Bolsa de Valores de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bolsa de Valores de São Paulo
Bolsa de Valores de São Paulo
Bovespa.jpg
Tipo Bolsa de Valores
Localização São Paulo (cidade), Brasil
Fundação 23 de agosto de 1890 (124 anos)
Proprietário Bovespa Holding
Principais pessoas Pedro Pullen Parente Presidente do Conselho Administrativo
Edemir Pinto (Presidente)
Moeda BRL
Nº. de empresas listadas 219
Mercado de capitais USD x (2007-08)
Volume BRL x (2007)
Website http://www.bmfbovespa.com.br

A Bolsa de Valores de São Paulo - Bovespa era a bolsa oficial do Brasil, até iniciar um processo de fusão com a BM&F que culminou na criação de uma nova instituição, denominada BM&FBovespa no dia 8 de maio de 2008. Sua sede localiza-se no centro da cidade de São Paulo e seu principal índice econômico é o IBOVESPA.


História[editar | editar código-fonte]

Ação dos Traders na Bolsa de Valores de São Paulo

Em 23 de agosto de 1890 foi fundada pelo presidente Emílio Rangel Pestana a Bolsa Livre, que seria o embrião da Bolsa de Valores de São Paulo. A Bolsa Livre encerrou suas atividades em 1891, em decorrência da política do Encilhamento. Quatro anos depois, em 1895, foi aberta a Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo, que deu continuidade à evolução do mercado de capitais brasileiro.

No ano de 1934, instalou-se no Palácio do Café, localizado no Pátio do Colégio. No ano seguinte, seu nome foi alterado para Bolsa Oficial de Valores de São Paulo.

Até meados da década de 1960, a Bovespa e as demais bolsas brasileiras eram entidades oficiais corporativas, vinculadas às secretarias de finanças (atuais Secretarias da fazenda estaduais). Eram 27 bolsas de valores em todo o Brasil, dos governos estaduais e compostas por corretores nomeados pelo poder público.

Com as reformas do sistema financeiro nacional e do mercado de capitais que foram implementadas nos anos de 1965 e 1966, as bolsas assumiram a característica institucional, transformando-se em associações civis sem fins lucrativos, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial.

A antiga figura individual do corretor de fundos públicos, que eram os corretores autônomos de confiança de cada investidor, foi substituída pela da sociedade corretora ou as atuais corretoras de valores, empresa constituída sob a forma de copiar a sociedade por ações nominativas ou por cotas de responsabilidade limitada.

Em 1967, a entidade passou a ser denominada Bolsa de Valores de São Paulo.

Desde o início dos Mercado de capitais no Brasil, durante a fase final do período colonial, a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro foi o grande mercado de ações do país.[1] No entanto, a partir da década de 1970, em decorrência dos efeitos do Crash de 1971, começou a perder espaço gradativamente para a Bovespa. Em 2000, as duas bolsas comandaram a assinatura de um acordo de integração das nove bolsas de valores brasileiras. O documento estabelecia qua as ações de companhias abertas e os títulos privados em geral seriam negociados na Bovespa, enquanto a BVRJ se encarregaria do mercado eletrônico de títulos da dívida pública, lançado em agosto daquele ano.

No ano 2000, as bolsas de valores de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Minas-Espírito Santo-Brasília, do Extremo Sul, de Santos, da Bahia-Sergipe-Alagoas, de Pernambuco, da Paraíba, do Paraná e a Bolsa Regional foram integradas. Desde então a Bovespa passou a concentrar toda a negociação de ações do Brasil, e as bolsas regionais mantiveram as atividades de desenvolvimento do mercado e de prestação de serviços às suas praças locais.

