Blackout (álbum de Britney Spears)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Blackout
Álbum de estúdio de Britney Spears
Lançamento Estados Unidos 26 de Outubro de 2007 (2007-10-26)
(ver histórico de lançamento)
Gravação Junho de 2006 — Junho de 2007
Gênero(s) Pop, electropop, dance, R&B, synthpop, dubstep
Duração 43:37 (edição padrão)
61:33 (edição japonesa)
Idioma(s) Inglês
Formato(s) CD, descarga digital
Gravadora(s) Jive, Zomba Label Group
Produção Britney Spears (exec.), Bloodshy & Avant
The Clutch, Danja
Kara DioGuardi, J. R. Rotem
Fredwreck, Freescha
Sean Garrett, The Neptunes, T-Pain
Certificação Brasil ABPD - Gold.png Ouro
(ver a lista completa de certificações)
Cronologia de Britney Spears
Último
Último
B in the Mix: The Remixes
(2005)
Circus
(2008)
Próximo
Próximo
Singles de Blackout
  1. "Gimme More"
    Lançamento: 24 de setembro de de 2007
  2. "Piece of Me"
    Lançamento: 27 de novembro de 2007
  3. "Break the Ice"
    Lançamento: 3 de março de 2008

Blackout é o quinto álbum de estúdio da cantora pop norte-americana Britney Spears. Foi lançado a 26 de outubro de 2007 pela editora discográfica Jive Records. Spears queria fazer um álbum divertido, dançante, com música uptempo, incorporando estilos do europop, synthpop, dance, electropop e dubstep. Os temas do álbum abordam sexo, fama, amor e dança. Spears começou a escrever canções para o álbum em novembro de 2003, no mês de lançamento do álbum In the Zone, e começou a experimentar um som mais acústico.

Após seu casamento com o dançarino Kevin Federline em 2004, e do nascimento de seu primeiro filho no ano seguinte, ela começou a gravar o álbum em 2006, com os produtores JR Rotem, Danja e Kara DioGuardi. Ela deu à luz seu segundo filho, e pediu o divórcio no final de 2006, depois que ela continuou a trabalhar com produtores como The Clutch e a dupla sueca Bloodshy & Avant, com quem Spears tem uma forte amizade desde o álbum In the Zone. As sessões de gravação tiveram lugar em vários estúdios ao redor do país, incluindo a casa de Spears em Los Angeles, onde foi gravado o primeiro single do álbum, "Gimme More". Alguns dos produtores afirmaram estar impressionados com o seu profissionalismo, apesar de suas lutas pessoais bastante divulgadas. A capa do álbum e as imagens foram filmadas por Ellen von Unwerth. O álbum teve uma polêmica foto em uma das páginas do encarte, onde apresenta Spears e um padre em poses sugestivas em um confessionário, que foi fortemente criticada pela Liga Católica do Vaticano.

Blackout havia sido programado para ser lançado em 13 de novembro, mas foi antecipado para 30 de outubro devido a vazamentos de músicas não autorizadas, sendo que muitas não estiveram nas faixas do álbum, como "Rebellion", "Baby Boy", "911" e uma das vazadas após o lançamento do álbum, "All That She Wants". A Zomba Label Group processou o blogueiro Perez Hilton devido a publicação de pelo menos dez vazamentos em seu blog de ​​fofocas, e as publicações chegaram a um acordo em junho de 2009. Após o seu lançamento, o álbum recebeu críticas em sua maioria favoráveis ​​dos críticos de música pop contemporânea, que disseram que o álbum era mais progressivo e consistente ainda, mas sugeriram que a sua qualidade deveria ter sido atribuído aos produtores, em vez das canções, e também criticaram seus vocais, por ser excessivamente processados. O álbum era para estrear, assim como a maioria dos álbuns de Spears, no topo da Billboard 200, mas estreou no número dois, devido a uma alteração na contabilização de vendas de última hora, que não contou mais os álbuns dados de graça. O álbum chegou ao topo da Top 100 Albums da Europa e nos gráficos do Canadá e Irlanda, enquanto entrou no pico de Top 10 em outros treze países. Até o final de 2011, Blackout havia vendido 3,2 milhões de cópias em todo o mundo.

O álbum rendeu três singles, sendo o álbum de Spears que lançou menos singles de toda a sua carreira. "Gimme More", após cerca de mais de três anos, atingiu o top 10 da Billboard Hot 100, com um pico de número três. "Piece of Me" alcançou o top 10 em mais de cinco países, e graças a canção, Spears recebeu três indicações no MTV Video Music Awards 2008, e ganhou as três, incluindo Vídeo do Ano. "Break the Ice" atingiu boas posições nas paradas de rádio e de música Dance.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Spears apresentando "Piece of Me" na turnê The Circus Starring Britney Spears, em 2009.

Em novembro de 2003, enquanto promovia seu quarto álbum de estúdio In the Zone, Spears disse ao Entertainment Weekly que ela já estava escrevendo músicas para seu próximo álbum, e que também estava esperando para começar sua própria gravadora em 2004. Henrik Jonback confirmou que ele tinha canções escritas com ela durante a parte europeia da turnê The Onyx Hotel Tour, no ônibus e no seu quarto de hotel entre os shows.[1] Após seu casamento com o dançarino Kevin Federline em outubro de 2004, Spears anunciou através de uma carta em seu site oficial que ela ia "dar um tempo para aproveitar a vida".[2] No entanto, em 30 de dezembro 2004, ela fez uma aparição surpresa em Los Angeles para a estação de rádio KIIS-FM para estrear um rough mix de uma nova faixa midtempo, "Mona Lisa". Spears tinha gravado a música ao vivo com sua banda durante a turnê, e a dedicou a todas as "lendas e ícones lá fora." A letra lamentou a queda de Mona Lisa, chamando-a de "inesquecível" e "imprevisível", e adverte os ouvintes para não ter um "colapso". Ela também revelou que queria que a canção fosse o primeiro single de seu próximo álbum, provisoriamente intitulado The Original Doll, e que: "Eu vou esperar para lançá-lo provavelmente antes do verão [2005], ou talvez um pouco mais cedo do que isso".[3] Em janeiro de 2005, Spears postou outra carta em seu site, dizendo:[4]

Cquote1.svg Eu acho que deveria reformular-me de minhas cartas anteriores, quando eu estava falando sobre a tomada de um 'break'. O que eu quis dizer foi que eu estou tendo uma pausa de ser dito o que fazer. [...] É legal quando você olha para alguém e não sabe se eles estão no trabalho ou lazer, já que é tudo a mesma coisa para eles. As coisas que eu tenho feito para o trabalho ultimamente têm sido muito divertido, porque não é como trabalhar para mim. Estive ainda com as 'mãos para cima' na minha gestão e com o lado comercial das coisas, e eu me sinto mais no controle do que nunca.[4] Cquote2.svg

Um representante da Jive Records afirmou que, apesar Spears estava trabalhando no estúdio, "nenhum álbum está agendado no momento" e que "não há planos para o serviço de 'Mona Lisa' de rádio".[5] "Mona Lisa" foi lançado em um CD bônus incluído no DVD de da série estrelada por Spears e Kevin Federline, Britney & Kevin: Chaotic (2005).[6] Spears deu à luz seu primeiro filho, Sean Preston, em 15 de setembro de 2005.[7] Em uma entrevista com pessoas em fevereiro de 2006, Spears explicou que ela estava ansiosa para retomar sua carreira, comentando: "Eu perdi, e podia viajar para [...] a estrada, conhecer lugares diferentes e estar com os dançarinos e se divertindo. Essa sensação de estar no palco, sabendo que é o melhor, e que eu amo, e eu precisava de um tempo para estar com fome novamente".[8] Quando foi perguntada sobre seu próximo álbum, ela disse que tinha vindo a experimentar em seu estúdio, em casa com músicos ao vivo, despindo seu som e tocando o piano. Spears queria que o álbum representasse suas raízes de Louisiana, explicando que ela cresceu ouvindo blues: "Quando eu era pequena, eu ouvia a mim mesmo. [...] Mas os sinais eram da gravadora, e você é apenas grato por ter uma música de sucesso. Você não pode realmente mostrar sua voz e de onde você veio. Eu gostaria de tentar ter mais influência do que o som. Não que eu vou ser como a Tina Turner. Mas você nunca sabe", afirmou. Ela também disse que esperava que o álbum iria revigorar a atual pop cena, acrescentando: "Tem sido chato. Nada foi aquela coisa que eu poderia dizer: 'nossa, que legal' para mim".[8] Em 9 de maio de 2006, Spears anunciou que ela estava grávida de seu segundo filho.[9] Poucos dias depois, os produtores, como JR Rotem e Sean Garrett disseram à MTV News que eles estavam trabalhando com Spears.[10] Em 12 de setembro de 2006, Spears deu à luz seu segundo filho, Jayden James.[11] Ela pediu o divórcio de Federline em 7 de novembro de 2006, citando diferenças irreconciliáveis.[10] Após o divórcio, sua festa e comportamento do público chamou a atenção da mídia em todo o mundo, e terminou com duas passagens separadas na clínica de reabilitação Promises em fevereiro de 2007. Seu empresário, Larry Rudolph, divulgou um comunicado em 20 de março de 2007, dizendo que ela "tinha um sucesso completo que [ia] ser o seu programa".[12]

