Bordetella bronchiseptica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaBordetella bronchiseptica
Micrografia eletrônica de varredura da B. bronchiseptica

Micrografia eletrônica de varredura da B. bronchiseptica
Classificação científica
Reino: Bacteria
Filo: Proteobacteria
Classe: Betaproteobacteria
Ordem: Burkholderiales
Família: Alcaligenaceae
Género: Bordetella
Espécie: B. bronchiseptica
Nome binomial
Bordetella bronchiseptica
(Ferry 1912)
Moreno-López 1952


A Bordetella bronchiseptica é uma bactéria pequena, gram-negativa, em forma de bastão, do gênero Bordetella.[1] Pode causar bronquite infecciosa, mas não infecta humanos.[2] Intimimamente relacionada com a B. pertussis[3] —o forçado patógeno humano que causa a pertússis ou coqueluche—a B. bronchiseptica pode persistir no ambiente por extensos períodos.[4]

Patogênese[editar | editar código-fonte]

Humanos não são os portadores naturais da B. bronchiseptica, que tipicamente infecta o trato respiratório de mamíferos menores (gatos, cães, coelhos, etc).[3] As pessoas são mais propensas a serem infectadas pela B. pertussis ou pela B. parapertussis.

A B. bronchiseptica não expressa a toxina da pertússis, que é um dos fatores de violência característica da B. pertussis. Mas ela tem os genes para fazer isso, destacando o íntimo relacionamento evolucionário entre as duas espécies.[5] ,[6]

Patogênese Veterinária[editar | editar código-fonte]

Na medicina veterinária, a B. bronchiseptica conduz a uma faixa de patologias em hospedeiros diferentes. É uma doença séria para gatos, cães e coelhos e tem sido observada em gatos, cavalos e focas. Há um teste PCR para o patógeno.[7]

Nos porcos, a B. bronchiseptica e a Pasteurella multocida age sinergicamente para causar a rinite atrófica, uma doença resultando no crescimento contido e na distorção dos cornetos no ponto final nasal (focinho).[8]

Nos cães, a B. bronchiseptica causa traqueobronquite atrófica,[9] que tipicamente tem uma tosse dura e grasnada. (Ver tosse de canil). A tosse de canil também pode ser causada por um adenovírus-2 caninco ou um vírus da parainfluenza canina ou uma combinação de patógenos.[7]

Nos coelhos, a B. bronchiseptica é encontrada frequentemente no trato nasal. Geralmente se assume que cause uma infecção quase assintomática conhecida como fungação, mas o agente causador desta doença é a Pasteurella multocida; a "B. bronchiseptica" em geral co-infecta a passagem nasal ao mesmo tempo.[10]

ICD-9-CM[editar | editar código-fonte]

[CÓDIGO: 033.8 COQUELUCHE, DEVIDO A OUTRO ORGANISMO ESPECIFICADO]

[Bordetella bronchiseptica [B.BRONCHISEPTICA]

[Gatos] infectados com a B. bronchiseptica tem sido observados com traqueobronquite, conjuntivite e rinite (infecção do trato respiratório superior ou URI), linfadenopatia mandibular e pneumonia. Entretanto, a URI em gatos também pode ser causada pelo: vírus da herpes, vírus calici, espécie Mycoplasma ou Chlamydia psittaci.[7] Existe uma vacina intranasal para gatos.[11]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Hewlett, EL. "Bordetella species." In: Principles and Practice of Infectious Diseases (Mandel, GL, Bennett, JE, Dolin, R, eds.). [S.l.]: Churchill Livingston, Inc., New York, NY., 1995. 2078–2084 pp.
  2. Ryan KJ; Ray CG (editors). Sherris Medical Microbiology. 4th. ed. [S.l.]: McGraw Hill, 2004. ISBN 0-8385-8529-9. >
  3. a b Finger H, von Koenig CHW. ''Bordetella. In: Barron's Medical Microbiology (Barron S et al., eds.). 4th. ed. [S.l.]: Univ of Texas Medical Branch, 1996. (via NCBI Bookshelf) ISBN 0-9631172-1-1.
  4. Coote JG. (2001). "Environmental sensing mechanisms in Bordetella". Adv Microb Physiol 44: 141–81. DOI:10.1016/S0065-2911(01)44013-6. PMID 11407112.
  5. Mattoo S, Foreman-Wykert AK, Cotter PA, Miller JF. (2001). "Mechanisms of Bordetella pathogenesis". Front Biosci 6: E168–86. DOI:10.2741/Mattoo. PMID 11689354.
  6. Diavatopoulos DA, Cummings CA, Schouls LM, Brinig MM, Relman DA, Mooi FR. (2005). "Bordetella pertussis, the Causative Agent of Whooping Cough, Evolved from a Distinct, Human-Associated Lineage of B. bronchiseptica". PLoS Pathog 1 (4): e45. DOI:10.1371/journal.ppat.0010045. PMID 16389302.
  7. a b c Bordetella data sheet Zoologix. Visitado em 2009-03-08.
  8. Lawhorn, Bruce. Atrophic Rhinitis (PDF) Texas Agricultural Extension Service. Visitado em 2006-11-23. [ligação inativa]
  9. Wagener, J. S., R. Sobonya, L. Minnich and L. M. Taussig (1984). Role of canine parainfluenza virus and Bordetella bronchiseptica in kennel cough. Am J Vet Res 45(9): 1862-6.
  10. Burns, E. H., Jr., J. M. Norman, M. D. Hatcher and D. A. Bemis (1993). Fimbriae and determination of host species specificity of Bordetella bronchiseptica. J Clin Microbiol 31(7): 1838-44
  11. Prevention and control of Bordetella bronchiseptica infection in cats Intervet/Schering-Plough Animal Health. Visitado em 2009-03-08.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]