Brasil na Copa do Mundo FIFA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Futebol.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição.

Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Seleção Brasileira de Futebol
Brasil.
Alcunhas?  Verde-Amarela
Canarinho
Associação Confederação Brasileira de Futebol (CBF)
Confederação FIFA
Material desportivo?  Estados Unidos Nike
Treinador Dunga[carece de fontes?]
Capitão Thiago Silva
Mais participações Cafu (148)
Artilheiro Ronaldo (95)
Kit left arm bra10h.png Kit body bra10h.png Kit right arm bra10h.png
Kit shorts bra10H.png
Kit socks bra10h.png
Uniforme
titular
Kit left arm bra10a.png Kit body bra10a.png Kit right arm bra10a.png
Kit shorts bra10a.png
Kit socks bra10a.png
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção Brasileira é a única a participar de todas as copas do mundo de futebol. É também a única seleção pentacampeã mundial.

Uruguai 1930[editar | editar código-fonte]

No Uruguai, em 1930, o Brasil esteve presente para a disputa da 1ª Copa do Mundo, mas um desentendimento entre times do Estado do Rio de Janeiro e times do Estado de São Paulo, ao preparar a escolha de seus jogadores, fez com que os melhores jogadores não participassem. A seleção entrou em um triangular com Iugoslávia e Bolívia, onde somente o primeiro do grupo se classificaria. A Iugoslávia venceu o Brasil por 2 gols a 1, porém venceu a Bolívia, sendo eliminado na primeira fase.

Itália 1934[editar | editar código-fonte]

Na Copa do Mundo de 1934, o Brasil foi eliminado ainda na primeira partida, no jogo contra a Espanha, onde perdeu por 3 a 1. Assim, a Seleção Brasileira aproveitou a viagem para realizar dois jogos amistosos. O primeiro em Belgrado, onde perdeu para a Seleção da Iugoslávia pelo placar 8 a 4. O segundo em Zagreb, onde empatou sem gols com o Gradjanski, uma equipe local.

França 1938[editar | editar código-fonte]

Na França, a Seleção Brasileira obteve o 3º lugar, sua melhor colocação até então nas Copas do Mundo. Eliminou a Polônia nas oitavas de final e a Tchecoslováquia nas quartas, perdendo para a Itália na semifinal. Ganhou da Suécia na disputa do 3º lugar. Leônidas da Silva conhecido como Diamante Negro, foi o artilheiro da competição com 7 gols.

Brasil 1950[editar | editar código-fonte]

Na Copa do Mundo de 1950 a Seleção Brasileira era tido como favorito ao título. Se classificou em 1º em seu grupo e, no quadrangular final, goleou Suécia pelo placar de 7-1 e Seleção Espanhola por 6-1. Precisava somente de um empate contra o Uruguai para obter o título, porém, o Uruguai venceu o Brasil por 2-1 de virada. A partida foi realizada no estádio Maracanã, construído especialmente para a Copa. A tragédia foi tão grande que o fato passou a ser chamado de "Maracanazo" pela imprensa hispânica.

Suíça 1954[editar | editar código-fonte]

Na Copa do Mundo de 1954, o Brasil, pela primeira vez, usou o uniforme com a camisa amarela e o calção azul. Depois da derrota no Mundial de 1950, o uniforme antigo (camisa azul e calção branco usado desde 1919) foi considerado azarado. A Seleção Brasileira estava em um período de entressafra, e a desorganização era tão grande, que os jogadores mal sabiam o regulamento da competição. O Brasil conseguiu se classificar, vencendo o México e empatando com a Iugoslávia, mas nas quartas-de-final enfrentou a poderosa Hungria de Kocsis e Puskás, sensação daquela Copa, e perdeu de 4-2, sendo eliminada. Foi nesta copa que a Hungria emplacou o aquecimento antes dos jogos e depois todos os times copiaram.

