Brunei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
برني دارسلام
(Negara Brunei Darussalam)
State of Brunei Darussalam

Estado do Brunei Darussalam
Bandeira do Brunei
Brasão de armas do Brunei
Bandeira Brasão de Armas
Lema: "الدائمون المحسنون بالهدى" ("Sempre
trabalhando guiados por Deus"
)
Hino nacional: الله فليهاراكن سلطن (Allah Peliharakan Sultan - "Deus Abençoe o Sultão")
Gentílico: bruneano(a), bruneíno(a)[1]

Localização  Estado de Brunei

Capital Bandar Seri Begawan
4° 55' N 114° 55' E
Cidade mais populosa Bandar Seri Begawan
Língua oficial Malaio[2]
Governo Democracia Unitária Parlamentarista e Sultanato Islâmico
 - Sultão e Primeiro-ministro Hassanal Bolkiah
 - Príncipe Herdeiro Al-Muhtadee Billah
Formação  
 - Sultanato século XIV 
 - Fim do protetorado britânico 1 de Janeiro de 1984 
Área  
 - Total 5 765 km² (163.º)
 - Água (%) 8,6
 Fronteira Malásia apenas, de leste a sudoeste
População  
 - Estimativa de 2009 381 371 hab. (170.º)
 - Densidade 64 hab./km² (106.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2007
 - Total US$ : 9,557 bilhões (142.º)
 - Per capita US$ : 51 005 (5.º)
IDH (2013) 0,852 (30.º) – muito elevado[3]
Moeda Dólar de Brunei (BND)
Fuso horário (UTC+8)
 - Verão (DST) não observado (UTC+8)
Clima Equatorial
Org. internacionais ONU, OMC, OCI, ASEAN, APEC, Comunidade das Nações
Cód. ISO BRN
Cód. Internet .bn
Cód. telef. +673
Website governamental www.brunei.gov.bn

Mapa  Estado de Brunei

O Brunei, ( /brˈn/) oficialmente Nação de Brunei, a Morada da Paz[4] ou Estado do Brunei Darussalã[5] (em malaio: Negara Brunei Darussalam; Jawi: نڬارا بروني دارالسلام, em árabe: دولة بروناي، دار السلام), é um estado soberano localizado na costa norte da ilha do Bornéu, no Sudeste Asiático. Além de seu litoral com o mar da China Meridional, é completamente cercado pelo estado de Sarawak, na Malásia, e é dividido em duas partes pelo distrito de Sarawak, Limbang. É o único estado soberano completamente na ilha de Bornéu, com o restante da ilha, formando partes da Malásia e Indonésia. A população de Brunei era 401.890 em julho de 2011.[6]

As reivindicações oficiais da história nacional de Brunei podem traçar suas origens ao século VII, quando era um estado sujeito chamado P'o-li, na Sumatra, centro do império Srivijaya. Ele mais tarde se tornou um Estado vassalo de Java, centro do império Majapahit. Brunei se tornou um sultanato, no século XIV, sob o recém-convertido sultão islâmico Shah Muhammad.

No auge do Império de Brunei, o sultão Bolkiah (reinando de 1485-1528) tinha controle sobre as regiões do norte de Bornéu, incluindo a moderna Sarawak e Sabá, bem como o arquipélago de Sulu ao largo da ponta nordeste de Bornéu, Seludong (hoje a Manila moderna) e as ilhas ao largo da ponta noroeste de Bornéu. A talassocracia foi visitada pelos espanhóis da expedição de Magalhães em 1521 e lutaram pela Espanha em 1578 na Guerra de Castela. O Império de Brunei começou a declinar, atingindo sua forma moderna em 1890 após o progressivo século XIX cedendo Sarawak para o Reino de Sarawak e Sabá sendo cedida a British North Borneo Chartered Company. Brunei se tornou um protetorado britânico em 1888 e foi atribuído um residente britânico em 1906. Nos anos após a ocupação de guerra japonesa durante a Segunda Guerra Mundial, ele formalizou uma constituição e lutou numa rebelião armada.[7] Brunei recuperou a sua independência do Reino Unido em 1 de Janeiro de 1984. O crescimento econômico durante os anos 1970 e 1990, com média de 56% de 1999 a 2008, transformou Brunei em um país recém-industrializado.

Brunei tem o segundo maior índice de desenvolvimento humano entre as nações do sudeste asiático depois de Singapura, e é classificado como um país desenvolvido.[8] De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), Brunei é classificado em 5º no mundo em produto interno bruto per capita em paridade de poder aquisitivo. A revista Forbes também classificou Brunei como a quinta nação mais rica entre 182 nações, devido à sua extensa área de petróleo e de gás natural.[9]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Segundo a lenda, Brunei foi fundada por Awang Alak Betatar. Seu movimento de Garang, lugar onde hoje é o distrito de Temburong para o estuário do rio Brunei levou à descoberta do país. Segundo a lenda, após o pouso, ele exclamou: " Baru nah! " (Vagamente traduzido como "é isso!" Ou "não"), a partir do qual o nome Brunei foi derivado.[10]

Foi rebatizado "Barunai" no século XIV, possivelmente influenciado pelo sânscrito da palavra "varuṇ" (वरुण), o qual significa "oceano" ou mitológica "regente do oceano". A palavra "Bornéu" é da mesma origem. O antigo nome completo do país era "Negara Brunei Darussalam"; darussalam (em árabe: دار السلام) significa "Morada da Paz", enquanto negara significa "país" em malaio.[10]

História[editar | editar código-fonte]

História antiga[editar | editar código-fonte]

O túmulo de Abdul Majid Hassan, governante de "Poli", em Nanquim.

Na ausência de mais fontes e provas, os estudiosos criaram uma história antiga de Brunei, que baseia-se principalmente em interpretações flexíveis de textos em chinês. Esta primeira parte diz: registros chineses do século VI mencionam um estado chamado Po-li na costa noroeste de Bornéu.[11] No século VII, as contas chinesas e árabes indicarão um lugar chamado Vijayapura, que acredita-se ter sido fundado por membros da família real de Funan.[12] Acredita-se que eles desembarcaram na costa noroeste de Bornéu com alguns de seus seguidores. Eles, então, capturaram P'o-li e renomearam-a de território "Vijayapura" (que significa "vitória" em sânscrito). Em 977, os registros chineses começaram a usar Po-ni, em vez de Vijayapura para se referir ao Brunei.[13] Em 1225 um funcionário chinês chamado Chua Ju-Kua informou que Brunei tinha 100 navios de guerra para proteger seu comércio e que havia uma grande quantidade de ouro no reino.[14] Outro relatório em 1280 descreveu que Po-ni controlava grandes partes da ilha do Bornéu, atualmente as regiões de Sabá e Sarawak, Sulu e algumas partes da Filipinas. No século XIV, Po-ni tornou-se um estado vassalo de Majapahit, e teve de pagar um pagamento anual de 40 Katis de cânfora. Po-ni foi atacada e teve seu tesouro e ouro saqueados pelos Sulus em 1369. Uma frota de Majapahit conseguiu afastar os Sulus mas Po-ni tornou-se muito mais fraca após o ataque.[15] Um relatório chinês de 1371 descreve Po-ni como pobre e totalmente controlada por Majapahit.[16]

