Black Hole (banda desenhada)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Black Hole
Comic image missing-pt.png
Editora Kitchen Sink Press
Fantagraphics
Pantheon Books
Formato de publicação Série limitada
Publicação original 1995 - 2005
Gênero (s) Ficção
Terror
Equipe criativa
Roteirista(s) Charles Burns
Argumentista(s) Charles Burns
Arte Charles Burns
Projecto Banda Desenhada  · Portal da Banda Desenhada

Black Hole é uma séries limitada de 12 quadrinhos escrito e ilustrado por Charles Burns do gênero ficção e terror, foi publicado conjuntamente pela Kitchen Sink Press e Fantagraphics. A história lida com as consequências de uma doença sexualmente transmissível que causa mutações grotescas em adolescentes. Segundo Burns, as mutações são uma metáfora para a adolescência, o despertar sexual e a transição para a vida adulta[1] .

História[editar | editar código-fonte]

Black Hole é difícil de resumir, visualmente desafia o leitor com imagens forte e desconfortáveis. De todas as formas, tem muitas características em comum com o movimento dos quadrinhos underground dos anos 1960, em sua ênfase sobre drogas e sexo[2] .

Um exame mais detalhado do trabalho de Burns, no entanto, revela um subtexto perturbador que força o leitor a lidar com acontecimentos que se desenrolam em um ambiente hostil, em resposta a uma epidemia de adolescentes, de forma semelhante à que foi criada a partir da verdadeira epidemia de AIDS na década de 1980, quando foi tachada como uma doença de homossexuais[2] .

Publicação[editar | editar código-fonte]

Foi publicado em 12 volumes entre 1995 e 2005. As primeiras quatro edições foram lançadas pela Kitchen Sink Press, após o fechamento da mesma, a Fantagraphics republicou estas quatro e as oito restantes. Um volume de capa dura com a obra completa foi lançado pela Pantheon Books, em 2005. Esta edição, no entanto, carece de muitas páginas que foram incluídas na primeira publicação consideradas por alguns críticos como essenciais[3] .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Referências