Bispo do Rosário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estátua do artista em sua terra natal, Japaratuba, Sergipe.

Arthur Bispo do Rosário (Japaratuba,Sergipe, 14 de maio e 1909[1] ou, segundo outras fontes, 16 de março de 1911[Nota 1]Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 5 de julho de 1989[1] ) foi um artista plástico brasileiro.

Considerado louco por alguns e gênio por outros, a sua figura insere-se no debate sobre o pensamento eugênico, o preconceito e os limites entre a insanidade e a arte, no Brasil. A sua história liga-se também à da Colônia Juliano Moreira, instituição criada no Rio de Janeiro, na primeira metade do século XX, destinada a abrigar aqueles classificados como anormais ou indesejáveis (doentes psiquiátricos, alcóolatras e desviantes das mais diversas espécies).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Natural de Japaratuba, no interior do estado de Sergipe – onde nascera em 1909, e para onde jamais retornou – para ingressar, em 1925, na Marinha, Arthur Bispo do Rosário foi negro, pobre e nordestino. Foi boxeador e biscateiro. Entre 1933 e 1937, trabalhou no Departamento de Tração de Bondes, na cidade do Rio de Janeiro. Por fim, como empregado doméstico da família Leone, no bairro carioca do Botafogo[2] [3] .

Na noite 22 de dezembro de 1938, despertou com alucinações que o conduziram ao patrão, o advogado Humberto Magalhães Leoni, a quem disse que iria se apresentar à Igreja da Candelária. Depois de peregrinar pela rua Primeiro de Março e por várias igrejas do então Distrito Federal, terminou subindo ao Mosteiro de São Bento, onde anunciou a um grupo de monges que era um enviado de Deus, encarregado de julgar os vivos e os mortos. Dois dias depois foi detido e fichado pela polícia como negro, sem documentos e indigente, e conduzido ao Hospício Pedro II (o hospício da Praia Vermelha), primeira instituição oficial desse tipo no país, inaugurada em 1852, onde anos antes havia sido internado o escritor Lima Barreto (1881-1922).[4]

Um mês após a sua internação, foi transferido para a Colônia Juliano Moreira, localizada no subúrbio de Jacarepaguá, sob o diagnóstico de "esquizofrênico-paranoico".Aqui recebeu o número de paciente 01662, e permaneceu por mais de 50 anos.[5]

Em determinado momento, Bispo do Rosário passou a produzir objetos com diversos tipos de materiais oriundos do lixo e da sucata que, após a sua descoberta, seriam classificados como arte vanguardista e comparados à obra de Marcel Duchamp. Entre os temas, destacam-se navios (tema recorrente devido à sua relação com a Marinha na juventude), estandartes, faixas de misses e objetos domésticos[6] . A sua obra mais conhecida é o Manto da Apresentação, que Bispo deveria vestir no dia do Juízo Final. Com eles, Bispo pretendia marcar a passagem de Deus na Terra.

Os objetos recolhidos dos restos da sociedade de consumo foram reutilizados como forma de registrar o cotidiano dos indivíduos, preparados com preocupações estéticas, onde se percebem características dos conceitos das vanguardas artísticas e das produções elaboradas a partir de 1960.

Utilizava a palavra como elemento pulsante. Ao recorrer a essa linguagem manipula signos e brinca com a construção de discursos, fragmenta a comunicação em códigos privados.

Inserido em um contexto excludente, Bispo driblava as instituições todo tempo. A instituição manicomial se recusando a receber tratamentos médicos e dela retirando subsídios para elaborar sua obra, e museus, quando sendo marginalizado e excluído, é consagrado como referência da Arte Contemporânea brasileira.

Notas e referências

Notas

  1. De acordo com registros da Light, onde prestou serviço entre 1933 e 1937.

Referências

  1. a b ARTHUR BISPO DO ROSARIO – BIOGRAFIA CLÍNICA (em português). Abpbrasil (20-10-2001). Página visitada em 05-07-2011.
  2. http://cartanaescola.com.br/single/show/112
  3. http://www.almanaquebrasil.com.br/personalidades-arte/9730-arthur-bispo-do-rosario.html
  4. Bruno Dorigatti (27 de setembro de 2010). Lima Barreto, entre o hospício e o cemitério. Saraiva. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  5. Rodrigo Correia (7 de setembro de 2012). Paciente 01662: a arte que transformou o manicômio e a visão sobre o louco. Encena. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  6. Rosário, Arthur Bispo do (1911 - 1989). Itau Cultural (23 de outubro de 2008). Página visitada em 21 de novembro de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Almeida, Jane de; Silva, Jorge Anthonio. Ordenação e vertigem / Ordering and vertigo. São Paulo: CCBB/Takano, 2003.
  • Burrowes, Patricia. O Universo segundo Arthur Bispo do Rosário.
  • Hidalgo, Luciana. Arthur Bispo do Rosário O Senhor do Labirinto. Ed Rocco.
  • Kato, Gisele. O artista redentor. São Paulo, Revista Bravo!, 2003.
  • Lázaro, Wilson. (org.). Arthur Bispo do Rosário - Século XX. Cosac Naify.
  • Seligmann-Silva, Márcio. Arthur Bispo do Rosário: a arte de enlouquecer os signos. Artefilosofia, nº 3, julho.2007, pp. 144–158. (Instituto de Filosofia, Artes e Cultura - IFAC-UFOP).
  • Silva, Jorge Anthonio. Arthur Bispo do Rosário - Arte e loucura.
  • Diversos. A vida ao rés-do-chão. Artes de Arthur Bispo do Rosário. Ed. Sete Letras.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.