O poder do Sultanato de Brunei estava no seu auge, entre os século XV e XVII, com o seu poder que se estende do norte de Bornéu para sul das Filipinas.[17]

Por volta do século XVI, o Islã era firmemente se enraizou no Brunei, o país havia construído uma de suas maiores mesquitas. Em 1578, Alonso Beltrán, um viajante espanhol descreveu como sendo cinco andares de altura e construído sobre a água.[18]

Guerra contra Espanha e declínio[editar | editar código-fonte]

A influência européia gradualmente trouxe um fim ao poder regional, como Brunei entrou em um período de declínio agravado por conflitos internos sobre a sucessão real. Pirataria também foi prejudicial para o reino.[19] A Espanha declarou guerra em 1578, atacando e capturando a capital de Brunei, na época, Kota Batu. Isto foi conseguido como resultado, em parte, da assistência prestada a eles por dois nobres de Brunei, Pengiran Seri Lela e Pengiran Seri Ratna. O primeiro tinha viajado para Manila para oferecer Brunei como um tributário da Espanha, para ajudar a recuperar o trono usurpado por seu irmão, Saiful Rijal.[20] Os espanhóis concordaram que, se eles conseguissem conquistar Brunei, Pengiran Seri Lela iria se tornar definitivamente o Sultão, enquanto Pengiran Seri Ratna seria o novo Bendahara. Em março de 1578, a frota espanhola, liderada si mesma por Francisco de Sande, agindo como Capitão-general, começou sua viagem para Brunei. A expedição foi de 400 espanhóis, 1.500 filipinos nativos e 300 nativos de Bornéu.[21] A campanha foi uma das muitas, que também incluía a ações em Mindanau e Sulu.[22] [23]

Os espanhóis conseguiram invadir a capital em 16 de abril de 1578, com a ajuda de Seri Pengiran Lela e Seri Pengiran Ratna. O sultão Saiful Rijal e Paduka Seri Begawan Sultan Abdul Kahar fora forçado a fugir para Meragang então Jerudong. Em Jerudong, fizeram planos para perseguir o exército conquistador longe de Brunei. Os espanhóis sofreram grandes perdas devido à cólera ou o surto de disenteria.[24] [25] Eles foram tão enfraquecidos pela doença que decidiram abandonar Brunei para retornar a Manila em 26 de junho de 1578, depois de apenas 72 dias. Antes de fazer isso, eles queimaram a mesquita, uma estrutura alta, com um teto de cinco níveis.[26]

Pengiran Seri Lela morreu entre agosto e setembro de 1578, provavelmente da mesma doença que afligira seus aliados espanhóis, embora não houvesse suspeita de que ele poderia ter sido envenenado por decisão do sultão. A filha de Seri Lela partiu com o espanhol e passou a se casar com um cristão Tagalog, chamado Agustín de Legazpi de Tondo.[27]

As contas locais de Brunei diferem muito da visão geralmente aceita dos acontecimentos. A Guerra castelhana entrou na consciência nacional como um episódio heróico, com os espanhóis sendo conduzidos por Bendahara Sakam, supostamente uma decisão do irmão do sultão, e mil guerreiros nativos. Esta versão, no entanto, é contestada pela maioria dos historiadores e considerando uma lembrança de um herói folclórico, provavelmente criado décadas ou séculos depois.[28]

Não obstante o recuo, Brunei perdeu uma série de territórios para a Espanha, incluindo a ilha de Luzon.[29]

Invasão britânica[editar | editar código-fonte]

Mapa da região do Brunei desde 1890

Os britânicos tiveram de intervir nos assuntos de Brunei em um número de ocasiões. A Grã-Bretanha atacou o Brunei em julho 1846, devido a divergências quanto a quem possuía o direito de sultão.[30]

Na década de 1880, como o declínio do Império de Brunei continuava, o Sultão Hashim Jalilul Alam Aqamaddin apelou aos britânicos para deter os dirigentes Rajás brancos do vizinho Reino de Sarawak de particionamento e anexação do território de Brunei.

O "Tratado de Proteção" foi negociado por Sir Hugh Low e entrou em vigor em 17 de setembro de 1888. O tratado fez com que o Sultão "não pudesse ceder ou locar qualquer território a potências estrangeiras sem o consentimento britânico"– mas também permitiu a Grã-Bretanha o controle sobre os assuntos externos de Brunei, que se tornou um protetorado britânico. Esse protetorado continuou até 1984.[19] Quando o Reino de Sarawak anexou o distrito Pandaruan de Brunei em 1890, os britânicos não tomar qualquer ação para impedi-lo porque não consideram nem Brunei nem o Reino de Sarawak como "poderes estranho" (pelo Tratado de Proteção) para os britânicos. Essa anexação final por Sarawak deixou Brunei com uma pequena massa de terra corrente e separada em duas partes.[31]

Moradores britânicos foram introduzidos em Brunei sobre Acordo de Abrigo Complementar do protetorado em 1906.[32] Os moradores foram para aconselhar o sultão em todos os assuntos de administração. No entanto, o residente assumiu o controle mais executivo do que o sultão. O sistema Residencial terminou em 1959.[33]

Descoberta do óleo[editar | editar código-fonte]

Em 1929 fora descoberto na região o petróleo por dois homens,[34] F.F. Marriot e T.G. Cochrane, eles descobriram o petróleo perto de Seria,[35] a descoberta ocorreria originalmente dois anos antes, em 1927. Eles informaram um geofísico que enteavam realizando uma pesquisa lá, em 12 de julho de 1928, aconteceu a primeira perfuração. O petróleo foi atingido em 297 metros em 5 de Abril de 1929.[36] A produção de petróleo aumentou consideravelmente na década de 1930. Em 1940, a produção de petróleo estava em mais de seis milhões de barris.[36] Até hoje o poço perfurado na década de 1940 continua a jorrar. A British Malayan Petroleum Company — hoje a atual Brunei Shell Petroleum Company —, foi formada em 22 de julho de 1922.[37] O primeiro poço extraterritorial foi perfurado em 1957.[38] Petróleo e gás natural têm sido a base do desenvolvimento e da riqueza de Brunei, desde o final do século XX.

