Bloodsport

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bloodsport
Força Destruidora (PT)
O Grande Dragão Branco (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
1988 • cor • 92 min 
Direção Newt Arnold
Produção Mark DiSalle
Yoram Globus
Menahem Golan
Roteiro Christopher Cosby
Mel Friedman
Sheldon Lettich
Elenco Jean-Claude Van Damme
Donald Gibb
Leah Ayres
Bolo Yeung
Forest Whitaker
Norman Burton
Música Paul Hertzog
Cinematografia David Worth
Edição Carl Kress
Estúdio Golan-Globus
Distribuição The Cannon Group
Lançamento Estados Unidos 26 de fevereiro de 1988
Portugal 18 de novembro de 1988
Brasil 9 de dezembro de 1988
Orçamento US$1.5 milhões[1]
Receita US$11.8 milhões (EUA)[2]
Cronologia
Último
Último
Bloodsport II: The Next Kumite
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Bloodsport (O Grande Dragão Branco (título no Brasil) ou Força Destruidora (título em Portugal)) é um filme norte-americano de artes marciais de 1988, dirigido por Newt Arnold e estrelado por Jean-Claude Van Damme, Roy Chiao, Donald Gibb e Leah Ayres. O filme é parte ficção e parte com base em alegações feitas pelo artista marcial Frank Dux.[3] [4] [5] Ele vendeu bem na bilheteria, arrecadando $11,806,119 internamente com um orçamento de $1,500,000. Bloodsport era um dos primeiros filmes estrelados por Van Damme e mostrou suas habilidades atléticas. Ele realiza inúmeras proezas físicas, tais como estilo de helicóptero, salto com chutes giratórios, e uma completa espacate.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Foi neste filme de Newt Arnold que o ator belga Jean-Claude Van Damme deu os primeiros passos da sua carreira cinematográfica nos Estados Unidos, precisamente numa história baseada em acontecimentos verídicos. Van Damme é Frank Dux, um jovem treinado em Ninjutsu que aprendeu os rudimentos das artes marciais através dos ensinamentos do seu mestre Senzo Tanaka. E será precisamente num tributo à Senzo que Frank acede a participar no famoso, exigente, mortífero e clandestino torneio Kumite, em Hong Kong, tornando-se assim o primeiro ocidental a ganhar aquela competição.[6]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

O verdadeiro Frank Dux trabalhou como coordenador das lutas no filme. Entre 1975 e 1980 ele participou de 329 lutas, sem ter sido derrotado.[7] Quando Jean-Claude Van Damme foi contratado, Frank Dux disse que ele não estava na forma adequada para o papel. Desta forma o colocou em um programa de treinamentos de três meses, classificado pelo ator como "o treinamento mais difícil de sua vida".[7] Frank Dux afirmou não ser muito fã das habilidades de Van Damme: “Ele é um lutador OK e um grande exibicionista. Ele queria um papel no filme e estava ansioso. Ele quase deslocou seu ombro tentando fazer algo que não sabia: "Eu o treinava três vezes por semana e o ensinei a lutar nos filmes. Aprendemos juntos a deixa-lo bem nas telas".[8] Frank Dux narra uma cena de bastidores onde brigou de verdade com Jean-Claude Van Damme: "Estávamos ambos malucos. Eu falei pra ele me encontrar no topo do Hotel Victoria que eu o mostraria quem era o campeão. Falei para lutarmos em uma plataforma que não tinha mais que 40 cm de largura, a 60 andares de altura. Eu dei um chute giratório e encarei ele. ‘Frank, você é louco’, ele disse. Depois disso fomos jantar e ele nunca mais levantou a voz para mim. Mesmo quando eu o levei ao tribunal".[8] Mesmo após o término das filmagens, Bloodsport corria o risco de jamais ser lançado. Foi o próprio Jean-Claude Van Damme quem ajudou na edição, sem ser creditado pela função[7] e Jean Claude Van Damme sempre levava seu cão, Buffy, ao set de filmagem.[8] Posteriormente, Frank Dux diz que não assiste ao filme. "Para mim é só uma memória. Fico orgulhoso".[8] Frank Dux admitiu que não conheceu seu mestre ao invadir sua asa, como conta o filme. “Isso foi o roteirista tomando liberdade na história. Quase entrei na Justiça por causa disso. Foi desrespeitoso”.[8] Mas a cena onde Van Damme fica cego durante a luta teria acontecido de verdade, segundo Dux: "Quando você está em uma situação desesperada como esta, você precisa encontrar seu nirvana para entrar na luta novamente".[8] Na luta contra Pumola, quando Van Damme o atinge na área genital, Dux explica que na realidade o soco era na bexiga: "Ficou parecendo isso por causa do ângulo".[8] O lutador Dux diz que parte de seu sucesso como lutador se deu em função de um problema físico. Quando era pequeno, teria nascido com os pés tortos e usado aparelhos para correção. “Isso me acostumou com a dor”.[8] Segundo Frank Dux, não havia nenhum dublê no filme: “Não estávamos pagando por nenhum dublê. Quando fizemos o casting, não era necessário saber artes marciais, mas todos tinham que aprender a levar um soco. Muitos dos aras eram especialistas em dança”.[8]

