Boeing C-17 Globemaster III

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Boeing C-17 Globemaster III
Um grupo de C-17 voando
Tipo Avião de transporte aéreo tático
Fabricante Estados Unidos McDonnell Douglas/Boeing
Primeiro voo 15 de dezembro de 1991 (22 anos)
Capacidade 102 (tropas) passageiros
Custo unitário 180 milhões de dólares
Comprimento 53,03 metros
Envergadura 51,74 metros
Altura 16,79 metros
Velocidade máxima 830 km/h
Altitude máxima 13.700 metros
Peso máx. decolagem 265.000 kgf

O Boeing C-17 Globemaster III foi um avião de transporte tático feito pela Boeing Integrated Defense Systems, e operada pela Força Aérea Americana, Real Força Aérea , Real Força Aérea Australianae e Força Aérea da Índia A OTAN planeja adquirir a aeronave.

Nos anos 70, a USAF estava olhando um avião de transporte tático para substituir o C-130 Hercules. Existiam uma competição entre Boeing e McDonnell Douglas. A Boeing propunha o Boeing YC-14 e a McDonnell Douglas propunha o McDonnell Douglas YC-15. Ambos excediam as especificações requeridas, e a competição foi cancelada antes do vencedor ser escolhido.

Beoing C-17 Globemaster III decolando. Pode-se perceber os detalhes do trem de pouso.

O Boeing C-17 Globemaster III apresenta uma característica muito interessante: o trem de pouso. A imagem ao lado mostra perfeitamente como é o trem de pouso desse avião. A primeira coisa a ser notada é o fato de as portas do mesmo permanecerem abertas enquanto ele está abaixado. Isso, é estranho, pois a maioria dos aviões desse porte tem um mecanismo que permite essas portas serem fechadas com trem de pouso estendido. Além disso, o trem de pouso traseiro é formado por dois pares de rodas principais. Porém, do lado de cada roda "interna" existe uma outra roda, em posição um pouco elevada, voltada para o centro da aeronave. O trem de pouso frontal é simples, isto é, duplo. É difícil ver um avião desse porte ter apenas uma roda, mesmo no trem de pouso frontal.

Outra característica interessante sobre o modelo é a sua capacidade de abrir a porta do compartimento de carga, em pleno voo, mesmo sem a adição de uma segunda fuselagem. Alguns aviões que possuem essa capacidade, como o C-5 Galaxy ou Antonov An-124 precisam de uma segunda fuselagem para dar a resistência estrutural que a aeronave precisa para abrir a porta traseira do compartimento de carga em pleno voo. (Veja as páginas dos C-5 Galaxy ou do Antonov An-124 para saber a razão da necessidade dessa segunda fuselagem.) Além disso, os aviões supracitados possuem duas portas que dão acesso ao compartimento de carga, uma de proa (frontal) e outra de popa (traseira). O Globemaster III, por sua vez, possui apenas a porta de popa. Entretanto, essas portas que mencionamos são acessos para carga. Existem várias outras destinadas a permitir que humanos entrem e saiam do Globemaster. Aliás, o Globemaster tem duas portas de popa, uma de cada lado, que podem ser abertas em pleno voo, para a liberação de soldados paraquedistas.

Ao lado, exibimos um pequeno vídeo promocional que mostra um pouco das capacidades operacionais do Globemaster III. Note que o Globemaster é capaz de "lançar fogo". Esse "fogo", na verdade, é uma medida de defesa que visa proteger o avião de ataques com mísseis termossensíveis. Ela funciona atraindo tais mísseis para si e, consequentemente, desviando eles do avião. Duração do vídeo: 1 min e 10 segs.

O compartimento de carga desse avião possui comprimento de 20,78 metros. O comprimento da rampa é de 6,52 metros e sua capacidade é de 18,144 toneladas. A largura utilizável do compartimento de carga é de 5,49 metros e a altura é de 4 metros e meio, depois das asas. Antes das asas, a altura é de 3,76 metros.

O sistema eletrônico do Boeing C-17 Globemaster III trabalha com quádrupla redundância. Isso significa que, se um dos sistemas falhar, há outros três trabalhando. O sistema de navegação é digital, assim como muito outros componentes da aeronave.

Ícone de esboço Este artigo sobre um avião, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.