Brachyteles hypoxanthus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMuriqui-do-norte[1]
Fêmea com filhote em Caratinga-MG (Brasil)

Fêmea com filhote em Caratinga-MG (Brasil)
Estado de conservação
Status iucn3.1 CR pt.svg
Em perigo crítico (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Família: Atelidae
Género: Brachyteles
Espécie: B. hypoxanthus
Nome binomial
Brachyteles hypoxanthus
(Kuhl, 1820)
Distribuição geográfica
Mapa de distribuição
Mapa de distribuição
Sinónimos
  • Brachyteles hemidactylus I. Geoffroy, 1829

O muriqui-do-norte (nome científico:Brachyteles hypoxanthus) também chamado simplesmente muriqui ou mono-carvoeiro, é uma espécie de Macaco do Novo Mundo, da família Atelidae e gênero Brachyteles, endêmico da Mata Atlântica brasileira. Já foi considerado uma subespécie de Brachyteles arachnoides, sendo considerado uma espécie separada atuamente. Não é claro qual grupo de primata é mais próximo dos muriquis, mas alguns estudos apontam para uma ancestralidade comum do gênero Brachyteles com o macaco-barrigudo (gênero Lagothrix).

Ocorria desde o sul da Bahia, até o sul de Minas Gerais, sendo, provavelmente, a Serra da Mantiqueira como barreira geográfica com o muriqui-do-sul. Ocorre na floresta estacional semidecidual, não sendo necessário que a floresta seja primária. Prefere ficar nos estratos mais altos da floresta, mas pode descer até o chão. Atualmente, sua ocorrência é reduzida a poucos fragmentos de floresta em Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia e Rio de Janeiro.

É o maior primata sul-americano, chegando a pesar até 15 kg. Possui longos braços e uma cauda preênsil, que permite a braquiação. Ao contrário do muriqui-do-sul, possui manchas esbranquiçadas na face negra, assim como um polegar vestigial. Os testículos são volumosos, consequência de um sistema de acasalamento promíscuo.

É uma espécie considerada como "criticamente em perigo" pela IUCN e pelo IBAMA. Isso se deve principalmente a alta fragmentação da Mata Atlântica e à caça, que pode levar pequenas populações reduzidas à extinção rapidamente. Calcula-se que deva existir pouco mais de 850 indivíduos, localizados em fragmentos de floresta isolados entre si. A maior população encontra-se na RPPN Feliciano Miguel Abdala, que tem cerca de 900 hectares. Apesar da alta fragmentação do habitat, existe uma rede unidades de conservação que se bem manejada, pode salvar a espécie da extinção. Existem poucos indivíduos em cativeiro, e apenas o Centro de Primatologia do Rio de Janeiro mantém um programa de reprodução em cativeiro.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Muriqui vem do tupi muri'ki e significa gente que bamboleia, que vai e vem.[3] Também pode ser chamado de mono-carvoeiro, visto possuir uma pelagem mais clara, em contraste com mãos e faces de cor negras, lembrando os trabalhadores que queimam carvão vegetal, os carvoeiros.[4] Muriqui-do-norte é uma referência usada por esta ser a espécie com distribuição mais ao norte das duas espécies de muriquis.

Taxonomia e evolução[editar | editar código-fonte]

Os muriquis, apesar da semelhança morfológica com os macacos-aranhas, provavelmente são mais próximos dos macacos-barrigudos.

