Brian Aldiss

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Brian Aldiss
Brian Aldiss 2005.JPG
Brian Aldis na 63ª Convenção de Ficção Científica em Glasgow, Agosto de 2005
Nacionalidade Reino Unido Flag of the United Kingdom.svg
Data de nascimento 18 de Agosto de 1925 (88 anos)
Gênero(s) Ficção científica
Influências H. G. Wells

Brian Wilson Aldiss (Norfolk, 18 de agosto de 1925) é um escritor inglês de ficção científica. Grandemente influenciado pelo pioneiro de ficção científica H. G. Wells, Aldiss é o vice-presidente da H. G. Wells Society.

Seu conto Super-Toys Last All Summer Long serviu de base a Stanley Kubrick e Steven Spielberg para o roteiro do filme A.I. - Inteligência Artificial.


Biografia[editar | editar código-fonte]

Em 1943 alistou-se no regimento dos Royal Signals, e prestou serviço militar na Birmânia. Foram talvez as florestas tropicais desse país que o inspiraram a escrever Hothouse ("A Longa Tarde da Terra", na edição portuguesa).

Em 1983 recebeu o John W. Campbell Memorial Award pela sua obra A primavera de Helicónia, a primeira parte de uma trilogia que também inclui O verão de Helicónia e O inverno de Helicónia.

