Bigorna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Bigorna tradicional americana, vendo-se a remoção de ferrugem pelo uso de areia.
Bigorna tradicional européia.

É constituída por um bloco maciço de ferro forjado, com a parte superior temperada, extremamente dura e resistente. O modelo tradicional americano (e também inglês) possui apenas uma ponta (corno, chifre) arredondada e ligeiramente curva para cima, tendo o outro lado reto. O modelo europeu possui duas pontas, uma arredondada (cônica) e outra plana (piramidal). O tronco normalmente é alto, com uma base que se alarga (geralmente em quatro extremidades) para dar estabilidade e facilitar a fixação, feita quase sempre num grande bloco ou tronco de madeira maciça. Bigornas primitivas (medievais) e japonesas, por outro lado, possuem bem menos detalhes, assemelhando-se a grandes blocos com algumas superfícies curvas.

Em tempos recentes, em que os trabalhos em bigorna são mais leves, a maioria delas vem sendo fabricada em ferro fundido nodular, muito mais flexível e elástico que o ferro fundido comum (que não serve para a fabricação de bigornas). Esses modelos também são mais baixos e possuem a base menos larga – em geral têm apenas quatro pés formando arcos, ou seja, com certo espaço vazio na parte inferior. Não são adequados, portanto, a trabalhos tradicionais ou pesados.

A bigorna é usada para moldar e fabricar ferramentas, facas, grades e inúmeros objetos, aquecendo-se o ferro forjado até atingir o nível de calor denominado rubro, no qual o metal fica bastante elástico e pode ser trabalhado com pancadas fortes e constantes de diversos tipos de martelo. A maioria das bigornas possui dois furos: um quadrado, para o encaixe de instrumentos de corte e moldagem, e outro redondo, utilizado para se fazer furos em chapas relativamente finas.

Foi largamente usada até o fim do século XIX por ferradores (de cavalos) e ferreiros em geral, principalmente os especializados em armas (ferreiros-armadores), que confeccionavam espadas, machados, lanças, escudos, malhas e armaduras. Atualmente caiu em desuso comercial devido a processos industriais de fabricação, porém ainda é utilizada por artistas e escultores, em trabalhos específicos de reparo e como passatempo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Bigorna
Ícone de esboço Este artigo sobre Tecnologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.