Invasão japonesa[editar | editar código-fonte]

Navios de guerra japoneses em Brunei em outubro de 1944

Os japoneses invadiram Brunei em 16 de dezembro de 1941, oito dias após o ataque a Pearl Harbour. Eles desembarcaram 10 000 soldados do Distanciamento Kawaguchi de Cam Ranh Bay em Kuala Belait. Depois de seis dias de combate ocuparam todo o país. As únicas tropas aliadas na área eram o 2º Batalhão do 15º Regimento de Punjab, com base em Kuching, Sarawak.[39]

Depois que Brunei foi ocupada, os japoneses fizeram um acordo com Sultão Ahmad Tajuddin sobre governar o país. Inche Ibrahim (conhecido mais tarde como Pehin Datu Perdana Menteri Dato Laila Utama Awang Haji Ibrahim), um ex-secretário do residente britânico, Ernest Edgar Pengilly, foi nomeado Diretor Administrativo sob a Governo japonês. Os japoneses tinham proposto que Pengilly mantivesse a sua posição sob a sua administração, mas ele recusou. Tanto ele quanto outros cidadãos britânicos ainda em Brunei foram então internados pelos japoneses no acampamento Batu Lintang em Sarawak. Ibrahim, enquanto as autoridades britânicas estavam sob a guarda japonesa, fez questão de, pessoalmente, apertar a mão de cada um deles e desejar-lhes boa sorte.[40]

O Sultão manteve o seu trono e recebeu uma pensão e honras pelos japoneses. Durante a última parte da ocupação residiu em Tantuya, Limbang que tinha uma relação um pouco melhor com os japoneses. A maioria dos funcionários do governo malaio foram retidos pelos japoneses. Administração de Brunei foi reorganizada em cinco prefeituras, que incluía o protetorado britânico de Bornéu do Norte. As prefeituras incluíam Baram, Labuan, Lawas e Limbang. Ibrahim conseguiu esconder uma série de documentos importantes dos japoneses durante a ocupação. Pengiran Yusuf (mais tarde YAM Pengiran Setia Negara Pengiran Haji Mohd Yusuf), juntamente com outros bruneianos foram enviados ao Japão para o treinamento. Yusuf teve a sorte de sobreviver como ele estava em Hiroshima quando a bomba atômica foi lançada.

Os britânicos tinham previsto um ataque japonês, mas não tinham os recursos para defender a área por causa de seu envolvimento na guerra na Europa. As tropas do Regimento de Punjab preencheram os poços de petróleo do campo de Seria com concreto em setembro de 1941 para negar a sua utilização aos japoneses. Os equipamentos e instalações restantes foram destruídos quando os japoneses invadiram a Malásia. Até o final da guerra, 16 poços de Miri e Seria haviam sido reinstalados, com a produção atingindo cerca da metade do nível de antes da guerra. A produção de carvão em Muara também foi reiniciada, mas com pouco sucesso.

Major-General Wootten da 9ª Divisão Australiana com o Tenente-General Masao Baba da 37ª Divisão japonesa na cerimônia de rendição em Labuan, em 10 de setembro de 1945

Durante a ocupação, os japoneses tiveram sua língua ensinada nas escolas, e os oficiais do governo foram obrigados a aprender japonês. A moeda local foi substituída pela que viria a ser conhecido como duit pisang (dinheiro de banana). De 1943 a hiper-inflação destruiu o valor da moeda e, ao final da guerra, esta moeda não valia nada. Ataques aliados no transporte eventualmente fizeram o ​​comércio parar. Alimentos e remédios caíram em falta, e a população sofreu com a fome e doenças.

A pista do aeroporto foi construída pelos japoneses durante a ocupação, e em 1943 as unidades navais japonesas estavam baseadas em Brunei Bay e Labuan. A base naval foi destruída por bombardeios dos Aliados, mas a pista do aeroporto sobreviveu. O mecanismo foi desenvolvido como um aeroporto público. Em 1944, os Aliados iniciaram uma campanha de bombardeio contra os ocupantes japoneses, que destruíram grande parte da cidade e Kuala Belait, mas erraram Kampong Ayer.[41]

Em 10 de junho de 1945, a 9ª Divisão Australiana desembarcou em Muara sob a Operação Oboe Six para recapturar Bornéu dos japoneses. Eles foram apoiados por unidades aéreas e navais americanas. A cidade de Brunei foi bombardeada extensivamente e recapturada após três dias de intensos combates. Muitos prédios foram destruídos, incluindo a Mesquita. As forças japonesas em Brunei, Bornéu, e Sarawak, sob o tenente-general Masao Baba, renderam-se formalmente em Labuan em 10 de setembro de 1945. A Administração Militar Britânica assumiu a partir dos japoneses e permaneceu até julho de 1946.

Após-Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Após a Segunda Guerra Mundial, um novo governo foi formado em Brunei sob a Administração Militar Britânica (BMA). Ela consistia principalmente de oficiais australianos e militares.[42] A administração de Brunei foi entregue à Administração Civil em 6 de julho de 1945. O Conselho Estadual de Brunei também foi revivido naquele ano.[43] A BMA também foi encarregada de zelar pela economia bruneiana, que foi amplamente danificada pelos japoneses durante a ocupação. Eles também foram incumbidos de apagar os incêndios iniciados nos poços de Seria, que foi iniciado pelos japoneses antes da sua derrota.[43] Antes de 1941, o governador de Assentamentos Straits com base em Cingapura foi responsável pelas funções do alto Comissário britânico para Brunei, Sarawak e Bornéu do Norte (hoje Sabá).[44] O primeiro alto comissário britânico para Brunei foi o governador de Sarawak, Sir Charles Clarke Ardon. O Pemuda Barisan ("Movimento da Juventude") (abreviado como BARIP) foi o primeiro partido político a ser formado em Brunei. Ela foi formada em 12 de abril de 1946. Os objetivos do partido eram de "preservar a soberania do sultão e do país, e para defender os direitos dos malaios".[45] BARIP também contribuiu para a formação do Hino Nacional do país. O partido foi dissolvido em 1948 devido à inatividade.

Em 1959, uma nova constituição foi escrita declarando Brunei um estado de auto-governo, enquanto suas relações exteriores, segurança e defesa permanecessem por responsabilidade do Reino Unido.[6] Houve uma pequena rebelião contra a monarquia, em 1962, que foi suprimida com a ajuda do Reino Unido. Este evento ficou conhecido como a Revolta de Brunei e foi em parte responsável pelo fracasso para a criação da Federação do Bornéu do Norte. A rebelião parcialmente afetou a decisão de Brunei optar por sair da Federação da Malásia.[6]

Brunei ganhou sua independência do Reino Unido em 1 de janeiro de 1984.[6] O Dia Nacional oficial, que celebra a independência do país, no entanto, é realizada em 23 de fevereiro, devido à tradição.

Criação da constituição[editar | editar código-fonte]

Em julho de 1953, o Sultão Omar Ali Saifuddien III formou uma comissão de sete membros nomeados Tujuh Serangkai para encontrar o ponto de vista dos cidadãos a respeito de uma constituição escrita para Brunei. Em maio de 1954, uma reunião com a presença do sultão, o residente e o Alto Comissariado foi realizada para discutir as conclusões da comissão. Em março de 1959, o sultão Omar Ali Saifuddien III liderou uma delegação a Londres para discutir a proposta de Constituição.[46] A delegação britânica foi liderada por Sir Alan Lennox-Boyd, que era o Secretário de Estado para as Colônias. O Governo britânico depois aceitou o projeto de Constituição. Em 29 de setembro de 1959, do Acordo de Constituição foi assinado em Bandar Seri Begawan. O acordo foi assinado pelo Sultão Omar Ali Saifuddien III e Sir Robert Scott, o Comissário-Geral para o Sudeste Asiático. Alguns dos pontos da constituição foram:[32]

  • O sultão será feito o Chefe Supremo do Estado.
  • Brunei será responsável por sua administração interna.
  • O Governo britânico é agora responsável para assuntos estrangeiros e defesa apenas.
  • O cargo de Residente foi abolido e substituído por um alto comissário britânico.

Cinco conselhos foram também criados:[47]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa topográfico de Brunei.

O Brunei está localizado na costa norte da ilha do Bornéu. Está dividido em dois territórios separados apenas pela baía do Brunei, ambos com a costa norte para o mar da China meridional, e partilha uma fronteira de 381 km com a Malásia.[48] Tem 500 km2 de águas territoriais, e uma zona náuticas econômica exclusiva de 200 milhas.

O Brunei consiste de duas partes sem ligação. Cerca de 97% da população vive na parte maior, a ocidente, enquanto que só 10 000 pessoas vivem na parte leste, montanhosa, que constitui o distrito de Temburong. As cidades principais são a capital, Bandar Seri Begawan (cerca de 46 000 habitantes), a cidade portuária de Muara e Seria.[49] [50] Outras cidades importantes são a cidade portuária de Muara, a cidade produtora de petróleo da Seria e sua cidade vizinha, Kuala Belait.

O ponto mais alto do país é o Bukit Pagon (1850 m de altitude), no extremo sul da parte oriental do país, sobre a fronteira com a Malásia.

A maioria do território do Brunei está dentro da planície de chuva das florestas do Bornéu, uma ecorregião que cobre a maior parte da ilha, mas existem áreas de florestas tropicais de montanha do interior.[51]

O clima no Brunei é tropical, com temperaturas e humidade atmosférica elevadas e muita chuva. O clima de Brunei é tropical equatorial.[48] A temperatura média anual é de 26,1°C (79,0°F), com a média de abril a maio de 24,7°C (76,5 ° F) e da média de outubro a dezembro de 23,8 ° C (74,8°F).[52]

Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima (°C) 25.8 24.8 27.2 27.1 27.5 27.1 28.4 28.3 28.0 26.5 24.4 24.0
28.3
Temperatura mínima (°C) 22.1 22.0 22.5 23.9 23.9 24.7 24.1 24.3 25.3 23.1 22.2 23.6
26.2
precipitação média (mm) 277.7 138.3 113.0 200.3 239.0 214.2 228.8 215.8 257.7 319.9 329.4 343.5
2873.9

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

O Brunei está dividido em quatro distritos, chamados de "daerah". Os distritos estão subdivididos em 38 mukims (províncias):[53]

Distritos do Brunei
Classificação[54] Mukim População Cidade/subdivisão Distrito
1 Sengkurong 62,400 Jerudong e Bandar Seri Begawan Brunei-Muara
2 Gadong A & Gadong B 59,610 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara
3 Berakas "A" 57,500 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara
4 Kuala Belait 35,500 Kuala Belait Belait
5 Seria 32,900 Seria Town (Pekan Seria) Belait
6 Berakas B 23,400 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara
7 Sungai Liang 18,100 None Belait
8 Pengkalan Batu aprox. 15,000 None Brunei e Muara
9 Kilanas aprox. 14,000 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara
10 Kota Batu 12,600 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara
11 Pekan Tutong 12,100 Pekan Tutong Tutong
12 Mentiri 10,872 None Brunei e Muara
13 Serasa aprox. 10,000 Muara Town (Pekan Muara) Brunei e Muara
14 Kianggeh 8,540 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara
15 Burong Pinggai Ayer aprox. 8,200 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara
16 Keriam 8,000 None Tutong
17 Lumapas 7,458 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara
18 Kiudang 7,000 None Tutong
19 Saba aprox. 6,600 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara
20 Sungai Kedayan aprox. 6,000 Bandar Seri Begawan Brunei e Muara

Demografia[editar | editar código-fonte]

Evolução gráfica da população de Brunei.

A população de Brunei, em julho de 2011 foi de 401.890 dos quais 76% vivem em áreas urbanas. A expectativa de vida média é de 76,37 anos.[19] Em 2004, 66,3% da população eram malaios, 11,2% eram chineses, 3,4% eram indígenas, com grupos menores que compõem o resto.[19]

A língua oficial de Brunei é o malaio. Há apelos para expandir o uso da língua em Brunei.[55] A principal língua falada é o Melayu Brunei (Brunei Malaio). O Brunei malaio é bastante divergente do padrão malaio e do resto dos dialetos malaios, sendo cerca de 84% cognato com a norma malaia,[56] e é principalmente mutuamente ininteligíveis á ele.[57] Inglês e chinês (com vários dialetos) também são amplamente falados, o inglês também é usado nos negócios e como a língua de ensino do primário ao ensino superior,[58] [59] [60] [61] e há uma relativamente grande comunidade expatriada.[62] Bahasa Rojak, muitas vezes falado pelo povo e em alguns programas de rádio populares, é conhecido como uma "língua mista" e considerado por alguns a ser prejudicial para o malaio normal.[63] Outras línguas faladas incluem o Kedayan, Tutong, Murut, Dusun e o Iban.[56]

O Islã é a religião oficial do Brunei, e dois terços da população adere ao Islamismo. Outras religiões praticadas são o budismo (13%, principalmente pelos chineses) e cristianismo (10%).[19] O pensamento livre, principalmente por parte dos chineses, forma cerca de 7% da população. Embora a maior parte deles praticam alguma forma de religião com elementos do budismo, confucionismo e Taoismo, eles preferem se apresentar como tendo a religião não declarada oficialmente, portanto, considerados como ateus nos censos oficiais. Os seguidores de religiões indígenas são cerca de 2% da população.[64]

Política e governo[editar | editar código-fonte]

Hassanal Bolkiah, atual Sultão e Primeiro-ministro de Brunei.

Brunei é constitucionalmente um sultanato. Tem um sistema jurídico baseado no direito comum Inglês, embora substituindo este em alguns casos pela charia islâmica.[49]

O sistema político do país é regido pela Constituição e pela tradição da monarquia islâmica malaia, o conceito de "Melayu Islam Beraja" (MIB). Os três componentes cobertos pela MIB são a cultura malaia, a religião islâmica e o quadro político sob a monarquia.

