Boudhanath

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo ou secção, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada nos artigos correspondentes noutras línguas e também na página de discussão. (abril de 2014)
Boudhanath
बौद्धनाथ , Bauddha
Vista da estupa de Boudhanath
Nomes alternativos Baudhanath, Bodnath, Boudha, Khāsti
Tipo Estupa budista
Início da construção século V, VI ou XIV (?)
Religião Budismo tibetano
Dimensões
Altura 36
Diâmetro 120
Área 11 300 m²
Património da Humanidade
Data 1979
Descrição en fr
Geografia
País Nepal
Cidade Catmandu
Coordenadas 27° 43' 17" N 85° 21' 43" E
Boudhanath está localizado em: Nepal
Boudhanath
Localização de Boudhanath no Nepal
Vista da mandala e da torre da estupa

Boudhanath (em devanágari: बौद्धनाथ; em nepalês: Bauddha; em bhasa: Khāsti;[1] em tamang: Jyarung Khasyor), também chamado ou grafado Bouddhanath, Baudhanath, Bodnath, Boudha, Khāsa Caitya e Jarungkhasor, é um dos sítios budistas mais sagrados de Catmandu, a capital do Nepal. A enorme e maciça estupa de Boudhanath, que domina o horizonte a nordeste do centro da cidade, de que dista 11 km, é uma das maiores estupas semi-esféricas do mundo[2] e o templo budista tibetano mais sagrado do mundo fora do Tibete.[3]

O afluxo de um elevado número de refugiados do Tibete à zona levou à construção de mais de 50 gompas (mosteiros budistas tibetanos) em volta da estupa. Desde 1979 que Boudhanath está inscrito na lista do Património Mundial da UNESCO, por integrar o sítio "Vale de Catmandu".[4] Juntamente com o templo e estupa de Swayambhunath, é um dos locais mais populares entre os turistas que visitam a área de Catmandu.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A estupa propriamente dita — uma torre quadrangular dourada que se ergue 36 metros acima do nível da praça onde se encontra[5] — assenta sobre um enorme bahal,[6] uma grande plataforma branca com três níveis em forma de mandala,[5] aproximadamente circular, com 120 metros de diâmetro,[6] que aparentemente foi inspirada por uma existente em Gyantse, no Tibete. A plataforma ocupa o centro de uma grande praça circular, rodeada de casas habitadas por famílias tibetanas e lojas de recordações. A praça é sempre percorrida no sentido dos ponteiros do relógio, seguindo a tradição budista tibetana. O templo é o centro do budismo tibetano no Nepal.[5]

A estupa situa-se na antiga rota comercial proveniente do Tibete,[5] que entra no vale de Catmandu pela aldeia de Sankhu, no canto nordeste, passa por Boudhanath e prossegue para a mais antiga e mais pequena estupa de Cā-bahī (frequentemente chamada "pequena Boudhanath"). Ali vira para sul, em direção a Patan, cruzando o rio Bagmati, não passando pelo centro Catmandu, uma cidade de fundação mais recente do que a rota.[1] Os mercadores tibetanos descansaram e ofereceram orações em Boudhanath durante muitos séculos e quando os refugiados tibetanos chegaram ao Nepal fugindo da invasão chinesa na década de 1950, muitos decidiram viver perto daquele local sagrado, que se diz ser o túmulo do Buda Kassapa.[5]

História[editar | editar código-fonte]

O “Gopālarājavaṃśāvalī”, uma história do Nepal surgida no século XIV, relata que Boudhanath foi construído por Śivadeva, um rei Licchavi do Nepal que reinou ca. 590–604 d.C. Outras crónicas datam a sua construção durante o reinado do rei Mānadeva (r. 464–505 d.C.).[7] [8] Segundo fontes tibetanas, um outeiro no local foi escavado no final do século XV ou início do século XVI e ali foram encontrados os ossos do rei Aṃshuvarmā (r. 605–621), outro monarca Licchavi.[9]

