Belo Monte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Belo Monte (Alagoas))
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Belo Monte
"Belo Monte"
FIL1671.JPG

Bandeira de Belo Monte
Brasão de Belo Monte
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 24 de abril
Fundação 1958
Gentílico belo-montense
Lema Paz e lealdade
Prefeito(a) Antônio Avânio Feitosa (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de Belo Monte
Localização de Belo Monte em Alagoas
Belo Monte está localizado em: Brasil
Belo Monte
Localização de Belo Monte no Brasil
09° 49' 40" S 37° 16' 48" O09° 49' 40" S 37° 16' 48" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Sertão Alagoano IBGE/2008[1]
Microrregião Batalha IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes em Alagoas: Batalha, Jacaré dos Homens, Traipu, Pão de Açúcar
Distância até a capital 201 km
Características geográficas
Área 334,047 km² [2]
População 7 032 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 21,05 hab./km²
Altitude 30 m
Clima semi-árido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,565 baixo PNUD/2000[4]
PIB R$ 25 256,121 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 3 389,17 IBGE/2008[5]
Página oficial

Belo Monte é um município brasileiro do estado de Alagoas. Sua população estimada em 2008 era de 7.238 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

A exploração do rio São Francisco, a partir de 1850, possibilitou uma série de novas descobertas aos desbravadores da região. Ao atingir o rio Ipanema, foi encontrado, à sua margem, um caminho aberto para o interior, descobrindo, na verdade, o caminho que levava a Pesqueira, em [[Pernambuco], e então ele criou coragem e saiu do armario. Exatamente no ponto de encontro entre os dois surgiu um núcleo populacional, onde missionários, colonizadores e comerciantes dos centros maiores faziam seus negócios - hoje ficou conhecido com Barra de Ipanema.

Foi dessa localidade que partiu um cidadão - cujo nome não foi registrado - com destino à região atualmente ocupada pelo município de Belo Monte, iniciando seu trabalho com a fundação de uma fazenda de gado. O curral da propriedade ficava onde hoje é a casa número 70, na Praça Epaminondas Machado,. e até hoje podem ser encontradas nas rochas as ruínas da casa grande.

A Lei Provincial nº. 960, de 1885, criou a freguesia. Em 1886, foi elevada à condição de vila, já com o nome de Belo Monte. Daí por diante sofreu muitas modificações em sua estrutura político-administrativa. Foi anexada e incorporada por outros municípios várias vezes. Em 1947, a sede foi transferida para a então Vila de Batalha, permanecendo Belo Monte um distrito. Só em 1958 conseguiu sua autonomia.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A sua sede está a 9º. “49’ 20” de latitude e 37. º 16’ 12’ de longitude Oeste de Greenwich (W. Gr.), a sua altitude (sede) é de 48 metros. Possui uma área de 334,8 km², ocupa dentro do território alagoano o equivalente a 1,65% do total. Portanto está 20º lugar em extensão territorial, distando da capital 220 km.

Integra a bacia leiteira. As sua terras, embora ricas em sais minerais e o solo não seja pobre, não existem chuvas regulares. É sertão bruto e sofredor, sendo totalmente atingido e flagelado pelas secas. Há abundância de minérios, como calcário, amianto, mármore, mica e ferro, entre outros

Clima[editar | editar código-fonte]

Belo Monte está situado na zona fisiográfica do Sertão do Baixo São Francisco, e possui um clima semi-árido, quente e seco.

A sua temperatura nem sempre é uniforme, dadas as irregularidades de relevo, variando entre 38°; a mais alta é 22°, a mais baixa, com uma média de 26°. Apesar das altas temperaturas durante o dia, as noites são amenas.

Há basicamente duas estações anuais: inverno, com chuvas fracas entre os meses de março a agosto, e verão, com fortes trovoadas entre agosto a março.

