Beilhique

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mapa, anacrônico, mostrando a localização de diferentes beilhiques na Anatólia. Por se tratar de um mapa anacrônico, as áreas ocupadas por alguns destes beilhiques não correspondem à sua máxima extensão histórica.

Beilhique[1] ou beylik é uma palavra turca que, ao pé da letra, refere-se a um território ("-lik") sob a jurisdição de um governante, que recebe o título de bei (Bey).

O beylik seria, a princípio, um estado vassalo de um sultanato, mas na história turca e islâmica o grau de vassalagem dos diversos beyliks variou bastante, havendo tanto os que não passavam de distritos quanto aqueles plenamente independentes, apenas ligados a um sultanato por questões de aliança ou tradição. Nesse caso, a palavra turca beylik teria uma conotação tão flexível quanto à de estado no português brasileiro.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Entrando em sua fase de decadência, o Sultanato de Rum[2] distribuiu porções de terra nos confins do império a veteranos de guerra, para que estes defendessem, por encargo próprio, as fronteiras do sultanato. Assim surgiram beilhiques como Mentese, Karasi, Germiyan e o de Osman I.

O Império Otomano, por exemplo, surgiu em 1281 como um beilhique de menos de menos de 20 000 quilômetros quadrados, doado a Osman, sendo dependente do sultanato seljúcida de Rum. Porém, um século mais tarde, após os descendentes de Osman terem conquistado um império bicontinental de quase 300 000 quilômetros quadrados e terem reduzido a própria Constantinopla à condição de estado tributário, seu líder, Murad I, ainda era chamado Bey. Murad, contudo, reclamou oficialmente o título de sultão, em 1383.

Mentese sempre foi, oficialmente um beilhique, mas desde a sua fundação pelo turco oguz Mentese Bey, jamais foi um vassalo de fato, seja dos seljúcidas, seja dos otomanos, exceto nos últimos dez anos de sua história, quando trocou a vassalagem a Murad II pela manutenção de sua autonomia. O beylik de Mentese foi suprimido pelo próprio Murad II, em 1424.

Referências


Ícone de esboço Este artigo sobre História da Turquia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.