Boneca de papel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma boneca de papel e seus acessórios

Boneca de papel é um tipo de brinquedo infantil no qual figuras de papel são recortadas, com roupas e acessórios cortados separadamente. Têm sido uma alternativa de brinquedos de baixo custo por cerca de dois séculos. Durante os anos 1980 ganharam maior espaço entre as crianças em forma de personagens colecionáveis, vendidos em bancas de jornal e papelarias. Atualmente, o formato das bonecas de papel é usado em diversas formas de arte. As bonecas de papel vêm ganhando espaço entre as crianças, nos dias atuais, na forma de personagens já conhecidos e de pessoas famosas. Elas também já encontraram seu espaço na Internet e no formato digital.

História[editar | editar código-fonte]

As bonecas de papel existem desde que existe o papel. As figuras de papel foram usadas em rituais em culturas asiáticas durante vários séculos. Uma ceremônia japonesa de purificação, que data pelo menos de 900 A.D., incluiu uma figura e um objeto de papel dobrado, semelhante a um kimono, foram lançados ao mar em um barco. Os povos de Bali faziam fantoches da sombra do couro e do papel antes da era Cristã, embora não haja registro de que eles tenham feito trajes separados para estas figuras. No Oriente, foram feitas muitas bonecas de papel dobrado ou confeccionadas de outra maneira, mas estas são tridimensionais. Na França em meados dos anos 1700, surgiu a figura do salt-jaque, um cruzamento entre o fantoche e a boneca de papel, para satirizar a nobreza. Outras culturas tiveram formatos distintos da arte de papel, como China (Hua Yang), o Japão (Kirigami), a Polônia (Wycinanki), e Alemanha e Suíça (Scherenschnitte).

À exceção do kimono mencionado anteriormente, estas figuras de papel não cabem a rigor na definição de boneca de papel porque não incluem roupas para as figuras. Os exemplos das primeiras bonecas de papel verdadeiras foram encontrados em grandes centros como Viena, Berlim, Londres e Paris. Eram figuras pintadas a mão e trajes criados para o divertimento de adultos ricos. Alguns acreditam que tenham sido feitos por uma costureira para mostrar formas reais, ou podem ter sido feitos como sátiras sócio-políticas das figuras populares da época. Em um museu parisiense encontra-se um conjunto de figuras raras pintadas a mão, datadas do final dos anos 1780.

Em 1791, uma propaganda de Londres anunciou uma nova invenção, então chamada a boneca inglesa. Era uma figura de uma jovem, com oito polegadas de altura, com um guarda-roupa completo de roupa íntima, acessórios para cabelos e seis conjuntos de roupa completos. Bonecas semelhantes a esta foram vendidas também na Alemanha. As bonecas de papel só passaram a ser produzas em larga escala e para as camadas mais populares no início do século XX.

Nos anos 1900 houve uma febre das bonecas de papel nos muitos setores voltados para a mulher e a criança, como revistas femininas e infantis. Elas passaram a aparecer também no cadernos femininos e infatis de diversos jornais e outras publicações. Muitos artistas dedicaram-se anos a fio à criação e publicação das bonecas. A era de ouro das bonecas de papel ocorreu entre as décadas 1930 e 1950, quando sua popularidade atingiu índices nunca superados. Mesmo durante a Segunda Guerra Mundial elas continuaram sendo fabricadas, apesar da escassez de papel.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

A primeira boneca comercial foi fabricada em Londres (1810) por S&J Fuller, e chamava-se Little Fanny. A primeira boneca de papel produzida na América do Norte foi em Boston (1812) por J. Belcher. Nos anos 1820, conjuntos de bonecas eram produzidos na Europa e exportados para crianças de famílias abastadas em outras partes do mundo. A primeira boneca de papel retratando uma pessoa famosa foi da bailarina Marie Taglioni, nos anos 1830 e nos anos 1840 foi publicado outro conjunto reatratando desta vez a bailarina Fanny Elssler e nesta mesma década foi publicada a boneca da Rainha Vitória. Atualmente estas bonecas são consideradas valiosas raridades.

Bonecas de papel de celebridades[editar | editar código-fonte]

As celebridades e as estrelas de cinema eram muito populares e retratá-las era muito simples nos anos 1930, 1940 e nos 1950, quando não haviam sido regularizados os direitos de reprodução. As estrelas de cinema e suas imagens eram geralmente propriedade dos estúdios, e elas mesmas nunca viram a renda de sua venda como bonecas de papel. Com as imagens de celebridades protegidas hoje pelas leis, um editor deve pagar pelos direitos de reproduzir nossas estrelas favoritas no formato de bonecas de papel.

Surgimento da Barbie[editar | editar código-fonte]

Alguns estudiosos da história das bonecas de papel atribuem ao surgimento da Barbie como causa do declínio na popularidade das bonecas de papel na década de 1960, contudo na década de 1990, a Barbie era uma das bonecas de papel mais populares entre crianças e colecionadores. As versões da Barbie em papel e de sua irmã, Skipper, eram amplamente comercializadas nos anos 1970 para suplementar suas parceiras tridimensionais. O namorado Ken também foi vendido no formato de papel.

Formato[editar | editar código-fonte]

As bonecas são desenhos de traços simples, vestindo roupa básica. As roupas e acessórios vêm em separado, com abas sobre os ombros e outros pontos do corpo para serem dobradas sobre o corpo da boneca, como forma de sustentação.

As bonecas trazem em geral um conjunto de roupas, podendo ser trocadas e alternadas, entre saias, calças, blusas, sapatos, chapéus.

Estímulo à imaginação[editar | editar código-fonte]

As bonecas de papel são brinquedos que estimulam a imaginação e a criatividade, através das amplas possibilidades oferecidas pelo material. As crianças podem facilmente confeccionar novas roupas e acessórios, bem como criar suas próprias bonecas. Além disto, algumas das bonecas trazem complementos que podem ser coloridos pela criança. O fato de ser um brinquedo bi-dimensional exige que a criança se utilize mais da imaginação do que o fazem os brinquedos tri-dimensionais e com detalhes mais realísticos, com acessórios prontos, que não dependem da criatividade da criança. As bonecas de papel atuam sobre a imaginação da criança como as ilustrações dos livros, estimulando-a sem dar todas as respostas, cabendo à criança completar a criação com seu imaginário próprio.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre brinquedo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.