Livros[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • The Rain Will Stop (1942), publicado apenas em 2000 pela The Pretentious Press
  • The Brightfount Diaries (1955)
  • Space, Time and Nathaniel (1957) Coletânea de contos; toda a sua ficção científica publicada até então, incluindo "T", sua primeira estória publicada, e "Not For an Age". Aldiss publicara apenas treze estórias e uma décima quarta foi escrita apressadamente para chegar no número desejado.
  • Non-Stop (1958) Um membro de uma tribo de cultura primitiva investiga a os corredores selvagens e sombrios que o envolvem para finalmente descobrir a verdadeira natureza do universo em que habita.
  • Equator (1958)
  • The Canopy of Time (1959) Coletânea de contos
  • No Time Like Tomorrow (1959) Coletânea de contos. (Inclui as seguintes estórias: T, Not for an Age, Poor Little Warrior!, The Failed Men, Carrion Country, Judas Danced, Psyclops, Outside, Gesture of Farewell, The New Father Christmas, Our Kind of Knowledge)
  • The Interpreter (1960) Um conto sobre o enorme e antigo império galáctico dos Nuls, civilizada raça alienígena gigante de três membros. A Terra é apenas uma colônia de somenos importância comandada por um tirano Nul, refletindo a complexa relação existente entre raças imperialistas e subjugadas da qual o próprio Aldiss teve a chance de presenciar em primeira mão quando servia nos fortes da Índia e Indonésia.
  • The Male Response (1959)
  • The Primal Urge (1961)
  • Hothouse ("A Longa Tarde da Terra", na edição portuguesa) (1962) A estória se passa na Terra de um futuro distante, onde o planeta parou de girar, o Sol aumentou sua intensidade e as plantas estão engajadas num constante frenezi de crescimento e perecimento. Esta colagem de estórias ganhou o Prêmio Hugo por conto de ficção em 1962.[carece de fontes?]
  • The Airs of Earth (1963) Coletânea de contos
  • The Dark Light Years (1964): o encontro de humanos com os utods, alienígenas gentis cuja saúde física e mental requer chafurdarem-se na lama e sujeira e nem mesmo são reconhecidos como inteligentes pelos humanos.
  • Greybeard (1964) Situado décadas após a esterilização da população da Terra devido a testes com bombas nucleares conduzidos na órbita do planeta, o livro mostra um mundo em esvaziamento, ocupado por uma população envelhecida e sem filhos.
  • Best SF stories of Brian Aldiss (1965)
  • Earthworks (1965)
  • The Impossible Smile (1965)
  • The Saliva Tree and other strange growths (1966) Coletânea. O título da coletânea, The Saliva Tree foi dado como forma de marcar o centenário do nascimento de H.G. Wells e recebeu o Prêmio Nebula de 1965 pela melhor novela[carece de fontes?].
  • An Age (1967) um romance de viagens no tempo distópico.
  • Report On Probability A (1968) Descrito por Aldiss como um anti-romance, a maior parte dele é constituída pelo Relatório, descrevendo em detalhes mínimos, obsessivos e muitas vezes repetitivos, três personagens, G, S, e C, enquanto vigiam secretamente uma casa, cada um de um prédio vizinho diferente com visões periféricas das janelas da casa, captando vislumbres ocasionais de sua ocupante, Mrs Mary. Enquanto o Relatório é lido por uma personagem chamada "Domoladossa", ele é secretamente observado de outros universos e estes observadores, por sua vez, também são observados, todos eles engajados na fútil especulação sobre a exata natureza da Probabilidade A e o exato significado da pintura vitoriana O Pastor Mercenário (do pré-rafaelita William Holman Hunt), a qual é citada no Relatório. Mais tarde, ficamos sabendo que Mrs. Mary está vendo uma tela de si mesma, apesar de que possa ser apenas um aparelho de televisão, e é sugerido que a pintura possa ser uma janela para um mundo onde o tempo está parado.
  • Farewell Fantastic Venus (1968)
  • Barefoot in the Head (1969) Talvez o trabalho mais experimental de Aldiss. Situado numa Europa alguns anos após uma guerra no Oriente Médio levar a Europa a ser atacada com bombas dispersoras de enormes quantidades de drogas alucinógenas de longa duração. Numa Inglaterra com uma população que mal mantém um controle sobre a realidade surge um jovem sérvio, o qual passa a sofrer influência dos aerossóis do ambiente, que se vê liderando uma cruzada messiânica. A narração e os diálogos refletem a fragmentação da linguagem sob o efeito das drogas, ao mesclar frases, trocadilhos e alusões, num eco deliberado de Finnegans Wake.
  • Neanderthal Planet (1970) Coletânea de quatro contos.
  • A saga de Horatio Stubbs
  • The Moment of Eclipse (1971) coletânea de contos -- BSFA vencedor, 1971[1]
  • The Book of Brian Aldiss (1972) Coletânea de contos
  • Frankenstein Unbound (1973) Um político do século XXI é transportado à Suíça do século XIX onde encontra Frankenstein e Mary Shelley. Este livro foi a base para o filme homônimo de 1990, dirigido por Roger Corman.
  • The 80 minute Hour (1974) Uma esquisita e ambiciosa "ópera espacial" onde as personagens cantam de fato. O mundo está em caos após uma guerra nuclear causar deslizes do tempo e até mesmo aqueles que acreditam que mandam no mundo têm problemas para saber onde e quando estão.
  • The Malacia Tapestry (1976)
  • Brothers of the Head (1977) Este era um livro de formato grande, ilustrado por Ian Pollock, contando a estranha estória das estrelas de rock Tom e Barry Howe, gêmeos siameses com uma terceira cabeça adormecida, a qual eventualmente acordava. Também adaptado para o cinema por Keith Fulton e Lou Pepe, lançado em 2006.
  • Last Orders and Other Stories (1977)
  • Enemies of the System (1978)
  • Pile (1979; Poem)
  • New Arrivals, Old Encounters (1979)
  • Moreau's Other Island (1980)
  • O Quarteto Escudeiro
    • Life In The West (1980)
    • Forgotten Life (1988)
    • Remembrance Day (1993)
    • Somewhere East Of Life (1994)
  • A Trilogia Helliconia
  • Seasons in Flight (1984)
  • Courageous New Planet (c. 1984)
  • The Year before Yesterday (1987) Uma correção de Equator de 1958 combinado com The Impossible Smile de 1965.
  • Ruins (1987)
  • Dracula Unbound (1990)
  • A Tupolev too Far (1994)
  • Somewhere East of Life: Another European Fantasia (1994)
  • The Secret of This Book (1995)
  • White Mars Or, The Mind Set Free (1999) (com Roger Penrose)
  • Super-Toys Last All Summer Long and Other Stories of Future Time (2001) A estória do título foi a base para o filme A.I. - Inteligência Artificial de Steven Spielberg
  • Super-State (2002)
  • The Cretan Teat (2002)
  • Affairs at Hampden Ferrers (2004)
  • Cultural Breaks (2005) Sua última coletânea de contos.
  • Jocasta (2005); Uma releitura das tragédias de Sófocles sobre Édipo e Antígona.
  • Sanity and the Lady (2005)
  • HARM (2007) -- Indicado ao prêmio Campbell de 2008[carece de fontes?]
  • Walcot (2010); um romance cobrindo a vida de uma família ao longo do século XX.