Não existe um parlamento eleito mas, em Setembro de 2004, o Sultão convocou um conselho legislativo nomeado por ele. O sultão é o chefe de estado e de governo do país; o atual sultão, Hassanal Bolkiah,[65] foi coroado em 1984 e tem como herdeiro legitimo designado seu filho mais velho, o príncipe Al-Muhtadee Billah, que também possui cargos na política de seu país.

Desde a formação da Constituição de 1959, o sultão possui autoridade executiva plena - incluindo poderes de emergência desde 1962 -, que é renovado a cada 2 anos.[49]

Relações Exteriores[editar | editar código-fonte]

Embaixada do Brunei em Moscou, Rússia.

O Brunei aderiu à Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) em 7 de janeiro de 1984 - uma semana após retomar a plena independência - e dá a sua adesão à ASEAN a mais alta prioridade nas suas relações externas.[49] Com seus laços tradicionais com o Reino Unido, tornou-se o membro 49 da Commonwealth imediatamente no dia da sua independência em 1 de Janeiro de 1984[66] . Mais tarde juntou-se à Organização das Nações Unidas na 39 ª Sessão da Assembléia Geral das Nações Unidas e tornou-se um membro pleno em 21 de setembro de 1984 como um meio para obter o reconhecimento de sua soberania e independência total da comunidade mundial[67] .

Brunei é reconhecido por todas as nações do mundo. Ele compartilha uma estreita relação particular com as Filipinas e outros países, como Singapura. Em abril de 2009, Brunei e Filipinas assinaram um Memorando de Entendimento (MOU), que visa reforçar a cooperação bilateral entre os dois países nos domínios da agricultura e fazenda relacionada comerciais e de investimentos[68] .

Brunei é uma das muitas nações que reivindicam algumas das disputadas Ilhas Spratly.[69] O estado de Limbang como parte de Sarawak foi disputada por Brunei desde que a área foi anexada, em 1890.[69] A questão teria sido resolvida em 2009, com o Brunei concordando em aceitar a fronteira em troca de desistir das reivindicações de campos de petróleo para a Malásia em águas bruneianas.[70] O governo, porém, nega e diz que sua reivindicação sobre Limbang nunca foi abandonada.[71] [72]

Corrupção[editar | editar código-fonte]

Em 1998, o príncipe Jefri Bolkiah, irmão mais novo do sultão, foi afastado de empresas estatais por má adminstração e pela falência de uma empresa estatal, a Amedeo Development Corporation, que acumulou prejuízos de US$ 14,8 bilhões e 23 mil novos desempregados[73] . O sultão, que antes era considerado um dos homens mais ricos do mundo, teve sua fortuna diminuída de US$ 40 bilhões para US$ 10 bilhões.[73] Ele então processou o irmão, que desde 2004 vive em exílio.

Símbolos nacionais[editar | editar código-fonte]

A bandeira nacional foi criada a 29 de setembro de 1959 quando o território era um protectorado britânico.[74] Quando o Brunei obteve a sua independência definitiva, a 1 de Janeiro de 1984 esta bandeira foi adoptada oficialmente.[75] Esta é composta por uma bandeira amarela atravessada no sentido do canto superior esquerdo para o canto inferior direito por duas listras de cor preta e branca (a branca por cima) e ao centro o escudo do país. O escudo é constituído por uma meia-lua, que representa o Islão, do guarda-sol real (chamado Payung Ubor-Ubor) que representa a monarquia, as luvas nas laterais e, por baixo, a inscrição em árabe Brunei Darussalam y la shahada.[74]

O brasão de armas é destacado na Bandeira do Brunei. Ele foi originalmente adoptado em 1932[76] . Há cinco componentes principais no brasão nacional. Eles são a bandeira, a cúpula real, o ala, as mãos, e as crescentes. Sobre o crescente está escrito, em escrita árabe, o lema nacional: "Sempre em serviço com orientação de Deus".[76] Abaixo está uma bandeira com o nome da nação, também escrita em árabe, "Brunei Darussalam" ou Brunei, terra de paz. As asas simbolizam protecção da justiça e da paz. Abaixo destes está o crescente que é o símbolo do Islão, a religião nacional de Brunei. As mãos simbolizam o governo que tem o dever de proteger as pessoas.[76]

Allah Peliharakan Sultan é a denominação oficial dada pelo sultão de Brunei ao seu hino nacional.[75]

Economia[editar | editar código-fonte]

Jalan Sultan ("Rodovia do Sultão") em Bandar Seri Begawan.

Esta pequena e rica economia é uma mistura de empreendedorismos estrangeiros e domésticos, regulamentações governamentais, medidas de bem-estar e tradições de aldeias.[77]

A economia de Brunei baseia-se, fundamentalmente, nas exportações dos seus recursos minerais: o petróleo, gás natural (primeiro país em exportação de gás liquefeito) e carvão. Também há exportação florestal e a pesca.[78] Sua agricultura é de tipo tropical com cultivo de arroz, coco e caucho. A principal riqueza do Brunei é o petróleo, descoberto na região em 1929 e que contribui para mais de metade do produto nacional bruto. Brunei faz parte do tratado internacional chamado APEC (Asia-Pacific Economic Cooperation), um bloco econômico que tem por objetivo transformar o Pacífico numa área de livre comércio e que engloba economias asiáticas, americanas e da Oceania.[49]

A produção de petróleo bruto e gás natural responde por cerca de 90% do seu PIB. Mais de 167.000 barris de petróleo são produzidos diariamente, tornando Brunei o quarto maior produtor de petróleo do Sudeste Asiático.[49] Também produz cerca de 895 milhões de pés cúbicos de gás natural liquefeito por dia, tornando o Brunei o nono maior exportador da produto no mundo.[50]

Cerca de 30% dos habitantes trabalham para o Governo do Sultão e não existem impostos sobre a renda de seus habitantes. A educação, a saúde e a moradia são gratuitas; os que não têm moradia podem se cadastrar para receber uma moradia popular com 200 metros quadrados.[79] [50]

Para alcançar sua meta de auto-suficiência alimentar, Brunei reativou em abril de 2009 seu ambicioso projeto de plantação de arroz.[80] Em agosto de 2009, a Família Real colheu os primeiros grãos, após anos e várias tentativas para aumentar a produção local de arroz - uma meta idealizada meio século antes.[81] Em julho de 2009, o país lançou um plano nacional de plantação Halal, com o objetivo de exportar para mercados estrangeiros.[82]

Mídia[editar | editar código-fonte]

A mídia em Brunei é extremamente pró-governo. O país tem sido classificado pelo status de "não livre" pela Freedom House; críticas da imprensa ao governo e a monarquia são raros.[83] No entanto, a imprensa não é abertamente hostil a pontos de vista alternativos e não se restringe a publicação de artigos apenas em relação ao governo. Em 1953, o governo permitiu a criação de uma empresa de impressão e publicação, a Brunei Press PLC. A empresa continua a imprimir o diária Boletim de Bornéu em inglês. Este trabalho começou como um jornal semanal local e tornou-se um diário em 1990.[84] Além do Boletim de Bornéu, há também a Media Permata, o jornal malaio local que circula diariamente. The Brunei Times é outro jornal inglês independente publicado em Brunei Darussalam desde 2006.[85]

O governo de Brunei é proprietário e opera seis canais de televisão, com a introdução da TV digital usando DVB-T (RTB 1, RTB 2, RTB 3 (HD), RTB 4, 5 e RTB RTB New Media (Game portal) e cinco estações de rádio (National FM, Pilihan FM, Nur Islam FM, Harmony FM e Pelangi FM). Uma empresa privada tem feito televisão por cabo disponível (Astro-Kristal),[84] bem como uma estação de rádio privada, Kristal FM. Ela também tem um campus online estação de rádio, UBD FM que dimana da sua primeira universidade, Universidade do Brunei Darussalam.[86]

Defesa[editar | editar código-fonte]

Brunei mantém três batalhões de infantaria estabelecidos em todo o país.[6] A Marinha de Brunei tem vários "ijtihad", uma classe de barcos-patrulha comprados de um fabricante alemão. O Reino Unido também mantém uma base em Seria, o centro da indústria do petróleo em Brunei. Um batalhão Gurkha consistindo de 1500 pessoas está estabelecido lá.[6] Militares do Reino Unido estão localizados naquela região sob um acordo de defesa assinado entre os dois países.[6]

Um helicóptero Bell 212 operado pela Força Aérea caiu em Kuala Belait em 20 de Julho de 2012, com a perda de 12 dos 14 tripulantes a bordo. A causa do acidente ainda está para ser determinada.[87] O acidente é o pior incidente da aviação na história do Brunei.[88]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Aeroporto Internacional de Brunei

Os centros populacionais do país estão ligados por uma rede de 2.800 quilômetros de estrada. A rodovia de 135 km da Cidade Muara até Kuala Belait está sendo atualizado para uma via dupla.[84]

Brunei é acessível pelo mar, ar e transporte terrestre. O Aeroporto Internacional de Brunei é o principal ponto de entrada para o país. A Royal Brunei Airlines[89] é a transportadora nacional. Há uma outra pista, o Airfield Anduki, localizado na Seria. O terminal de ferry possui ligações regulares dos serviços de Muara até Labuan (Malásia).[90] Lanchas fornecem o transporte de passageiros e mercadorias para o distrito Temburong. A principal rodovia que atravessa Brunei é a estrada de Tutong-Muara. A rede rodoviária do país é bem desenvolvida. Brunei tem um porto marítimo principal localizada em Muara.[6]

Com um carro particular para cada 2,09 pessoas, Brunei Darussalam tem uma das maiores taxas de propriedade de automóveis do mundo. Isto tem sido atribuído à ausência de um sistema global de transporte, taxas de importação e baixo preço da gasolina sem chumbo - menos de 0,53 dólares de Brunei por litro.[84]

Saúde[editar | editar código-fonte]

A saúde no Brunei é paga, embora custe menos de 1 dólar bruneiano por consulta para cada cidadão.[91] Um centro de saúde criado pela Brunei Shell Petroleum está localizado em Panaga. Quando a assistência médica no país é indisponível, os cidadãos são enviados ao exterior às custas do governo.[91]

O maior hospital de Brunei é Raja Isteri Pengiran Anak Saleha Hospital (RIPAS), hospital que possui 538 leitos,[91] situa-se na capital do país, Bandar Seri Begawan. Há dois centros privados de médicos, Gleneagles JPMC Sdn Bhd.[92] e Jerudong Park Centro Médico. O Centro de Promoção da Saúde foi inaugurado em novembro de 2008 e serve para educar o público sobre a importância de uma vida saudável.[93]

Atualmente não existe uma faculdade de medicina no Brunei, e os bruneanos que desejam tal formação frequentam universidades no exterior. No entanto, foi aberto o Instituto de Medicamentos na Universidade de Brunei Darussalam, com um novo prédio construído para a faculdade. O prédio inclui instalações de laboratório e pesquisa e foi concluído em 2009. Há ainda uma Escola de Enfermagem, funcionando desde 1951.[94] Uma equipe de 58 enfermeiros gerentes foi formada em RIPAS para melhorar o serviço e fornecer cuidados médicos complementares.[95] Em dezembro de 2008, a faculdade de enfermagem se fundiu com o Instituto de Medicamentos da Universidade de Brunei Darussalam para formar mais enfermeiros e parteiras.[96] Ele agora é chamado de Instituto de Ciências da Saúde, o PAPRSB (Pengiran Anak Puteri Rashidah Sa'datul Bolkiah).[97]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Museu real de Regalie

A cultura de Brunei é predominantemente malaia (refletindo sua etnia), com influências pesadas do Islã, mas é visto como mais conservadora do que a Malásia.[98]

A cultura do país é essencialmente derivada do Velho Mundo malaio, que abrangeu o arquipélago malaio e deste surgiu o que é conhecido como a Civilização malaia. Baseada em fatos históricos, vários elementos culturais e civilizações estrangeiras tiveram uma mão na influência da cultura deste país. Assim, a influência da cultura pode ser atribuída a quatro períodos dominantes de animismo, hinduísmo, islamismo e do Ocidente. No entanto, foi o Islã que conseguiu encerrar suas raízes profundamente na cultura de Brunei, portanto, tornou-se um modo de vida e adotou como ideologia do Estado e da filosofia.[99]

Com a Charia no país, a venda e o consumo público de álcool são proibidos.[100] Os não-muçulmanos estão autorizados a trazer em uma quantidade limitada de álcool a partir de seu ponto de embarque no exterior para seu próprio consumo.[84] A taxa de criminalidade é baixíssima: nos últimos seis anos ocorreram apenas 3 assassinatos, e o tráfico de drogas é punido com pena de morte.[101]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

O país tem hábitos alimentares bem diferentes. As frutas mais comuns são a famosa carambola, a banana e a graviola e os pratos são extremamente exóticos, os mais comuns nos restaurantes das cidades Bruneianas são de origem árabe, mistura-se bastante frutas com legumes e os grelhados também são optados pelo povo de Brunei.

Vestuário[editar | editar código-fonte]

Os hábitos de vestimenta são bastante incomuns aos países ocidentais. As mulheres usam roupas bem estampadas, misturando muitas cores e complementando com o hijab (véu) que é adotado devido as tradições islâmicas do país, onde a mulher é bastante reservada quanto às vestimentas. Os homens por sua vez utilizam roupas em tons mais discretos, sendo o baju (camisa comprida e de mangas longas) e o songkok[102] (chapéu malaio, semelhante ao fez turco) a vestimenta tradicional.[102] Já o serban (turbante) é geralmente usado em ocasiões festivas. É interessante ressaltar que apesar de essas roupas serem “tradicionalistas” não é toda a população do país que utiliza rigorosamente esse tipo de roupa, até porque o país, ainda seja em maior quantidade de origem malaia, possui mais de uma origem.

