Bom Jesus do Tocantins (Pará)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Bom Jesus do Tocantins
"BJT"
"KM 66"
Avenida Jarbas Passarinho, centro da cidade de Bom Jesus.

Avenida Jarbas Passarinho, centro da cidade de Bom Jesus.
Bandeira de Bom Jesus do Tocantins
Brasão de Bom Jesus do Tocantins
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 10 de maio
Fundação 1962 (52 anos)
Emancipação 10 de maio de 1988 (26 anos)
Gentílico bom-jesuense
Lema Trabalho e Progresso
Prefeito(a) Sidney Moreira de Souza[1] (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Bom Jesus do Tocantins
Localização de Bom Jesus do Tocantins no Pará
Bom Jesus do Tocantins está localizado em: Brasil
Bom Jesus do Tocantins
Localização de Bom Jesus do Tocantins no Brasil
05° 03' 03" S 48° 36' 32" O05° 03' 03" S 48° 36' 32" O
Unidade federativa Pará Pará
Mesorregião Sudeste Paraense IBGE/2008 [2]
Microrregião Paragominas IBGE/2008 [2]
Região metropolitana Região Metropolitana de Marabá
Municípios limítrofes Abel Figueiredo, Rondon do Pará, São João do Araguaia e Marabá no estado do Pará; e São Pedro da Água Branca, no estado do Maranhão.
Distância até a capital 450 km
Características geográficas
Área 2 816,425 km² [3]
População 15 629 hab. IBGE/2012[4]
Densidade 5,55 hab./km²
Altitude 175 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,589 baixo PNUD/2010[5]
PIB R$ 98 376,572 mil IBGE/2012[6]
PIB per capita R$ 6 294,49 IBGE/2012[6]
Página oficial

Bom Jesus do Tocantins é um município brasileiro do interior do estado do Pará. Localiza-se a uma latitude 05º03'05" sul e a uma longitude 48º36'32" oeste, estando a uma altitude de 175 metros. Sua população estimada em 2012 era de 15.629 habitantes[4] .

O município possui uma área de 2.816,425 km² localizando-se no sudeste paraense, sendo também parte da Região Metropolitana de Marabá. É entrecortado pela rodovia BR-222 que o liga a todo o Brasil. O município possui além da sede, dois núcleos urbanos expressivos: São Raimundo (km 40) e São Francisco (Casca Seca).

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A denominação "Bom Jesus" surgiu a partir do pensamento comum dos moradores mais antigos que consideravam ser este um nome significativo, pois para os mesmos era o "nome do filho de Deus". Em função desta homenagem, no dia 6 de Agosto comemora-se a festa do padroeiro da cidade, o Senhor Bom Jesus.

O último nome, Tocantins, refere-se ao próprio rio Tocantins que localiza-se ao sul do município, sendo também uma fronteira territorial natural.

História[editar | editar código-fonte]

Anteriormente á colonização, a área do município era habitada somente por indígenas semi-nômades. O povo tradicional de maior expressão eram os Gavião, que mantém presença nesta área desde muito antes do descobrimento do Brasil. Hoje seu território está restrito a reserva Mãe Maria, distante cerca de 40 km da sede do município.[7]

Sua criação se deu na década de 1960, ocasião em que a oferta de terras devolutas não era muito grande. Devido à inexistência da PA-70, poucas pessoas tinham acesso ao local. Sua história está relacionada com a do município que lhe deu origem, São João do Araguaia. Segundo a memória social local, o morador mais antigo do município foi o maranhense Adão Alvino de Souza, que estabeleceu, por volta de 1962, uma pequena lavoura em terras do município.[8]

Colonização[editar | editar código-fonte]

Avenida Jarbas Passarinho no centro de Bom Jesus do Tocantins

Adão junto com um cunhado seu, desbravou as matas da região com auxílio dos índios Gavião, estabelecendo uma lavoura na área onde posteriormente se estabeleceria o "Km-66", atual Bom Jesus. Devido a distância de Marabá, os pioneiros resolveram fundar um povoado, principalmente para viabilizar a construção de escolas e postos médicos abrindo também um ramal para transporte de passageiros e cargas até a Vila Cocal no Maranhão. Assim parte da terra ocupada pelo pioneiro Adão de Souza em 1969, foi loteada para a formação do núcleo de Bom Jesus. Ainda no ano de 1969 foi nomeado o primeiro administrador local, Manoel Viagim, representante da prefeitura de São João do Araguaia.[9]

Luta pela emancipação[editar | editar código-fonte]

Em 1988 foi realizado um plebiscito em Bom Jesus e nas áreas vizinhas, com a finalidade de consultar a população local a respeito da emancipação deste em relação a São João, sendo a votação aprovada com praticamente 100% dos votos. Então através da Lei Estadual nº 5.454, de 10 de maio de 1988 foi criado o município de Bom Jesus do Tocantins, e em 1º de janeiro de 1989, assumiu a prefeitura de Bom Jesus o pecuarista Lúcio Antunes da Silva. Na mesma data foi instituído o poder legislativo do município com nove vereadores.[10]

Em 1991, pela Lei nº 5.708, de 27 de dezembro de 1991 o município de Bom Jesus do Tocantins teve parte de suas terras desmembradas para a criação do município de Abel Figueiredo, anteriormente seu principal distrito. [11]

Plebiscito sobre Carajás[editar | editar código-fonte]

