Boeing 787

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Boeing 787 Dreamliner
New Zealand PW-51.svg
Boeing 787-8 Dreamliner
Descrição
Tipo Avião comercial
Fabricante Boeing
País de Origem  Estados Unidos
Primeiro voo 15 de dezembro de 2009 (4 anos)
Capacidade de
passageiros
210 - 330 passageiros
Custo unitário 787-8: US$206.8 milhões (2012)[1]
787-9: US$243.6 milhões (2012)[1]
Dimensões
Comprimento 57 - 63 metros
Envergadura 52 - 63 metros
Altura 17 metros
Pesos
Peso máx. decolagem 165.100 - 244.140 kg
Performance
Velocidade máxima 914 Km/h (Mach 0.85) km/h

O Boeing 787 Dreamliner é o avião comercial mais recente da construtora aeronáutica Boeing. Foi apresentado à imprensa, em Everett, WA, em 8 de julho de 2007, doze anos depois do 777. O primeiro foi entregue em 28 de setembro de 2011 à ANA - All Nippon Airways, que comprou 50 unidades. No dia de seu lançamento, mais de 670 unidades já haviam sido encomendadas por 48 companhias aéreas internacionais, fazendo dele o maior sucesso comercial da indústria aeronáutica mundial em todos os tempos. Substituirá os modelos 757 e 767 e será capaz de transportar de 200 a 350 passageiros, dependendo do modelo e da configuração do interior da aeronave.

É o primeiro avião comercial a ser fabricado primariamente com material compósito como a fibra de carbono. Planeado para ser uma aeronave de longo alcance, poderá fazer voos 'nonstop' entre cidades muito distantes, que nunca tiveram ligação direta. Prevê-se que o alcance médio do Boeing 787 seja de 6,5 mil quilómetros (modelo -3, de maior capacidade de passageiros) até 15 mil quilómetros (modelos -8 e -9).

O Boeing 787 é produzido com 50% de material compósito, 20% de alumínio, 15% de titânio, 10% de aço e 5% de outros materiais. O Boeing 777 possui somente 12% de material composto e 50% de alumínio. Outro factor interessante é que ele auto-detecta erros e transmite imediatamente para o solo. Assim, quando o avião pousar, a equipa de manutenção saberá o que fazer nele.

Possui duas motorizações possíveis - RR/GE - e o alcance varia de 4.650 km (787-3) até 15.750 km (787-8), o primeiro dos quais desenvolvido para o mercado japonês para substituir os A300-600R, 767-200/-300 e até os 777-200 em algumas rotas.

Seu custo por milha é 12% inferior ao de aviões do mesmo porte e, graças a sua estrutura de material compósito, ele pesa apenas 130 toneladas, contra 180 do A330, que é considerado um concorrente direto. Além disso, o consumo de combustível do 787 é 20% menor que o de seus mais modernos concorrentes, o que tem alterado drasticamente o interesse de possíveis compradores de aviões da Airbus em prol deste moderno lançamento da Boeing. Um Boeing 787 necessita passar por uma revisão completa a cada doze anos — um Boeing 767, a cada seis anos.

Os bagageiros internos tem capacidade 30% maior que os dos actuais modelos e as janelas não têm cortinas, mas um sistema que permite que o vidro fique escuro. Também é um avião paperless, eliminando a papelada tanto no projecto quanto no voo, utilizando o Eletronic Flight Bag da Jeppesen.

Interior da Cabine do Boeing 787.
O 787 durante a sua primeira aparição em público.
Comparação de tamanho do Boeing 787-8 (preto vazado) com o Boeing 777-300 (cinza), 767-300 (verde), e o 737-800 (azul).
interior de um Boeing 787, a aeronave utiliza a configuração 2-4-2.
Boeing 787-8 da Thomson Airways.
Boeing 787-9.

Foi o primeiro avião desenvolvido pós-11 de setembro, daí sua necessidade de redução de custos, ecologicamente limpo e versátil. Um Boeing 787 vai levar cerca de 3 dias para ser produzido. Essa experiência de montar os aviões tão rapidamente foi testada pela Boeing primeiramente nos modelos 767 e foi adaptada do sistema japonês de montagem de carros.

O dia 21 de maio de 2009, precisamente às 9:30 am (PDT), foi marcado pela primeira partida de motor totalmente elétrica de uma aeronave comercial de grande porte. A força elétrica usada na partida dos motores RR Trent 1000 foi alimentada pelo APU (Auxiliary Power Unit) da Hamilton Sundstrand e não por meio de uma de usina. Durante a partida foram feitos vários testes em várias condições de potências para avaliar o funcionamento dos sistemas.[2]

O voo inaugural do Boeing 787 Dreamliner, que estava previsto para setembro de 2007, teve lugar apenas no dia 15 de dezembro de 2009, tendo uma duração de 3 horas (3 horas menos que o planeado devido ao mau tempo). A descolagem e aterragem foram ambas realizadas no Boeing Field em Seattle, nos Estados Unidos da América.[3]

Em Janeiro de 2013 e devido a problemas nas baterias de Lítio utilizadas nestes aparelhos, a FAA e a autoridade Japonesa de Aviação suspenderam o certificado deste modelo proibindo-o de realizar novos voos até estes problemas serem resolvidos.

No entanto a Boeing segue a sua produção, mas não as entregas. Até Fevereiro de 2013 estas contabilizavam 54 unidades.

Especificações[editar | editar código-fonte]

787-10 787-8 787-9
Comprimento: 68 m 57 m 63 m
Altura: 17 m 17 m 17 m
Envergadura: 60 m 60 m 63 m
Secao: 5,91 m 5,91 m 5,91 m
MTOW: 250,836 kg 219.540 kg 244.940 kg
Assentos: 323 210/250 - Três classes 250/290 - Três classes
Carga: 6,187 feet3 (175 m3) (124.6 m³) - 28 LD3 (152.9 m³) - 36 LD3
Motores: GE GEnx ou RR Trent 1000 GE GEnx ou RR Trent 1000 GE GEnx ou RR Trent 1000
Velocidade de cruzeiro: 0,85 Mach 0,85 Mach 0,85 Mach
Autonomia: 12,900 km 14.200 km ou 15.200 km 14.800 km ou 15.750 km
Combustivel: 138.700 L 126.903 L 138.700 L
Entrada em serviço: 2018 2012 2013

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um avião, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.