Bhagavad-Gita: Como Ele É

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Bhagavad-Gita - Como ele é)
Ir para: navegação, pesquisa

Bhagavad Gita Como Ele É é a tradução comentada do Bhagavad Gita por A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada fundador-acharya da Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna (ISKCON). É conhecida dentre outras traduções do Bhagavad Gita por seu forte compromisso no caminho da bhakti yoga de acordo com a Gaudiya Vaishnava de Caitanya Mahaprabhu. O livro foi vastamente distribuído, basicamente através da promoção pelo movimento Hare Krishna . Sua primeira publicação foi em 1968 por Macmillan Punlishers com uma edição integral em 1972. Atualmente é publicado por The Bhaktivedante Book Trust, disponível aproximadamente em 60 línguas

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Para cada verso, o livro (em sua edição completa) inclui o texto devanagari original, uma tradução para caracteres romanos, o significado palavra por palavra em Sânscrito-Português, e tradução em português. Um extenso comentário por Prabhupada é dado em todo o texto, comentários baseados em diversas obras da gaudiya Vaishnava incluindo: Ramanuja Bjasya(em sânscrito); Sarartha-varsini-tika(sânscrito)por Visvanatha Cakravarti Thakura; Gita-bhusana-tika(Sânscrito por Baladeva Vidyabhushna; e comentários de Bengali Bhaktivinoda Thakura. Deste modo o livro defende o caminho de bhakti em direção á Krishna, quem é visto como idêntico a Vishnu, indo em direção oposta à interpretações monistas. Isto desencadeou uma série de criticas de pessoas que discordam com a abordagem literal de Prabhupada. Sivarama Swami rebate as crítas em seu livro Bhaktivedanta Purports: Perfect Explanation of the Bhagavad-Gita (1998). O Bhagavad Gita Como Ele É foi escrito pela sucessão discipular da Gaudiya vaishnava, e os membros da ISKCON consideram o livro como oficial e literalmente verdadeiro (mukhya-vrtti). Como tradição majoritária, a Gaudiya Vaishnava considera o Bhagavad Gita como a essência da sabedoria Védica e dos Upanisads. Algumas edições do Bhagavad Gita contém prefácios feitos por Allen Ginsberg e Thomas Merton.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Esta tradução é provavelmente uma das mais vendidas fora da Índia devido aos esforços notáveis de devotos nas ruas, aeroportos entre outros lugares públicos. O livro também é vendido largamente na Índia. Foi publicado em 56 linguas, incluindo Inglês, Português, Francês, Alemão, Espanhol, Italiano, Sueco, Russo, Polonês, Tcheco, Eslovaco, Letão, Macedônio, Húngaro, Croata, Chinês, Japonês, Árabe, Hebreu, Persa, Hindi, Bengali, Guzerate, Canarês, Malaio, Oriá, Tâmil e Telugu.

Varnashrama Dharma[editar | editar código-fonte]

Socialmente, o Bhagavad Gita Como Ele É sugere um estilo de vida derivado de Manu Smriti, e outros livros religiosos hindus,e leis sociais aplicadas para o mundo ocidental conteporaneo. Neste modo de vida, a sociedade humana ideal é descrita como sendo dividida em quatro Varnas (Brahmana- Classe intelectual, Ksatriya- Classe Administrativa, vaishya- comerciantes, e shudra- trabalhadores ). Dentro de seus escritos Prabhupada apoia a ideia de que uma pessoa se torna membro de uma das Varnas não por nascimento, mas por suas qualidades pessoais(guna), e sua função(karma). A sociedade é descrita como melhor, governada por um soberano benevolente Ksatriya, no qual governa de acordo com as regras estabelecidas pela tradição das escrituras e preservada por líderes espirituais nos quais possuem auto-controle e pureza de coração(brahmanas). O ksatriya soberano (como nos tribunais, e em muitos estados democráticos) podem também pedir a pena capital.

É dito que brahmanas, anciãos, mulheres, crianças e vacas merecem proteção especial, como animais, especialmente vacas, sendo preservados a qualquer custo de matanças. Prabhupada encoraja seus leitores a adotar uma dieta ovo-lacto-vegetariana; dá-se, assim, à agricultura a base econômica de uma sociedade ideal. Finalmente Prabhupada dá a conclusão de que a sociedade pode ser "Consciente de Krishna" e iluminada pela devoção (bhakti) a Krishna (Deus do Oriente).

Crítica[editar | editar código-fonte]

Porque Prabhupada escreveu do ponto de vista de Gaudiya Vaishnava sampradaya,alguns consideram o Bhagavad Gita Como Ele É como uma obra sectária com a tradução e comentário escrito a apresentar a Gaudiya Vaishnava como o caminho correto pregado por Krishna no Gita. Alguns dos versos não são apenas traduções como são interpretados com a perspectiva da Gaudiya, usando palavras em Português que não são encontradas no texto em Sânscrito original para transmitir uma mensagem particular.

Prabhupada muitas vezes traduz da palavra em Sânscrito deva ("Deus") como "semideus" uma tradução que muitos hindus consideram questionável. Entretanto, quando a palavra deva se refere à Krishna é traduzida como "Senhor".

Normalmente a réplica dada à esta crítica é o fato do sânscrito ser uma linguagem muito antiga e complexa onde uma mesma palavra pode possuir vários equivalentes em outros idiomas e por este fato o sânscrito também costuma ser designado como uma linguagem mãe.

Veja Também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]