Buritizeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde novembro de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Município de Buritizeiro
Bandeira de Buritizeiro
Brasão de Buritizeiro
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 3 de março de 1963
Gentílico buritizeirense
Prefeito(a) Luiz Carneiro de Abreu Júnior (PTC)
(2013–2016)
Localização
Localização de Buritizeiro
Localização de Buritizeiro em Minas Gerais
Buritizeiro está localizado em: Brasil
Buritizeiro
Localização de Buritizeiro no Brasil
17° 21' 03" S 44° 57' 43" O17° 21' 03" S 44° 57' 43" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Norte de Minas IBGE/2008 [1]
Microrregião Pirapora IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Pirapora, São Romão, Três Marias, João Pinheiro, Lassance, São Gonçalo do Abaeté e Várzea da Palma.
Distância até a capital 365 km
Características geográficas
Área 7 225,595 km² [2]
População 28 071 hab. IBGE/2014[3]
Densidade 3,88 hab./km²
Altitude 500m m
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,659 médio PNUD/2000 [4]
PIB R$ 283 773,368 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 10 517,53 IBGE/2008[5]
Página oficial

Buritizeiro é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Localizado na Mesorregião do Norte de Minas e na Microrregião de Pirapora. Sua população segundo censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística é de 26.921 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

A história de Buritizeiro está relacionada com a criação e o desenvolvimento de Pirapora. Em 1909, um médico mineiro percorria o sertão de Minas Gerais para descobrir possíveis causas do mal do coração, que matava subitamente seus portadores. Suas andanças terminaram às margens do Rio São Francisco, onde hoje se localiza Buritizeiro.

Através da Lei 556, de 30 de agosto de 1911, é criado o município de São Gonçalo das Tabocas, e em 1912, a vila é elevada à condição de cidade, tornando-se rota de importantes correntes migratórias brasileiras.

Em 1920, inicia-se a montagem da ponte Marechal Hermes, com objetivo não alcançado de prolongar a estrada de ferro até Belém do Pará. A construção férrea não foi levada adiante, só retomada em 1922, unindo a então vila (Buritizeiro) ao já emancipado município de Pirapora e ao restante do Brasil. O novo acesso, mais fácil e direto à Pirapora, então centro dinâmico de aglomeração, determinou um novo sentido da ocupação urbana de Buritizeiro, no entorno da ponte.

Em 1923 foi alterada a denominação da cidade, que passou a chamar-se Pirapora. Em 1950 o município de Pirapora contava com os distritos de Buritizeiro, Guaicuí, Lassance e Várzea da Palma, e a população era de 30 mil habitantes.

Aos 20 de janeiro de 1957, foi fundado o Comitê Pró-melhoramento de Buritizeiro, onde posteriormente foi transformado em Comissão Pró-emancipação de Buritizeiro, sendo que ambos tinham como presidente Francisco Ribeiro da Cruz.

Entre 1950 e 1970, ocorreram modificações territoriais nos distritos e municípios. Em 1950, o município de Pirapora constituía cinco distritos: Pirapora (sede), Buritizeiro, Lassance, Guaicuí e Várzea da Palma, sendo que os últimos três foram desmembrados em 1953.

Em 30 de dezembro de 1962, foi criado através da lei n°2764 o município de Buritizeiro, que se tornou dividido em distritos e sub-distritos, destacando-se Cachoeira da Manteiga, Paredão de Minas, Cachoeira do Teobaldo, Lança e São Bento. O espaço urbano passa a concentrar-se apenas na cidade.

O nome da nova cidade se deve à abundância da palmeira buriti (Mauritia vinifera).