Suécia 1958[editar | editar código-fonte]

O primeiro título do Brasil. A seleção ficou em 1º lugar num grupo forte, que tinha Inglaterra, União Soviética e Áustria. Ganhou com dificuldade do País de Gales, que utilizava um esquema fortemente defensivo, nas quartas-de-final. Na semifinal, goleou por 5á2 a França. A final foi disputada no Estádio Råsunda entre Brasil e Suécia. O Brasil perde o sorteio e joga de azul, ambos os times tinham o uniforme nº 1 em amarelo. A Seleção Brasileira vence por 5á2, mesmo placar que aplicara na semifinal. Nesta partida, a seleção tinha jogadores como: Pelé, Vavá, Zito, Mazzolla, Garrincha, Didi, Gilmar, Zagallio, entre outros. Assim o Brasil, que jogou com a base do Santos Futebol Clube e Botafogo do Rio, sagrava-se pela primeira vez Campeão Mundial de Futebol. Marcando para o mundo o surgimento de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, com apenas 17 anos.

Chile 1962[editar | editar código-fonte]

A seleção faz seu bicampeonato nesta Copa. O Brasil se classificou em 1º do grupo forte. Eliminou a Inglaterra nas quarta-de-final e o Chile na semifinal. Na final, o Brasil, com a base do Santos Futebol Clube e Botafogo do Rio, venceu a Tchecoslováquia por 3á1 gols. Os jogadores Garrincha, Nilton Santos, Zagallo e Vavá foram grandes destaques, tendo o Pelé se contundido e foi substituído por Amarildo, que deu conta do recado.

Inglaterra 1966[editar | editar código-fonte]

Na busca pelo tricampeonato, o Brasil apresentou um time desorganizado e extremamente confuso, chegando a convocar mais de 40 jogadores. A Seleção acabou eliminada ainda na primeira fase, após perder para Portugal por 3-1 gols. Partida marcada pelas jogadas violentas contra Pelé, que acabou se machucando. E também foi quando fizeram seu primeiro mascote.

México 1970.[editar | editar código-fonte]

Brasil e Itália duelaram no estádio de Azteca, México, disputando o título de Primeira Seleção Tricampeã Mundial. Brasil venceu a competição por 4 x 1 gols, conquistando a Taça Jules Rimet em definitivo. A Seleção Brasileira da época, que, para evitar a repetição do fiasco de 1966, realizou grande preparo físico e organização antes da Copa, foi considerada uma das melhores da História. O técnico era o Zagalo, mas quem organizava tudo eram os jogadores Pelé, Gerson, Carlos Alberto e Rivelino. Pelé, que estava disputando sua quarta e última copa, queria ser tricampeão e conseguiu. A Seleção Brasileira contou novamente com jogadores do Santos e Botafogo, mas agora com reforço de jogadores do Cruzeiro de Minas Gerais.

Alemanha Ocidental 1974[editar | editar código-fonte]

Zagallo e sua equipe, agora sem o Pelé, tentaram o tetracampeonato com um time muito discutido pela imprensa brasileira. Mas a Seleção não resistiu à inovação colocada em campo pela Laranja Mecânica da Holanda, e acabou em quarto lugar após perder para a Polônia.

Argentina 1978[editar | editar código-fonte]

A Copa da Argentina é certamente a mais suspeita das copas. O Brasil conquistou o terceiro lugar, invicto, mais empatando do que vencendo. O árbitro anulou um gol do Brasil contra a Suécia, após a cobrança de escanteio onde o Zico fez 2x1, mas o árbitro apitou com a bola no ar, não dando nada de acréscimo. E só não chegou à final por causa da suspeitíssima goleada de 6 a 0 da Argentina contra o Peru, já que a Argentina sabia de quanto precisava ganhar. Depois da vitória argentina, torcedores brasileiros foram humilhados e agredidos por torcedores locais: numa agência da Varig, sob ameaça de agressão. Nesta Copa, o técnico Cláudio Coutinho criou uma das jóias do anedotário futebolístico ao afirmar que o Brasil foi o campeão moral da competição. A partir daí, todos os jogos decisivos, passaram a ser jogados no mesmo horário e foi instituído a placa dos minutos de acréscimo, tendo o árbitro esperar a conclusão da jogada, para encerrar a partida..

