Bispado de Reval

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bisdom Reval
Bispado de Reval

Bispado

Den tyske ordens skjold.svg
1560 – 1561 Flag of Sweden.svg
 
Eestimaa värvid.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Bispado de Reval
O Bispado de Reval estava localizado no ex-território da Estônia dinamarquesa (no alto).
Continente Europa
País Letônia
Capital Reval 59°26′N 24°45′E
Língua oficial latim
baixo-alemão
dinamarquês
estoniano
Religião Luteranismo
Governo Principado
Bispo de Reval
 • 1560-1561 Magnus da Livônia
Período histórico Guerra da Livônia
 • 29 de Junho de 1560 Fundação
 • 6 de Junho de 1561 Dissolução
Moeda Penny livônio?,
Schilling livônio?,
Ferding?
Castrum Danorum, a residência dos Bispos de Reval.

O Bispado de Reval (baixo-alemão: Bisdom Reval; latim: Episcopatus Revaliensis) foi um bispado na Estônia dinamarquesa (12191346) e na Confederação da Livônia (1346-1560); um bispado independente de 29 de junho de 1560 até 6 de junho de 1561.

História[editar | editar código-fonte]

A Livônia foi uma confederação de numerosos elementos; as decisões tomadas pela Landtag dependia do consenso, que fazia a implementação de reformas apesar das dificuldades. Eclesiasticamente, o Bispado de Reval continuou a estar sob o controle do Arcebispo de Lund (Dinamarca), como Estland tecnicamente foi apenas temporariamente livoniana. Devido à oposição de alguns da Ordem da Livônia e em querer permanecer neutro, Gustavo I da Suécia não atendeu qualquer pedido de ajuda de Gotardo Kettler feito a ele ou a seus filhos, Érico XIV da Suécia e João III da Suécia. Mas, na primavera de 1560, Gustavo decidiu socorrê-lo e ofereceu dinheiro e mediação na guerra entre a Moscóvia e a Livônia. Embora nessa altura Kettler já não quisesse ajuda da Suécia e afirmava que a oferta tinha vindo tarde demais, teve medo de perder a ajuda do Reino da Polônia.

Moritz de Wrangel, o Bispo de Reval, viu a vantagem de Ivã IV, o Terrível, e rapidamente passou o seu cargo para Magnus em 29 de junho de 1560. Logo depois que isso aconteceu o Grão-mestre Gotardo Kettler decidiu fazer de Magnus um aliado e encontrou-se com ele em Pernau em agosto. Fernando I, Sacro Imperador Romano-Germânico, mais uma vez, pediu a ajuda de Gustavo e a Polônia também iniciou negociações diretas com Gustavo, mas nada resultou, pois em 29 de setembro de 1560, Gustavo I Vasa morreu. As chances de sucesso de Magnus e os seus apoiadores pareciam particularmente boas em 1560 (e 1570). No primeiro caso, ele foi reconhecido como o seu soberano pelo Bispado de Ösel-Wiek e pelo Bispado da Curlândia, e como o seu potencial governante pelas autoridades do Bispado de Dorpat; o Bispo de Reval e capítulo, juntamente com os senhores de terras de Harrien-Wierland estavam do lado dele; a Ordem da Livônia condicionalmente reconhecia o seu direito de propriedade da Estônia. Em seguida, juntamente com o Arcebispo Wilhelm von Brandenburg do Arcebispado de Riga e seu Coadjutor Christoph von Mecklenburg-Schwerin, Kettler deu a Magnus os territórios do Reino da Livônia, que ele havia tomado posse, mas eles se recusaram a dar-lhe mais terra.

Quando Érico XIV tornou-se rei, ele tomou medidas rápidas para envolver-se na guerra. Ele negociou um tratado de paz com a Moscóvia e falou para os cidadãos da cidade de Reval. Ele ofereceu-lhes mercadorias caso o aceitassem como soberano, ao invés de ameaçá-los. Em 6 de junho de 1561 eles o aceitaram como soberano contrariamente à persuasão de Kettler aos cidadãos. Em 1561 a cidade de Reval politicamente tornou-se um domínio da Suécia. Logo após a Suécia ocupou Reval, Frederico II da Dinamarca fez um tratado com Érico XIV da Suécia, em agosto de 1561.

Posteriormente[editar | editar código-fonte]

João, o irmão do rei Érico XIV, casou com a princesa polonesa Catarina Jagellon. Querendo ter o seu próprio território na Livônia, ele tomou dinheiro emprestado da Polônia e, em seguida, reivindicou os castelos que havia penhorado como sendo seus, em vez de usá-los como pagamento a Polônia. Depois que João regressou a Finlândia, Érico XIV proibiu-lhe de fazer acordos com qualquer país estrangeiro sem o seu consentimento.

Bispos[editar | editar código-fonte]

Reino da Dinamarca[editar | editar código-fonte]

  • Wesselin (1219-1227)
  • Thorkill (1238/40-1260)
  • Thrugot (1260/63-1279)
  • Johannes (1280-1294)
  • Heinrich, OFM (1298-1318)
  • Olav von Roskilde, OFM (1323-1350)

Irmãos Livônios da Espada[editar | editar código-fonte]

Independente[editar | editar código-fonte]

Principado da Estônia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]