The M+M's Tour[editar | editar código-fonte]

A turnê The M+M's Tour foi a quinta turnê de Britney Spears. Ela começou a ensaiar para um show em alguns locais House of Blues em segredo, e apresentou uma performance surpresa em 25 de abril de 2007, em uma boate de Los Angeles, Forty Deuce.[13] Depois de uma marquise de leitura na "The M+M's House of Blues Tour" em San Diego, apareceu no final de abril de 2007, e fontes da mídia identificaram a pessoa que estava fazendo o ato, que era Spears, e o show se esgotou rapidamente.[14] A turnê começou em San Diego e marcou a primeira vez em que Spears se apresentou ao vivo desde a turnê The Onyx Hotel Tour, em junho de 2004.[15] O show contou com Spears acompanhados por quatro mulheres dançarinas, que executam versões abreviadas de cinco músicas, incluindo sucessos como "...Baby One More Time" e "Toxic". Eram exibidos números de dança coreografados e apenas uma mudança de roupa. Durante a performance de "Breathe On Me" do álbum In the Zone, um membro do público masculino participava no palco.[16] A performance de abertura recebeu críticas mistas dos críticos. Alguns disseram que Spears parecia feliz e em grande forma, enquanto outros consideraram o show como abaixo da média.[15] [16] Embora tenha sido visto como inferior aos seus esforços anteriores, foi uma grande experiência para Spears, que parecia amar retornando para o palco, em um ambiente simples. Cambistas fora do San Diego local vendiam bilhetes com valor promocional de U$$ 35, por preços que custavam entre U$$ 200 e U$$ 500.[15] [16]

Gravação[editar | editar código-fonte]

"É definitivamente a Britney, mas no próximo nível. Com canções como 'Toxic', ela era muito inovadora, e nós estamos tentando sair disso, levar ela para o próximo nível. O álbum não iria sair em um ano de qualquer maneira, uma vez que é no começo. Quando chega a hora de promover o álbum, ela estará em um espaço livre diferente, onde vai ser a coisa principal. Mas agora, ela é a malabarista musical, distribuindo felicidade e maternidade".

JR Rotem, um dos produtores do álbum, falando sobre como é trabalhar com Spears, em março de 2006.[10]

A gravação do álbum começou em 2006, de acordo com a representante de Spears.[10] Spears conheceu Rotem em Las Vegas, Nevada em 2006, e o chamou para trabalhar no álbum depois de ouvir "SOS", de Rihanna. Eles escreveram e gravaram quatro músicas juntos, incluindo "Everybody" e "Who Can She Trust".[17] Em julho de 2006, ela começou a trabalhar com Danja, que contatou compositores como Keri Hilson, Jim Beanz, Marcella Araica e Corte Ellis para trabalhar com ele.[18] A equipe escreveu sete faixas para Spears: "Gimme More", "Break the Ice", "Get Naked (I Got a Plan)", "Hot as Ice", "Perfect Lover", "Outta This World" e "Get Back".[18] [19] Danja explicou que o processo criativo não foi difícil: "Na primeira vez que eu fui deixado de fazer praticamente tudo o que eu queria eu me sentei, e ela foi vai andar comigo. Se ela não fez, você vai vê-lo em seu rosto".[20] Hilson escreveu "Gimme More" com Spears em mente depois de Danja jogou-lhe o instrumental, dizendo: "Eu só comecei a cantar 'Give me, give me'"[nota 1] , e acrescentei um pouco mais e apenas me diverti e brinquei muito." Spears começou a gravar com eles em estúdio no Palms em Las Vegas, em agosto de 2006, enquanto ela estava grávida de sete meses com Jayden James. A Gravação continuou na casa de Spears em Los Angeles, três semanas depois que ela deu à luz. Hilson comentou: "Ela deu 150%. [...] Eu não conheço nenhuma outra mãe que faria isso".[19] Danja acrescentou: "Apesar de todos os seus problemas em sua vida pessoal, que diz a respeito da ética de trabalho, eu não vi ninguém entrar assim e fazer o que você vai fazer"." Quanto ao som do álbum, ele considerou como maior, mais maduro e "uma nova de Britney", explicando: "Eu venho de hip-hop, por isso é sublinhado com [ele], mas eu o derrubei".

Britney OOB London.jpg
Britney Spears Greensboro 11.jpg
Spears apresentando "Ooh Ooh Baby" (esquerda) e "Get Naked (I Got a Plan)" (direita) na turnê The Circus Starring Britney Spears, em 2009.

Kara DioGuardi, co-produtora de "Heaven on Earth", co-roteirista e co-produtora de "Ooh Ooh Baby" trabalhou com Spears enquanto ela estava grávida de seu segundo filho. DioGuardi disse que Spears "trabalhou muito duro" e chamou o trabalho de "imparável".[21] Em setembro de 2006, JR Rotem disse à MTV News que ele e Britney estavam tentando inovar o som atual do rádio no momento, exemplificando "Promiscuous", de Nelly Furtado.[22] Em novembro de 2006, Spears gravou "Radar", com Ezequiel Lewis e Patrick M. Smith do The Clutch no Sony Music Studios em Nova Iorque.[23] Lewis quis trabalhar com ela por um muito tempo e estava motivado para produzir algo para ela, que estava indo para "ajudar o seu projeto se tornar um grande projeto para voltar com ele". Smith afirmou que a equipe tentou criar um registro "para a Britney Spears que nós conhecemos e amamos" e que não "quis tocar em qualquer coisa que estava realmente lidar com todas as coisas que ela estava lidando." Ambos comentaram que embora Spears chegou tarde para as sessões de gravação, ela pegou-os de surpresa com a eficiência e profissionalismo, com Lewis, acrescentando: "Foi absolutamente louco, e ela tomou direções muito bem. [...] Eu não sei o que eu estava esperando, porque fomos para cortar esse disco, e no dia seguinte ela pediu divórcio de Kevin".[23] T-Pain, que co-escreveu "Hot as Ice", estava no estúdio com Britney em fevereiro de 2007, e afirmou que uma das três músicas que gravou foi concluída em apenas uma hora.[24] Ele disse: "Eu achava que ela ia ficar sentada no sofá, comendo Doritos, nachos ou algo assim [...], mas ela entrou, apertou a minha mão, me deu um abraço e foi direto na cabine. Ela ficou lá e teve um grande profissionalismo".[25]

"Heaven on Earth" foi escrita por Nicole Morier, Nick Huntington e Michael McGroarty, os dois últimos conhecidos como Freescha. Embora Morier andava a escrever canções com Greg Kurstin e outros artistas, ela sentiu que "realmente não tinha encontrado o [seu] nicho", até que ela escreveu "Heaven on Earth", que ela descreveu como "uma canção muito honesta". Depois que ela tocou a música para o seu editor, eles se reuniram com Spears e Teresa LaBarbera Whites A&R, que tanto amamos. Morier descreveu "Heaven on Heart" como a música que transformou sua carreira.[26] Christian Karlsson e Pontus Winnberg, conhecidos como Bloodshy & Avant, co-escreveu e co-produziu quatro faixas: "Piece of Me", "Radar", "Freakshow" e "Toy Soldier". Quando o álbum foi considerado para ser concluído, foram persuadidos por LaBarbera Whites para trabalhar em uma nova faixa. Winnberg comentou: "Eu sempre tinha uma regra não para não escrever canções sobre a vida pessoal de Spears, uma vez que "Sweet Dreams My LA Ex", uma canção de resposta para "Cry Me a River", de Justin Timberlake, mas foi rejeitada pela gravadora por ser uma resposta muito explícita. No entanto, a dupla escreveu "Piece of Me" com Klas Åhlund de qualquer maneira como uma resposta aos críticos de Spears, e a enviou para a cantora, que disse que adorou. Winnberg declarou: "Nós sabíamos que a música quebrou todas as regras que tivemos [...] Quando ela chegou ao estúdio, ela ficou extremamente empolgada, tinha aprendido as letras de cor no carro, e gravou a canção em meia hora".[27] Antes do lançamento do álbum, LaBarbera Withes disse à MTV News: "O álbum mostra um grande crescimento como artista. [...] Ela estava muito envolvida com as canções e como eles acabaram. É a magia dela que transforma as músicas no que elas são".[25] Entre os produtores que trabalharam em Blackout, mas não estiveram na lista final de faixas, foram Scott Storch, Dr. Luke e Ne-Yo.[18]

Composição[editar | editar código-fonte]

"Circus é um pouco mais leve que Blackout. Acho que muitas das canções que eu fiz naquela época, eu estava passando por uma fase muito escura na minha vida, então um monte de músicas refletem isso. [...] Mas eles tem duas vibes totalmente diferentes. Blackout é um pouco mais sombrio e ousado, e um pouco mais urbano".

