Biossegurança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

DefiniçãoBiossegurança



Definição

A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços, visando à saúde do homem, dos animais, a preservação do meio ambiente e a qualidade dos resultados" (Teixeira & Valle, 1996). Este foco de atenção retorna ao ambiente ocupacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade. Não é centrado em técnicas de DNA recombinante...

Uma outra definição, baseada na cultura da engenharia de segurança e da medicina do trabalho é encontrada em Costa (1996), onde aparece "conjunto de medidas técnicas, administrativas, educacionais, médicas e psicológicas, empregadas para prevenir acidentes em ambientes biotecnológicos". Está centrada na prevenção de acidentes em ambientes ocupacionais.

Fontes et al. (1998) já apontam para "os procedimentos adotados para evitar os riscos das atividades da biologia". Embora seja uma definição vaga, subentende-se que estejam incluídos a biologia clássica e a biologia do DNA recombinante.

Estas definições mostram que a biossegurança envolve as relações tecnologia/risco/homem. O risco biológico será sempre uma resultante de diversos fatores e, portanto, seu controle depende de ações em várias áreas, priorizando-se o desenvolvimento e divulgação de informações além da adoção de procedimentos correspondentes às boas práticas de segurança para profissionais, pacientes e meio ambiente.

Conceitos usados[editar | editar código-fonte]

A biossegurança está formatada legalmente para os processos envolvendo organismos geneticamente modificados e questões relativas a pesquisas científicas com células-tronco embrionárias, de acordo com a Lei de Biossegurança - N.11.105 de 24 de Março de 2005.

O foco de atenção dessa Lei são os riscos relativos as técnicas de manipulação de organismos geneticamente modificados. O órgão regulador dessa Lei é a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança, integrada por profissionais de diversos ministérios e indústrias biotecnológicas. Exemplo típico de discussão legal da biossegurança são os alimentos transgênicos, produtos da engenharia genética.

Por outro lado, a palavra biossegurança, também aparece em ambientes onde a moderna biotecnologia não está presente, como indústrias, hospitais, laboratórios de saúde pública, laboratórios de análises clínicas, hemocentros, universidades, etc., no sentido da prevenção dos riscos gerados pelos agentes químicos, físicos e ergonômicos, envolvidos em processos onde o risco biológico se faz presente ou não. Esta é a vertente da biossegurança, que na realidade, confunde-se com a engenharia de segurança, a medicina do trabalho, a saúde do trabalhador, a higiene industrial, a engenharia clínica e a infecção hospitalar.

Termos usados[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Guimarães Jr., J. Biossegurança e controle de infecção cruzada em consultórios odontológicos. São Paulo: Santos, 2001.
  • Costa, M.A.F.; Costa, M.F.B. Qualidade em Biossegurança. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.
  • Costa, M.A.F.; Costa, M.F.B. Segurança e Saúde no Trabalho. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005.
  • Costa, M.A.F.; Costa, M.F.B. Entendendo a Biossegurança: epistemologia e competências para a área da saúde. Rio de Janeiro: Publit, 2005.
  • Costa, M.A.F.; Costa, M.F.B. Biossegurança de A a Z. 2.Edição. Rio de Janeiro: Publit, 2009.
  • Costa, M.A.F.; Costa, M.F.B. Biossegurança de OGM. V.1. Rio de Janeiro: Publit, 2009.
  • Costa, M.A.F.; Costa, M.F.B. Biossegurança Geral: para cursos técnicos da área de saúde. Rio de Janeiro: Publit, 2009.