Belenus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Na mitologia céltica, Belenus (também conhecido como Belenos) foi uma deidade cultuada na Gália, Britânia e nas áreas célticas da Áustria e Espanha. Foi o deus do Sol celta e tinha templos em Aquiléia do Adriático a Kirkby Lonsdale na Inglaterra.1 2

A etimologia do nome é obscura. Sugestões incluem "brilhante único,"3 "o único luminoso"4 e deus "henbane".5

Ele pode ser a mesma deidade que Belatu-Cadros.[carece de fontes?] No período do Império Romano era identificado com Apolo.6 1 Existem correntemente 51 inscrições conhecidas dedicadas a Belenus, concentradas principalmente na Aquiléia e na Gália Cisalpina, mas também se estendem à Gália Narbonense, a Nórica e mais além.4 Imagens de Belenus às vezes o mostram estando acompanhado de uma fêmea, imaginada como a deidade gaulesa Belisama.4

Na Gália e Britânia antiga, Apolo pode ter se igualado a quinze ou mais diferentes nomes célticos e epítetos (notavelmente Grannos, Borvo, Maponus, Moritasgus e outros).1

Outras identificações propostas[editar | editar código-fonte]

A deidade-ancestral galesa Beli Mawr pode ser derivada de Belenus, embora seu personagem e atributos sejam diferentes.[carece de fontes?] O festival irlandês de Beltaine também pode estar conectado, ou pode derivar da mesma raiz celta, *bel-, "brilhante".[carece de fontes?] A figura mítica irlandesa Bile ("árvore sagrada") está às vezes ligada a Belenus.7

O rei lendário Belinus na História dos Reis da Britânia de Geoffrey of Monmouth é provavelmente também derivado deste deus. O nome do antigo rei britânico Cunobelinus significa "cão de caça de Belenus".

Variante de nomes[editar | editar código-fonte]

  • Belanu, entre os Ligurianos
  • Belanos
  • Belemnus
  • Belenos
  • Belenus
  • Beli
  • Belinos
  • Belinu
  • Belinus
  • Bellinus
  • Belus

Asterix[editar | editar código-fonte]

Invocações freqüentes são feitas deste nome por personagens gauleses na história em quadrinhos Asterix de Goscinny e Uderzo. Asterix e o profeta começa com uma piada sobre o vasto número de pessoas no panteão gaulês que são diariamente invocadas. Veja também Toutatis.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Nicole Jufer & Thierry Luginbühl (2001). Les dieux gaulois : répertoire des noms de divinités celtiques connus par l'épigraphie, les textes antiques et la toponymie. Paris: Editions Errance. ISBN 2-87772-200-7.
  2. www.Roman-Britain.org. Inscrições romanas da Britânia (RIB 611).
  3. Mythology - General Editor C. Scott ISBN 978-1-84483-061-9
  4. a b c Koch, John T. (2006). Celtic Culture: A Historical Encyclopedia. Santa Barbara: ABC-CLIO, Inc. ISBN 1-85109-440-7.
  5. Peter Schrijver, "On Henbane and Early European Narcotics", Zeitschrift für celtische Philologie vol.51 (1999), pp.17-45
  6. História Augusta, Os dois Maximinianos, 22.1-2. O texto fala de uma profecia de Belenus, e logo em seguida chama o deus de Apolo
  7. Associações entre os Beli de Gales e os Bile irlandeses



Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia celta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.