Spears comparando Blackout com Circus.[28]

Danja afirmou que o objetivo da cantora era fazer um divertimento, um álbum dançante com uptempo música, de alta energia, dizendo: "Ela queria ficar longe do estado pessoal. É divertido, é básico e não há nada de errado com isso. Trata-se de sentir-se bem, celebrando a feminilidade". O álbum começa com o primeiro single, "Gimme More", uma canção dance-pop com influências de electro pop e funk. A canção abre com uma fala de introdução em que Spears diz a linha "It's Britney, bitch!"[nota 2] Embora as letras pareçam ser sobre sexo e dança, é sobre a vida pessoal da cantora com a mídia, como notada nas linhas "Cameras are flashin' while we're dirty dancin' / They keep watchin', keep watchin'".[nota 3] .[29] A canção seguinte e segundo single, "Piece of Me", funciona através de uma batida de dança down-tempo e consiste em distorções vocais over-the-top, causando uma divisão efeito de som e tornando difícil discernir qual é a voz de Spears.[30] Ele fala sobre fama e é escrita como uma biografia recontando seus percalços, enquanto ela canta de uma maneira parecida com diálogos. A terceira faixa de do álbum, "Radar", é uma canção electro e euro disco que apresenta distorcidos sintetizadores emulando pulsos sonares, que receberam comparações com "Tainted Love", de Soft Cell (1981).[25] [31] Nas letras, Spears deixa o sujeito sabendo que ele está "no seu radar", enquanto ela cita as qualidades que o homem tem.[32]

A quarta canção e terceiro e último single, "Break the Ice", abre com Spears cantando as linhas "It's been a while / I know I shouldn't keep you waiting / But I'm here now"[nota 4] . A canção apresenta um coro,[33] [34] e Keri Hilson canta os vocais de fundo soando quase como um dueto. Hilson explicou a canção: "É sobre duas pessoas, uma menina e um rapaz, [...] e a menina está dizendo: 'Você está um pouco frio. Deixe-me contar-lhe coisas quentes para lhe animar e quebrar o gelo'". Após o refrão, a ponte começa com Spears dizendo: "I like this part"[nota 5] imitando "Nasty", de Janet Jackson (1986). A quinta faixa do álbum, "Heaven on Earth", é uma canção euro disco com influências do new wave, e fala sobre o amor. Ela é inspirada por "I Feel Love", de Donna Summer (1977), com três linhas dos vocais que ocorrem sobre a batida.[35] Nicole Morier comentou que a canção foi escrita a partir de um lugar muito escuro, dizendo: "Eu estava pensando em alguém e pensar que elas eram tão perfeitas e que eu tenho todas essas imperfeições. [...] Eu acho que o que está tocando sobre ele é que é a partir da perspectiva de que alguém que se sente como eles realmente precisam desta pessoa apenas para se sentir seguro e se sentir bem". Spears nomeou a canção como a sua favorita do álbum Blackout.[36] A sexta faixa, "Get Naked (I Got a Plan)", é uma música de dança uptempo que fala sobre sexo. Ela é construído como um dueto entre Britney e Danja, que canta o refrão com a voz distorcida para parecer um decadente gemido. Spears contribui com uma série de suspiros e cantos, e sua voz também é distorcida. A sétima faixa, "Freakshow", é construída em torno do efeito "wobbler" do dubstep. Spears canta sobre dançar e estar no destaque em letras como "Make them other chicks so mad / I'm 'bout to shake my ass / Watch that boy"[nota 6] . Durante a ponte, seus vocais são lançados baixo, fazendo com que seu som fosse masculino.

Depois de "Freakshow", a faixa número oito de Blackout, "Toy Soldier", uma canção R&B canção que lembra as Destiny's Child, apresenta uma batida militar e Spears cantando sobre a necessidade de um novo amor. Em "Hot As Ice", uma canção R&B com vocais de fundo fornecidos por T-Pain, ela canta num ritmo mais elevado, como nas linhas "I'm just a girl with the ability to drive a man crazy / Make him call me 'mama', make him my new baby"[nota 7] .[37] A décima faixa de Blackout, "Ooh Ooh Baby", contém um violão flamenco e mistura a batida de "Rock and Roll", de Gary Glitter (1972) e a melodia de "Happy Together", de The Turtles (1967). Na letra, ela canta para um amante, nas linhas "Touch me and I come alive / I can feel you in my lips / I can feel you deep inside"[nota 8] . Kara DioGuardi disse que ela foi inspirada na relação entre Spears e seu primeiro filho no estúdio, dizendo: "Eu olhava para os dois, a maneira como eles se entreolharam e do jeito que ela iria segurar o bebê. Isso me pareceu interessante. Às vezes seria sobre um garoto, às vezes sobre um amante". "Perfect Lover", uma canção R&B, tem um propulsor profundo, de dança do ventre batida em que Spears canta letras como "Tick-tock / Tic-tock / Come and get me while I'm hot"[nota 9] . A décima primeira faixa é "Why Should I Be Sad", uma canção R&B midtempo dirigida ao ex-marido de Spears, Kevin Federline. Uma das faixas bônus, "Everybody", contem sample de "Sweet Dreams (Are Made of This)" de Eurythmics (1983). A canção demonstra Spears cantando sobre a pista de dança num registo ofegante menor.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2007, Spears postou uma mensagem em seu site oficial pedindo ajuda para os fãs votarem em um título para o seu novo álbum. Entre as opções eram OMG Is Like Lindsay Lohan Like Okay Like, What If the Joke Is on You, Down Boy, Integrity e Dignity.[38] Em 6 de outubro de 2007, a Jive Records anunciou através de um comunicado de imprensa que o álbum seria intitulado Blackout, referindo-se a "bloquear a negatividade e abraçar a vida plenamente".[39] Blackout havia sido previsto para ser lançado em 13 de novembro de 2007. No entanto, a Jive anunciou em 10 de outubro de 2007 que a data de lançamento seria movido para duas semanas antes, a 26 de outubro de 2007, devido a vazamentos não autorizados de canções, sendo que muitas não estiveram no álbum, como "Rebelion", "Baby Boy", "911" e "All That She Wants".[40] No dia seguinte, a Zomba Label Group entrou com uma ação contra Perez Hilton alegou que ela havia obtido ilegalmente e postado em seu blog de fofocas várias canções, sendo pelo menos dez canções e demos inacabadas do álbum. Representantes da Zomba alegaram que as postagens haviam ocorrido ao longo dos três meses anteriores, e pediu reais e punições, bem como custas judiciais.[41] Em 30 de junho de 2009, as partes apresentaram uma estipulação para julgar o caso, nos termos de um acordo de uma liquidação não revelada. No mês seguinte, o juiz do Tribunal Distrital extinguiu o processo, com prejuízo.[42]

A capa e as imagens do encarte do álbum foram filmadas por Ellen von Unwerth.[43] A capa foi lançada pela Jive Records em 12 de outubro de 2007. A capa apresenta Spears com longos cabelos pretos esportivos, usando um chapéu branco.[44] Um colaborador da Ottawa Citizen sentiu que o projeto foi "horrível". Em uma foto presente num dos encartes do álbum apresentam Spears e um padre em poses sugestivas em um confessionário. A primeira imagem mostra Spears, que usa uma cruz e meias arrastão, sentada no colo do padre, enquanto na segunda, e ela se inclina para uma sugestiva pose contra o confessionário com o padre sentado no outro lado da partição. Depois que o álbum foi lançado, a diretora de comunicações da Liga Católica, Kiera McCaffrey, afirmou que o grupo considerou as fotos como "golpe de publicidade barato" para promover o álbum e condenou Spears por "zombar de um sacramento católico". McCaffrey acrescentou: "Tudo o que vemos é como é problemática essa menina agora, especialmente com sua família, perdendo seus filhos, com sua carreira em queda. E agora ela coloca este álbum e esta é a sua tática para promovê-lo?". Gil Kaufman, da MTV, disse que as imagens eram uma reminiscência do videoclipe da canção "Like a Prayer", de Madonna (1989).[43] O encarte do álbum também contém imagens de cadeiras vazias com páginas de tabloides rasgados e imagens estáticas do videoclipe de "Gimme More". O álbum não inclui uma lista de agradecimentos, ao contrário dos álbuns anteriores de Spears.

Singles[editar | editar código-fonte]

"Gimme More" foi lançada como o primeiro single do álbum a 24 de setembro de 2007 nos Estados Unidos. Foi a primeira canção de Spears desde 2004 com o hit "Toxic" a entrar no Top 10 da Billboard Hot 100, atingindo uma posição de número três, e o Top 5 em mais de cinco países. O videoclipe foi dirigido por Jake Sarfaty, e é o mais barato da carreira de Spears custando apenas U$$ 25.000, e mostra Spears encarnando uma Stripper e uma mulher loura com suas amigas numa boate a vendo dançar, e se excitam com a música. Após cerca de quatro anos, no dia 18 de julho de 2011, foi divulgada uma nova versão do vídeo, que muitos acreditam não ser a versão original do vídeo, pois antes da versão original ser divulgada, em abril de 2007 foram vazadas imagens de Spears encarnando uma viúva ao lado de um caixão, e estas cenas não estão nesta última versão.

