Bento de Jesus Caraça

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bento de Jesus Caraça
Caraca.jpg
Nascimento 18 de Abril de 1901
Vila Viçosa, Portugal
Morte 25 de Junho de 1948 (47 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portugal Português

Bento de Jesus Caraça GCSEGOL (Vila Viçosa, 18 de Abril de 1901Lisboa, 25 de Junho de 1948) foi um matemático português, professor universitário, resistente antifascista e militante do Partido Comunista Português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciou-se, em 1923, no Instituto Superior de Comércio, hoje Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa. Em 1936 funda o Núcleo de Matemática, Física e Química juntamente com outros recém doutorados nas áreas da matemática e física. Em 1938, com os também professores Mira Fernandes e Beirão da Veiga, funda o Centro de Estudos de Matemáticas Aplicadas à Economia, que dirigiu até Outubro de 1946, ano da sua extinção pelo Governo[1] .

Em 1940, com os professores António Monteiro, Hugo Ribeiro, José da Silva Paulo e Manuel Zaluar criou a Gazeta de Matemática. Em 1941 cria a "Biblioteca Cosmos", para edição de livros de divulgação científica e cultural, a qual publicou 114 livros, com uma tiragem global de 793 500 exemplares. Colaborou também nas revistas Técnica, Gazeta de Matemática, Seara Nova, Vértice e Revista de Economia.

Em 1943 e até 1944 torna-se o 2.º presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática em conjunto com Aureliano de Mira Fernandes.

Em 1946 é preso pela PIDE e, em Outubro desse mesmo ano, demitido do lugar de professor catedrático do Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras[2] .

Faleceu em Lisboa, no dia 25 de Junho de 1948, vítima de doença cardíaca[3] .

A 3 de Setembro de 1979 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada e a 30 de Junho de 1980 foi feito Grande-Oficial da Ordem da Liberdade, ambas a título póstumo.[4]

Família[editar | editar código-fonte]

Bento de Jesus Caraça era filho João António Caraça e Domingas Espadinha e irmão de António, Francisco e Filomena. Casou, em 1926, com Maria Octávia Sena, de quem ficou viúvo nove meses depois. Casou, em 1943, com Cândida Gaspar, com quem teve o seu único filho, João Manuel Gaspar Caraça.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

A Cultura Integral do Indivíduo

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cf. Morgado, José, Para a História da Sociedade Portuguesa de Matemática.
  2. Actual Instituto Superior de Economia e Gestão. Cf. referência no site da Fundação Mário Soares
  3. Nóvoa 2003, p. 269-272
  4. http://www.ordens.presidencia.pt/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]