Broncodilatador

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Exemplo de Broncodilador.

Broncodiladoras são as substâncias farmacologicamente ativas que promovem a dilatação dos brônquios, usadas na crise asmatica. Um exemplo de substância broncodilatadora é a Acebrofilina ou Bromidrato de Fenoterol (Berotec).

Os broncodilatadores são a base do tratamento sintomático das doenças pulmonares obstrutivas, como a asma, bronquite crônica, enfisema pulmonar e DPOC. A via de administração preferencial é a inalatória, pela ação direta nas vias aéreas e menor incidência de efeitos colaterais.

b2-AGONISTAS: São broncodilatadores potentes e seguros que atuam abrindo os canais de potássio e aumentando o AMP cíclico. Os b2-agonistas de longa duração, formoterol e salmeterol, quando comparados aos b2-agonistas de curta ação, fenoterol, salbutamol e terbutalino e ao anticolinérgico brometo de ipratrópio, são mais eficazes, resultando em redução da dispnéia e melhora funcional mais acentuada e mais duradoura. O único b2-agonista de ação por 24 horas é o bambuterol.

ANTICOLINÉRGICOS: O brometo de ipratrópio é um antagonista inespecífico dos receptores muscarínicos. Em pacientes com glaucoma deve-se tomar o cuidado de não permitir contato direto da névoa de aerossol com os olhos. O pico de ação do ipratrópio varia de 30 a 90 minutos e a duração de seu efeito varia entre 4 e 6 horas.

O brometo de tiotrópio é um anticolinérgico de longa duração, mais eficaz que o ipratrópio, com seletividade farmacocinética para os receptores muscarínicos M1 e M3, permitindo a sua utilização em dose única diária. É um fármaco mais seguro, pois sendo sua única apresentação em pó, leva a menor risco de contato direto com os olhos, diminuindo a possibilidade do aparecimento de glaucoma. Em acréscimo, o número de efeitos colaterais é pequeno, sendo seu efeito colateral mais freqüente a boca seca, em 16% dos indivíduos que utilizam a medicação. O brometo de tiotrópio reduz o número de exacerbações e hospitalizações e melhora a qualidade de vida relacionada ao estado de saúde, comparado com placebo e ipratrópio.

XANTINAS: As xantinas continuam sendo usadas em larga escala, apesar de seu efeito broncodilatador ser inferior ao das demais drogas e de causarem grande número de efeitos adversos.

A bamifilina é uma xantina de ação de 12 horas e tem a vantagem de provocar menos efeitos adversos do que a teofilina.

Geralmente usado para aliviar sintomas de constrição da respiração, por crises respiratórias.

Uso da Cannabis como broncodilatador[editar | editar código-fonte]

Sobretudo no século XIX, a cannabis proporcionou alívio para os asmáticos, pois produz dilatação dos brônquios. Há três mil anos já se conhece este efeito terapêutico da cannabis sativa (1). O uso de THC em microaerossol tem eficiência de até 60% como broncodilatador, sem efeitos parassimpáticos e efeitos mentais mínimos (2). Porém, estes aerossóis não têm a mesma eficiência que a cannabis em cigarro, pois o THC em aerossol tem efeito irritante das vias respiratórias. Outra pesquisa demonstrou que o THC evita o enfisema (3) e inibe a tosse (4), além de apresentar sucesso no tratamento da coqueluche (5).

Fontes:

(1)Ther.Gazz. 11 (1887): 4-7, 124 apud Robinson, Rowan. O grande livro da cannabis: guia completo de seu uso industrial, medicinal e ambiental. Rio de Janeiro: 1999, Jorge Zahar Editor. p. 33-34.

(2) L. Vachon et al., Cherest 70, n. 3 (1976): 444.

(3) D.P. Tashkin et al. American Rev. Respir.Dis.109(1974): 420-8; 122 (1975): 377-86.

(4) R. Gordon et al., Eur. J. Pharmacol. 35 (1976): 309-13.

(5) J. Hartley et al., British Journal of Clinical Pharmacology 5,n.6 (1978): 523-5. E J. Sirek, "Importance of Hemp seed im TB therapy" (em tcheco). Acta Univ. Palack. Olomuc. 6 (1955): 93-108.

http://www.jornaldepneumologia.com.br/PDF/Suple_124_40_DPOC_COMPLETO_FINALimpresso.pdf

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.