"Piece of Me" foi lançada como o segundo single do álbum a 27 de novembro de 2007, e foi o maior êxito do álbum no Brasil. Em uma semana, a música - em uma única rádio do estado de São Paulo - chegou a 6.987.711 pedidos, e a 41.563.011 pedidos no mês. Em um canal musical, chegou em um dia a surpreendente marca de 57.880.321 pedidos. O single ficou 18 semanas no 1º lugar na parada Brasil Hot 100 Airplay. No Youtube, o clipe foi visto 7.654.001 de vezes, só até junho de 2008. O clipe ficou 13 vezes no 1º lugar do programa Mix TV no quadro "Top Mix" e ficou 105 vezes na lista dos 10 mais pedidos do dia só em 2008. Também foi o clipe mais pedido naquele ano na MTV Brasil, segundo um top especial exibido na época pelo programa MTV na Rua. O videoclipe, dirigido por Wayne Isham, mostra Spears como uma mulher cercada por paparazzis. O vídeo ganhou o prêmio MTV Video Music Awards na categoria Vídeo do Ano, em 2008.

"Break the Ice" foi lançada como o terceiro e último single do álbum a 3 de março de 2008 nos Estados Unidos. Teve uma boa posição nas paradas de Hot Dance. O videoclipe foi dirigido por Robert Hales, e foi definindo por Spears como uma homenagem a "Toxic". O vídeo, dirigido por Robert Hales, faz referência a toda a carreira de Spears, que a mostra lutando contra seus inimigos, no estilo de desenhos do Japão, anime. O vídeo termina com a frase "To be Continued", que ganhou uma continuação no vídeo de "Kill the Lights", que também foi feito em animação.

Promoção[editar | editar código-fonte]

Spears apresentando "Gimme More" na turnê Femme Fatale Tour, em 2011.

Após dias de especulação da mídia, foi confirmado em 6 de setembro de 2007,que Spears iria abrir o MTV Video Music Awards 2007 no Teatro Pearl do Palms Hotel and Casino em Las Vegas, Nevada, no dia 9 de setembro de 2007. Também foi anunciado que ela iria cantar "Gimme More", com um ato mágico do ilusionista Criss Angel em algumas partes do desempenho.[45] No entanto, o ilusionista foi rejeitado pelos organizadores do show no último minuto.[46] A performance começou com uma sincronização dos lábios de Spears das primeiras linhas da música de 1958 de Elvis Presley, "Trouble". "Gimme More", começou, e a câmera girou para revelar Spears, que estava vestindo um biquíni preto incrustado de pedras preciosas e botas pretas. Ela estava acompanhada por bailarinos e bailarinas vestidas em trajes pretos. Diversas dançarinas dançavam em etapas menores ao redor do público.[47] O desempenho foi universalmente criticado pelos críticos. Jeff Leeds, do The New York Times disse: "Ninguém estava preparado para o fiasco da noite de domingo, em que um apático Spears oscilou através de seus passos de dança e murmurou apenas palavras ocasionais em uma tentativa de promover o seu novo single". Vinay Menon, do Toronto Star, comentou: "Spears parecia irremediavelmente confusa. Ela estava usando a expressão de alguém que tinha entrado no Palms Casino Resort por um tornado, que prontamente se jogou longe, tendo sua roupa e senso de propósito. [...] [Ela] parou, em câmera lenta, como se alguém tivesse despejado cimento em suas botas pretas".[48] David Willis, da BBC, afirmou: "O desempenho vai estar nos livros de história sendo uma das piores apresentações do MTV Awards".[49]

Ao contrário de todos os álbuns anteriores de Spears, Blackout não foi fortemente promovido por meio de entrevistas em revistas, aparências em talk-shows ou performances televisionadas. O álbum teve apenas a performance no Video Music Awards e não foi acompanhado por uma turnê também, apesar de algumas músicas do álbum serem executadas na turnê de 2009 de Spears, a The Circus Starring Britney Spears. Em 27 de novembro de 2007, a MTV lançou o concurso "Britney Spears Wants a Piece of You"[nota 10] , em que os fãs poderiam dirigir um segundo vídeo para "Piece of Me", usando imagens de entrevistas e apresentações de Spears. Usando o vídeo com uma versão remixada da canção feita pela MTV, os fãs podem misturar e criar um mash up das imagens. O vídeo vencedor estreou no TRL em 20 de dezembro de 2007, na MTV, sendo escolhido pela Jive Records e Spears. O vencedor também recebeu um dispositivo Ibiza Rhapsody, juntamente com uma assinatura de um ano da Rhapsody, bem como toda a discografia da cantora lançada nos Estados Unidos.[50]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic (61/100)[51]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[52]
Robert Christgau B+[53]
Entertainment Weekly B+[54]
The Guardian 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[55]
NME 4 de 10 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svgStar empty.svgStar empty.svgStar empty.svgStar empty.svgStar empty.svg[56]
The New York Times (favorável)[57]
Pitchfork Media (favorável)[58]
Rolling Stone 3.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar half.svgStar empty.svg[59]
Slant Magazine 3.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar half.svgStar empty.svg[60]
USA Today 2.5 de 4 estrelas.Star full.svgStar half.svgStar empty.svg[61]

Blackout recebeu críticas positivas pela maioria dos críticos de música, com a sua produção e inovação de ser uma fonte particular de aclamação. De acordo com o agregador Metacritic, o álbum tem uma pontuação de 61 numa escala que vai até 100, indicando críticas geralmente positivas, baseando-se em outras 24 resenhas de críticos musicais.[62] Stephen Thomas Erlewine, editor sênior do portal Allmusic, disse: "O álbum é um grande álbum dance-pop, uma prova de habilidades dos produtores e talvez até mesmo de Britney, sendo de alguma forma consciente o suficiente para perceber que ela deveria contratar o melhor, mesmo sabendo que ela não está no seu melhor". Um colaborador da revista Blender, considerou: "O mais consistente [álbum], uma coleção perfeitamente divertida e brilhante, com um electropop impetuoso". Margeaux Watson, da Entertainment Weekly comentou: "Enquanto o álbum não é poesia, há algo deliciosamente escapista em Blackout, um perfeitamente e reparável álbum dance abundante no tipo de elementos electro saltitantes que contém seus hits mais quentes".[63] Um colaborador da NME disse que os vocais foram fortemente tratados de fazer Spears ter um som robótico, acrescentando: "Poderia ser realmente fazer com alguns toques mais humanos".[64] Tom Ewing, da Pitchfork Media, chamou "Get Naked (I Got a Plan)" a peça central do álbum, e acrescentou: "Como a maioria de Blackout, é um excelente pop moderno, o que poderia, provavelmente, só ser liberado por esta estrela neste momento. A catástrofe de Britney, como caminhar ao estrelato, torna-se um grande carro-chefe e seu álbum pode caber em qualquer coisa, se você quer que ele seja bom".[65] Mike Schiller, da PopMatters, disse: "À direita, desce para sua cobertura totalmente berrante, Blackout é totalmente descartável e, finalmente, esquecível".[66] Melissa Maerz, da Rolling Stone explicou: "Blackout é a primeira vez em sua carreira em que ela expressou quaisquer pensamentos verdadeiros sobre sua vida e que ela vai por em marcha os melhores doces pop espólio até que uma assistente social corta seu suprimento de visitas".[67]

O escritor da Slant Magazine, Sal Cinquemani, comparou Blackout desfavoravelmente com o álbum In the Zone, dizendo: "Embora Blackout tenha boas pontuações, e seu quociente de gostosura é notavelmente alta, [ela] não é muito de um passo em frente para Britney depois de 2003, o surpreendentemente legal e forte álbum In the Zone, pelo qual recebeu um crédito de escrita na maioria das músicas (ao invés de três escassas presentes aqui)".[68] Andy Battaglia, do The A.V. Club, disse: "Blackout conta tanto como um evento significativo e como uma aberração inquietante que não poderia ser mais misteriosamente fabricados ou bizarramente importunados, em que cada canção conta como uma progressão marcada e estranha".[69] Alexis Petridis, do The Guardian, disse: "É um corajoso, e emocionante álbum: a questão é saber se alguém será capaz de ouvir seu conteúdo sobre o rugido ensurdecedor de mexericos".[70] Kelefa Sanneh, do The New York Times, disse: "As batidas eletrônicas e linhas de baixo são tão grossas quanto a voz de Britney Spears é fina e, como o título do álbum sugere, o clima geral é praticamente sem remorso".[71] Peter Robinson, do The Observer, afirmou: "Spears entregou o melhor álbum de sua carreira, a elevar a fasquia para a música pop moderna com um mix incendiário de Shock Value de Timbaland, e sua própria volta ao catálogo da música".[72] Ellee Dean, do The Phoenix, disse: "O álbum pode ​​ser mais um tributo às habilidades dos produtores da lista que guiou através do disco que para qualquer um dos seus próprios talentos. Mas pelo menos ela era inteligente o suficiente para aceitar a orientação".[73] Em seu guia do consumidor para o MSN Music, o crítico Robert Christgau deu ao álbum uma nota de B+, e disse: "It's Britney, bitch! de 'Gimme More', e a sonoridade 'Hiya do single-do-ano, ' Piece of Me', e a profunda sonoridade de "Ooh Ooh Baby" e um estilo 'legal' de "Perfect Lover", este álbum é puro, suculento, e fácil para dançar".[74]