Espanha 1982[editar | editar código-fonte]

A Seleção Brasileira era considerada a melhor equipe do mundo, recheada de craques como Zico, Sócrates e Falcão, comandados por Telê Santana. A Seleção jogava pelo empate e o jogo estava empatado por 2x2 até quase no final do segundo tempo, quando o jogador Toninho Cerezo faz uma jogada de recuo e o goleiro do Brasil pegou a bola antes de passar pela linha de fundo, mas o bandeira sinaliza escanteio. Após a cobrança de escanteio acontece o terceiro gol da Itália, o terceiro marcado por Paolo Rossi e decreta a tragédia do Sarriá.

México 1986[editar | editar código-fonte]

Problemas variados atrapalharam o Brasil na Copa de 1986. Várias lesões atrapalharam a formação de um time tão forte quanto o de 1982: Cerezo foi cortado, Zico e Falcão não tinham condições de serem titulares. Renato Gaúcho foi cortado por indisciplina e Leandro o acompanhou, em solidariedade. No desembarque no México, Zico fazia tratamento intensivo para poder se recuperar a tempo de jogar; Júnior e Sócrates não estavam em suas melhores condições físicas. No início da Copa do México, a esperança era de repetir a campanha de 1970. Zico e companhia ganharam sofrendo os 2 primeiros jogos; o primeiro contra uma surpreendente (para a época) Espanha, e com a ajuda do juiz que não viu que o arqueiro brasileiro Carlos retirou uma bola de dentro do gol. O segundo contra a Argélia que diferente da copa anterior, não surpreendeu ninguém, o jogo poderia e deveria ter sido facil, mas não foi. Jogaram melhor nos outros dois, contra a Irlanda e depois contra a Polonia, o Brasil mostrou sua superioridade no futebol mundial. Mas acabaram eliminados nas quartas-de-final pela França de Platini nos pênaltis. Apesar dos pesares, no final das contas teve uma efetividade melhor que a poderosa seleção de 1982, mesmo apresentando um futebol inferior, mas não foi suficiente para passar pela França. Telê Santana ganhava de vez a fama de pé frio.

Itália 1990[editar | editar código-fonte]

O Brasil havia ganho a Copa América de 1989, após 40 anos sem o título, e havia animação quanto ao possível desempenho do Brasil na Copa. Mas, treinada por Sebastião Lazaroni, a Seleção Brasileira não foi bem. Utilizando pela primeira vez o esquema 3-5-2, o time foi considerado muito defensivo e com um futebol ultrapassado. A Seleção obteve magras vitórias na primeira fase. O confronto entre Brasil e Argentina pelas oitavas de final foi um dos piores jogos da historia da copa. A lesão de Romário e a falta de união do grupo de jogadores foi apontada como a principal causa para a eliminação. Com o ambiente interno dividido por intrigas entre jogadores e comissão técnica. O futebol sofreu um grande abalo emocional após esta copa. Tendo reflexo inclusive nos espaços na mídia.

Estados Unidos 1994[editar | editar código-fonte]

Após um jejum de 24 anos sem conquista, a equipe brasileira foi para a Copa do Mundo dos Estados Unidos em 1994 desacreditada. Seu técnico, Carlos Alberto Parreira, com fama de turrão, convocou Romário, que era unanimidade nacional, apenas nas últimas partidas das eliminatóras na partida , onde Romário marcou varias vezes. A dupla Romário e Bebeto fez grandes apresentações e levaram o Brasil à final. Numa partida sem gols, Brasil e Itália fizeram a primeira final de Copa do Mundo definida por pênaltis. O tetracampeonato veio após Roberto Baggio mandar a bola aos ares e finalizar 3 a 2 . O campeonato serviu como uma redenção a quem ja desacreditava no futebol como esporte nacional.