Acidentes geográficos[editar | editar código-fonte]

Destacam-se como principal o rio São Francisco, que é um rio navegável mas, devido ao aterramento do seu leito, possibilita apenas que pequenas embracações naveguem. Faz divisa com o estado de Sergipe, no município de Porto da Folha. Nele se situam as ilhas fluviais dos Prazeres e Terra-Firme.

O rio Ipanema banha o município numa extensão de aproximadamente 12 km, e não é um rio navegável.

Riachos: do Papagaio, Luango, Algodão Pilões, Boqueirão, Canudos, Pé-Leve e Volta Grande e os riachos temporários Olho d'Água, Porcos e Cardosos.

A serra mais importante do município é a das Serra das Porteiras, com 494 metros de altura. Embora de altitude um pouco inferior, mas temos ainda a Serra do Salgado.

Limites[editar | editar código-fonte]

Limita-se com o estado de Sergipe e com os municípios de Pão de Açúcar, Jacaré dos Homens, Batalha e Traipu, no estado de Alagoas.

Flora[editar | editar código-fonte]

A vegetação predominante é a do tipo das caatingas, com árvores de médio porte, entremeadas de cactáceas (mandacarus, xiquexiques, facheiros, macambiras e gravatás). Lamenta-se, porém, a impiedade das vegetações, sem nenhum princípio racional de aproveitamento ou reflorestamento, causando até mesmo o desaparecimento de algumas espécies.

Fauna[editar | editar código-fonte]

Como em todo o município a vegetação predominante é a caatinga, fica difícil oferecer habitat favorável aos animais. Lamenta-se, entretanto, que o homem, através da caça, propicie a eliminação de muitas das espécies animais.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O rio de maior importância para o município é o rio São Francisco, devido a captação de águas para o consumo humano, e a pesca que gera renda para o municipio. Seguem os rios Jacaré (ou Salgado), o Ipanema e o Traipu.

Cultura[editar | editar código-fonte]

O nome de Belo Monte originou-se da beleza topográfica da sua área, que, segundo a tradição corrente, fôra D. Pedro II, que na sua passagem por aqui, assim a batizou; de fato, quando ele criou Vila Lagoa Funda, já no decreto da criação mudara o nome para Belo Monte. Ainda restam três casas que foram senzalas: uma na Praça Epaminondas Machado, nº. 69, pertencente a João Soares Lima e já reformada em parte; a outra situada atrás das casas, na descida para o porto de Baixo, ainda primitiva e estragada, atualmente pertencente a Bonifácio Campos e há ainda uma casa que foi senzala no povoado Jacobina.

No município, há onze templos católicos: dois em Belo Monte, a Matriz Nossa Senhora de Bom Conselho, a capela de Santa Terezinha do Menino Jesus; uma capela em Restinga; duas na Barra do Ipanema (uma no povoado e outra na ilha em frente), uma no Riacho da Jacobina, duas em Olho D'Água Novo, uma em Maria Preta, uma em Poço do Marco e uma em Jacobina. Há também cinco templos evangélicos: dois da Igreja Pentecostal do Brasil, uma em Belo Monte e uma na Restinga, e três igrejas da Assembleia de Deus, uma em Belo Monte, uma na Restinga e uma no riacho da Jacobina.

Sabe-se, pela população mais velha, que Belo Monte nunca recebeu visitas (ao menos de público) de Lampião ou dos cangaceiros, ou sofreu jamais vexames da parte deles).

Suas principais festas sao a de Bom Jesus dos Navegantes ocorre no município no período de 29 de dezembro a 1 de janeiro, e da Padroeira (Nossa Senhora do Bom Conselho), que é comemorada todos os anos dia 2 de fevereiro.

Turismo[editar | editar código-fonte]

A prainha do rio São Francisco é um ponto atrativo da região, onde hoje está instalado o miniterminal turístico, mas o município chama atenção pelo carnaval animado e pelas vaquejadas realizadas regularmente.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.