Benfica (bairro do Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Benfica
—  Bairro do Brasil  —
Conjunto Habitacional Mendes de Moraes (Pedregulho).
Conjunto Habitacional Mendes de Moraes (Pedregulho).
Benfica.svg
Distrito Centro e Centro Histórico[1]
Município Rio de Janeiro
Criado em 23 de julho de 1981
Área
 - Total 173,64 ha (em 2003)
População
 - Total 25,081 (em 2 010)
 - IDH 0,825[2] (em 2000)
Domicílios 8.482 (em 2010)
Limites Bairro Imperial, Caju, Vasco da Gama,
Mangueira, São Francisco Xavier,
Rocha, Jacaré e Manguinhos [3]
Subprefeitura Centro e Centro Histórico[1]
Fonte: Não disponível

Benfica é um bairro de classe média baixa da Zona Central do Rio de Janeiro. Segue majoritáriamente um padrão de construção e planejamento urbano; sendo considerado por muito tempo um bairro proletário, porém como todos os bairros centrais, Benfica vem passando por uma revitalização. É limitado por Bairro Imperial de São Cristóvão, Caju, Mangueira e Vasco da Gama, na Zona Central; além de Jacaré, Manguinhos, Rocha e São Francisco Xavier[4] na Zona Norte, sendo apelidado como "entrada do subúrbio carioca".

Seu índice de qualidade de vida, no ano 2000, era de 0,825, o 73º melhor da cidade do Rio de Janeiro, dentre 126 bairros avaliados.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Por ser vizinho do Bairro Imperial, havia atração da nobreza por aquelas áreas. Com o advento da república e a mudança de residência da aristocracia, houve transferência de grande parte dos ricos para a Zona Sul da cidade. Assim, Benfica se tornou um bairro de classe média, mas com a transferência do Distrito Federal em 1960 o bairro foi abandonado pelo poder público entrando em um profundo declínio. Ainda existem sobrados do século XIX em estado precário no bairro, da época em que a região era um bairro nobre da cidade.

O Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes, conhecido pela imprensa especializada como " Conjunto do Pedregulho" ou mais popularmente como "Minhocão de Benfica", é um ícone da arquitetura modernista brasileira. O projeto, de 1947, é do renomado arquiteto Affonso Eduardo Reidy, tendo recebido painéis assinados por Roberto Burle Marx e Cândido Portinari.

Revitalização[editar | editar código-fonte]

Também era localizada em Benfica a fábrica da Cooperativa Central dos Produtores de Leite, invadida há alguns anos e transformada em um cortiço. Em janeiro de 2012 a fábrica foi alvo do Morar Carioca: foi implodida para a construção de 688 unidades habitacionais pela prefeitura. O bairro é rodeado pelas favelas Barreira do Vasco, Mangueira, Manguinhos e Tuiui; enquanto possui as de Arará e Parque Alegria. As comunidades da Mangueira e do Tuiuti atualmente encontram-se pacificadas pelas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) da Pomierija. O processo de pacificação está valorizando novamente a região, que vem apresentando queda nos indicadores de violência e tráfico de drogas. É esperado que essas favelas também se tornem gradualmente conjuntos habitacionais para os moradores do bairro, para a reforma das melhores residências, tentando atrair novamente o interesse da classe média alta para o bairro.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

É em Benfica que se localiza a antiga Central de Abastecimento do Estado da Guanabara (CADEG), conhecida pela variedade de frutas, verduras, plantas e atualmente pelas opções gastronômicas variadas. É na CADEG que se realiza uma das mais famosas festas portuguesas abertas da cidade. A festa acontece aos sábados a partir das 13 horas na rua 16. A festa portuguesa do CADEG promove a cultura do Alto Minho, região do norte de Portugal, local de origem da maioria dos comerciantes portugueses instalados no Mercado, desde a época do antigo porto do Rio de Janeiro. A festa é sucesso entre os frequentadores e quem vai ao CADEG fazer compras acaba parando na festa do “forró português”, como alguns comerciantes brasileiros se referem ao fado. Nesse bairro, também existe um polo de lojas de iluminação, mais conhecido como a "Rua dos Lustres", que fica situada na Rua Senador Bernardo Monteiro. Desde os anos 80, a Rua dos Lustres transformou-se num autêntico shopping de artigos de iluminação com diversificada linha de produtos para decoração em produtos de luminária e empresas conceituadas com extensa experiência de mercado. Frequentado pelos melhores decoradores e arquitetos da cidade. Além da Sede da TV Record, Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Supermercado Prezunic, Sede do jornal O Dia, Fundação Leão XIII (com painel do pintor Cândido Portinari), Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro; e agencias bancárias do Banco do Brasil, Bradesco, Itaú-Unibanco e Santander.

Instituições militares[editar | editar código-fonte]

XXII Batalhão de Polícia, Escola de Saúde do Exército, XI Destacamento do Corpo de Bombeiros, Hospital Central do Exército, Laboratório Químico e Farmacêutico da Marinha e Instituto de Biologia do Exército.

Educação[editar | editar código-fonte]

Há as escolas municipais Alice Amaral, Cardeal Leme, Edmundo Bittencourt, 2 de Julho, e Uruguai.

Religião[editar | editar código-fonte]

Igreja de Nossa Senhora da Consolata é o único templo do bairro.

Logradouros[editar | editar código-fonte]

Avenidas
  • Carlos Mattoso Corrêa
  • D. Helder Camara
  • Padre Souza
Ruas
  • Ana Neri
  • Ararua
  • Balanita
  • Boiutuva
  • Capitão Felix
  • Célio Nascimento
  • Chibatã
  • Couto de Magalhães
  • Doutora Carmem Velasco Porfírio
  • Ébano
  • Fausto Barreto
  • Ferreira de Araújo
  • Inhanduí
  • Itamarandiba
  • Itapoã
  • Lopes Silva
  • Lopes Trovão
  • Marapanim
  • Marechal Aguiar
  • Marechal Jardim
  • Pereira Lopes
  • Prefeito Olímpio de Melo
  • São Luís Gonzaga
  • Senador Bernardo Monteiro (Rua dos Lustres)
  • Ubatinga

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]