualquer coisa" cantada por Henrique Feist, Alda Joana, Fernando Luís, Carlos Macedo e Helena Rocha
  5. "Humano outra vez" cantada por Fernando Luís, Carlos Macedo, Carolina Figueiredo e Helena Rocha
  6. "Bela e o Monstro" cantada por Helena Rocha
  7. "Canção de ataque" cantada por João Rosa e José Jorge Duarte
  8. "A Bela e a Fera (Dueto)" cantada por Rita Guerra e Ricardo Afonso

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Beauty and the Beast: Original Motion Picture Soundtrack é a trilha sonora original do filme, ela foi lançada em Novembro de 1991 e foi produzida por Howard Ashman e Alan Menken com músicas compostas por Alan Menken com letras de Howard Ashman.

A canção mais conhecida do álbum é "Beauty and the Beast", que no filme é cantada por Angela Lansbury e nos créditos finais é cantada pelo dueto Céline Dion e Peabo Bryson.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O filme foi lançado nos EUA em 13 de Novembro de 1991; no Brasil em 10 de Julho de 1992 e em Portugal dia 11 de Dezembro do mesmo ano. Na época de seu lançamento o filme foi aclamado pela crítica e pelo público. O New York Times disse que A Bela e a Fera é o melhor musical da Broadway, que não está na Broadway, e sim nas telas do cinemas em foram de animação.[6]

Em Portugal, a 1993, FILMAYER-ALFA, S.A, lança em VHS a versão falada em português.

Pela Abril Vídeo, a produção foi lançada no Brasil em VHS em 6 de Agosto de 1993. A Edição Platinum do longa foi lançada em 2002 com DVD duplo, e a Edição Diamante em DVD/Blu-Ray foi lançada em 5 de Outubro de 2010. (esse foi o primeiro lançamento de Beauty and the Beast em alta definição).

Em 2010, uma versão em 3D do longa foi marcada para estreia nos EUA em 12 de Fevereiro de 2010, mas o lançamento foi adiado. De 2 a 15 de Setembro de 2011 o filme foi mostrado nesse formato no El Capitan Theatre. Depois do sucesso que O Rei Leão em 3D fez nos cinemas, a Disney anumciou que Beauty and the Beast seria relançado nos EUA a partir de Janeiro de 2012.[7]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Segundo o site Box Office Mojo, Beauty and the Beast foi o terceiro filme mais visto do ano de 1991 atrás apenas de Terminator 2: Judgment Day e Robin Hood - O Príncipe dos Ladrões. Na época de seu lançamento foi o filme da Disney que mais arrecadou na história.

Beauty and the Beast arrecadou $145,863,363 em seu lançamento de 1991; no seu lançamento de 2002 arrecadou mais $25,487,190, somando os ganhos em outros países o longa arrecadou um total de $377,350,553. Em 2012, com o seu relançamento em 3D a animação soma $412,144,208 arrecadados. [8]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

O filme foi o primeiro longa animado a ser indicado ao Oscar de Melhor filme, e ocupa a 22ª colocação na Lista do AFI dos 25 maiores musicais do cinema, idealizada pelo American Film Institute (AFI) e divulgada em 2006.

Prêmios
Premiação Categoria
Óscar Melhor Trilha Sonora
Melhor Canção Original - "Beauty and the Beast"
Globo de Ouro Melhor Comédia ou Musical
Melhor Trilha Sonora Original
Melhor Canção Original - "Beauty and the Beast"
Grammy Melhor Álbum Infantil
Melhor Performace Musical Pop por um grupo ou dupla - "Beauty and the Beast"
Melhor Composição Instrumental Escrita Para Um Filme
Melhor Canção Escrita Especialmente Para Filme ou Para Televisão - "Beauty and the Beast"
Melhor Performance Instrumental Pop - "Beauty and the Beast"
Indicações
Premiação Categoria
Óscar Melhor Filme
Melhor Canção Original - "Belle"
Melhor Canção Original - "Be Our Guest"
Melhor Mixagem de Som
Globo de Ouro Melhor Canção Original - "Be Our Guest"
Grammy Música do ano - "Beauty and the Beast"
Gravação do Ano - "Beauty and the Beast"
Álbum do Ano
Satellite Awards Melhor DVD Jovem
Hugo Awards Melhor Apresentação Dramática

Outras produções[editar | editar código-fonte]

Beauty and the Beast foi seguido por Beauty and the Beast: The Enchanted Christmas que foi lançado diretamente em VHS em 1997. Este, também teve uma sequência intitulada de Belle's Magical World, que foi lançada em 1998.

Um musical de mesmo nome baseado no filme teve sua estreia no Palace Theatre em 1994, com músicas e letras de Alan Menken, Howard Ashman e Tim Rice. O musical foi estrelado por Terrence Mann como Fera, Susan Egan como Bela e Burke Moses como Gaston. As apresentaçãoes ocorreram de 1994 a 2007 e se tornou um dos mais rentáveis musicais da história.

Uma série de televisão chamada Sing Me a Story with Belle foi criada por Patrick Davidson e Melissa Gould e mostra a personagem Bela trabalhando em uma livraria e contando histórias para crianças. Essa série teve sua estreia no Disney Channel em 1995 e terminou em 1999 depois de quatro temporadas.

Em 2013 foi anunciado que a Disney estaria trabalhando em The Beast,uma versão sombria do conto.Em Junho de 2014 a Disney revelou estar trabalhando em um remake da animação,com Bill Condon dirigindo e Evan Spiliotopoulos escrevendo o roteiro.O filme será um musical como a animação.Bill Condon afirmou que o remake será muito fiel a animação e trará as músicas do filme de 1991 e algumas do musical da Broadway baseado no filme.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Jeanne-Marie Le Prince de Beaumont, a autora do conto original, não no filme.
  • Na cena que Gaston cai do monte, em seus olhos é possível enxergar rapidamente uma caveira, se pausarmos o vídeo. Isso só foi descoberto após o lançamento do filme em DVD, pois os vídeo cassete não pausavam a imagem. A Disney disse que a imagem foi apenas uma forma de mostrar a morte sem expor as crianças a cenas traumáticas, o que aconteceu em O Rei Leão, três anos mais tarde, quando o cadáver de Mufasa é exposto.
  • Embora o visual de Fera lembra mais um cachorro, seus atos o mostram como um gato. Como balançar a cauda quando está nervoso, conseguir dar grandes saltos, etc.
  • Foi o 1º filme de animação a concorrer na categoria de Melhor Filme no Oscar.

Referências

  1. Hischak, Thomas S (2011) Disney Voice Actors: A Biographical Dictionary
  2. A Bela e a Fera - Edição Diamante; Créditos Finais
  3. Além da Bela. DVD de Beauty and the Beast, Edição Diamante, Disco 2.
  4. Alan Menken: Musical. DVD de Aladdin, Disco 2
  5. Canção gravada no estúdio Double Sound
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas cantinhodisney.blogspot.com
  7. Disney relançará filmes em 3D (em inglês) Huffingtonpost.com.
  8. [1] (em inglês) Boxofficemojo.com.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
The Rescuers Down Under
Lista de filmes da Disney
1990
Sucedido por
Aladdin