A revista brasileira Época rasgou elogios ao disco em uma matéria intitulada 'A decadência fez bem a ela', onde dizia: "O que explica, então, que Britney Spears tenha acabado de lançar o melhor álbum de sua carreira e, muito mais que isso, um dos melhores discos de pop dos últimos anos? A resposta é a produção de qualidade desconcertante de Blackout. O álbum, que acaba de sair no Brasil, pulsa, destrói os próprios limites e experimenta formatos inauditos para a música dançante. É como se o melhor das pistas de 2017 caísse por uma fresta do espaço-tempo. São batidas tão boas que dá vontade de isolá-las do espectro sonoro, dar-lhes corpo físico e moldurá-las na parede".[75]

"Blackout" também ficou entre os 50 melhores álbuns de 2007, segundo a revista musical Rolling Stone.[76] e Piece of Me ficou na #15 posição na lista das 100 melhores músicas de 2007 da Rolling Stone.[77] No Brasil, o álbum ficou na lista dos 10 melhores álbuns de 2007.[78] [79]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Spears apresentando "Freakshow" na turnê The Circus Starring Britney Spears, em 2009.

De acordo com a Nielsen SoundScan, Blackout vendeu 124.000 cópias em seu primeiro dia de lançamento nos Estados Unidos. Jessica Letkemann, da Billboard, comparou as vendas de Blackout favoráveis aos do álbum número um da semana anterior, Carnival Ride, de Carrie Underwood, que vendeu 49 mil cópias. Letkemann também estimou que Blackout, possivelmente iria estrear no topo da Billboard 200.[80] Em 5 de novembro de 2007, a Billboard anunciou que apesar de as vendas na primeira semana ser de Long Road Out of Eden, que havia superado o álbum de Spears, ele não deveria estrear no topo da parada devido a uma regra que proíbe álbuns vendidos exclusivamente em uma loja de varejo (Walmart, neste caso) de entrar na Billboard 200. O sênior analista da revista e diretor das paradas, Geoff Mayfield, explicou que ele estava frustrado com a situação, dizendo: "Eu acredito que os Eagles venderam mais, mas eu não estou vendo nada que verifica para mim que ela vendeu mais, e nada vemos de outra forma que poderiam ser de pessoas com um interesse em sugerir isso". Durante a tarde do mesmo dia, o Walmart divulgou um comunicado à imprensa anunciando que Long Road Out of Eden havia vendido 711 mil cópias. À noite, foi anunciado através de um artigo da Billboard.biz que depois de um acordo com a Nielsen SoundScan, a Billboard permitiria álbuns exclusivos que só estavam disponíveis através de uma loja varejista a aparecer nas paradas, com vigência na mesma semana. Assim, Long Road Out of Eden estaria no topo da Billboard 200, enquanto Blackout iria estrear no número dois, com vendas de 290 mil cópias.[81] Ele se tornou o primeiro álbum de estúdio de Britney a não estrear no número um.[82] O álbum, no entanto, estabeleceu o recorde como o álbum de estreia com maior vendas digitais de uma artista feminina em uma semana na época.[82] Após o lançamento de Circus, em dezembro de 2008, Blackout entrou no gráfico nas posições de número de um e noventa e oito, com vendas de 4.600 cópias.[83] Em maio de 2012, o álbum já havia vendido mais de 1 milhão de cópias nos Estados Unidos.[84]

No Canadá, Blackout estreou no topo da parada de álbuns do Canadá, com vendas de 29.000 unidades. Tornou-se seu primeiro álbum número um na parada desde o álbum Britney, em 2001.[85] Foi certificado de platina pela Canadian Recording Industry Association (CRIA), pelas vendas de 100 mil cópias.[86] [87] Na Austrália e na Nova Zelândia, Blackout estreou em número de três e oito nas paradas oficiais, respectivamente.[88] Foi certificado de platina pela Australian Recording Industry Association (ARIA), indicando as vendas de 70.000 unidades.[89] Blackout estreou no número dois na UK Albums Chart, com vendas de 42.000 unidades, atrás apenas de Long Road Out of Eden. O álbum permaneceu na parada durante um total de 28 semanas.[90] [91] Ele foi certificado de ouro pela British Phonographic Industry (BPI) pelas vendas de 100 mil cópias.[92] Na Irlanda, o álbum estreou no topo das paradas irlandeses, substituindo Magic, de Bruce Springsteen.[93] Blackout também estreou na posição de número um na parada European Top 100 Albums, impedido Long Road Out of Eden e E², de Eros Ramazzotti a alcançar o topo da tabela. O álbum teve um desempenho consistente em toda a Europa, atingindo o Top 10 em dez paradas, incluindo estreando em número de quatro, na Suíça, o número seis na Áustria, Itália e Dinamarca, e o número dez na Alemanha e em Portugal.[91] De acordo com a Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI), o álbum foi o trigésimo segundo álbum mais vendido de 2007.[94] Até o final de 2008, Blackout havia vendido 3,1 milhões de cópias em todo o mundo.[95] [96]

Prêmios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Ano Premiação Nomeação Prêmio Resultado
2007 Billboard Readers' Poll[97] [98] Blackout Melhor álbum de 2007 Venceu
Terra (Espanha)[99] Venceu
Yahoo![100] "Gimme More" Melhor música sexy nova Venceu
Billboard[101] Blackout 5º melhor álbum pop da década Indicado
Rolling Stone[102] 5º melhor álbum da década Indicado

Legado[editar | editar código-fonte]

"Britney usa Auto-Tune, e Bob Dylan usou sua gaita - para a pontuação, para atmosfera, para um efeito de som completamente estranho. É uma explosão de distorção vocal, dura na superfície, mas expressivo, capaz de soar loucamente engraçado ou chateado abrasivamente. Em 'Telephone', como em 'Piece of Me', o Auto-Tune faz para sua voz o que a gaita faz por Dylan em "It Ain't Me, Babe"- uma maneira de dizer que o mundo mantém suas mãos longe de você. [...] A questão não é saber se Britney está perfurando os botões de si mesma. (Quando é que alguma vez o ponto acaba com uma estrela pop?) É o romance acontecendo entre a voz e a máquina. Parte do que faz a Britney é perfeitamente de perfeitas estrelas pop é o jeito que ela expressa sua personalidade mais apaixonada quando ela está transformando-se em uma máquina - [...] Isso é o que faz com que o seu som saia tão humano, afinal."

Rob Sheffield, da revista Rolling Stone, revisando o demo de "Telephone" feito por Spears em 2010.

Quando Blackout foi lançado, o comportamento da cantora em público começou a entrar em conflito com sua imagem pessoal. Stephen Thomas Erlewine, da Allmusic, afirmou: "Spears foi um artista que sempre confiou em sua personalidade cuidadosamente esculpida, mas para Blackout as imagens para [nós] foram substituídas por imagens de carros de Britney batendo-se com guarda-chuvas, limpando os dedos gordurosos em vestidos de grife e cochilando no palco, e cada novo desastre se despe de qualquer sensualidade residual em sua imagem pública". Erlewine acrescentou: "O álbum serviu como trilha sonora para nebulosas, dias bêbados de Britney, refletindo o excesso que é espirrado por todo os tabloides", embora tenha sido salientando que o álbum tinha uma coerência em que faltava para as imagens públicas de Spears. Kelefa Sanneh, do The New York Times disse: "Spears tornou-se uma presença espectral em seu próprio álbum, e quando comparado com os seus discos anteriores, [ela] corta um perfil surpreendentemente baixo em Blackout [...] Mesmo quando ela estava sendo comercializado como uma ex-Mouseketeer, e mesmo quando ela estava em turnê no país com um microfone que funcionou em grande parte como um adereço, algo sobre ela foi intenso". Tom Ewing, da Pitchfork Media, comparou a relação entre Spears e Blackout com a série de televisão americana Twin Peaks, dizendo que: "O que fez o show ser tão grande não era o centro da história de uma boa-menina-que-virou-má, foi a estranheza que a história liberou. E a vida fora do disco de Britney é mais distraído e facilitador para este álbum extraordinário".