O muriqui-do-norte pertence ao gênero Brachyteles, que é um táxon monofilético da família Atelidae e subfamília Atelinae.[1] Foi descrito por Heinrich Kuhl em 1820.[1] O gênero Brachyteles foi considerado inicialmente como monotípico, sendo Brachyteles arachnoides a única espécie, com duas subespécies: B. a. arachnoides para as populações localizadas ao sul e B. a. hypoxanthus para as populações localizadas ao norte.[5] Muitas evidências demonstraram que a divisão dessas duas populações era válida, mas de forma mais radical, e atualmente, as populações ao sul (o muriqui-do-sul) são uma espécie e as do norte, outra.[5]

Estudos filogenéticos nem sempre são conclusivos quanto às relações evolutivas do gênero Brachyteles com os outros Atelinae, sendo algumas vezes considerado próximo aos macacos-barrigudos (gênero Lagothrix) ou aos macacos-aranhas (gênero Ateles).[6] [7] Estudos mais recentes e amplos corroboram com a hipótese da monofilia entre Lagothrix e Brachyteles, principalmente a partir de dados moleculares.[8] [9] [10] Mesmo assim, a relação desse gênero com os outros atelíneos, não é bem resolvida, pois os dados não conseguem sustentar uma relação entre qualquer um dos gênero de forma confiável.[11] Tal dificuldade deve-se, provavelmente, por uma diversificação muito rápida entre essas linhagens de atelíneos.[11] Sendo Brachyteles mais próximo de Lagothrix, talvez o comportamento de se manter em suspensão nas árvores evoluiu independentemente nos muriquis e nos macacos-aranhas.[12]

Apesar de não haver registro fóssil bem documentado, a espécie provavelmente já existia no Pleistoceno.[13] O gênero do Pleistoceno, Protopithecus, descoberto em Lagoa Santa, compartilhava características biogeográficas e morfológicas (como a capacidade de braquiação) o que já fez pensar que fosse o gênero de primata pré-histórico mais próximo dos muriquis.[14] Após a descoberta de um esqueleto mais completo (Protopithecus brasiliensis), Hartwig & Cartelle (1996) mudaram de posição, considerando Protopithecus como uma espécie altamente derivada de atelíneo não relacionada diretamente aos macacos-aranhas ou aos muriquis, tornando a história evolutiva dessa subfamília e consequentemente, dos muriquis, mais confusa.[15]

Distribuição geográfica e habitat[editar | editar código-fonte]

O muriqui-do-norte é encontrado nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia. Recentemente, foi registrado a ocorrência da espécie no Rio de Janeiro, mas em número muito reduzido.[16] O limite norte da espécie é o rio Jequiriçá, incluindo as florestas da margem direita do rio Paraguaçu.[2] Não ocorre nas florestas de terras baixas do extremo sul da Bahia e norte do Espírito Santo.[17] O limite sul não é muito claro, mas provavelmente a espécie não ocorre ao sul da Serra da Mantiqueira.[2]

Vivem em florestas entre 600 m e 1800 m de altitude, na Mata Atlântica, vivendo nos estratos mais altos das copas das árvores.[18] É preponderante que as florestas possuam árvores de grande porte para serem habitadas por muriquis.[19] Apesar de passarem a maior parte do tempo em cima das árvores, eles podem descer até o chão, principalmente em ambientes de floresta degradada.[20] Habitam predominantemente a floresta estacional semidecidual, dando preferência por floresta primária ou em estágios avançados de regeneração, mas essa preferência parece ser somente na estação mais seca do ano.[18] Ademais, foi reportada a presença da espécie em remanescentes de floresta altamente perturbados pelo homem.[18]

Atualmente, sua distribuição geográfica está restrita e fragmentada, tendo quase que desaparecido do estado da Bahia, embora foi registrada uma pequena população no vale do rio Jequitinhonha, próximo a Minas Gerais.[21] Ocorre em 12 localidades, espalhadas em cerca de 158 665 hectares, sendo que seis dessas são em propriedades particulares, e seis em áreas de proteção integral públicas.[2] A maior população conhecida se localiza em Minas Gerais, na cidade de Caratinga, na RPPN Feliciano Miguel Abdala.[2] [17]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O muriqui-do-norte possui manchas esbranquiçadas na face, ao contrário do muriqui-do-sul.

