Bloqueio átrio-ventricular do primeiro grau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bloqueio átrio-ventricular do primeiro grau
Classificação e recursos externos
CID-10 I44.0
CID-9 426.11
DiseasesDB 10477
MedlinePlus 000195
eMedicine emerg/233
Star of life caution.svg Aviso médico

Bloqueio átrio ventricular do primeiro grau, ou prolongamento do intervalo PR, é uma doença do sistema de condução elétrica do coração na qual o intervalo PR fica prolongado além de 0.20 segundos.[1]

No bloqueio AV (átrio ventricular) do primeiro grau, a condução do impulso dos átrios aos ventrículos pelo nó AV é atrasada e viaja mais lentamente do que o normal. Na população normal (adultos jovens), a prevalência é de 0.65-1.1% e a incidência é de 0.13 para 1000 pessoas.

Causas[editar | editar código-fonte]

As possíveis causas incluem[2] :

As causas mais comuns do bloqueio AV do primeiro grau são doença de nódulo do AV, tônus vagal aumentado (como em atletas), miocardite, Infarto agudo do miocárdio (especialmente infarto do miocárdio inferior), perturbação dos níveis de eletrólitos, doença isquêmica do coração, doenças congênitas, inflamatórias e degenerativas do coração, doenças do colágeno e medicações (ex.: propranolol).[3]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Em indivíduos normais, o nó átrio ventricular atrasa a condução do impulso elétrico pelo coração. Esse atraso é caracterizado no eletrocardiograma como intervalo PR. O intervalo PR normal é de 120ms a 200ms de duração. No bloqueio AV, o nó AV doente conduz a atividade elétrica mais devagar. Isso é visto como um intervalo PR maior que 200ms de duração no eletrocardiograma.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

O objetivo do tratamento será corrigir a causa do desequilíbrio eletrolítico e trocar medicamentos que possam agravá-lo. Não requer internação a menos que haja um infarto do miocárdio associado. Não costuma evoluir para formas superiores de bloqueio cardíaco, mas pode exigir acompanhamento ambulatorial e acompanhamento do ECG se houver comorbidade(outra doença associada). Se existe uma necessidade de tratamento de uma condição não relacionada, deve ser tomado cuidado para não introduzir qualquer medicamento que possa retardar a condução AV. Se isso não for possível, o médicos devem ter muito cuidado ao introduzir qualquer droga que possa retardar a condução elétrica do coração e acompanhamento regular por ECG é indicado.

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

Geralmente não há complicações decorrentes do bloqueio AV, mas há a possibilidade de evolução para outros graus de bloqueio.[4] Está associado com um risco aumentado de fibrilação atrial.[5]

Referências

  1. Lesson VI - ECG Conduction Abnormalities. Visitado em 2009-01-07.
  2. * Sociedade Brasileira de Cardiologia, Diretriz de interpretação de eletrocardiograma de repouso, Arq Bras Cardiol volume 80, (suplemento II), 2003 Versão eletrônica
  3. http://www.hu.ufsc.br/~cardiologia/docs/bav1.pdf>
  4. http://www.hu.ufsc.br/~cardiologia/docs/bav1.pdf>
  5. Cheng S, Keyes MJ, Larson MG, McCabe EL, Newton-Cheh C, Levy D, Benjamin EJ, Vasan RS, Wang TJ (2009). "Long-term outcomes in individuals with prolonged PR interval or first-degree atrioventricular block". JAMA 301 (24): 25712577. doi:10.1001/jama.2009.888.