No entanto, o imperador tibetano Trisong Detsän (r. 755–797) também é tradicionalmente associado à construção da estupa de Boudhanath.[10]

Lenda da construção[editar | editar código-fonte]

O monge budista japonês Ekai Kawaguchi (1866–1945), que visitou o Nepal quatro vezes entre 1899 e 1913, descreveu a grande estupa e registou a lenda budista tibetana da sua construção:[11]

A aldeia que rodeia a grande torre Kāṣyapa é geralmente conhecida pelo nome de Boḍḍha [...] que em tibetano é chamada Yambu Chorten Chenpo. Yambu é o nome pelo qual é geralmente conhecido Kāthmāndu no Tibete; e Chorten Chenpo significa grande torre. O verdadeiro nome completo da torre é, contudo, Ja Rung Kashol Chorten Chenpo, que pode ser traduzido como: "tendo acabado de dar a ordem de prosseguir com". A torre tem uma história interessante que explica este estranho nome.

Diz-se nesta história que Kāṣyapa era um Buḍḍha que viveu muito tempo antes de Shākyamuni Buḍḍha. Depois da morte de Kāṣyapa Buḍḍha, uma certa velha, com os seus quatro filhos, enterrou os restos mortais desse grande sábio no local onde a grande colina agora se encontra, a qual foi construída pela própria velha. Antes de começar o trabalho de construção, ela pediu ao rei desse tempo, e obteve autorização para "prosseguir com" a construção de uma torre. Quando, em resultado de grandes sacrifícios da parte da velha e dos seus quatro filhos, as fundações da estrutura tinham ido acabados, aqueles que a viram ficam atónitos com a grandeza da escala em que tinha sido empreendida. Esse foi o caso especialmente de todos os altos oficiais do país, que disseram que se uma velha senhora pobre estava autorizada a completar a construção de uma torre tão estupenda, eles próprios teriam que dedicar um templo tão grande como uma montanha, e por isso decidiram pedir ao rei que proibisse que a construção progredisse. Quando o rei foi abordado sobre esse assunto respondeu: "Acabei de dar ordem à mulher para continuar a obra. Os reis não podem comer as suas palavras, e eu não posso desfazer as minhas ordens agora. A torre foi assim autorizada a ser concluída e daí o seu nome único, "Ja Rung Kashol Chorten Chenpo". No entanto, eu penso que a torre deve ter sido construída depois dos dias de Shākyamuni Buḍḍha, pois a descrição dos livros tibetanos é diferente dos registos em sânscrito, os quais são mais fiáveis do que os tibetanos.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Snellgrove 1987
  2. Fables of Boudhanath and Changunarayan [ligação inativa] (em inglês) www.nepalnews.com.np (16 de agosto de 2000). Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2007.
  3. Hayes, Holly (3 de maio de 2009). Boudhanath Stupa, Kathmandu (em inglês) www.sacred-destinations.com. Visitado em 26 de abril de 2014.
  4. Vale de Catmandu. UNESCO World Heritage Centre - World Heritage List (whc.unesco.org). Em inglês ; em francês. Páginas visitadas em 26 de abril de 2014.
  5. a b c d e Boudhanath Stupa in Bodnath (em inglês) www.nepal.com. Visitado em 26 de abril de 2014.
  6. a b Bodnath Stupa (em inglês) www.planetware.com. Visitado em 26 de abril de 2014.
  7. Rishikesh 1992, p. 123
  8. Ehrhard 1990
  9. Ehrhard 1990
  10. Sambhava 1973
  11. Kawaguchi 1909, p. 35–36

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kawaguchi, Ekai (1909) (em inglês), Three Years in Tibet: With the Original Japanese Illustrations, Nova Deli: Book Faith India (publicado em 1995), pp. 719, ISBN 9788173030369 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Boudhanath


  • Bodnath Stupa (em inglês) kathmandutour.com. Visitado em 26 de abril de 2014.
  • Boudhanath (em inglês) www.khandro.net. Visitado em 26 de abril de 2014.


Vale de Catmandu Boudhanath está incluído no sítio Vale de Catmandu, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg