Bombacaceae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde agosto de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Como ler uma caixa taxonómicaBombacaceae
Adansonia digitata - Baobá

Adansonia digitata - Baobá
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Subclasse: Dilleniidae
Ordem: Malvales
Família: Bombacaceae
Kunth 1822
Géneros
Ver texto.

A família das Bombacaceae (sensu Cronquist) agrupa 30 gêneros e cerca de 225 espécies tropicais, tendo o maior centro de dispersão a América. São originadas do Brasil 18 gêneros e cerca de 100 espécies.[1] Há seis tribos, sendo cinco representadas na flora brasileira; algumas tribos: Hampeae, Matisieae, Catostemmateae, Adansonieae.

A APG não reconhece tal família e a reclassifica como subfamília de Malvaceae, Bombacoideae.

São destaques os baobás africanos (Adansonia sp.); as paineiras brasileiras (Chorisia sp.), que florecem de março a julho; o durião-asiático, com frutos comestíveis (Durio sp.); a mafumeira, uma das gigantes da Amazônia (Ceiba sp.).

A família Bombacaceae é constituída por árvores ou arbustos, muitas vezes com tronco muito engrossado pelas reservas de água. Suas folhas são grandes digitadas ou inteiras, alternas e com estípulas caducas. No caule encontram-se freqüentemente espinhos. As flores cíclicas e axilares são em geral pentâmeras, diclamídeas e hermafroditas, apresentando simetria radial. As sementes podem estar envoltas por tricomas, o que auxilia a dispersão pelo vento.[1] Quanto à distribuição geográfica, essa família se encontra difundida em todos os estados brasileiros, inclusive na Paraíba e predominantemente nas Américas, com alguns gêneros na África e Ásia. No mundo as espécies de Bombacacea são encontradas principalmente nas regiões tropicais. (Charlene K. S. Pereira, Cínara S. Vidal, Max R. Quirino e Marçal Q. Paulo).

Informações botânicas[editar | editar código-fonte]

São árvores com folhas grandes (a partir de 10 cm.) simples, inteiras ou digitadas, alternas, peninérveas ou palmatinérveas, frequentemente, com indumento escamoso ou ramificado, com estípulas caducas.

O tronco, frequentemente, é engrossado pelo excesso de armazenamento de água; várias espécies possuem espinhos nos ramos e no caule.

As flores são grandes, vistosas, hermafroditas, cíclicas, axilares, geralmente pentâmeras, diclamídeas, de simetria radial, com cálice pentalobado, de prefloração valvar ou imbricada, com ou sem calículo. As pétalas têm coloração branca, amarela, rósea ou vermelha. A corola tem as pétalas livres ou ausentes. O androceu é constituído por cinco ou até muitos estames, com filetes longos, livres ou parcialmente unidos em feixes ou concrescidos em coluna cilíndrica curta ou longa. A antera é reniforme ou linear, com uma só teca. O pólen tem a superfície (exina) lisa. O ovário é súpero com cinco carpelos, cinco lóculos e com muitos óvulos. O estilete é simples, colunar, com ápice capitado ou lobado. O fruto é seco, indeiscente, com ou sem asas, ou cápsula loculicida, com sementes normalmente envolvidas por pêlos, originados das paredes do fruto, que ajudam na dispersão pelo vento; tais sementes, que geralmente possuem óleo, são normalmente grandes, angulosas, sem ou com pouco endosperma. O embrião tem cotilédones planos, torcidos ou plicados.

Gêneros[editar | editar código-fonte]

  • Adansona Cothen., 1790
  • Adansonia L., 1759
  • Aguiaria Ducke, 1935
  • Armouria Lewton, 1933
  • Baobab Adans., 1763
  • Bernoullia Oliv., 1873
  • Blumea Rchb., 1828
  • Bombacopsis Pittier, 1916
  • Bombax L., 1753 (60 spp.)
  • Bombycidendron Zoll. & Moritzi, 1845
  • Bombycodendron Hassk., 1847
  • Bombycospermum C. Presl, 1835
  • Boschia P. W. Korthals in Temminck, 1844
  • Camptostemon Mast., 1972
  • Campylanthera H. W. Schott & Endlicher, 1832
  • Carolinea L. f., 1782
  • Catostemma Benth., 1843
  • Cavanillesia Ruiz & Pav., 1794
  • Ceiba Mill., 1754
  • Cephalohibiscus Ulbr., 1935
  • Cheiranthera Endl., 1841
  • Cheiranthodendron Kuntze, 1891
  • Cheirostemon Humb. & Bonpl., 1808 (1806)
  • Chirostemon Cerv.,. 1803
  • Cienfuegia Willd., 1800
  • Cienfuegosa Cothen., 1790
  • Cienfuegosia Giseke, 1792
  • Coelostegia Benth., 1862
  • Cotylephora Meisn.
  • Cullenia Wight, 1851
  • Cumingia S. Vidal, 1885
  • Decaschista Rchb., 1841
  • Durio Adans., 1763
  • Elidurandia Buckley, 1861 (1862)
  • Eriodendron DC., 1824
  • Erione H. W. Schott & Endlicher, 1832
  • Eriotheca Schott & Endl., 1832
  • Gerberia Scop., 1777
  • Gossampinus Schott & Endl., 1832
  • Guenetia Sagot ex Benoist, 1919
  • Gyranthera Pittier, 1914
  • Huberodendron Ducke, 1935
  • Hymenocalyx Zenker, 1835
  • Ingenhoussia H. G. L. Reichenbach in Moessler, 1827
  • Ingenhouszia Meisn.
  • Julostyles Benth. & Hook. f., 1862
  • Julostylis Thwaites, 1858
  • Kostermansia

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Malvales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.