França 1998[editar | editar código-fonte]

A esperança do penta estava toda depositada na dupla que havia feito sucesso nos anos anteriores, Ronaldo e Romário. Mas pouco antes da Copa, o Baixinho foi cortado. A Seleção apresentou-se como um bom time, mas havia dúvidas se era forte o suficiente para conquistar o título, pois apresentava deficiências que poderiam ser fatais em algum momento. Após uma difícil semifinal contra a talentosa Holanda, jogo que era considerado por alguns "a final antecipada", parecia que a Seleção conquistaria o penta. Mas a final contra a França foi, talvez, a mais estranha de todas as finais de Copa já realizadas. Ronaldo, o "Fenômeno", então considerado o melhor jogador do mundo, teve problemas que, até hoje, são motivos de controvérsia durante a final contra os donos da casa: citaram-se a possibilidade de convulsões, cansaço ou até mesmo uma má atuação proposital. O Brasil foi goleado pela França de Zidane por 3 a 0 em péssima atuação de todo o time, o que gera até hoje comentários de que a Copa foi "vendida". Cada jogador brasileiro receberia o prêmio de U$ 250.000,00 para ser campeão ao passo que cada jogador francês ganharia U$ 1.000.000,00 para ser campeão. Uma diferença considerável e como jogavam todos juntos, houve mesmo esta suspeita, que segue mal explicada.

Coreia do Sul/Japão 2002[editar | editar código-fonte]

A seleção brasileira, na preparação para a Copa, não vinha apresentando bons resultados e a mudança constante de técnicos preocupava. O Brasil havia sido eliminado da Copa das Confederações e da Copa América, perdendo para a fraca seleção de Honduras. As eliminatórias foram sofridas, com o Brasil classificando em 3º lugar. Mas aí chegou o técnico Luís Felipe Scolari, famoso pelo seu pulso firme e seriedade. Ele comandou a seleção na Copa do Mundo de 2002 e não cedeu à pressão popular optando por não convocar Romário. Com um futebol pragmático, buscando o resultado, mas sem negar o talento brasileiro, a Seleção de Rivaldo, Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho obteve uma campanha numericamente perfeita: sete vitórias em sete jogos. Ronaldo marca dois gols na final, contra a Alemanha, e espanta o fantasma de quatro anos antes. Brasil pentacampeão mundial de futebol.

Alemanha 2006[editar | editar código-fonte]

A Seleção Brasileira entrou como natural favorita, devido à campanha da última Copa. Seu ataque era chamado de Quadrado Mágico (Ronaldo, Ronaldinho, Kaká e Adriano). Porém, a seleção não inspirava confiança à todos: havia poucos treinos, farra na concentração e declarações arrogantes. Notava-se, portanto, uma situação inversa à de 2002, onde a seriedade era total. Nos primeiros jogos, o Brasil demonstrava apatia e lentidão em campo, e classificou-se devido à pouca força dos adversários. Os comandados de Carlos Alberto Parreira acabaram caindo novamente diante dos carrascos franceses, liderados por Zidane e Henry. A derrota por um a zero foi decretada com o gol de Thierry Henry.

África do Sul 2010[editar | editar código-fonte]

A Seleção Brasileira, comandada pelo capitão do tetracampeonato de 1994, Dunga, venceu tudo que disputou antes da Copa do Mundo de 2010: a Copa das Confederações, a Copa América, e ficou em 1º das Eliminatórias. O Brasil chegava como favorito. O desempenho do técnico era excelente. Na Copa, ficou em 1º lugar de seu grupo, vencendo duas partidas e empatando uma, contra Portugal. Derrotou o Chile nas Oitavas-de-Final, e nas Quartas-de-Final, contra a Holanda, saiu vencendo por 1x0 no primeiro tempo, porém, a seleção voltou irreconhecível no segundo, não jogando o belo futebol apresentado no começo. Em duas jogadas aéreas do jogador Sneijder, o Brasil cedeu e sofreu a virada por 2 a 1, decretando o fim da segunda Era Dunga e também a eliminação brasileira na Copa. Vários motivos para a eliminação foram apontados pela torcida dentre eles a bola chamada Jabulani, que era muito leve e foi criticada antes do início da copa, pelo goleiro Julio Cesar, que disse parecer bola de voley. Nesta copa a Fifa não proibiu o o som das vuvuzelas (cornetas de plásticos), que ecoaram por todos os jogos.