A posição de cidade portuária perdurou desde o início do século XX até por volta de 1960, quando a conexão ferroviária-fluvial, que ligava o centro de Minas Gerais ao Nordeste, cedeu lugar ao transporte rodoviário. Quanto à educação no local, destacou-se a atuação da Escola Caio Martins. Sua fundação se iniciou em 1951, quando o Coronel Manoel José de Almeida, ao estar de passagem pela região de Buritizeiro, descobriu um prédio tomado por um matagal e quase que abandonado. Assim, o coronel resolveu aproveitar o prédio para um núcleo da Escola Caio Martins, uma vez que tal instituição já existia na cidade de Esmeraldas. Após um trabalho de pesquisa e visitas de ex-alunos de outros núcleos, a escola foi inaugurada em 2 de janeiro de 1952, que atendia inicialmente aos filhos dos pescadores da cidade, menores abandonados e filhos de pais que não tinham condições de criá-los, sendo tais famílias provenientes de Pirapora, Buritizeiro e região.

No início de suas atividades, a Escola Caio Martins era subordinada a então Secretaria do Interior, sendo posteriormente transferida à Polícia Militar, onde quase perdeu sua finalidade de auxiliar aos menores carentes[8]. Depois, passou a ser de responsabilidade da Secretaria de Educação, situação que se permanece até os dias atuais. Essa escola era considerada de grande valor para Buritizeiro, sendo ponto de referência para reuniões sociais, festejos (já que possuía salão de convenções), apresentações teatrais e reuniões políticas. Funcionava como centro de apoio para toda a comunidade, transportando doentes e gestantes, além de fornecer gratuitamente caixões, fabricados na própria serraria, para os falecidos.

A escola promovia manifestações teatrais e possuía um cinema para diversão dos internos e dos particulares. Existia também um Clube do Menor, onde jovens se reuniam aos domingos para se entrosarem com a comunidade. Com o apoio da sociedade buritizeirense, eram realizadas festas juninas e todos os festejos de época.

Em todo o período após a fundação da Escola Caio Martins, esteve presente a prática do Escotismo pelos menores internos (que moravam dentro das dependências) e externos, pois tal instituição recebeu o nome em homenagem a um escoteiro que faleceu na Serra da Canastra.

A Escola Caio Martins também incentivava os jovens a exercer práticas profissionalizantes, tais como alfaiataria, padaria, marcenaria, serralheria, mecânica e sapataria.

Devido à lei federal n° 4771 de 15 de setembro de 1965, que instituiu o novo código florestal e que proibiu o código desordenado de árvores do cerrado, o município, por se localizar em uma região onde predomina esse tipo de mata, possui diversas espécimes características.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A margem esquerda do São Francisco, tem geografia quase plana. O relevo do município mostra variações entre situações geológicas típicas do cerrado e de serras. Sua vegetação intercala campos de pastagens com pequenas matas naturais, compondo paisagens deslumbrantes.

Localização[editar | editar código-fonte]

A localização geográfica, e no Norte Mineiro, na Zona Geográfica do Norte Mineiro e Alto Médio São Francisco, é propícia ao desenvolvimento dos diferentes ramos da atividade turística, devido a fatores históricos, e o circuito turístico Guimarães Rosa; e econômicos, devido a abundância do gás natural, que definem o imenso potencial dessa região.

O município de Buritizeiro, geograficamente está localizado no Norte de Minas Gerais e Alto Médio São Francisco, encontra-se em área de cerrado e integra o conjunto dos municípios mineiros da RMNE – Região Mineira do Nordeste. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/IBGE, é o 5º maior município em extensão do Estado, com 7 249 km². A população do município, segundo o IBGE é de 27.068 habitantes (2008). Situa-se às margens do rio São Francisco e da rodovia BR-365, em um dos principais eixos rodoviários no que diz respeito à logística de escoamento de produção agrícola nacional. A malha rodoviária liga a região às maiores capitais do país, contando também com a hidrovia do Rio São Francisco, Pirapora (MG), Juazeiro (BA), além da Estrada de Ferro Central do Brasil.