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Home Life With Cats (1992)
  • At The Caligula Hotel (1995)
  • Songs From The Steppes Of Central Asia (1995)
  • A Plutonian Monologue on His Wife's Death (The Frogmore Papers, 2000)
  • At A Bigger House (2002)
  • The Dark Sun Rises (2002)
  • A Prehistory of Mind (2008)
  • Mortal Morning (2011) [1]

Não-ficção[editar | editar código-fonte]

  • Cities and Stones - A Traveller's Yugoslavia (1966)
  • The Shape of Further Things (1970)
  • Item Eighty Three (com Margaret Aldiss) (1972): uma compreensiva bibliografia de todos os livros e contos publicados até então. (O livro é o número 83 na sua própria lista).
  • Billion Year Spree: The History of Science Fiction (1973) no qual afirma que Frankenstein de Mary Shelley foi o primeiro romance de ficção científica verdadeira. Revisada e ampliada como Trillion Year Spree (com David Wingrove) (1986). A primeira edição ganhou um prêmio especial da Associação Britânica de Ficção Científica em 1974; a ampliação de 1986 ganhou o Prêmio Hugo como melhor livro de não-ficção do ano.[carece de fontes?] Aldiss começou seu discurso de agradecimento deste prêmio proclamando "Faz muito tempo desde quando vocês me deram um destes, seus bastardos miseráveis!"[2]
  • Hell's Cartographers (1975, editado com Harry Harrison): uma coletânea de peças autobiográficas de alguns escritores de fição científica, incluindo Aldiss. O título é uma referência ao livro de Kingsley Amis sobre ficção científica, New Maps of Hell
  • The Pale Shadow Of Science (1986)
  • This World and Nearer Ones: Essays exploring the familiar (1979)
  • The Detached Retina: Aspects of SF and Fantasy (1995)
  • The Twinkling of an Eye or My Life as an Englishman (1998)
  • When the Feast is Finished (com Margaret Aldiss) (1999)
  • Art after Apogee: The Relationships between an Idea, a Story, a Painting (com Rosemary Phipps) (2000)
  • Bury My Heart at W.H. Smith's - A Writing Life (1990) - autobiografia

Coleções de contos[editar | editar código-fonte]

(Como editor)

  • Penguin Science Fiction (1961)
  • More Penguin Science Fiction (1963)
  • Yet More Penguin Science Fiction (1964)
  • The Year's Best Science Fiction No.1 (com Harry Harrison) (1968)
  • The Year's Best Science Fiction No.2 (com Harry Harrison) (1969)
  • The Year's Best Science Fiction No.3 (com Harry Harrison) (1970)
  • The Year's Best Science Fiction No.4 (com Harry Harrison) (1971)
  • The Year's Best Science Fiction No.5 (com Harry Harrison) (1972)
  • The Year's Best Science Fiction No.6 (com Harry Harrison) (1973)
  • The Penguin Science Fiction Omnibus (1973)
  • Space Opera (1974)
  • Decade: the 1950's (with Harry Harrison) (1976)
  • Evil Earths (1976)
  • Galactic Empires, Volume 1 (1976)
  • Galactic Empires, Volume 2 (1976)
  • Mini Sagas from the Daily Telegraph Competition (1998) ISBN 9780750915946
  • Mini Sagas From the Daily Telegraph Competition 2001 (2001) ISBN 978-1-900564-77-9

Outros[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. a b BSFA Awards: Past Awards.
  2. David Langford, The Sex Column and Other Misprints, Cosmos Books, 2005, p.82. A citação pode não estar exata.
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Brian Aldiss


Ícone de esboço Este(a) artigo sobre um(a) escritor(a) de ficção científica e fantasia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.