Desempenho...[editar | editar código-fonte]

ano Desempenho Colocação J V E D GP GC
1930
primeira fase
6
2
1
0
1
5
2
1934
primeira fase
14
1
0
0
1
1
3
1938
terceira fase
3
5
3
1
1
14
11
1950
vice-campeões
2
6
4
1
1
22
6
1954
quartas-de-final
5
3
1
1
1
8
5
1958
campeão
1
6
5
1
0
16
4
1962
campeão
1
6
5
1
0
14
5
1966
primeira fase
11
3
1
0
2
4
6
1970
campeão
1
6
6
0
0
19
7
1974
quarta colocação
4
7
3
2
2
6
4
1978
terceira colocação
3
7
4
3
0
10
3
1982
quartas-de-final
5
5
4
0
1
15
6
1986
quartas-de-final
5
5
4
1
0
10
1
1990
oitavas-de-final
9
4
3
0
1
4
2
1994
campeão
1
7
5
2
0
11
3
1998
vice-campeões
2
7
4
1
2
14
10
2002
campeão
1
7
7
0
0
18
4
2006
quartas-de-final
5
5
4
0
1
10
2
2010
quartas-de-final
5
5
3
1
1
9
4
2014
quarta colocação
4
7
3
2
2
11
14
Total
5/20
-
104
70
17
17
221
102

Lista de Pênaltis[editar | editar código-fonte]

Penaltis Desperdiçados[editar | editar código-fonte]

1934

Aos 25 minutos do segundo tempo, Waldemar de Brito foi o primeiro jogador brasileiro a perder um pênalti. Sua cobrança foi defendida pelo goleiro espanhol Zamora. A Espanha derrotou o Brasil por 3 a 1.

1938

Brasil e Suécia disputavam o terceiro lugar no campeonato. O jogo estava em 2 a 0 para o Brasil quando o ponta Patesko chutou um pênalti para fora. Mesmo assim, o time verde-amarelo saiu vitorioso por 4 a 2.

1986

O mais famoso pênalti desperdiçado pela Seleção Brasileira aconteceu em 1986. Branco sofreu um pênalti do goleiro francês aos 28 minutos do segundo tempo. Quem cobrou foi Zico, mas Bats defendeu. A prorrogação terminou em 1 a 1 e foi para a disputa dos pênaltis. O Brasil acabou saindo da Copa do México após Sócrates e Júlio César perderem seus chutes.

1994

No jogo decisivo contra a Itália, Márcio Santos teve seu pênalti defendido pelo goleiro Pagliuca. Mas o tetra foi garantido quando o Brasil venceu a Itália, na cobrança dos penais, por 3 a 2.

2014

Na disputa de pênaltis contra o Chile, Willian (para fora) e Hulk (defesa do goleiro Bravo) desperdiçaram suas cobranças. O Brasil venceu por 3x2 e avançou as 4as-de-finais.

Pênaltis perdidos contra o Brasil[editar | editar código-fonte]

1930

Na Copa do Uruguai, o Brasil estava empatado com a Bolívia em 0 a 0. Até que o goleiro Velloso defendeu um pênalti cobrado pelo meio-campista Sáenz. O jogo terminou 4 a 0 para o Brasil.

1986

Brasil e França decidiam o jogo nos pênaltis quando o francês Platini chutou alto e desperdiçou sua cobrança. Mesmo assim, a França saiu vitoriosa do gramado: 4 a 3.

1994

Final da copa entre Brasil e Itália. A partida seria decidida pela cobrança alternada de pênaltis. Os jogadores Baresi e Baggio chutaram fora e o goleiro brasileiro Taffarel defendeu o chute de Massaro. Resultado: 3 a 2 para o Brasil e o quarto título mundial para a seleção brasileira.

1998

Semi-final, Brasil contra a Holanda. A partida terminou 1 a 1 no tempo regulamentar. Nos pênaltis, os quatros cobradores brasileiros — Ronaldo, Rivaldo, Émerson e Dunga — converteram. Do lado adversário, o terceiro e o quarto, Cocu e Ronald de Boer, pararam nas mãos de Taffarel. O Brasil se classificou para a final contra os franceses, donos da casa.

2014

Disputa de penaltis contra o Chile, em partida válida pelas 8as-de-final. Os chilenos Pinilla (defesa de Julio Cesar), Alexis Sanches (defesa de Julio Cesar), e Jara (na trave) desperdiçaram suas cobranças.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c FIFA.com (abril de 2011). Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola (em português). Página visitada em 6 de maio de 2011.