Os muriquis são os maiores Macacos do Novo Mundo, pesando entre 12 a 15 kg, com o corpo medindo até 78 cm de comprimento e a cauda, 79 cm.[18] Esses dados de peso são questionáveis, visto que são de animais em cativeiro, e dados de indivíduos em liberdade são significativamente menores do que esses: o macho, pesa em média 9,6 kg, e a fêmea 8,3 kg.[13] Indivíduos do Pleistoceno, poderiam chegar a 20 kg.[13] Possui longos membros, e uma cauda preênsil, lembrando, nestes aspectos, o macaco-aranha.[22] A pelagem é densa, e na maior parte das vezes é amarela-amarronzada. O muriqui-do-norte possui a face negra, com manchas esbranquiçadas, que podem ser usadas para diferenciar indivíduos, contrastando com o muriqui-do-sul, que possui toda a face de cor negra.[18] [23] Essas manchas aparecem quando o animal se torna adulto.[24] Também, diferenciando das populações de muriquis ao sul, possui um pequeno polegar, mas distinguível, ao contrário da outra espécie, que não possui polegar, ou é vestigial.[23] O dimorfismo sexual não é muito acentuado, mas os machos tendem a ser maios pesados, e apesar do comprimento do corpo ser semelhante entre os dois sexos, machos possuem membros e a cauda um pouco mais curtos.[7] [25] Os dados atuais, contrastam com os primeiros estudos dos muriquis, que os consideravam espécies com grande dimorfismo sexual.[25] É notável, em indivíduos de ambos os sexos e em todas as idades, que o ventre é bastante proeminente, dando a impressão de estar inchado.[18]

A cauda é muito longa e preênsil.

As manchas brancas da face também estão presentes no escroto.[26] Os testículos dos muriquis são muito volumosos se comparado com animais de porte semelhante, como Ateles geoffroyi, tendo em média, 952,4 mm³ de volume.[25] O pênis possui um báculo de 18 mm de comprimento, a glande é curta, em formato de funil, achatada na ponta.[26] A superfície da glande é complexa, com vários sulcos e circunvoluções.[26] O corpo do pênis possui o músculo bulbocavernoso é desenvolvido, sugerindo papel importante no sistema de acasalamento do muriqui.[26]

Os muriquis possuem a capacidade de braquiação, como os macacos-aranhas, e por isso apresenta adaptações semelhantes na anatomia locomotora.[27] Possuem cauda preênsil, muito comprida, com uma região na ponta sem pelos: essa cauda também é uma das mais compridas quando comparada aos outros macacos sul-americanos.[27] [28] As mãos com o polegar rudimentar e outros dedos muito longos tem relação com a locomoção braquiadora assistida pela cauda preênsil.[12] As adaptações do gênero Brachyteles lembram uma versão maior das do gênero Ateles: a escápula é posicionada dorsalmente à caixa torácica e alongada rostro-caudalmente, com a fossa glenoide apontando em direção frontal, mesmo quando os braços estão em posição de descanso.[27] Os membros superioress são muito longos, e como no macaco-aranha, são cerca de 5% maior que os membros inferiores.[27] Em comparação ao resto do corpo, os braços dos muriquis são cerca de 40% maiores.[27] O úmero também é muito semelhante ao do macaco-aranha, com uma cabeça globosa.[27]

Conservação[editar | editar código-fonte]

A RPPN Feliciano Miguel Abdala possui a maior população de muriquis-do-norte.

