Brigitte Gabriel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Brigitte Gabriel (nascida em 1965) é uma jornalista, escritora e ativista libanesa-americana. É a fundadora do American Congress For Truth.

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Brigitte Gabriel nasceu no seio de uma família Maronita-Cristã libanesa. Declarou por várias vezes nos meios de comunicação que durante a Guerra Civil Libanesa militantes muçulmanos lançaram um ataque em uma base militar libanesa na região onde vivia, atingindo também a sua casa e destruindo-a. Brigitte tinha apenas dez anos de idade na ocasião e foi gravemente atingida, passando dois meses e meio recuperando-se em um hospital israelense.

Junto com sua família, ela foi forçada a se refugiar num abrigo subterrâneo antibombas de 8 x 10 m durante alguns anos, lugar onde não havia aquecimento nem água potável, e muito poucos víveres. Para conseguir a água necessária para o dia-a-dia, eles tinham que buscá-la às escondidas em uma fonte próxima. Toda vez que deixavam o abrigo para buscar água, eles rezavam, pois não sabiam se voltariam vivos.

Mais tarde, em 1978, a família de Brigitte foi avisada de um iminente ataque contra cristãos proveniente de milícias islâmicas. Sua vida foi salva numa noite em que o exército de Israel invadiu o sul do Líbano na Operation Litani. Pouco depois, sua mãe adoeceu e foi levada a um hospital israelense, no qual ela afirma ter visto a verdadeira face humana dos israelenses, contrariamente ao que tinha ouvido quando criança, no Líbano.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Brigitte Gabriel foi âncora do "World News," um programa noturno de notícias veiculado no canal da South Lebanon Army, afiliada da Middle East Television, que era transmitido em Israel, Egito, Síria, Jordânia, Chipre e Líbano.[2] Ela imigrou aos Estados Unidos em 1989.

Brigitte fundou a ACT – American Congress For Truth no fim de 2001, e desde então tem sido presença constante em noticiários, talk shows e programas de rádio, além de fazer numerosas aparições públicas dando palestras. Ela fala quatro idiomas: árabe, francês, inglês e hebraico. Ela aparece no documentário Obsession: Radical Islam's War Against the West.

Ela foi entrevistada pela CNN onde denunciou o Hezbollah e ficou ao lado de Israel na Crise Israel-Lebanon de 2006, agradecendo Israel pelos esforços para melhoras seu país. Ela também acusou CAIR de apoiar o terrorismo [3]

O sítio oficial Hasbara Fellowships, IsraelActivism.com, lista Gabriel como uma de suas palestrantes, e até se encarrega de agendar palestras aos interessados em cantatá-la.[4]

Gabriel falou em uma série de palestras organizadas pela comunidade judia da Duke University como contrapartida depois que a quarta conferência estudantil “Movimento de Solidariedade Palestino” foi feita lá em outubro de 2004. Ela deixou muitos membros da multidadão enfurecidos quando se referiu aos árabes como bárbaros, fazendo com que o Duke's Freeman Center for Jewish Life posteriormente pedisse desculpas pelos comentários feitos por ela.[5]

Gabriel escreveu um livro intitulado "Because They Hate: A Survivor of Islamic Terror Warns America" (“Porque Eles Odeiam: Uma Sobrevivente do Terror Islâmico Adverte a América”). No livro, ela responde ao incidente na Duke University:

"Quando dei uma palestra na Duke University em 2004, condenando os ataques suicidas e a cultura que os apóia, dizendo: “A diferença entre o Mundo Árabe e Israel é uma diferença de valores e caráter. É o barbarismo versus a civilização. É ditatorialismo versus democracia. É o mal contra o bem,” eu fui criticada e condenada. A Duke's Freeman Center for Jewish Life pediu desculpas por meus comentários aos mesmos árabes que apoiam o assassinato de cidadãos inocentes e que não estão dispostos a criticar e condenar o terrorismo."[6]

Citações[editar | editar código-fonte]

"A diferença, meu amigos, entre Israel e o Mundo Árabe é a diferença entre a civilização e o barbarismo. É a diferença entre o bem e o mal [aplausos]… isso é o que nós estamos vendo no Mundo Árabe, eles não têm alma! Eles estão cegamente voltados a matar e destruir. E no nome de algo que eles chamam "Alá", que é bem diferente do Deus que cremos [aplausos]… porque nosso Deus é um deus de amor" – Brigitte Gabriel, CUFI 2007 [1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Artigos e palestras[editar | editar código-fonte]

Entrevistas e aparições na TV[editar | editar código-fonte]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Vídeos[editar | editar código-fonte]