Becky Sharp

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Becky Sharp
A Feira das Vaidades (PT)
Vaidade e Beleza (BR)
Miriam Hopkins caracterizada como Becky Sharp
 Estados Unidos
1935 • Technicolor • 84 min 
Direção Rouben Mamoulian
Produção Kenneth Macgowan
Elenco Miriam Hopkins
Frances Dee
Cedric Hardwicke
Billie Burke
Gênero drama
Idioma inglês
Distribuição RKO
Página no IMDb (em inglês)
Frances Dee no papel de Amelia Sedley. A atriz estreou no cinema em 1929. Em 1933 casou-se com Joel McCrea, união que só terminou com a morte dele em 1990. Ela deixou as telas em meados dos anos 1950.

Becky Sharp (Vaidade e Beleza (título no Brasil) ou A Feira das Vaidades (título em Portugal)) é um filme estadunidense de 1935, do gênero drama, dirigido por Rouben Mamoulian e estrelado por Miriam Hopkins e Frances Dee. Este foi o filme mais aguardado do ano por toda Hollywood[1] , pois foi o primeiro longa-metragem totalmente em Technicolor de três cores.

Mamoulian e o diretor de arte Robert Edmond Jones procuraram adequar a paleta de cores às variadas atmosferas da história, como na sequência do baile da Duquesa de Richmond, às vésperas da batalha de Waterloo, que mostra como elementos visuais podem refletir e simbolizar temas dramáticos.[1] [2]

Por sua vez, o roteiro de Francis Edward Faragoh, baseado no romance Vanity Fair (1847-1848), de William Makepeace Thackeray, e na peça Becky Sharp, de Langdon Mitchell, tem sofrido reparos da crítica.[1] ,[3] ,[4]

A produção andou às voltas com uma série de problemas, entre eles a morte do diretor Lowell Sherman por pneumonia logo no início das filmagens. Rouben Mamoulian assumiu o leme, descartou tudo que o colega já rodara e recomeçou do zero.[1] A protagonista Miriam Hopkins também padeceu de pneumonia, mas conseguiu recuperar-se.

O filme recebeu uma indicação ao Oscar, na categoria de Melhor Atriz para Miriam Hopkins. Apesar disso, o público pagante mostrou-se indiferente.

Antes do lançamento, pessoas da indústria cinematográfica predisseram que os filmes em cores substituiriam aqueles em preto e branco da noite para o dia.[1] Na verdade, filmes em Technicolor continuaram a ser feitos intermitentemente pela década afora, porém Becky Sharp provou que o simples uso de cores não assegurava o sucesso nas bilheterias -- uma história bem contada ainda era fundamental.[1]

O romance de Thackeray já havia sido mostrado nas telas de cinema em 1923 e 1932 e o seria novamente em 2004. A BBC produziu três minisséries, em 1967, 1987 e 1998. Em todos os casos, o título foi sempre o do livro, isto é, Vanity Fair.

Becky Sharp está em domínio público e, portanto, pode ser baixado gratuitamente no Internet Archive.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Na Inglaterra pré-Vitoriana, a aventureira Becky usa uma galeria de pessoas ricas, cheias de títulos, astutas e insensíveis[1] para subir na vida. No processo, ela arruína a si mesma e àqueles que a ajudaram.

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • Oscar: Indicado na categoria de "Melhor Atriz" (Miriam Hopkins)
  • Festival de Veneza de 1935: Vencedor do prêmio de Melhor Filme em Cores e indicado para o prêmio Coppa Mussolini.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Miriam Hopkins Becky Sharp
Frances Dee Amelia Sedley
Cedric Hardwicke Marquês de Seyne
Billie Burke Lady Bareacres
Alison Skipworth Senhorita Crawley
Nigel Bruce Joseph Sedley
Alan Mowbray Rawdon Crawley
G. P. Huntley George Osborne
William Stack Pitt Crawley
George Hassell Sir Pitt Crawley
William Faversham Duque de Wellington
Charles Richman General Tufto
Doris Lloyd Duquesa de Richmond
Colin Tapley William Dobbin
Leonard Mudie Tarquin

Referências

  1. a b c d e f g JEWELL, Richard B. e HARBIN, Vernon, The RKO Story, terceira impressão, Londres: Octopus Books, 1984 (em inglês)
  2. MATTOS, A. C. Gomes de, Hollywood Anos 30, Rio de Janeiro: EBAL - Editora Brasil-América, 1991
  3. MALTIN, Leonard, Classic Movie Guide, segunda edição, Nova Iorque: Plume, 2010 (em inglês)
  4. BUTLER, Craig. Becky Sharp. Rovi. Página visitada em 14 de agosto de 2012.

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • JEWELL, Richard B. e HARBIN, Vernon, The RKO Story, terceira impressão, Londres: Octopus Books, 1984 (em inglês)
  • MATTOS, A. C. Gomes de, Hollywood Anos 30, Rio de Janeiro: EBAL - Editora Brasil-América, 1991

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]