Bright Eyes (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bright Eyes
BrightEyes-2007.jpg
Conor Oberst em show no Lied Center, Kansas. 23 de outubro de 2007.
Informação geral
Origem Omaha, Nebraska
País  Estados Unidos
Gênero(s) Folk, indie rock, eletrônica, lo-fi
Período em atividade 1995 - atualmente
Gravadora(s) Saddle Creek
Polydor (fora da América do Norte)
Afiliação(ões) Desaparecidos
Commander Venus
Aperture...
Park Ave.
The Faint
Conor Oberst and the Mystic Valley Band
Monsters of Folk
Página oficial www.conoroberst.com
Integrantes Conor Oberst
Mike Mogis
Nate Walcott
Ex-integrantes Ver abaixo

Bright Eyes é uma banda estadunidense de Indie rock fundada pelo compositor e guitarrista Conor Oberst. É formada pelo Oberst, produtor e multi-instrumentista Mike Mogis, trompetista e pianista Nate Walcott e vários colaboradores rotativos, vindos principalmente do cenário musical indie de Omaha.[1] [2]

A gravadora Saddle Creek Records, o selo oficial da banda, foi fundada por Conor e seu irmão Justin Oberst e distribuido pela Sony.[3] Em 2004, os singles "Lua" e "Take It Easy (Love Nothing)" chegou aos dois primeiros lugares do Hot 100 Singles Sales da Billboard nas duas semanas de seus lançamentos simultâneos.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos (1995-1997)[editar | editar código-fonte]

Um dos fundadores de Commander Venus, que saiu em 1997, o guitarrista e vocalista Conor Oberst, focou-se em seu novo projeto, Bright Eyes. O nome da banda vem do filme clássico Planeta dos Macacos, onde Dr. Zira chama George Taylor de "bright eyes" (olhos brilhantes, em tradução literal), de forma carinhosa. Em 1998, lançou 20 das músicas que tinha guardado para o primeiro álbum oficial, chamado de A Collection of Songs Written and Recorded 1995-1997.[4]

O álbum começa com experimentos de instrumentos como a caixa de ritmos e teclados. Seu som varia desde batidas de vocais até melodias de guitarra acústica e sintetizadores instrumentais estilo techno. A reação da crítica foi negativa, com a Allmusic dizendo que muitos dos sons se "fragmentam de forma que seus vocais são reduzidos a gaguejos inteligíveis de uma criança. Qualquer equilíbrio na música mantido até esse ponto, apesar de já frágil, é perdido e então, mais do que provável, o ouvinte também." [5]

Letting Off the Happiness (1998)[editar | editar código-fonte]

No dia dois de novembro de 1998, a Saddle Creek lançou Letting Off the Happiness, um álbum de dez músicas mais claras e concentradas que seu antecessor. De acordo com as notas de lançamento da gravadora, há participantes das bandas Lullaby for the Working Class, Neutral Milk Hotel, and of Montreal. Neely Jenkins, companheiro de banda do Park Ave. também contribuiu nos vocais. Foi gravado principalmente pela família de Oberst, residentes em Omaha, num magnetofone de bobina aberta de oito trilhas, na qual foi feita uma edição final pelo tecladista Andy Lemasters.[6] Apesar de quase todas as músicas serem tocas pela banda inteira, "June on the West Coast" foi feita apenas com guitarra acústica e vocais. "Padraic My Prince" relata uma dramática morte fictícia de seu irmão bebê, uma história com uma infinidade de símbolos históricos. Oberst fica a música em "Cartoon Blues", em Four Winds.

Every Day and Every Night EP (1999)[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 1999, foi lançado o quinto EP: Every Day and Every Night. incluindo as músicas "Neely O'Hara" e "A Perfect Sonnet".

Fevers and Mirrors (2000)[editar | editar código-fonte]

Em 2000, Bright Eyes lançou Fevers and Mirrors, com novos instrumentos como flauta, piano e acordeão. No fim da música "An Attempt to Tip the Scales", há uma simulação de entrevista de rádio onde Todd Fink do The Faint passa uma sensassão de ser Oberst enquanto lê um script que Oberst escreveu. Na entrevista, o falso Oberst apresenta uma estranha e contraditória explicação de sua atitude em relação a sua música. Ele reconhece as críticas feitas das letras de suas músicas como exageradas e hipócritas, que tinham começado a aparecer desde que a popularidade de sua banda havia aumentado. Mas responde dizendo que as letras são para interpretação pessoal. Oberst mais tarde comenta que "Foi uma maneira de zombar de nós mesmos, porque a gravação estava deprimente. Quero dizer, isso é parte de quem sou, mas eu também gosto de rir."[7]

Membros[editar | editar código-fonte]

Os membros permanentes são:[8]

Entretanto, os três colaboram com outros artistas que são creditados nos lançamentos e apresentações da banda. Alguns artistas creditados são:[9]


Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de Estúdio[editar | editar código-fonte]

