Bom Jesus de Batinga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde dezembro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

Bom Jesus de Batinga é o santo padroeiro de Batinga, na Bahia (Primeiro Censo Cultural da Bahia). Sua festa é celebrada no dia 6 de agosto, dia em que a Igreja Católica comemora a Transfiguração do Senhor no Monte Tabor.

Transfiguração do Senhor[editar | editar código-fonte]

O episódio da Transfiguração foi relatado pelos avangelistas Mateus (cap. 17), Marcos e Lucas. Tal festa teve sua origem entre os séculos IV e V, no Oriente, sendo adotada lentamente pela igreja latina, não sendo mensionada antes de 850 d.C.(Martirológio de Wandelbert, Gavanti. “Thesauros Litug”, II, August). Na Idade Média estendeu se por toda Igreja Universal a partir do Papa Calisto III, sendo celebrada em todo o mundo Católico (Os Santos de cada dia/ José Benedito Alves - São Paulo: Ed Paulinas, 2000).

Assinalada em 6 de agosto, para comemorar a manifestação da Divina Glória, registrada por São Mateus (Cap. 17). Origem: O Bispo armênio Gregório Arsharuni (CA. 690 d. C.), atribui a origem desta festa a São Gregório o Iluminador ( M. em 337 d. C. ?), que, afirma, substituiu uma celebração pagã de Afrodite chamada Vartabah (Chama de rosa), retendo a antiga apelação da festa: Cristo abriu sua glória como uma rosa no Monte Tabor. Entretanto, não foi achada nos dois antigos calendários armênios impressos por Conybeare (Ritual Armênio, 527 sq). A festa se originou provavelmente, durante o Séc. IV ou V d. C., em lugar de alguma outra de natureza pagã, em algum lugar das terras altas da Ásia Menor. Propagação: no presente, os armênios observam a festa por três dias, como uma das cinco celebrações maiores do ano (sétimo domingo depois de Pentecostes), precedida por um jejum de seis dias. Também na Igreja Síria é uma festa de primeira ordem. Na Igreja Grega inclui uma vigília e Oitava. A Igreja Latina adotou lentamente esta festa, não sendo mencionada antes do 850 d. C. (Martirológio de Wandelbert, Gavanti. "Thesarurus Liturg", II, August). Foi adaptada na liturgia em muitas diocese, por volta do século X e celebrada principalmente em 6 de agosto. Na Galia e Inglaterra, em 27 de julho; Do mesmo modo, em Meissen, em 17 de março; em Halberstadt, em 3 de setembro, etc. Em 1456, Calixto III estendeu a festa à Igreja Universal, em memória da vitória de Hunvady sobre os turcos em Belgrado, em 6 de agosto do mesmo ano. O Papa mesmo redigiu o Ofício. É a festa titular da Basílica Laterana em Roma e foi elevada a categoria de festa de dupla segunda ordem para a Igreja Universal, em 1 de novembro de 1911. Costumes: Na Missa deste dia, o Papa emprega vinho novo ou pressiona um cacho de uvas maduras no cálice; Também em Roma são abençoadas as uvas passas. Gregos e russos abençoam uvas e outras frutas.

Outras invocações[editar | editar código-fonte]

No Brasil, a devoção popular adotou vários nomes ou invocações sob os quais o Senhor Bom Jesus é venerado. Entre os mais conhecidos estão:

  • São Salvador, na Catedral Basílica da Bahia - Paróquia da Transfiguração do Senhor.
  • Senhor Bom Jesus de Tremembé e Bom Jesus de Pirapora no interior de São Paulo.
  • Bom Jesus do Bonfim e Bom Jesus de Matosinhos em algumas cidades do interior de Minas Gerais.

Em algumas cidades do interior, a devoção ao Senhor Bom Jesus surgiu depois de eventos misteriosos e às vezes até engraçados que deram nomes dos mais variados ao Bom Jesus, como: Senhor Bom Jesus do Monte, Bom Jesus da Pedra Fria, Senhor Bom Jesus da Cana Verde, Bom Jesus da Vitória, Bom Jesus dos Perdões, Senhor Bom Jesus de Iguape, Bom Jesus dos Aflitos, Bom Jesus do Livramento,entre outros.

Divisão Eclesiástica[editar | editar código-fonte]

Quando entre as décadas de 1920 e 1930, Batinga (ainda fazenda) era assistida pelo Padre Emiliano Gomes Pereira, que na época era vigário de Porto Seguro, esta comunidade esteve sob a condição de freguesia da paróquia Nossa Senhora da Pena. Quando os frades franciscanos assumiram a evangelização dessa região, Batinga ficou como freguesia da paróquia São Bernardo de Claraval, da cidade de Alcobaça, até o ano de 1965, quando foi eregida a paróquia Nossa Senhora D'Ajuda de Itanhém e a partir de então passou a pertencer a nova paróquia. Em 2012 Batinga foi elevada a categoria de Quase-Paróquia com o título de Quase-Paróquia São Brás, tendo a igreja do Bom Jesus de Batinga como sua sede Paroquial. Pertence à Diocese de Teixeira de Freitas-Caravelas, desde 21 de julho de 1962, mas antes da criação desta, era subordinada a Diocese de Ilhéus. A Diocese de Teixeira de Freitas-Caravelas, está inserida na Província Eclesiástica de São Salvador da Bahia junto com as dioceses de Alagoinhas, Amargosa, Camaçari, Eunápolis, Ilhéus e Itabuna.

Até 1551 todo o Brasil era hierarquicamente dependente da Diocese do Funchal (Ilha da Madeira), quando em 25 de fevereiro daquele ano foi erigida a Diocese de São Salvador da Bahia. Com a fundação da Diocese de São Sebastião do Rio de Janeiro em 1676, parte do território brasileiro passou a pertencer a nova diocese, incluindo a região sul da Bahia. Nesse mesmo ano, no dia 16 de novembro, o Papa Inocêncio XI, pela bula Inter Pastoralis Officii Curas, elevou a Diocese de São Salvador da Bahia a dignidade de Arquidiocese e Sede Metropolitana Primacial, tendo como suas sufragâneas as dioceses de Olinda, também criada em 1676, São Sebastião do Rio de Janeiro, Angola e Congo, além de São Tomé.

Caravelas e cidades do extremo-sul baiano ficaram subordinadas a Diocese do Rio de Janeiro até o ano de 1854, quando então, novamente passou a pertencer à Arquidiocese de São Salvador da Bahia. Em 1913 passou a pertencer a diocese de Ilhéus, criada naquele ano pelo papa Pio X. E em 1962 foi criada a diocese de Caravelas. A igreja de Santo Antônio de Caravelas, tornou-se a Catedral diocesana. Anos mais tarde, a Sé Episcopal foi transferida para a paróquia de São Pedro, na cidade de Teixeira de Freitas, pelo então bispo diocesano, Dom Antônio Zuqueto, segundo bispo da diocese.

O bispo diocesano atual é Dom Carlos Alberto, nascido na cidade de Tobias Barreto, no estado de Sergipe, em 2 de outubro de 1955, nomeado bispo de Teixeira de Freitas-Caravelas em 15 de junho de 2005 pelo papa Bento XVI, quando atuava como pároco da paróquia São José em Aracaju. É o terceiro bispo da diocese.