O muriqui-do-norte corre grave risco de extinção, principalmente devido à perda de habitat, e à caça, sendo listado como "criticamente em perigo" pela IUCN.[2] Das duas espécies de muriquis é a que corre maior risco de extinção, já que seu habitat encontra-se mais fragmentado que o do muriqui-do-sul, e sua população também é menor.[29] Esteve nas listas de 2000, 2002 e 2004 dos 25 primatas mais ameaçados do mundo.[29] [30] O IBAMA também considera a espécie como "criticamente em perigo".[31] Regionalmente, também tem seu estado de conservação considerado grave, sendo listado "criticamente perigo" também pela lista de animais ameaçados do Espírito Santo.[32] Na lista de espécies ameaçadas de Minas Gerais é considerado "em perigo".[33] No Rio de Janeiro, existe uma população muito reduzida de 50 indivíduos no Parque Nacional da Serra dos Órgãos e na Bahia, parece ocorrer apenas sete indivíduos na região do Alto Cariri.[16] [17] [21] A última estimativa da população dessa espécie de muriqui mostra que devam existir mais de 850 indivíduos na natureza, a maior parte deles no estado de Minas Gerais, ocorrendo as maiores populações na RPPN Feliciano Miguel Abdala, com 226 indivíduos, no Parque Estadual do Rio Doce, com 124 e no Parque Estadual Serra do Brigadeiro, com 226 indivíduos.[17] A maior população fora de Minas Gerais está no Espírito Santo, em Santa Maria de Jetibá, que vivem 84 indivíduos.[17] Essa estimativa tem números maiores das que foram feitas em anos anteriores, principalmente por conta da descoberta de novas populações, antes desconhecidas.[17] Mas deve-se ressaltar que nenhuma das populações conhecidas excedem 500 indivíduos, o que dá poucas perspectivas de sobrevivência a longo prazo delas.[17] Tais populações acabam se tornando vulneráveis a eventos estocásticos, como catástrofes, e à depressão de consanguinidade.[34]

A caça constitui um dos maiores problemas, mesmo em áreas protegidas, e é possível que as populações do sul da Bahia tenham se extinguido, apesar de haver consideráveis porções de floresta, por conta dessa atividade.[17] [21] [34] [35] A fragmentação do habitat faz com que a caça elimine rapidamente as já pequenas populações remanescentes da espécie.[34] De fato, o maior problema na conservação do muriqui-do-norte é a alta fragmentação do habitat, que está reduzido a menos de 5% de sua área original. Nesta paisagem fragmentada, estima-se que para que haja populações relativamente isoladas geneticamente viáveis, elas devem conter no mínimo 700 indivíduos, em florestas de pelo menos 11 570 hectares.[36] Mas, das 42 unidades de conservação da Mata Atlântica que estão na área de distribuição do muriqui-do-norte, apenas cinco contém populações viáveis por mais de 50 gerações.[37] Além disso, deve-se salientar, que a maior parte das áreas protegidas também são pequenas demais, tendo, na maioria das vezes, menos de 10 000 hectares.[37] Apesar desses problemas, a rede de unidades de conservação, se bem manejada e integrada, é o suficiente para evitar a extinção da espécie.[37]

Em algumas localidades, observou-se o aumento do número de indivíduos, desde o início das pesquisas de ecologia e comportamento dos muriquis, como observado em Minas Gerais.[38] Na RPPN Feliciano Miguel Abdala, um dos principais locais de estudo do muriqui-do-norte e também o que possui a maior população conhecida, ela cresceu de 60 indivíduos, na década de 1980 para quase 300, em cerca de 30 anos..[39] A área é demasiado pequena, e parece já ter chegado à sua capacidade de suporte, o que mostra que é necessário expandir a área da reserva e de florestas.[39] Por isso, a concretização de um corredor ecológico entre essa unidade de conservação e outra, a RPPN Mata do Sossego, é preponderante na viabilidade dessas populações de muriquis-do-norte.[40]

Poucos animais existem em cativeiro, e no passado, não houve o interesse em realizar um programa eficiente de reprodução, e apenas o Centro de Primatologia do Rio de Janeiro conseguiu esse feito.[41]