  • A Collection of Songs Written and Recorded 1995–1997 (1998)
  • Letting Off the Happiness (1998)
  • Fevers and Mirrors (2000)
  • Lifted or The Story Is in the Soil, Keep Your Ear to the Ground (2002)
  • A Christmas Album (2002)
  • I'm Wide Awake, It's Morning (2005)
  • Digital Ash in a Digital Urn (2005)
  • Noise Floor (Rarities: 1998–2005) (2006)
  • Cassadaga (2007)
  • The People's Key (2011)

EPs[editar | editar código-fonte]

  • Every Day and Every Night (1999)
  • Don't Be Frightened of Turning the Page (2001)
  • There Is No Beginning to the Story (2002)
  • One Jug Of Wine, Two Vessels (2004/2010) - Com Neva Dinova
  • Lua (2004)
  • Four Winds (2007)
  • Singularity (2011)
  • Live Recordings (2011)

Referências

  1. Craig Ferguson. Entrevista. The Late Late Show with Craig Ferguson. CBS Los Angeles. 14 de fevereiro de 2005.
  2. Sobre Bright Eyes (em inglês) Página Oficial. Página visitada em 9 de julho de 2011.
  3. Faq Oficial da Saddle Creek (em inglês). Página visitada em 10 de julho de 2011.
  4. Tim McMahan (1998). Crescendo no Mundo Alternativo do Rock. Página visitada em 14 de abril de 2005.
  5. Crítica: A Collection of Songs Written and Recorded 1995-1997 Allmusic, All Media Guide, LLC. Página visitada em 10 de julho de 2011.
  6. Entrevista com Conor Oberst (em inglês) Comes with a Smile (2000). Página visitada em 10 de julho de 2011.
  7. a b Amy Phillips (2005). Conor Oberst (entrevista) (em inglês) Kitty Magik. Página visitada em 29 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2007.
  8. a b c d e f Elizabeth Goodman (4 de junho de 2007). Bright Eyes: Recapitulando Sete Noites Malucas de Conor Oberst no Town Hall de Nova Iorque Rolling Stone.
  9. Kim Samek (24 de maio de 2001). Bright Eyes: Up Saddle Creek and around the corner (em inglês) The Stanford Daily. Página visitada em 9 de julho de 2011.
  10. a b c d e f Jonathan Cohen (28 de março de 2005). Bright Eyes Marca Turnê com The Faint (em inglês) Billboard. Página visitada em 9 de julho de 2011.
  11. a b c d Jeff Randall (3 de março de 1999. Atualizado em 29 de novembro de 2008). Músico encontra seu nicho com 'Bright Eyes' The Daily Nebraskan. Página visitada em 9 de julho de 2011.
  12. Bill White (13 de março de 2007). Bright Eyes está confiante e focado Seattle Post-Intelligencer. Página visitada em 9 de julho de 2011.
  13. a b Sarah Benzuly (1 de julho de 2007). Tour Profile: Bright Eyes (em inglês) Mix / Penton Media. Página visitada em 9 de julho de 2011.
  14. a b c d e f g h i j k Niz Proskocil (8 de abril de 2007). Amigos de Oberst dão uma força em novo álbum de Bright Eyes Omaha World-Herald. Página visitada em 29 de janeiro de 2008.
  15. Kurt Andersen (25 de março de 2007). Culture Club de Omaha The New York Times. Página visitada em 9 de julho de 2011. ""Stefanie Drootin (...) estava em sua turnê com sua banda de Los Angeles em 1996 quando sua van quebrou em Omaha. Ele começou a tocar com o Good Life e Bright Eyes (...)""
  16. Pioneira Voluntária: 'Medo da Cólera' National Public Radio (9 de julho de 2007). Página visitada em 9 de julho de 2011. "Sabrina ficou um tempo fora para se juntar na turnê com Bright Eyes em 2005..."
  17. a b c d e f g h i David Sprague (20 de setembro de 2002). Bright Eyes - Variety Variety. Página visitada em 9 de julho de 2011.
  18. a b c Todd Martens (19 de novembro de 2004). Bright Eyes Elaborando Duas Turnês Distintas (em inglês) Billboard. Página visitada em 9 de julho de 2011.
  19. Título não preenchido, favor adicionar (Cadastro requerido) (em inglês) Boston Globe (5 de outubro de 2004). Página visitada em 29 de janeiro de 2008. "Now It's Overhead's leader is singer-songwriter Andy LeMaster, a Bright Eyes contributor."
  20. Niz Proskocil (31 de agosto de 2006). Amigos de cantor fazem especial Omaha (em inglês) Omaha World-Herald. Página visitada em 10 de julho de 2011. "Além da turnê "Vote for Change" com a banda de Conor Oberst em 2004, Ward trabalhou com Oberst algumas vezes. Ele tocou guitarra para o Bright Eyes durante a apresentação da banda dois anos atrás em "The Late Show with Craig Kilborn""


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of the United States.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical dos Estados Unidos, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.