Os críticos também se referiram às altas expectativas de direção e qualidade do álbum. Alexis Petridis, do The Guardian, elaborou: "Quando foi confrontado com uma imagem pública em queda livre, um artista tem duas opções: fazer música, que remete para o seu lado dourado, dias quase malucos [e] a sua completa normalidade ou jogar a precaução ao vento: perceber que as suas fortunas foram diminuindo, e qual é o mal de tomar alguns riscos musicais?". Petridis comentou que Spears optou por este último, e os resultados foram "amplamente fantásticos". Ewing disse: "Onze faixas são sucessivamente difíceis, desafiantes, e músicas pop-dance, que podem ter sido o que ele esperava de Spears, mas no papel e em precedentes que você pode esperar uma balada apologética ou dois, uma música sobre seus filhos, talvez, uma estrela de convidado de alto perfil. [...] Você não tem nenhuma dessas coisas e eu gostaria de achar que a Britney teve o bom senso de evitar-lhes a si mesma". Ewing observou que depois de "Freakshow" vazou na internet, uma discussão no fórum dubstep na canção atingiu sete páginas em 24 horas, gerando reações diversas e exemplificou: "Ainda parece [que] quando a música mainstream ser funda, [ele] vai acabar levá-lo no vocabulário mais pop e amplo pop". Ele também atribuiu que a qualidade de todas as faixas de Blackout são sobre razões econômicas, já que uma das principais causas vendas de álbuns começou a sofrer durante a era digital é devido à "separação" de álbuns em lojas on-line- o que torna mais fácil para os consumidores a comprar alguns faixas ao invés de todo o álbum. Ewing explicou: "O modelo é o The Revolver para álbuns pop- cada faixa é boa, cada faixa contém um hit em potencial- faz mais sentido do que nunca, especialmente se uma estrela pode se manter sonoramente em um mercado veloz".

Revisores observaram o uso de Auto-Tune na voz de Spears. Ewing disse que Blackout serve como um lembrete de como instantaneamente reconhecíveis os vocais de Spears são, dizendo: "Tratada ou não: sua fina rouquidão do Sul é um dos os sons que definem o pop dos anos 2000". Ele observou: "O álbum é uma colagem no autotune e o tratamento vocal como instrumento de estúdio, interrompendo e tocando as músicas tanto quanto ele ajuda-los". Ao rever o demo de "Telephone" feito por Spears, Rob Sheffield, da revista musical Rolling Stone comparou "Telephone" a "Piece of Me", e disse: "Ela está provando mais uma vez o quanto o impacto de Britney tem tido sobre a sonoridade do pop atual. Pessoas gostam de tirar sarro de Britney, e por que não, mas se 'Telephone' prova alguma coisa, é que Blackout pode ser o álbum pop mais influente dos últimos cinco anos".[103] Em junho de 2012, "Blackout" foi adicionado a lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame, em reconhecimento da influência musical e cultural do álbum, bem como a significância.[104]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

O álbum, antes de ser lançado, teve diversos vazamentos não autorizados de músicas, sendo que muitas não estiveram no álbum, como "Rebelion", "911", "Baby Boy", "All That She Wants" e outras. O álbum apresenta 12 faixas na versão oficial, 13 na edição disponível nas lojas Target, e 16 faixas nas edições do Japão e deluxe.

Blackout
N.º Título Compositor(es) Produtor(es) Duração
1. "Gimme More"   Nathaniel "Danja" Floyd Hills, James Washington, Keri Hilson, Marcella "Ms. Lago" Araica Danja 4:11
2. "Piece of Me"   Christian Karlsson, Pontus Winnberg, Klas Åhlund Bloodshy & Avant 3:32
3. "Radar"   Christian Karlsson, Pontus Winnberg, Henrik Jonback, Balewa Muhammad, Candice Nelson, Ezekiel Lewis, Patrick Smith Bloodshy & Avant, The Clutch 3:49
4. "Break the Ice"   Nathaniel "Danja" Floyd Hills, James Washington, Keri Hilson, Marcella "Ms. Lago" Araica Danja 3:16
5. "Heaven on Earth"   Michael McGroarty, Nick Huntington, Nicole Morier Freescha, Kara DioGuardi 4:53
6. "Get Naked (I Got a Plan)"   Corte Ellis, Nathaniel "Danja" Floyd Hills, Marcella "Ms. Lago" Araica Danja 4:45
7. "Freakshow"   Britney Spears, Christian Karlsson, Pontus Winnberg, Henrik Jonback, Ezekiel Lewis, Patrick Smith Bloodshy & Avant, The Clutch 2:55
8. "Toy Soldier"   Christian Karlsson, Pontus Winnberg, Magnus Wallbert, Sean Garrett Bloodshy & Avant, Garrett 3:22
9. "Hot as Ice"   Faheem Najm, Nathaniel "Danja" Floyd Hills, Marcella "Ms. Lago" Araica Danja 3:17
10. "Ooh Ooh Baby"   Britney Spears, Kara DioGuardi, Fredwreck Nasser, Eric Coomes Fredwreck, Kara DioGuardi 3:28
11. "Perfect Lover"   Nathaniel "Danja" Floyd Hills, James Washington, Keri Hilson, Marcella "Ms. Lago" Araica Danja 3:03
12. "Why Should I Be Sad"   Pharrell Williams The Neptunes 3:10
Duração total:
43:37

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos na elaboração do álbum, de acordo com o acompanhante encarte e o portal Allmusic:[121] [122]

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

País Data Gravadora Formato
 Chile 15 de abril de 2009 Sony Music CD, download digital
África do Sul 18 de novembro de 2007 Sony CD
 Polónia 25 de outubro de 2007 Jive Records CD, download digital
União Europeia 26 de outubro de 2007 Jive, Sony Music
 Austrália 27 de outubro de 2007 Zomba Label Group
 Reino Unido 29 de outubro de 2007 Jive Records CD
 Dinamarca Sony Music CD, download digital
 Brasil 1 de novembro de 2007 Sony BMG CD
 Japão 14 de novembro de 2007 Sony Music CD, download digital
 Estados Unidos 26 de outubro de 2007 Jive Records CD
1 de novembro de 2007 Zomba Label Group Download digital

Notas

  1. Em português: "Me dê, me dê".
  2. Em português: "É Britney, vadia!".
  3. Em português: "Câmeras estão fotografando enquanto estamos dançando loucamente / Eles continuam observando, observando".
  4. Em português: "Faz algum tempo / Eu sei que eu não devia te deixar esperando / Mas estou aqui agora".
  5. Em português: "Eu gosto dessa parte".
  6. Em português: "Faça os outros filhotes serem maus / Eu estou falando sobre balançar o meu traseiro / Veja este garoto".
  7. Em português: "Eu sou apenas uma garota com a habilidade de deixar um homem louco / Faça ele me chamar de 'mamãe', fazer o meu novo bebê".
  8. Em português: "Me toque e eu fico viva / Eu posso te sentir nos meu lábios / Eu posso te sentir profundamente por dentro".
  9. Em português: "Tique-taque / Tique-taque / Venha e me pegue enquanto eu estou quente".
  10. Em portguês: "Britney Spears quer um pedaço de você".