Feriados[103]
Data Nome em português Nome local Observações
1 de Janeiro Início do ano novo Passagem de ano
23 de Fevereiro Dia da independência Celebração da independência de Brunei em relação à Grã-Bretanha
Dia da Ascenção 16 de Maio (2014) Israk Mikraj
Dia das Reais Forças Armadas de Brunei 31 de Maio
18 de Junho (2014) Início do Ramadão
15 de Julho Aniversário do Sultão
18 de Julho (2014) Fim do Ramadão Hari Raya Aidil Fitri
23 de Setembro (2014) Dia do sacrifício Hari Raya Aidil Adha Comemoração do dia em que Abraão recebeu a ordem de deus para sacrificar o seu filho
13 de Outubro (2014) Ano novo islâmico Al-Hijra
25 de Dezembro Natal

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal do Brunei

Referências

  1. Dicionário de Gentílicos e Topónimos (em português) Portal da Língua Portuguesa. Visitado em 06 de julho de 2012.
  2. Article 82, Section 1, Constitution of Brunei Darussalam (1959)
  3. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 2 de agosto de 2014.
  4. Haggett, Peter. Encyclopedia of World Geography, Volume 1 (em ). [S.l.]: Marshall Cavendish, 2001. 3456 pp. p. 2913. Visitado em 21 de junho de 2012.
  5. Serviço das Publicações da União Europeia. Anexo A5: Lista dos Estados, territórios e moedas Código de Redacção Interinstitucional. Visitado em 1 de maio de 2012.
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas U.S._DOS
  7. Pocock, Tom. Fighting General – The Public &Private Campaigns of General Sir Walter Walker (em ). 1ª. ed. Londres: Collins, 1973. ISBN 0-00-211295-7.
  8. Human Development Reports (em inglês) Nações Unidas. Visitado em 21 de junho de 2012.
  9. Forbes ranks Brunei fifth richest nation (em inglês) The Brunei Times The Jakarta Post (25 de fevereiro de 2012). Visitado em 21 de junho de 2012.
  10. a b Treasuring Brunei's past (em inglês) Southeast Asian Archaeology (8 de março de 2007). Visitado em 9 de julho de 2012.
  11. History for Brunei 2009, pp. 41
  12. Saunders 2002, pp. 20
  13. Saunders 2002, pp. 21
  14. History for Brunei 2009, pp. 43
  15. History for Brunei 2009, p. 44
  16. History for Brunei 2009, p. 45
  17. (2011) "Brunei" (HTML) (em inglês). CIA World Factbook. ISSN 1553-8133. Visitado em 14 de fevereiro de 2013.
  18. Nicholl 2002, pp. 47–51
  19. a b c d e (2011) "Brunei" (em inglês). CIA World Factbook. Visitado em 08 de maio de 2012.
  20. Melo Alip 1964, p. 201,317
  21. United States War Dept 1903, p. 379
  22. McAmis 2002, p. 33
  23. Letter from Francisco de Sande to Felipe II, 1578 (em inglês) filipiniana.net web.archive.org. Visitado em 19 de março de 2013.
  24. Frankham 2008, p. 278
  25. Atiyah 2002, p. 71
  26. Saunders 2002, pp. 54–60
  27. Saunders 2002, p. 57
  28. Saunders 2002, pp. 57–58
  29. Oxford Business Group 2009, p. 9
  30. History for Brunei, p. 52
  31. History for Brunei 2009, p. 58
  32. a b History for Brunei 2009, p. 59
  33. History for Brunei 2009, p. 67
  34. History for Brunei 2009, pp. 12
  35. History for Brunei 2009, pp. 13
  36. a b History for Brunei 2009, pp. 14
  37. History for Brunei 2009, pp. 15
  38. Berry, Rob. Macmillan Atlas. [S.l.: s.n.], 2008. p. 15. ISBN 1420209957.
  39. Brunei under the Japanese occupation, Rozan Yunos, Brunei Times, Bandar Seri Begawan, 29 de junho de 2008
  40. The Japanese Interregnum..., Graham Saunders, A history of Brunei, 2ª Edição, ilustrada, reimpressão, Routledge, 2002, página 129, ISBN 070071698X, 9780700716982
  41. Sidhu, Jatswan S.. Historical Dictionary of Brunei Darussalam (em ). 2ª. ed. [S.l.]: Scarecrow Press, 2009. Capítulo: Japanese occupation. p. 115. ISBN 0810870789.
  42. History for Brunei 2009, p. 79
  43. a b History for Brunei 2009, p. 80
  44. History for Brunei 2009, p. 81
  45. A History of Brunei. Sultan Sir Haji Omar Ali Saifuddien - Biography (em ). [S.l.]: Routledge, 2002. p. 131. ISBN 0-7007-1698-X. Visitado em 15 de abril de 2013.
  46. History for Brunei 2009, pp. 98
  47. History for Brunei 2009, p. 100
  48. a b Brunei - Geografia (em português) UOL - Educação. Visitado em 7 de março de 2012.
  49. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Department_of_State
  50. a b c Brunei (em português) Infopédia. Visitado em 06 de julho de 2012.
  51. Country Profile (em inglês). Visitado em 06 de julho de 2012.
  52. 2001 Summary Tables of the Population Census. Department of Statistics, Brunei Darussalam
  53. Jabatan Perangkaan; District Statistics. Brunei Darussalam Statistical Yearbook (em ). [S.l.]: Governo do Brunei, 2010. Visitado em 15 de janeiro de 2013.
  54. District Statistics. Brunei Darussalam Statistical Yearbook (em ). [S.l.]: Governo de Brunei, 2010.
  55. Expand Use of Malay Language (em inglês) rtbnews.rtb.gov.bn (18 de outubro de 2010). Visitado em 05 de fevereiro de 2013.
  56. a b P. W. Martin and G. Poedjosoedarmo (1996). An overview of the language situation in Brunei Darussalam. In P. W. Martin, C. Ozog & G. Poedjosoedarmo (Eds.), Language use & language change in Brunei Darussalam (pp. 1–23). Athens, Ohio: Ohio University Center for International Studies. p. 7.
  57. A. Clynes e D. Deterding. (2011). "Standard Malay (Brunei)" (em inglês). Journal of the International Phonetic Association 14 (2): 259–268. DOI:10.1017/S002510031100017X. Visitado em 05 de fevereiro de 2013.
  58. Gruyter, Mouton De. english Wei, Li: Applied Linguistics Review (em ). [S.l.]: Walter de Gruyter, 2011. Capítulo: medium of instruction in primary brunei. 334 pp. p. 100. 2 vols. ISBN 3110239337. Visitado em 06 de fevereiro de 2013.
  59. Ain Bandial (22 de setembro de 2010). Change in medium of instruction cause of poor Maths results (em inglês) The Brunei Times. Visitado em 05 de fevereiro de 2013.