Referências

  1. a b c Groves, C.. In: Wilson, D. E., and Reeder, D. M. (eds). Mammal Species of the World. 3rd edition ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 16 de novembro de 2005. Capítulo: Order Primates. , ISBN 0-801-88221-4 OCLC 62265494
  2. a b c d e f Mendes, S.L., de Oliveira, M.M., Mittermeier, R.A. & Rylands, A.B. (2008). Brachyteles hypoxanthus (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 2. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  3. Ferreira, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 172
  4. Strier, K.B.. Faces in the Forest: The endangered Muriquis Monkeys of Brazil. Oxford: Oxford University Press, 1992. Capítulo: Charcoal Monkey. , 3-9 p. ISBN 0-19-506339-2
  5. a b Rylands AB e Mittermeier RA. In: Garber PA, Estrada A, Bicca-Marques JC, Heymann EW, Strier KB (eds). South American Primates: Comparative Perspectives in the Study of Behavior, Ecology, and Conservation. Nova Iorque: Springer, 2009. Capítulo: The Diversity of the New World Primates (Platyrrhini): An Annotated Taxonomy. , 23–54 p. ISBN 978-0-387-78704-6
  6. Schneider, H.; Schneider, M.P.C.; Sampaio, I.; Harada, M.L.; Stanhope, M.; Czelusniak, J.; Goodman, M.. (1993). "Molecular Phylogeny of the New World Monkeys (Platyrrhini, Primates)". Molecular Phylogenetics and Evolution 2 (3): 225-242. DOI:10.1006/mpev.1993.1022.
  7. a b Rosenberger, A.L.; Strier, K.. (1989). "Adaptative radiation of the ateline primates". Journal of Human Evolution 18 (7): 717-750. DOI:10.1016/0047-2484(89)90102-4.
  8. Collins, A.C.. (2004). "Atelinae Phylogenetic Relationships: The Trichotomy Revived?". American Journal of Physical Anthropology 124 (4): 285-296. DOI:10.1002/ajpa.10358.
  9. Chaterjee, H.J.; Ho, S.Y.; Barnes, I.; Groves, C.. (2009). "Estimating the phylogeny and divergence times of primates using a supermatrix approach". BMC Evolutionary Biology 9: 1-19. DOI:10.1186/1471-2148-9-259.
  10. Meireles, C.M.; Czelusniak, J.; Schneider, M.P.C.; Muniz, J.A.P.C.; Brigido, M.C.; Ferreira, H.S.; Goodman, M.. (1999). "Molecular Phylogeny of Ateline New World Monkeys (Platyrrhini, Atelinae) Based on γ-Globin Gene Sequences: Evidence That Brachyteles Is the Sister Group of Lagothrix". Molecular Phylogenetics and Evolution 12 (1): 10-30. DOI:10.1006/mpev.1998.0574.
  11. a b de Lima, M. M. C., Sampaio, I., Vieira, R. D. S., & Schneider, H.. (2007). "Spider monkey, Muriqui and Woolly monkey relationships revisited". Primates 48 (1): 55-63. DOI:10.1007/s10329-006-0012-3. ISSN 1610-7365.
  12. a b Hartwig, W.. (2005). "Implications of molecular and morphological data for understanding ateline phylogeny". International Journal of Primatology 26 (5): 999-1015. DOI:10.1007/s10764-005-6455-4. ISSN 1573-8604.
  13. a b c Peres, C.. (1994). "Which are the largest New World monkeys?". Journal of Human Evolution 26 (3): 245-249. DOI:10.1006/jhev.1994.1014.
  14. Hartwig, W. C.. (1995). "A giant New World monkey from the Pleistocene of Brazil". Journal of Human Evolution 28 (2): 189-195. DOI:10.1006/jhev.1995.1013.
  15. Hartwig, W. C., & Cartelle, C.. (1996). "A complete skeleton of the giant South American primate Protopithecus". Nature 381: 307-311. DOI:10.1038/381307a0.
