Bem comum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.

Bem comum é o fim é um termo que pode se referir a vários conceitos diferentes, mas idênticos entre si, seja na filosofia, na teologia, na sociologia e na ciência política.

No sentido popular, descreve o conjunto benefícios que são compartilhados de todos os membros (ou a maioria) de uma dada comunidade. Esta é também a forma como o bem no seu conjunto é amplamente definido.

As teorias de Platão a Cícero trazem o finalismo da ideia do Bem, ou melhor, do bem comum, tratado como sinónimo do "interesse comum"[1] .

O seu conceito ético, em 1963, segundo a Doutrina Social da Igreja, formulado na encíclica Pacem in Terris pelo Papa João XXIII: "O bem comum consiste no conjunto de todas as condições de vida social que favoreçam o desenvolvimento integral da personalidade humana e sua sociedade.".

Por outras palavras, o bem comum é o fim das pessoas singulares que existem na comunidade, tal como o fim do todo é o fim de qualquer de suas partes. Ou seja, o bem da comunidade é o bem ou propósito do próprio indivíduo que a compõe.

O bem comum por vezes tem sido visto como uma utilitária ideal, o que representa "o maior bem possível para o maior número possível de pessoas".

Outra definição do bem comum, como o objetivo por excelência do Estado, requer uma admissão de direito fundamental do indivíduo na sociedade, o que é, ou seja, o direito de todos à oportunidade de livremente moldar sua vida por acção responsável, em busca de virtude e de acordo com a lei moral.

O grau e forma do poder político, no exercício da governação, deverá ter principalmente dois objectivos: a preservação da comunidade e a liberdade dos seus membros. É a esta combinação destes, na proporção desejada, que alguns chamam bem comum.[carece de fontes?] Isso acontece porque todo indivíduo é dotado de livre arbítrio e só está disposto a sacrificar parte da sua liberdade se esse sacrifício se traduzir em benefício da comunidade na qual está inserido, ou se isto servir para garantir a sua própria subsistência. Assim, algumas comunidades preferirão sacrificar um pouco mais da liberdade de cada um para aumentar o grau de segurança colectiva, e outras poderão preferir sacrificar algo da segurança comum à liberdade de cada um[2] .

O conceito não deve ser confundido com bem público ou com bem comunal.

Referências