Bronzeamento artificial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma câmara de bronzeamento, com as luzes desligadas.

O bronzeamento artificial (também conhecido como auto bronzeamento) se refere a aplicar produtos químicos na pele para produzir um efeito similar em aparência ao bronzeamento solar tradicional. O bronzeamento artificial através de produtos químicos ganhou força em resposta às ligações entre a exposição ao sol e o câncer de pele descobertas nos anos 1960s. Além dos produtos químicos, muitas pessoas preferem métodos alternativos de bronzeamento, como a câmara de bronzeamento.

Segundo o site oficial da ANVISA [1], “As câmaras de bronzeamento artificial não poderão mais ser utilizadas para fins estéticos no país”. Isso é devido à falta de controle das máquinas que se encontram no país, a falta propriamente dita de manutenção e, mais ainda, o já comprovado risco iminente de câncer que a pessoa é exposta a cada sessão. Existem alguns casos de conhecimento popular de pessoas expostas a altos índices de raios UV que acabaram morrendo. Um exemplo foi de uma mulher que estava a busca de uma pele bronzeada para ir a uma festa e se submeteu a 4 sessões no mesmo dia e, por fim, devido alta exposição, morreu. Existem casos comprovados de pessoas que contraíram câncer devido à exposição à essas câmaras. Também, segundo o site oficial da ANVISA “O estudo da IARC indica que a prática do bronzeamento artificial aumenta em 75% o risco do desenvolvimento de melanoma em pessoas que se submetem ao procedimento até os 35 anos de idade”. E fecha com a seguinte frase “As empresas que não cumprirem a decisão estão sujeitas a penalidades que vão de advertência, interdição até multas de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão”.

Fonte: www.dbclean.com.br[2]

Veja também[editar | editar código-fonte]