Referências

  1. Staff, Recipeformen.com (30 de novembro de 2007). November: Henrik Jonback, musician and songwriter Recipeformen.com. Página visitada em 6 de julho de 2011.
  2. Vineyard, Jennifer (16 de outubro de 2004). Britney Spears Announces She's Taking A Break From Her Career MTV. MTV Networks. Página visitada em 6 de julho de 2011.
  3. Vineyard, Jennifer (3 de janeiro de 2005). So Much For 'Taking Time Off': Britney Previews New Song On L.A. Radio Station MTV. MTV Networks. Página visitada em 6 de julho de 2011.
  4. a b Vineyard, Jennifer (4 de janeiro de 2005). Britney Clarifies: I'm Taking A Break From Being Told What To Do MTV. MTV Networks. Página visitada em 10 de julho de 2011.
  5. Newman, Melina (7 de janeiro de 2005). Spears gives L.A. radio station 'Mona Lisa'. Página visitada em 10 de julho de 2011.
  6. Staff, RCA. "Britney Spears. Chaotic - DVD out October 31st", RCA/Jive Label Group. Sony Music Entertainment, 18 de outubro de 2005. Página visitada em 4 de janeiro de 2010.
  7. Vineyard, Jennifer (15 de setembro de 2005). Britney Spears Gives Birth To A Baby Boy MTV. MTV Networks. Página visitada em 10 de julho de 2011.
  8. a b Harris, Chris (17 de fevereiro de 2006). Britney Spears Working On New Album To Boost 'Boring' Pop Scene MTV. MTV Networks. Página visitada em 10 de julho de 2011.
  9. Vineyard, Jennifer (9 de maio de 2006). Britney Pregnant Again MTV. MTV Networks. Página visitada em 10 de julho de 2011.
  10. a b c d Vineyard, Jennifer (7 de novembro de 2006). Britney Working On 'Crazy-Ass' New Music And Even Rapping MTV. MTV Networks. Página visitada em 10 de julho de 2011.
  11. Vineyard, Jennifer (12 de setembro de 2006). Britney's Baby: It's A Boy! MTV. MTV Networks. Página visitada em 11 de julho de 2011.
  12. Vineyard, Jennifer (7 de novembro de 2007). Britney Spears Leaves Rehab MTV. MTV Networks. Página visitada em 10 de julho de 2011.
  13. Malkin, Marc (26 de abril de 2007). Oops, Britney Wasn't Ready to Do It Again! E!. Página visitada em 23 de julho de 2011.
  14. Arnold, Thomas K. (2 de maio de 2007). Fans line up to watch Britney take stage USA Today. Gannett Co. Página visitada em 23 de julho de 2011.
  15. a b c Hebert, James (3 de maio de 2007). Britney's famous 14 minutes USA Today. Gannett Co. Página visitada em 15 de julho de 2011.
  16. a b c VanHorn, Teri (2 de maio de 2007). Britney's Back! Spears Returns To The Stage With Five-Song Dirty Dance Party MTV. MTV Networks. Página visitada em 23 de julho de 2011.
  17. Lee, Chris (17 de maio de 2006). The No. 1 choice of pop-music divas Los Angeles Times. Tribune Company. Cópia arquivada em 1 de junho de 2006.
  18. a b c Vineyard, Jennifer (10 de maio de 2007). Britney Spears Collaborator Says Her LP Is 'About Feeling Good, Celebrating Womanhood' MTV. MTV Networks. Página visitada em 5 de agosto de 2011.
  19. a b Reporter, OK!. "Keri Hilson: ‘Gimme More’ is My Song!", OK!, Northern & Shell, 2 de outubro de 2007. Página visitada em 13 de fevereiro de 2010.
  20. Kondo, Toshitaka (13 de fevereiro de 2008). Q&A: Danja Rhapsody. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2008.
  21. Staff, Extra (31 de outubro de 2007). Producer Says Brit Was 'Unstoppable' While Recording 'Blackout' Extra.. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  22. Moss, Corey (18 de setembro de 2006). Britney's New Music Is 'The Next Level,' Producer Says MTV. MTV Networks. Página visitada em 11 de julho de 2011.
  23. a b The Clutch Talks How To Write a Hit Song Allternatives. AllHipHop.com (22 de abril de 2008). Página visitada em 5 de agosto de 2011.
  24. Reid, Shaheem (30 de agosto de 2007). T-Pain Talks About Recording With Britney Spears: 'She Was About Her Business' MTV. MTV Networks. Página visitada em 2 de agosto de 2011.
  25. a b c Vineyard, Jennifer (12 de outubro de 2007). Britney Spears' New Album, Blackout: A Track-By-Track Report MTV. MTV Networks. Página visitada em 5 de agosto de 2011.
  26. Bouwman, Kimbel (23 de agosto de 2010). Interview with Nicole Morier, songwriter for Britney Spears, Wynter Gordon, Pixie Lott, Sky Ferreira - Aug 23, 2010 HitQuarters.com. Página visitada em 5 de agosto de 2011.
  27. Gradvall, Jan. "Bloodshy & Avant", Café Magazine, Hachette Filipacchi Médias, 16 de julho de 2008. Página visitada em 29 de dezembro de 2010. (em Swedish)
  28. Vena, Jocelyn (20 de novembro de 2008). Britney Spears Explains Why Circus Is 'Lighter' And Less Edgy Than Blackout MTV. MTV Networks. Página visitada em 14 de agosto de 2011.
  29. Levine, Nick. "Britney Spears: 'Gimme More'", Digital Spy. Hachette Filipacchi (UK) Ltd, 22 de outubro de 2007. Página visitada em 15 de fevereiro de 2010.
  30. Lamb, Bill. "Britney Spears – Piece of Me", About.com. The New York Times Company. Página visitada em 8 de fevereiro de 2010.
  31. Decent early reviews of new Britney tracks msnbc.com. NBC Universal / Microsoft (12 de setembro de 2007). Página visitada em 24 de novembro de 2009. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2008.
  32. Chou, Kimberly (19 de setembro de 2007). Britney? Back The Michigan Daily.. Página visitada em 24 de novembro de 2009.
  33. Arnold, Chuck. "Sneak Preview: Britney Spears's New Album Details", People, Time Warner, 11 de setembro de 2007. Página visitada em 13 de agosto de 2011.
  34. Sterdan, Darryl (26 de outubro de 2007). Britney's back with a thud Jam!. Quebecor Inc.. Página visitada em 13 de agosto de 2011.
  35. du Lac, J. Freedom. "'Blackout': Britney Is Back, Not That You'd Notice", The Washington Post, The Washington Post Company, 30 de outubro de 2007. Página visitada em 13 de agosto de 2011.
  36. Reporter, OK!. "Britney Talks!", OK!, Northern & Shell, 31 de outubro de 2007. Página visitada em 13 de fevereiro de 2010.
  37. Ottawa Citizen (30 de outubro de 2007). Britney's latest album: Two views on Blackout Canada.com. Postmedia News. Página visitada em 14 de fevereiro de 2010.
  38. Staff, MTV News (10 de maio de 2007). Hilary Duff Stuffs Backpacks; Plus Lindsay Lohan, Fabolous, Foxy Brown, Paris Hilton, Britney Spears & More, In For The Record MTV. MTV Networks. Página visitada em 2 de agosto de 2011.
  39. Britney Spears names new album "Blackout" Reuters (6 de outubro de 2007). Página visitada em 5 de agosto de 2011.
  40. Staff, MTV News (10 de outubro de 2007). Britney Spears Plans An Early Blackout; Plus Diddy, Black Eyed Peas, Bobby Brown, Justin Timberlake & More, In For The Record MTV. MTV Networks. Página visitada em 4 de agosto de 2011.
  41. Staff, MTV News (11 de outubro de 2007). Amy Winehouse To Perform At Woodie Awards; Plus Snoop Dogg, Busta Rhymes, Linkin Park, Perez Hilton, Britney Spears & More, In For The Record MTV. MTV Networks. Página visitada em 4 de agosto de 2011.
  42. Staff, CMLP (24 de outubro de 2007). Zomba Recording, LLC v. Lavandeira Citizen Media Law Project. Berkman Center for Internet & Society. Página visitada em 7 de setembro de 2011.
  43. a b Kaufman, Gil (30 de outubro de 2007). Britney Spears Slammed By Catholic League For Blackout's Religious-Themed Photos MTV. MTV Networks. Página visitada em 4 de agosto de 2011.
  44. Silverman, Stephen M. (October 12, 2007). Britney Spears's Cover Art Revealed People. Time Warner. Página visitada em 4 de setembro de 2011.
  45. Harris, Chris (6 de setembro de 2007). Britney Spears To Open 2007 MTV Video Music Awards: It's Official! MTV. MTV Networks. Página visitada em 24 de fevereiro de 2010.
  46. Reporter, Times Online. "Oops! Britney Spears forgets the words in catastrophic return to stage", The Times, News Corporation, 10 de setembro de 2007. Página visitada em 24 de fevereiro de 2010.
  47. Kaufman, Gil (10 de setembro de 2007). Britney Spears Kicks Off Show, But VMA Night Belongs To Rihanna And Justin Timberlake MTV. MTV Networks. Página visitada em 24 de fevereiro de 2010.
  48. Menon, Vinay. "Get out of the spotlight, Britney", Toronto Star, Michael Cooke, 11 de setembro de 2007. Página visitada em 24 de fevereiro de 2010.
  49. Willis, David. "Britney's MTV comeback falls flat", BBC Online. BBC, 10 de setembro de 2007. Página visitada em 24 de fevereiro de 2010.
  50. Vineyard, Jennifer. "Britney Spears Launches Fan-Made-Video Contest – Winning Clip To Air On 'TRL'", MTV. MTV Networks, 29 de fevereiro de 2007. Página visitada em 10 de fevereiro de 2010.
  51. Britney Spears – Blackout – Metacritic (em inglês) Metacritic. Página visitada em 20 de junho de 2013.
  52. Stephen Thomas Erlewine. Britney Spears – Blackout – Metacritic (em inglês) Allmusic. Página visitada em 20 de junho de 2013.
  53. Robert Christgau. Britney Spears (em inglês) Robert Christgau. Página visitada em 20 de junho de 2013.
  54. Margeaux Watson (26 de outubro de 2007). Blackout Review (em inglês) Entertainment Weekly. Página visitada em 20 de junho de 2013.
  55. Alexis Petridis (26 de outubro de 2007). Britney Spears, Blackout (em inglês) The Guardian. Página visitada em 20 de junho de 2013.
  56. NME Album: Blackout: Britney Spears (em inglês) NME (9 de novembro de 2007). Página visitada em 20 de junho de 2013.
  57. Kelefa Sanneh (9 de novembro de 2007). 'Miss Bad Media Karma' Sings, Too (em inglês) The New York Times . Página visitada em 20 de junho de 2013.
