Borborismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

De acordo com o Panarion de Epifânio de Salamis (cap. 26) e de Haereticarum Fabularum Compendium Teodoreto, os Borboritas ou Borborianos foi uma seita gnóstica cristã que surgiu por volta do século IV e segundo relatos parece ter durado até o sexto século. Epifânio de Salamis deixou um extenso relatório sobre eles em seu Panarion, capítulo 26.[1]

A seita atrai muita atenção dos estudiosos porque suas excepcionais práticas sexuais pareciam um claro exemplo da libertinagem desenfreada da que os gnósticos foram acusados ​​por seus adversários.[2] .

Os borboritas se auto-intitulavam "Gnósticos" e "Iluminados" - no contexto da heresiologia, "aquele que diz ter conhecimento" - e também eram conhecidos como Fibionitas, Estratióticos, Levíticos, Secundianos, Socratitas, Zacaenses, Codianos e Barbeloítas.[3] . O nome "Borborita" significa "imundos" o que sugere que não seria uma auto-designação mas sim um termo abusivo inventado por adversários à seita. O Anacephaleiosis, um resumo breve do Panarion, da qual a autoria de Epifânio é disputada, sugere que ele pode ter criado o nome ou recolhido o termo de outros: "Outros os chamam de Borboritas. Estas pessoas se orgulham de Barbelo, que também é chamado Barbero"[4] . Assim, a outra forma do nome seria "Barbelitas" ("povo de Barbelo") e teria sido modificada para Barberitas e finalmente Borboritas. [5]

Epifânio é particularmente bem-informado sobre a seita segundo ele, por quase ter sido seduzido pelo secto[6] o que lhe permitiu ler suas escrituras secretas, tanto este episódio quanto o conteúdo dessas escrituras são contraditório - se Epifânio escapou de ser seduzido pela seita, como então teria acesso a seus escritos e rituais secretos[7] .

Doutrina e sacramentalismo sexual[editar | editar código-fonte]

De acordo com Epifânio, foram influenciados pelos ensinamentos dos Nicolaítas[8] que são discutidos no capítulo 25 e cujo fundador Nicolau ensinava "A menos que copule todos os dia, não terás vida eterna"[9] .

Segundo Epifânio, acreditavam que este mundo é separado do reino divino por 365 céus, cada um controlado por um arconte que deve ser aplacado para permitir a subida da alma até o reino divino. Desde que nossa alma descende através desses 365 céus e então deve voltar, deve passar pelos reinos de cada arconte duas vezes. A viagem ocorreria prolepticamente aqui na terra através de uma espécie de empatia, quando o homem chamasse pelo nome de um dos arcontes durante a cerimônia de liturgia sexual, afetando um tipo de identificação com o arconte e assim permitindo a passagem do sujeito por seu reino. Como cada arconte deve ser passado duas vezes, Epifânio contabiliza que os devotos precisam seduzir e praticar os rituais em pelo menos 730 ocasiões.[10]

Epifânio também conta que os Borboritas foram inspirados pelo Setianismo e tinham como uma característica particular nos seus rituais elementos de sacramentalismo sexual, incluindo esfregar de mãos em fluídos corporais (sangue menstrual e sêmen) e o consumo deles como uma variante à Eucaristia. Embora fossem libertinos, proibiam a procriação e para evitar que as mulheres da seita engravidassem, os homens praticavam o coitus interruptus, se por acaso alguma mulher da seita engravidasse extraiam seu feto para consumo em cerimônias especiais.[11] .

Escritos[editar | editar código-fonte]

Os livros descritos como de uso pelos borboritas são listados por Epifânio que explicitamente condena um em particular chamado Noreia, outros livros segundo Epifânio são Evangelho da Perfeição, o Evangelho de Eva, Pequenas Questões de Maria, Grandes Questões de Maria, os Livros de Sete, o Apocalipse de Adão, o Nascimento de Maria e o Evangelho de Felipe e também usavam o Antigo quanto o Novo Testamento à maneira que lhes conviam[12] . Realmente alguns destes escritos foram descobertos, alguns constituindo a biblioteca de Nag Hammadi), como o Apocalipse de Adão, o Evangelho de Filipe, o Evangelho de Maria e o Segundo Tratado de Sete, embora não sabemos se são realmente os mesmo livros referidos por Epifânio.[13]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Este artigo usa texto de The Protestant Theological and Ecclesiastical Encyclopedia (1858) de John Henry Augustus Bomberger e Johann Jakob Herzog, uma publicação agora no domínio público.

Referências

  1. The Panarion of Epiphanius of Salamis. [S.l.]: BRILL. ISBN 978-90-04-07926-7.
  2. Stephen Benko. The Libertine Gnostic Sect of the Phibionites According to Epiphanius. [S.l.]: Vigiliae Christianae, 1967.
  3. Epifânio de Salamis, Panarion, 25. 2,1 - 26. 3,7
  4. Epifânio de Salamis?, Anacephaleiosis, 26
  5. Hidden Intercourse: Eros and Sexuality in the History of Western Esotericism. [S.l.]: BRILL, 2008. p. 11. ISBN 978-90-04-16873-2.
  6. Epifânio de Salamis alega algum conhecimento de primeira-mão da seita e ter fugido de sedutoras mulheres que o repreenderam dizendo "Nós não fomos capazes de salvar este jovem. Ao invés disso, o abandonamos às garras do arconte".Epifânio de Salamis, Panarion, 26, 17.6
  7. Forgery and Counter-forgery: The Use of Literary Deceit in Early Christian Polemics. [S.l.]: Oxford University Press, 10 January 2013. p. 19, 22. ISBN 978-0-19-992803-3.
  8. Epifânio de Salamis, Panarion, 26. 1,3
  9. Epifânio de Salamis, Panarion, 25. 4,3
  10. Forgery and Counter-forgery: The Use of Literary Deceit in Early Christian Polemics. [S.l.]: Oxford University Press, 10 January 2013. p. 19. ISBN 978-0-19-992803-3.
  11. Epifânio de Salamis, Panarion, 25. 5,4
  12. Epifânio de Salamis, Panarion, 25. 6,1
  13. Epifânio só precisa citar uma passagem para se mostrar ultrajado perante a falsificação e o quanto implausível era os relatos [das seitas] sobre a vida de Jesus. Mas podemos nos questionar o quanto plausível é este relato ser mesmo do Fibionitas. Seria possível que os relatos tenham sido forjados não pelo Fibionitas mas pelo próprio Epifânio?Forgery and Counter-forgery: The Use of Literary Deceit in Early Christian Polemics. [S.l.]: Oxford University Press, 10 January 2013. p. 19. ISBN 978-0-19-992803-3.