  16. a b Cunha,A.A.; Grelle, C.E.V.; Boubli, P.. (2009). "Distribution, population size and conservation of the endemic muriquis (Brachyteles spp.) of the Brazilian Atlantic Forest". Oryx 43 (2): 254-257. DOI:10.1017/S003060530700230X.
  17. a b c d e f g h Mendes, S.L.; Melo, F.R.; Boubli, J.; Dias, J.; Strier, K.B.; Pinto, L.P.S.; Fagundes, V.; Cosenza, B.; Marco JR, p.. (2005). "Directives for the conservation of the Northern Muriqui, Brachyteles hypoxanthus (Primates, Atelidae)". Neotropical Primates 13 (Suppl.): 7-18.
  18. a b c d e f Nishimura, A.; Fonseca, G.A.B.; Mittermeier, R.A.; Young, A.L.; Strier, K.B.; Valle, C.M.C.. In: Mittermeier, R., Rylands, A.; Coimbra-Filho, A.F.. Ecology and Behavior of Neotropical Primates - Volume2. Washington, DC: World Wildlife Fund, 1988. Capítulo: The Muriqui, Genus Brachyteles. , 577-610 p.
  19. Lemos de Sá, R.M.; Strier, K.B.. (1992). "A Preliminary Comparison of Forest Structure and Use by Two Isolated Groups of Woolly Spider Monkeys, Brachyteles arachnoides". Biotropica 24 (3): 455-459.
  20. Mourthé, Í., Guedes, D., Fidelis, J., Boubli, J. P., Mendes, S. L., & Strier, K. B.. (2007). "Ground use by northern muriquis (Brachyteles hypoxanthus)". American Journal of Primatology 69 (6): 706-712. DOI:10.1002/ajp.20405.
  21. a b c Melo, F.R.; Chiarello,A.G.; Faria, M. B.; Oliveira, P.A.; Freitas, R. L. A.; Lima, F.S.; Ferraz, D.S.. (2004). "Novos Registros de Muriqui-do-Norte (Brachyteles hypoxanthus) no Vale do Rio Jequitinhonha, Minas Gerais e Bahia". Neotropical Primates 12 (3): 139-143. DOI:10.1896/1413-4705.12.3.139.
  22. Nowak, R.M.. Walker's Primates of the World. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1999. Capítulo: New World Monkeys Cebidae. , 97-117 p. ISBN 0-8018-6251-5
  23. a b Lemos de Sá, R. M.; Pope, T. R.; Glander, K. E.; Struhsaker, T. T.; da Fonseca, G. A. B.. (1990). "A pilot study of genetic and morphological variation in the muriqui (Brachyteles arachnoides)". Primate Conservation 11: 26–30.
  24. Strier, K.B.. In: Pereira, M.E.; Fairbanks, L.A.. Juvenile primates: life history, development, and behavior. Chicago: University of Chicago Press, 1993. Capítulo: Growing up in a patrifocal society: sex differences in the spatial relations of immature muriquis. , 138-147 p. ISBN 9780195072068
  25. a b c Lemos de Sá, R. M.; Glander, K. E.. (1993). "Capture techniques and morphometrics for the woolly spider monkey, or muriqui (Brachyteles arachnoides, E. Geoffroy 1806)". American Journal of Primatology 29 (2): 145-152. DOI:10.1002/ajp.1350290206.
  26. a b c d Dixson, A. F., Pissinatti, A., & Anderson, M. J.. (2004). "Observations on Genital Morphology and Anatomy of a Hybrid Male Muriqui (Genus Brachyteles)". Folia Primatologica 75 (2): 61-69. DOI:10.1159/000076264.
  27. a b c d e f Rosenberger, A.L.; Halenar, L.; Cooke, S.B.; Hartwig, W.C.. In: Campbell, C.J.. Spider Monkeys: Behavior,Ecology and Evolution of the Genus Ateles. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. Capítulo: Morphology and evolution of the spider monkey, genus Ateles. , 19-50 p. ISBN 978-0-521-86750-4