  58. Tom Ewing (20 de novembro de 2007). Poptimist #10: Britney in the Black Lodge (Damn Fine Album) (em inglês) Pitchfork Media. Página visitada em 20 de junho de 2013.
  59. Melissa Maerz (15 de novembro de 2007). Britney Spears, Blackout (em inglês) Rolling Stone. Página visitada em 20 de junho de 2013.
  60. Sal Cinquemani (23 de outubro de 2007). Britney Spears: Blackout (em inglês) Slant Magazine. Página visitada em 20 de junho de 2013.
  61. Steve Jones (25 de novembro de 2007). Britney throws a few sparks on 'Blackout' (em inglês) Slant Magazine. Página visitada em 20 de junho de 2013.
  62. Britney Spears – Blackout – Metacritic Metacritic. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  63. Watson, Margeaux. "Blackout Review", Entertainment Weekly, Time Warner, 26 de outubro de 2007. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  64. NME Staff. "NME Album: Blackout: Britney Spears", NME, IPC Media, 9 de novembro de 2007. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  65. Ewing, Tom (20 de novembro de 2007). Poptimist #10: Britney in the Black Lodge (Damn Fine Album) Pitchfork Media. Ryan Schreiber. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  66. Schiller, Mike (29 de outubro de 2007). Britney Spears: Blackout PopMatters. Sarah Zupko. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  67. Maerz, Melissa. "Britney Spears, Blackout", Rolling Stone, Jann Wenner, 15 de novembro de 2007. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  68. Cinquemani, Sal (23 de outubro de 2007). Britney Spears: Blackout Slant Magazine. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  69. Battaglia, Andy. "Britney Spears: Blackout", The A.V. Club. The Onion, 13 de novembro de 2007. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  70. Petridis, Alexis. "Britney Spears, Blackout", The Guardian, Guardian Media Group, 26 de outubro de 2007. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  71. Sanneh, Kelefa. "'Miss Bad Media Karma' Sings, Too", The New York Times, The New York Times Company, 29 de outubro de 2007. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  72. Robinson, Peter. "Britney Spears, Blackout and Kylie Minogue, X", The Observer, Guardian Media Group, 11 de novembro de 2007. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  73. Dean, Ellee. "Britney Spears - CD Reviews - Blackout", The Phoenix (jornal), Phoenix Media/Communications Group, 6 de novembro de 2007. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  74. Christgau, Robert (Outubro de 2007). Britney Spears MSN Music. Microsoft. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  75. Revista Época: A Decadência fez bem a ela Época. Britney.com.br. Página visitada em 12 de janeiro de 2009.
  76. Blackout entre os 50 melhores álbuns de 2007 segundo a Rolling Stone Rolling Stone. Britney.com.br. Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  77. Piece Of Me no top 15 de melhores canções de 2007 Rolling Stone. Britney.com.br. Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  78. Os melhores álbuns de 2007 no Brasil Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Britney.com.br. Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  79. Blackout entre os 10 melhores álbuns de 2007 no Brasil Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Britney.com.br. Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  80. Harris, Chris (1 de novembro de 2007). Britney Spears' Blackout Projected To Light Up The Charts For Fifth No. 1 Debut MTV. MTV Networks. Página visitada em 19 de agosto de 2011.
  81. Kaufman, Gil (7 de novembro de 2007). Britney Spears' Blackout Denied No. 1 Debut On Billboard Chart After Last-Minute Rule Change MTV. MTV Networks. Página visitada em 19 de agosto de 2011.
  82. a b Britney Spears Debuts No. 1 on European Albums Chart and Debuts No. 1 on... -- re> NEW YORK, Nov. 8 /PRNewswire/ --: PR Newswire (8 de novembro de 2007). Página visitada em 19 de agosto de 2011.
  83. Montgomery, James (10 de dezembro de 2008). Britney Spears Is Back On Top As Circus Sells More Than 500,000 Copies MTV. MTV Networks. Página visitada em 19 de agosto de 2011.
  84. Trust, Gary (27 de maio de 2012). Ask Billboard: Spears, Lovato's 'X'-cellent Sales Billboard. Prometheus Global Media. Página visitada em 27 de maio de 2012.
  85. Williams, Johns (7 de novembro de 2007). Britney's No. 1 again Jam!. Quebecor Inc.. Página visitada em 19 de agosto de 2011.
  86. Canadian Recording Industry Association (CRIA): Gold & Platinum - November 2007 Canadian Recording Industry Association (Novembro de 2007). Página visitada em 19 de agosto de 2011.
  87. Britney Spears | AllMusic Allmusic. Rovi Corporation (2007). Página visitada em August 19, 2011.
  88. ultratop.be - Britney Spears - Blackout Ultratop 50. Hung Medien. Página visitada em 19 de agosto de 2011.
  89. ARIA Charts — Accreditations – 2008 Albums Australian Recording Industry Association. Página visitada em 19 de agosto de 2011.
  90. Britney Spears - The Official Charts Company: The Official Charts Company (8 de novembro de 2007). Página visitada em 31 de agosto de 2011.
  91. a b Lars, Brandle. "Britney Spearheads Hot Euro Chart Return", Billboard, Prometheus Global Media, 8 de novembro de 2007. Página visitada em 31 de agosto de 2011.
  92. BPI Certifications Searchable database British Phonographic Industry. Página visitada em 20 de agosto de 2011.
  93. Irish Charts Week 44 – 2007 Top 50 Albums Irish Recorded Music Association (1 de novembro de 2007). Página visitada em 20 de agosto de 2011.
  94. Top 50 Global Best Selling Albums 2007 Federação Internacional da Indústria Fonográfica (1 de novembro de 2007). Página visitada em 20 de agosto de 2011.
  95. Petridis, Alexis (28 de novembro de 2008). Britney Spears: Circus The Guardian. Guardian Media Group. Página visitada em 21 de agosto de 2011.
  96. Britney Spears debuts #1 on European Albums Chart and Debuts #1 on U.S. Digital Albums Chart Billboard. Pr News Wire. Página visitada em 24 de janeiro de 2013.
  97. Blackout é o melhor álbum do Ano segundo leitores da Billboard Britney.com.br. Página visitada em 13 de novembro de 2010.
  98. 2007: The Year in Music - Readers' Choice Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Página visitada em 17 de janeiro de 2008.
  99. Blackout é eleito o melhor álbum de 2007 segundo enquete feita no site Terra da Espanha Terra (Espanha). Portal Mix. Página visitada em 13 de novembro de 2010.
  100. Britney Spears é a mais buscada no Yahoo! em 2007 Yahoo!. Google Discovery. Página visitada em 2 de agosto de 2009.
  101. Blackout by Britney Spears Billboard. Billboard. Página visitada em 20 de junho de 2008.
  102. Blackout é considerado quinto melhor álbum pop Rolling Stone. Britney Now. Página visitada em 23 de junho de 2011.
  103. Sheffield, Rob (11 de maio de 2010). Why Britney’s ‘Telephone’ beats Gaga by a mile msnbc.com. Página visitada em 30 de agosto de 2011.
  104. Rock Hall Catalog Catalog.rockhall.
  105. French Albums Chart Les Charts. Syndicat National de l'Édition Phonographique. Página visitada em 31 de agosto de 2011.
  106. Hungarian Top 40 Albums Chart Mahasz. Página visitada em 31 de agosto de 2011.
  107. ブリトニー・スピアーズのCDアルバムランキング、ブリトニー・-ORICON STYLE (em japanese) Oricon. Página visitada em 4 de outubro de 2011.
  108. Mexican Top 100 Albums Chart mexicancharts.com. Hung Medien. Página visitada em 31 de agosto de 2011.
  109. Oficjalna Lista Sprzedažy (em polish) OLiS (12 de novembro de 2007). Página visitada em 31 de agosto de 2011.
  110. Britney Spears - Blackout Spanish Charts (11 de novembro de 2007).
  111. ARIA Charts - End Of Year Charts - Top 100 Albums 2007 Australian Recording Industry Association. Página visitada em 30 de agosto de 2011.
  112. Top 100 Mexico – Los Más Vendidos 2007 Top 100 Mexico (31 de dezembro de 2007). Página visitada em 24 de abril de 2012.
  113. UK Year-end Albums 2007 (PDF) The Official Charts Company. Chartplus.co.uk. Página visitada em 30 de agosto de 2011.
  114. Billboard Charts – Year-end Albums – The Billboard 200 Billboard. Nielsen Business Media (2007). Página visitada em 6 de março de 2011.
  115. ARIA Charts - End Of Year Charts - Top 100 Albums 2007 Australian Recording Industry Association. Página visitada em 30 de agosto de 2011.
  116. Rapports Annuel 2007 Ultratop. Página visitada em 30 de agosto de 2011.
  117. UK Year-end Albums 2008 (PDF) The Official Charts Company. Chartplus.co.uk. Página visitada em 30 de agosto de 2011.
  118. Billboard Charts – Year-end Albums – The Billboard 200 Billboard. Nielsen Business Media (2008). Página visitada em 6 de março de 2011.
  119. ゴールド等認定作品一覧 2007年11月 RIAJ. Página visitada em 30 de agosto de 2011.
  120. Paul Cashmere "Eagles Knock Off Delta and Block Britney" Undercover. Página visitada em 5 de novembro de 2007.
  121. Blackout – Credits Allmusic. Rovi Corporation. Página visitada em 23 de agosto de 2011.
  122. (2007) Créditos do álbum Blackout por Britney Spears. Jive Records/Zomba Label Group.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]