Em 2011 Bom Jesus e todo o sudeste do Pará participaram da consulta plebiscitária sobre a divisão do Pará.[12] Mais de 92% da população votou a favor da emancipação do estado do Carajás,[13] entretanto o peso da região de Belém se sobrepôs ao anseio local e a divisão foi rejeitada. Entretanto Bem Jesus permanece, juntamente com os municípios da região, a pleitear a emancipação do Carajás.[14]

Economia[editar | editar código-fonte]

A abertura da rodovia PA-070 (atual BR-222) em 1969, propiciou a inserção de novas atividades econômicas e a migração de novos colonos para a vila de Bom Jesus. Até então as atividades regionais estavam principalmente ligadas a pequena lavoura ou a agricultura de subsistência com pouca ou nenhuma produção de excedente. A abertura da PA-070 trouxe para a região a atividade pecuária extensiva e a possibilidade de extração da madeira que ainda havia em abundância na região.[15]

Bom Jesus é um dos municípios que compõem a fronteira agrícola Amazônica, maior produtora de commodities agrícolas da Amazônia brasileira. No município há a produção da lavoura, com destaque as produções de arroz, feijão, milho e mandioca. O excedente produzido pelo município é principalmente vendido aos municípios vizinhos. Bom Jesus depende muito do comércio com os municípios vizinhos, que além de venderem outros produtos agrícolas essenciais, também vendem gêneros alimentícios industrializados não produzidos localmente.

Na economia local, porém, se destaca principalmente a produção de leite e carne bovina, sendo a segunda maior bacia leiteira do Pará. O município é auto-suficiente na produção desses gêneros, contudo não é capaz de beneficiar toda a sua produção, vendendo a maior parte desta in natura para a produção secundária em outras cidades.

A produção de carvão vegetal de coco babaçu é outra atividade muito importante para o município. A produção é vendida principalmente para as indústrias siderúrgicas e metalúrgicas dos Distrito Industrial de Marabá e Breu Branco chegando a produzir nesta atividade por dia, cerda de 56 toneladas de carvão. A atividade se tornou importante na região depois que ficou proibida a extração de madeira para a produção de carvão vegetal[16] , e alternativamente a produção de carvão de coco babaçu se tornou a mais viável e, em termos teóricos, a "mais ecológica"[17] .

Terra indígena[editar | editar código-fonte]

Em Bom Jesus há uma importante população de indígenas localizado na Reserva Mãe Maria, as margens da BR-222. A Terra Indígena Mãe Maria é uma terra indígena de usufruto dos povos indígenas dos grupos Gavião do Oeste e Gavião da Montanha.[18] [19] [20] Foi homologada em 20 de agosto de 1986, pelo então presidente José Sarney[19] [21] possuindo área de 62.488 hectares,[19] . Apresenta como limites os igarapés Flecheiras e Jacundá, afluentes da margem direita do curso médio do rio Tocantins.[18] [20] Segundo a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), sua população em 2010 era de 782 habitantes.[22]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Eleições 2012: confira quais foram os prefeitos eleitos na região do Carajás Jornal do Zedudu.
  2. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 de dezembro de 2010.
  4. a b Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data de Referência em 1º de julho de 2012 Estimativa Populacional para 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2012). Visitado em 16 de janeiro de 2013.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 21 de setembro de 2013.
  6. a b PIBMunicipal2008-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 12 dez. 2014.
  7. MAGALHÃES, Marcos P. Arqueologia de Carajás: a presença pré-histórica do homem na Amazônia.. 1ª. ed. Rio de Janeiro: Companhia Vale do Rio Doce, 1994. 96 pp. ISBN 85-85377-12-7.
  8. Instituto do Desenvolvimento Econômico e Social do Pará (IDESP). Bom Jesus do Tocantins. Belém: CDI-IDESP, 1990. 26 pp.
  9. Vale S.A.. Um olhar sobre Bom Jesus do Tocantins – Diagnóstico Socioeconômico (pdf) Fundação Vale. Visitado em 27 de setembro de 2012.
  10. Fundação Serviços Especiais de Saúde Publica. Bom Jesus do Tocantins. [S.l.: s.n.], 1988.
  11. O Município Histórico Prefeitura Municipal de Bom Jesus do Tocantins (11 de Janeiro de 2009). Visitado em 18 de maio de 2010.
  12. Apenas 4 cidades que integrariam Tapajós votaram contra divisão do PA G1.
  13. Resultado do plebiscito por município - Carajás Camaléo.
  14. Sessões marcam a luta pelo Estado de Carajás Agora Press.
  15. Sul Americana de Engenharia (SADE). Bom Jesus, a vila que não para. [S.l.: s.n.].
  16. Portal Terra. Carvão ilegal abastece siderúrgicas. Visitado em 13 de fevereiro de 2011.
  17. Agência Pará. Pará quer ser reconhecido como pólo de extrativismo de babaçu. Visitado em 13 de fevereiro de 2011.
  18. a b ARHU Guerreiro Gavião Parkatêjê, Tempo-UFRJ.
  19. a b c Povos Indígenas do Brasil - Caracterização da TI Mãe Maria.
  20. a b Título não preenchido, favor adicionar.
  21. Decreto Presidencial Nº 93.148, De 20 de agosto de 1986..
  22. Povos indígenas do Brasil - Gavião Parkatêjê.