Bridgmanite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

[1] Bridgmanite ou Magnesium Silicate Perovskite - grafia inglesa ; sendo o nome em português (BR) , recentemente batizado de ''Bridgmanita'' , ou MgSiO3 é um tipo de mineral abundante no manto terrestre.

Segundo o Arquiteto e pesquisador Fernando Butinholle , membro da Planetary Society e ex-membro do I.G.C.E - instituto de geociências e ciências exatas da Universidade de São Paulo, a descoberta recente deste mineral se deve à análise metalográfica e espectral de um meteorito de idade estimada em 4,5 bilhões de anos , nomeado de ''Meteorito Tenham'' , caído na Austrália em 1879 , cuja presença de amostras de bridgmanita foi encontrada na estrutura física e mineral do meteorito . A Bridgmanita não se encontra disponível na superfície do planeta Terra e seu nome é uma homenagem ao ganhador do prêmio Nobel de Física de 1946, um físico norte-americano chamado Percy Bridgman , considerado o pai dos experimentos de alta pressão, que permitem sintetizar diamantes e outros minerais que não ocorrem naturalmente na Terra.

Bridgmanita é teórica e provavelmente o mineral mais abundante da Terra, porém está presente apenas no manto terrestre e portanto não é acessível às pesquisas científicas por este meio , pela atual impossibilidade de colher amostras reais do manto terrestre e ainda segundo o pesquisador arquiteto Fernando Butinholle , para batizar este novo mineral , a Associação Mineralógica Internacional exigiu uma amostra para provar que ele realmente existe e até então , ocorria que a ''bridgmanita'' era um mineral que se acreditava existir apenas no manto terrestre, que é uma camada viscosa entre a crosta e o núcleo do planeta.

Portanto, devido à estas altas temperaturas e pressões do manto terrestre, este mineral até então previsto apenas teoricamente justamente por ser extremamente raro na superfície da Terra , havia frustrado todas as tentativas de encontrar uma amostra de origem natural pelos geólogos , que nunca à encontravam na Terra.

Amostra de origem espacial - Meteorito ''Tenham"" :

Recentemente , no ano de 2014 , a ciência conseguiu finalmente apurar uma amostra de Bridgmanita que foi considerada natural, porém que não veio do manto terrestre e sim identificada no meteorito Tenham , caído na Austrália em 1879 e a proeza da identificação do mineral foi atribuída à Oliver Tschauner e seus colegas do Instituto de Tecnologia da Califórnia , pois nem sequer ainda atingimos a crosta terrestre em perfurações mais profundas , de forma que não há previsão de quando será possível capturar uma amostra real do manto terrestre.

Ocorre que durante a reentrada na atmosfera terrestre, o meteorito australiano ''Tenham'' foi submetido à temperaturas de 2000° C e pressões de 24 gigapascals, suficientes para reproduzir as condições das profundezas do manto terrestre e assim permitir a formação natural da bridgmanita neste meteorito.

Ainda segundo Fernando Butinholle , pressões e temperaturas desta ordem , ainda não são possíveis de se reproduzir em laboratórios aqui na Terra , embora já tenha sido sintetizado outros materiais como o diamante , à partir do carbono que é o átomo do qual é constituído inclusive o grafite , o carvão comum , além dos diamantes.

Fernando Butinholle , pela Planetary Society [1] , relata ainda que outros minerais naturais tais como a Olivina [2] , que tem uma aparência cristalina ou vítrea e que às vezes é de cor amarelada ou verde sempre translúcida , também são muito comuns em meteoritos associados ao metal níquel [3], assim como presentes no manto da Terra a olivina ; porém a Bridgmanita é mais rara e ainda não havia sido encontrada amostras reais para provar sua existência teórica , o que agora é científico devido à esta amostra identificada neste meteorito.

Demais pesquisadores , de diversas universidades pelo mundo , querem agora estudar intensamente estas pequenas amostras de bridgmanita , à fim de verificar quais outros elementos da tabela periódica podem se misturar em sua estrutura atômica , que é conhecida como perovskita e assim obter mais informações científicas sobre a composição e o comportamento do manto terrestre e uma vez que o manto terrestre [4] tem aproximadamente 3.000 km de espessura e representa 38% do volume da Terra, a Bridgmanita tornou-se o mineral mais comum em nosso planeta Terra - ainda que a única amostra que temos dela , veio do Espaço Sideral !! [5]

Links[editar | editar código-fonte]

  • Oliver Tschauner et al. - 10.1126/science.1259369. . "".