Bexiga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.(Outubro de 2008)
Bexiga urinária
Illu urinary system.jpg
Sistema urinário.
Illu bladder.jpg
Bexiga urinária
Latim vesica urinaria
Gray assunto #255 1227
Vascularização Artéria vesical superior
Artéria vesical inferior
Artéria umbilical
Artéria vaginal
Drenagem venosa Plexo venoso vesical
Inervação Plexo nervoso vesical
Drenagem linfática external iliac lymph nodes, internal iliac lymph nodes
Precursor seio urogenital
MeSH Bladder

Bexiga é o órgão humano no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. À bexiga segue-se a uretra, o ducto que exterioriza a urina produzida pelo organismo .

Nos crustáceos e teleósteos, trata-se de uma expansão do canal do rim. Nos tetrápodes apresenta-se como um divertículo ventral da parte posterior do tubo digestivo (cloaca), o qual, no embrião dos amniotas conduz à alantóide.

A bexiga é um órgão ausente nas aves adultas e em quase todos os répteis.

A bexiga humana é dividida anatomicamente em: ápice (anterior), corpo, fundo (posterior) e colo. Sua túnica muscular é composta por músculo liso, possuindo fibras musculares entrelaçadas em todas as direções, originando o músculo detrusor. A túnica mucosa da maior parte da bexiga vazia é pregueada, mas estas pregas desaparecem quando a bexiga está cheia. A área da túnica mucosa que reveste a face interna da base da bexiga é chamada de trígono da bexiga.

O sistema nervoso autônomo parassimpático é o responsável pela contração da musculatura da bexiga, resultando na vontade de urinar.

A capacidade média da bexiga de um adulto é de 700 a 800 ml.

Embriologia[editar | editar código-fonte]

Nos humanos, todo o epitélio da bexiga deriva da parte vesical do seio urogenital, assim como a maior parte da bexiga. A exceção é feita à região do trígono da bexiga, que tem seu tecido conjuntivo originado dos túbulos mesonéfricos.

Histologia[editar | editar código-fonte]

Secção da parede da bexiga

A bexiga é formada por 3 camadas de tecidos, conforme descrito abaixo:[1] [2] [3]

1. Camada mucosa: é a mais interna, recobre todo o interior do órgão. Formada por tecido epitelial de transição. Quando a bexiga está vazia, a mucosa apresenta aspecto enrugado. Ao contrário, quando a bexiga está cheia, a mucosa apresenta aspecto liso, sem pregas. A mucosa da região do trígono está firmemente aderida à camada muscular subjacente, por isso, mesmo quando a bexiga está vazia, a mucosa da região do trígono apresenta aspecto liso. As células epiteliais apoiam-se sobre uma membrana basal, e logo abaixo desta, exite uma camada de tecido conjuntivo chamada lâmina própria ou córion ou submucosa. Na lâmina própria encontra-se vasos sanguíneos menos calibrosos na superfície, próximo ao epitélio, e vasos mais calibrosos nas regiões mais profundas.

2. Camada muscular: Também conhecida como músculo detrusor, é formada por fibras de músculo liso dispostas em três camadas. A camada interna e a externa possuem fibras musculares com orientação longitudinal, enquanto que a camada intermediária possui orientação circular. Na região do trígono a camada muscular da bexiga é uma continuação da camada muscular do ureter.

3. Camada adventícia e serosa: Recobrem a porção externa do órgão. A parte superior da bexiga é coberta pelo peritôneo (camada serosa), enquanto que o restante da bexiga é coberta por tecido conjuntivo da região pélvica (camada adventícia).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lâmina 76: Bexiga. In: Di Fiore, M.S.H. Atlas de Histologia (em Português). 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995. 150 pp. ISBN 85-226-0170-4
  2. Bladder: position, relations, gross structure. In: Kelly, C. R.; Landman, J. The Netter collection of medical illustrations - urinary system (em Inglês). 2 ed. Philadelphia: Elsevier Saunders, 2012. plate 1-7 pp. vol. 5. ISBN 978-1-4377-2238-3
  3. Schmitz, P.G.; Bastani, B. Gross and microscopic anatomy with functional correlations. In: Schmitz, P.G. Renal - an integrated approach to disease (em Português). 1 ed. [S.l.]: McGraw-Hill Interamericana Editores, 2011. 11-28 pp. ISBN 978-0-07-178498-6