Branquinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Branquinha
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 18 de maio
Fundação 1962
Gentílico branquinhense
Prefeito(a) Ana Renata da Purificação Moraes (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Branquinha
Localização de Branquinha em Alagoas
Branquinha está localizado em: Brasil
Branquinha
Localização de Branquinha no Brasil
09° 14' 45" S 36° 00' 54" O09° 14' 45" S 36° 00' 54" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Leste Alagoano IBGE/2008[1]
Microrregião Mata Alagoana IBGE/2008[1]
Região metropolitana Zona da Mata
Municípios limítrofes Murici, União dos Palmares e Capela, Viçosa, Chã Preta, Santana do Mundaú, Joaquim Gomes e Flexeiras
Distância até a capital 64 km
Características geográficas
Área 191,011 km² [2]
População 10 586 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 55,42 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,513 baixo PNUD/2000[4]
PIB R$ 37 094,217 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 3 055,03 IBGE/2008[5]
Página oficial

Branquinha é um município brasileiro do estado de Alagoas. Sua população estimada em 2004 era de 12.874 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

A colonização da cidade começou por volta de 1870. Moradores recém-chegados de outras regiões foram instalando pequenos sítios. A vila foi crescendo às margens do rio Mundaú.

O progresso da região foi impulsionado a partir de 1955, quando lideranças locais começaram a lutar pela emancipação política. Nomes como ex-deputado Pedro Timóteo Acioli Filho, Manoel Gomes Peixoto e Emílio Elizeu Maia de Omena faziam parte desse grupo. Só em 1962, através de uma lei, é que o município conseguiu a emancipação, sendo desmembrado de Murici.

Em 2010 devido as Enchentes em Alagoas e Pernambuco em 2010, a cidade ficou praticamente destruída. Somente as construções mais resistentes ficaram de pé. Mais de 100 pessoas estão desaparecidas.

Várias organizações de voluntários estiveram presentes logo após a enchente, um grupo notável foi o Voluntários da Esperança que implantou na cidade o Projeto Branquinha da Gente.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia da cidade é baseada na lavoura destacando-se as plantações de cana-de-açucar, laranja, mandioca, batata bem como a pecuária.

A feira livre apresenta um bom desenvolvimento em virtude da existência de 5 assentamentos com plantações de lavouras de subsistências, comercializadas na sede e nos municípios vizinhos.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Alagoas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.