A Bolsa de Valores de São Paulo é uma entidade auto-reguladora que opera sob a supervisão da Comissão de Valores Mobiliários - CVM.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Década de 1960
  • A Bovespa passa a assumir a característica institucional, deixando de ser subordinada ao Secretário da Fazenda do Estado, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial.
  • Em 1968 foi criado o Índice Bovespa.
Década de 1970
  • Em 1972, a Bovespa foi a primeira bolsa brasileira a implantar o pregão automatizado com a disseminação de informações on-line e em real time, através de uma ampla rede de terminais de computador;
  • No final da década de 1970, a Bovespa foi também pioneira na introdução de operações com opções sobre ações no Brasil.
Década de 1980
  • Foi implantado o Sistema Privado de Operações por Telefone (SPOT) e uma rede de serviços on-line para as corretoras;
  • Desenvolvido um sistema de custódia fungível de títulos.
Década de 1990
  • Foram iniciadas as negociações através do Sistema de Negociação Eletrônica - CATS (Computer Assisted Trading System) que operava simultaneamente com o sistema tradicional de Pregão Viva Voz;
  • Em 1997, foi implantado com sucesso o novo sistema de negociação eletrônica da Bovespa, o Mega Bolsa. O Mega Bolsa ampliou o volume potencial de processamento de informações;
  • No fim da década são lançados pela Bovespa os serviços Home Broker e After-Market.
Década de 2000
  • Ocorre a integração de todas as bolsas de valores brasileiras e a Bovespa passa a concentrar toda a negociação de ações do país;
  • Em setembro de 2005, ocorre o fim do pregão viva-voz da Bovespa, e ela se torna uma bolsa totalmente eletrônica;
  • Em 2006 a Bovespa começa a operar somente em pregão eletrônico doméstico;
  • No dia 26 de outubro de 2007 ocorreu o IPO ou seja uma abertura de capital da empresa coligada Bovespa Holding denominada no IBOVESPA de: BOVH3, que é um consórcio das corretoras que operam na Bolsa de Valores de São Paulo;
  • No dia 26 de março de 2008 a Bovespa anuncia oficialmente o início do processo de fusão com a BM&F. A Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, nome da nova instituição que surgiu com a fusão, será a terceira maior do mundo e a segunda da América em valor de mercado.[2] [3]

Serviços[editar | editar código-fonte]

Com o uso da informática, a Bovespa implantou em 1999 os serviços de Home Broker e do After-Market.

O serviço permitiu que o investidor, por meio do site das Corretoras na Internet, transmita a ordem de compra ou de venda de um investidor diretamente ao Sistema de Negociação da Bovespa. Neste sentido, o sistema da Bovespa é único no mundo. Nos Estados Unidos, as ordens são executadas, em sua maioria, fora do âmbito das bolsas de valores.

Foi uma outra inovação da Bovespa, pioneira em termos mundiais, em que oferece a sessão noturna de negociação eletrônica. Além de atender aos profissionais do mercado, este mecanismo também é interessante para os pequenos e médios investidores, pois permite que enviem ordens por meio da Internet também no período noturno.

Em dezembro de 2001, a Bovespa lançou um sistema em que são listadas ações de empresas que se comprometem, voluntariamente, a adotar práticas de governança corporativa mais rígidas do que as cobradas pela legislação brasileira.

Volume movimentado na Bovespa[editar | editar código-fonte]

Volume financeiro movimentado na Bovespa no mercado a vista em 2007 (Ajustado pelo IPCA). Os valores são até 26 de dezembro.

Ano - volume negociado (em R$)

  • 2000 - 260 bilhões
  • 2001 - 195 bilhões
  • 2002 - 168 bilhões
  • 2003 - 207 bilhões
  • 2004 - 297 bilhões
  • 2005 - 367 bilhões
  • 2006 - 530,8 bilhões
  • 2007 - 1,019 trilhão
  • 2008 - 1,37 trilhão (Fonte: balanço 2008 Bovespa)

Fonte: Economática

Referências

  1. Marta Barcellos & Simone Azevedo; "Histórias do Mercado de Capitais no Brasil" Campus Elsevier 2011 ISBN 8535239944 Introdução (por Ney Carvalho), pag. xiv
  2. Globo Online
  3. Gazeta Mercantil

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bolsa de Valores de São Paulo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]