  28. Rosenberger, A. L.. (1983). "Tale of tails: parallelism and prehensility". American Journal of Physical Anthropology 60 (1): 103-107. DOI:10.1002/ajpa.1330600114.
  29. a b Mittermeier, R.A.; Valladares-Pádua, C.; Rylands, A.B.; Eudey, A.A.; Butynski, T.M.; Ganzhorn, J.U.; Kormos, R.; Aguiar, J.M.; Walker; S.. (2005). "Primates in Peril: The World's 25 Most Endangered Primates 2004–2006" (PDF). Primate Conservation 20: 1–28. IUCN/SSC Primate Specialist Group.
  30. Mittermeier, R.A.; Wallis, J.; Rylands, A.B.; Ganzhorn, J.U.; Oates, J.F.; Williamson, E.A.; Palacios, E.; Heymann, E.W.; Kierulff, M.C.M.; Long Yongcheng, Supriatna; J.; Roos, C.; Walker, S.; Cortés-Ortiz, L.; Schwitzer, C.;. (2009). "Primates in Peril: The World's 25 Most Endangered Primates 2008–2010" (PDF): 1–57. IUCN/SSC Primate Specialist Group (PSG), International Primatological Society (IPS), and Conservation International (CI).
  31. Costa, L.P.; Leite, Y.L.R.; Mendes, S.L.; Ditchfield, A.B.. (2005). "Conservação de mamíferos no Brasil". Megadiversidade 1 (1): 103-112.
  32. Passamani, M.; Mendes, S.L.. Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado do Espírito Santo. Vitória, ES: Instituto de Pesquisas da Mata Atlântica, 2007. 140 p.
  33. Drummond, G.M.; et al. Listas Vermelhas de Fauna e Flora Ameaçadas de Extinção de Minas Gerais. 2º ed. Belo Horizonte, MG: Fundação Biodiversitas, 2008. ISBN 978-85-85401-23-8
  34. a b c Melo, F.R.; Dias, L.G.. (2005). "Muriqui populations reported in the literature over the last 40 years". Neotropical Primates 13 (Suppl.): 19-24.
  35. Cosenza, B.A.P.; Melo, F.R.. . "Primates of the Serra do Brigadeiro State Park, Minas Gerais, Brazil.". Neotropical Primatesd 6 (1): 18-20.
  36. Brito, D.; Grelle, C.E.V.. . "Estimating minimum area of suitable habitat and viable population size for the northern muriqui (Brachyteles hypoxanthus)". Biodiversity and Conservation 15 (13): 4197–4210. DOI:10.1007/s10531-005-3575-1. ISSN 1572-9710.
  37. a b c Brito, D., Grelle, C. E. V., & Boubli, J. P.. (2008). "Is the Atlantic Forest protected area network efficient in maintaining viable populations of Brachyteles hypoxanthus?". Biodiversity and Conservation 17 (13): 3255-3268. DOI:10.1007/s10531-008-9427-z. ISSN 1572-9710.
  38. Strier, K.B.; Mendes, S.. In: Kappeler, P.M.; Watts, D.P.. Long-term Field Studies of Primates. New York: Springer, 2012. Capítulo: The Northern Muriqui (Brachyteles hypoxanthus): Lessons on Behavioral Plasticity and Population Dynamics from a Critically Endangered Species. , 125-141 p. ISBN 978-3-642-22514-7
  39. a b Strier, K.B.; Ives, A.R. (2012). "Unexpected Demography in the Recovery of an Endangered Primate Population". PLoS ONE 7 (9): e44407. DOI:10.1371/journal.pone.0044407.
  40. Corredor Ecológico Sossego-Caratinga. Fundação Biodiversitas. Página visitada em 22 de março de 2013.
  41. Pissinatti, A.. . "Management of muriquis (Brachyteles, Primates) in captivity". Neotropical Primates 13 (Suppl.): 93-99.
Portal A Wikipédia possui o
Portal dos Primatas.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Brachyteles hypoxanthus
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Brachyteles hypoxanthus