O jogo de luta que Jean-Claude Van Damme e Donald Gibb competem é o jogo de arcade Karate Champ.[7]

A maioria das falas de Bolo Yeung é idêntica às de Bruce Lee em Operação Dragão (1973), onde Yeung também aparece.[7]

Paulo Tocha, intérprete do lutador de Muay Thai chamado Paco, posteriormente se tornou campeão da luta.[7]

O Dim mak, ou toque da morte é um movimento lendário no folclore das artes marciais chinesas, foi utilizado de forma fictícia por Jean-Claude Van Damme no filme. O Dim mak é um ataque sob pressão onde o agressor acerta rapidamente e várias vezes diversas partes do corpo da vítima. Sua aplicação resultaria em espasmos e paralisia muscular, vários ossos quebrados e poderia levar à morte. A personagem Jade Fox, interpretada por Cheng Pei-pei em O Tigre e o Dragão (2000), aplica este golpe.[7]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

A trilha sonora de Bloodsport foi composta por Paul Hertzog, que também compôs outro filme de Jean-Claude Van Damme intitulado Kickboxer. A trilha sonora contém as canções "Fight to Survive" e "On My Own", ambas realizadas por Stan Bush. Canções de Bush são substituídos na trilha sonora com versões alternativas cantadas por Paul Delph, que foi nomeado para um Grammy para este trabalho. O filme toca a música "Steal the Night" de Michael Bishop durante uma cena em que Dux enfrenta Helmer e Rawlins. A canção não foi liberada até meados dos anos 2000, como um único contendo uma versão vocal e instrumental. Em 26 de junho de 2007, Perseverance Records lançou uma edição limitada do CD da trilha sonora, incluindo, pela primeira vez, as versões originais das canções de Stan Bush do filme.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Bloodsport foi lançado na Região 1 de DVD pela Warner Home Video em 1 de outubro de 2002. e mais tarde foi lançado em Blu-ray, como uma sessão dupla com Timecop.

O filme era rentável, atraindo $11.7 milhões para os EUA de bilheteria.[9]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Bloodsport tem recepção mista por parte da crítica especializada. Possui tomatometer de 33% em base de 18 críticas no Rotten Tomatoes, a média foi de 4.3/10. Tem 76% de aprovação, por parte da audiência, usada para calcular a recepção do público a partir de votos dos usuários do site.[10] Leonard Klady do Los Angeles Times, escreveu: "Hacking através da selva de clichê e reservatório de atuação ruim em Bloodsport [...] algumas partidas muito emocionantes".[11]

Van Damme foi indicado ao Framboesa de Ouro de Pior Nova Estrela.[12]

Legado[editar | editar código-fonte]

Sequências[editar | editar código-fonte]

Bloodsport foi seguido por três continuações: Bloodsport II: The Next Kumite (1996), Bloodsport III (1997) e Bloodsport 4: The Dark Kumite (1999). Eles foram liberados diretamente em vídeo, e Jean-Claude Van Damme não aparece.

Remake[editar | editar código-fonte]

Um remake do Bloodsport é planejado. Phillip Noyce foi anexado para dirigir um roteiro escrito por Robert Mark Kamen. Screen Daily, explica: "A história seguirá um americano que vai para o Brasil para se recuperar da violência que ele sofreu no Afeganistão que se envolve em um concurso de artes marciais".[13] Em 24 de julho de 2013, Relativity Media vai fazer a reinicialização com James McTeigue na direção e será filmado na Austrália e Brasil.[14]

Referências

  1. Bloodsport The Numbers. Visitado em 2014-06-17.
  2. Bloodsport (1988) Box Office Mojo. Visitado em 2010-09-08.
  3. LA Times exposé Articles.latimes.com (1988-05-01). Visitado em 2012-10-24.
  4. Richards, David. "FILM; Jean-Claude Van Damme, the, uh, Actor?", The New York Times, 1994-09-04. Página visitada em 2010-08-08.
  5. Cater, Dave. (May 1987). "Bloodsport – The Ultimate Martial Arts Movie". Inside Kung Fu Presents The Complete Guide To Ninja Training: 38–47.
  6. Bloodsport (em português) Filmow. Visitado em 30 de março de 2014.
  7. a b c d e f g O Grande Dragão Branco AdoroCinema. Visitado em 27 de outubro de 2014.
  8. a b c d e f g h i O Grande Dragão Branco Terra Networks. Visitado em 27 de outubro de 2014.
  9. LEONARD KLADY (1989-01-08). Box Office Champs, Chumps : The hero of the bottom line was the 46-year-old 'Bambi' - Page 2 Los Angeles Times. Visitado em 2012-07-23.
  10. Bloodsport (em inglês) Rotten Tomatoes. Visitado em 30 de março de 2014.
  11. Klady, Leonard. "'Bloodsport': A Blow for Cliches", Los Angeles Times, 1988-02-29. Página visitada em 2010-09-10.
  12. 1988 Archive Golden Raspberry Awards. Visitado em 2014-10-11.
  13. Goodridge, Mike. "Pressman signs Noyce for Bloodsport; lands Venice slot for Moth Diaries", Screen Daily, May 17, 2011.
  14. Relativity Reboots Jean-Claude Van Damme’s ‘Bloodsport’ (EXCLUSIVE)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]