O município é rico em recursos hídricos e confronta com os municípios de Ponto Chique, Santa Fé de Minas, Brasilândia de Minas, João Pinheiro, São Gonçalo do Abaeté, Três Marias, Lassance, Várzea da Palma, Pirapora, Lagoa dos Patos e Ibiaí. (BAGGIO, 2002). As principais fontes econômicas do município estão relacionadas à agricultura e pecuária, todavia, com relevante destaque, cita-se o turismo em diferentes ramos da atividade, devido a fatores históricos, pesca, e ao Circuito Turístico Guimarães Rosa. O município está localizado à margem esquerda do rio São Francisco e conta com mais de 300 km de sua extensão. A história de Buritizeiro está relacionada com a criação e o desenvolvimento de Pirapora, localizada à margem direita.

Sistema rodoviário[editar | editar código-fonte]

As vias de acesso terrestre são adequadas e as rodovias existentes permitem ligações às cidades do país que se inserem em regiões de franco crescimento econômico.

Distância aos principais centros (km):

Distância das cidades vizinhas (km)

Principais rodovias que servem ao município: BR-040, BR-365.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Buritizeiro também é conhecida por suas cachoeiras, sendo que dentre elas se destacam:

  • Cachoeira Grande: localizada na Fazenda Santa Cruz
  • Cachoeira do Córrego da Areia: localizada na Fazenda dos Cristais
  • Cachoeira das Andorinhas
  • Cachoeira do Riacho Doce: localizada na Fazenda dos Cristais
  • Cachoeira do Córrego do Gentil

Entre as cidades de Buritizeiro e Pirapora, as águas do Rio São Francisco passam uma série de corredeiras que se estendem por cerca de 600 metros a partir da Ponte Marechal Hermes. Além da beleza proporcionada pelas quedas d'água, as corredeiras oferecem boas condições para a pesca, por sua vez sendo realizada desde a época dos índios Cariris e que permanece até os dias atuais. É desenvolvido em Buritizeiro um projeto que cria produtos derivados apenas de frutos da região. Dentre esses produtos, fabricam-se doces, geléias, licores, artesanato em geral, etc. A marca dos produtos é denominada Chico Fulô, cujo desenvolvimento faz parte do Projeto Graal Brasil: frutos do cerrado.

Cachoeira das Almas

Buritizeiro também chama a atenção pela variedade de espécies de árvores frutíferas (características do clima quente e árido da região), que produzem frutos em abundância, tais como o pequi, o umbu, o caju. Essa quantidade de árvores é decorrente da publicação da lei federal n° 4771, de 15 de setembro de 1965, que institui o novo código florestal e que proíbe o corte desordenado de árvores do cerrado. Assim, a cidade, construída sobre uma região com esse tipo de mata, não pode derrubar significativa parte das árvores.

Existe também um sítio arqueológico, o Sítio Caixa d'água, na Rua Manuel Conceição de Melo, situado à margem esquerda do Rio São Francisco. Foi identificado em 1975 por uma equipe do IAB (Instituto de Arqueologia Brasileira). No entanto, nessa época não houve comunicação da existência do local ao município. Em 1987, devido à execução de trabalhos de terraplanagem para edificação de uma estação do Serviço Municipal de Abastecimento de Água (SAAE), foi descoberto um abundante material arqueológico por dois moradores da região, Ilídio Rocha e José Carlos Rocha. Para protegê-lo, foi solicitado pelo IPHAN o embargo da obra, o que suspendeu os trabalhos por determinação do então prefeito da cidade Francisco Alves Moreira e do responsável pela obra Nilo M.C. Siqueira. Também foi realizada uma operação de salvamento e resgate pelo Setor de Arqueologia da Universidade Federal de Minas Gerais, através do seu responsável André Prous, que por sua vez enviou dois arqueólogos para uma avaliação do sítio: Maria Elisa Castelhanos Sola e Márcio Alonso, em cooperação com o trabalho do geólogo Wilsred Brandt e de representantes da Prefeitura de Buritizeiro.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Hidrografia

O município está localizado à margem esquerda do rio São Francisco e conta com mais de 300 quilômetros de sua extensão.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa Populacional 2014 Estimativas populacionais para os municípios brasileiros em 01.07.2014. Diário Oficial da União (DOU) (28 de agosto de 2014). Página visitada em 28 de agosto de 2014.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]