  60. A. C. K. Ozog (1996). The unplanned use of English: The case of Brunei Darussalam. In P. W. Martin, C. Ozog & G. Poedjosoedarmo (Eds.), Language use & language change in Brunei Darussalam (pp. 156–166). Athens, Ohio: Ohio University Center for International Studies.
  61. K. Dunseath(1996). Aspects of language maintenance and language shift among the Chinese community in Brunei. In P. W. Martin, C. Ozog & G. Poedjosoedarmo (Eds.), Language use & language change in Brunei Darussalam (pp. 280–301). Athens, Ohio: Ohio University Center for International Studies ISBN 0896801934.
  62. Brunei Statistical Yearbook (em ). [S.l.]: depd.gov.bn. p. 13.
  63. Official calls to preserve Brunei Malay language. The Brunei Times (21 October 2009)
  64. 2010 Brunei Statistical Yearbook (em ). [S.l.]: Governo do Brunei, 2010. 19 pp. Visitado em 24 de julho de 2012.
  65. Taraborrelli, J. Randy. Michael Jackson: a magia e a loucura (em ). São Paulo: Globo, 2005. 670 pp. ISBN 85-250-4041-X.
  66. MOFAT, Commonwealth (em inglês) (30 de março de 2010). Visitado em 21 de junho de 2012. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2010.
  67. Background Note:Brunei Darussalam/Profile:/Foreign Relations (em inglês) United States State Department. Visitado em 21 de junho de 2012.
  68. RP, Brunei sign farm-cooperation deal (em inglês). Visitado em 21 de junho de 2012.
  69. a b Disputes – International (em inglês) CIA. Visitado em 21 de janeiro de 2013.
  70. Leong Shen-Li (09 de maio de 2010). A tale of two oil blocks (em inglês) The Star. Visitado em 21 de janeiro de 2013.
  71. Azlan Othman. Brunei Denies Limbang Story (em inglês) sultanate.com. Visitado em 21 de janeiro de 2013.
  72. Brunei Denies Limbang Story (em inglês) MySinchew (19 de março de 2009). Visitado em 21 de janeiro de 2013.
  73. a b Acusado de corrupção, príncipe bilionário pode ficar pobre (em português) BBC Globo.com (25 de março de 2008). Visitado em 24 de julho de 2012.
  74. a b Brunei flag and description (em inglês) World Atlas. Visitado em 25 de julho de 2012.
  75. a b Bandeira de Brunei (em português) Web Busca. Visitado em 25 de julho de 2012.
  76. a b c Željko Heimer; Christopher Southworth - Mark Sensen. Sultanate of Brunei, Negara Brunei Darussalam (em inglês) Flags of the World. Visitado em 25 de julho de 2012.
  77. Brunei Darussalam – Programme and Management (PDF) (em inglês) WHO Western Pacific Region. Visitado em 23 de janeiro de 2013.
  78. Brunei Darussalam – Programme and Management (PDF) (em inglês) WHO Western Pacific Region. Visitado em 21 de junho de 2012.
  79. Casas populares em Brunei têm cerca de 200 m² (em português) Globo.com (09 de abril de 2010). Visitado em 06 de julho de 2012.
  80. Ubaidillah Masli; Goh De Noand Faez Hani BRUNEI-MUARA (28 de abril de 2009). 'Laila Rice' to Brunei's rescue (em inglês) The Brunei Times. Visitado em 29 de julho de 2012.
  81. HM inaugurates Laila harvest (em inglês) The Brunei Times (4 de agosto de 2009). Visitado em 29 de julho de 2012.
  82. Hadi Dp Mahmud (1 de agosto de 2009). Brunei pioneers national halal branding (em inglês) The Brunei Times. Visitado em 29 de julho de 2012.
  83. Freedom Of The Press - Brunei (2006) (em inglês) Freedomhouse.org web.archive.org. Visitado em 23 de janeiro de 2013.
  84. a b c d e About Brunei (em inglês) Bruneipress.com.bn (30 de julho de 1998). Visitado em 23 de janeiro de 2013.
  85. Main page (em inglês) The Brunei Times. Visitado em 29 de janeiro de 2013.
  86. UBD FM - The Station For The Next Generation (em inglês) UBD Radio Website. Visitado em 30 de janeiro de 2013.
  87. 12 killed in Brunei helicopter crash (em inglês) CNN Wire Staff CNN.com (21 de julho de 2012). Visitado em 30 de janeiro de 2013.
  88. Acidente com Helicóptero militar em Brunei deixa 12 mortos (em português) AP, Reuters e EFE G1 (21 de julho de 2012). Visitado em 30 de janeiro de 2013.
  89. Royal Brunei (em inglês) Royal Brunei Airlines. Visitado em 01 de fevereiro de 2013.
  90. Speedboat services to and from Temburong (em inglês) Borneo Bulletin (03 de setembro de 2011). Visitado em 01 de janeiro de 2013.
  91. a b c Brunei Sultan Haji Hassanal Bolkiah Mu'izzaddin Waddaulah Handbook (em ). [S.l.]: Governo de Brunei Darussalam, 2007. p. 35. ISBN 1433004445. Visitado em 08 de fevereiro de 2013.
  92. Gleneagles JPMC (em inglês) gleneaglesjpmc.com.. Visitado em 10 de fevereiro de 2013.
  93. HRH visits Health Promotion Centre (em inglês) Bandar Seri Begawan The Brunei Times. Visitado em 10 de fevereiro de 2013.
  94. T. S. Sorokina. (2006). "Nursing staff education in Brunei" (em inglês). Problemy sotsial'noi gigieny, zdravookhraneniia i istorii meditsiny (3): 51–3. PMID 17004384.
  95. 58 nurse managers appointed (em inglês) The Brunei Times (19 de março de 2009). Visitado em 12 de fevereiro de 2013.
  96. Hadi Dp Mahmudbandar Seri Begawan (06 de dezembro de 2008). Problem needs nursing with care (em inglês) The Brunei Times. Visitado em 12 de fevereiro de 2013.
  97. Institute of Medicine (em inglês) UBD. Visitado em 12 de fevereiro de 2013.
  98. International Religious Freedom Report 2006 (em inglês) United States Department of State. Visitado em 19 de junho de 2012.
  99. Language and Culture (PDF) (em inglês) jpm.gov.bn (28 de maio de 2009). Visitado em 06 de fevereiro de 2013.
  100. Language and Culture (PDF) (em português) Archive.org (28 de maio de 2009). Visitado em 19 de junho de 2012.
  101. Glória Maria (09/04/10). Brasileiro revela dificuldade na hora de paquerar em Brunei (em português) Globo.com. Visitado em 06 de julho de 2012.
  102. a b Rozan Yunos (23 de setembro de 2007). The origin of the songkok or 'kopiah' (em inglês) The Brunei Times. Visitado em 23 de janeiro de 2013.
  103. http://www.worldtravelguide.net/brunei/public-holidays

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage