Belarmino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Belarmino
 Portugal
1964 • pb • 72 min 
Realização Fernando Lopes
Produção António da Cunha Telles
Argumento Fernando Lopes
Género documentário
Idioma português
Distribuição Doperfilme
Lançamento 18 de Novembro de 1964
Página no IMDb (em inglês)

Belarmino (1964) é um documentário português de longa-metragem realizado por Fernando Lopes, sobre o pugilista Belarmino Fragoso.

É um dos primeiros filmes da geração do Novo Cinema português, inspirado pela Nouvelle Vague francesa mas sempre fiel ao neo-realismo, cujo pioneiro no cinema português foi Manuel Guimarães, na década anterior.

No caso de Belarmino, há marcas evidentes de Rocco e seus Irmãos (1960), de Visconti, no tema, no enquadramento social do problema, e de Chronique d'un été (1961) de Jean Rouch, na sua abordagem pelo documentário, pelo cinema directo com recurso à entrevista. É uma docuficção.

O filme estreou no cinema Aviz, em Lisboa, a 19 de Novembro de 1964

Ficha sumária[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Belarmino é um antigo campeão de boxe, de humildes origens, que teve momentos de glória mas que o capital explorou. Nutre-se agora de memórias, sofre de nostalgia. Vive como um marginal, deambulando pela cidade de Lisboa. Para ganhar a vida é engraxador e pinta fotografias.

Enquadramento histórico[editar | editar código-fonte]

O início da década de sessenta é marcado pela agitação social (greves universitárias), por importantes movimentações da esquerda, clandestina, por um certo bulício cultural e editorial que a PIDE perseguia. Germinando nos meios universitários, fanáticos de certos filmes que viam nos seus cine-clubes, inúmeros intelectuais marcariam presença na vida do seu país até ao final da década. Mergulhado nesse contexto, Belarmino espelha com certa nitidez o modo de ver as coisas que uma geração sofrida mas rebelde se impunha.

Ficha artística[editar | editar código-fonte]

  • Belarmino Fragoso (ele próprio)
  • Albano Martins (manager)
  • Tony Afonso (pugilista)
  • Jean-Pierre Gebler
  • Bernardo Moreira
  • Mulher e filha de Belarmino

Ficha técnica adicional[editar | editar código-fonte]

  • Colaboração técnica e artística: Manuel Ruas, Baptista Bastos, Fernando Matos Silva.
  • Anotadora: Lucinda Pires
  • Rodagem : Agosto de 1963
  • Fotografia: Augusto Cabrita
  • Assistente de câmara: Fernando Gomes
  • Assistente de operador: Elso Roque
  • Electricistas: M Cunha da Silva e C. Manuel da Silva
  • Director de som: Heliodoro Pires
  • Música: Manuel Jorge Veloso (um tema de Justiniano Canelhas),
  • Conjunto Hot Club de Portugal (Jean-Pierre Gebler, sax-barítono, Justiniano Canelhas, piano, Bernardo Moreira, contrabaixo, Manuel Jorge Veloso, bateria; convidado Milou Struvay, trompete)
  • Sonoplastia: Alexandre Gonçalves
  • Montagem: Fernando Lopes
  • Assistente de montagem: Emília de Oliveira
  • Misturas Estúdios Valentim de Carvalho
  • Laboratório de imagem: Ulysseia Filmes
  • Laboratório de som: Valentim de Carvalho e Nacional Filmes
  • Formato: 35 mm p/b
  • Género: documentário (biografia)
  • Estreia: cinema Aviz, em Lisboa, a 19 de Novembro de 1964

Festivais[editar | editar código-fonte]

  • Festival de Pesaro 1964 (Itália)
  • Festival de Salso-Porretta 1964 (Itália)
  • Prémio do SNI à Melhor Fotografia (Augusto Cabrita)
  • Prémio da Casa da Imprensa/Cinema 1964

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Belarmino em Amor de Perdição (base de dados)
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme do cinema português é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.